Irmãos, Meio-irmãos e Coirmãos - A Dinâmica das Relações Fraternas no Recasamento

Adriana Leônidas de Oliveira e Ceneide Maria de Oliveira Cerveny

Leia na Biblioteca Virtual
Preço:
Parcele em até 6x sem juros no cartão. Parcela mínima de R$ 20,00
FICHA TÉCNICA
Autor(es): Adriana Leônidas de Oliveira e Ceneide Maria de Oliveira Cerveny
ISBN: 978853622950-8
Acabamento: Brochura
Número de Páginas: 308
Publicado em: 28/04/2010
Área(s): Psicologia - Família e Adoção
CONFIRA TAMBÉM
SINOPSE

A obra “Irmãos, meio-irmãos e co-irmãos: a dinâmica das relações fraternas no recasamento” convida o leitor a conhecer a fascinante e diversificada realidade que se constrói no sub-sistema de irmãos, dentro da família, a partir do divórcio e recasamento dos pais. A partir de uma ampla e cuidadosa pesquisa, apoiada na Perspectiva Sistêmica da Família e na Teoria do Apego, as autoras apresentam um panorama atual sobre a família recasada e sobre o vínculo entre irmãos. Mostram o relacionamento fraterno como um processo dinâmico e flexível, com suas possibilidades de transformação ao longo do desenvolvimento humano. Explicam de que maneira a vivência do divórcio e recasamento dos pais modifica a relação entre irmãos biológicos e como se estabelecem as relações entre coirmãos e meio-irmãos, apresentando suas características e os principais fatores que interferem na qualidade das mesmas.

AUTOR(ES)

Adriana Leônidas de Oliveira é  Doutora e Mestra em Psicologia Clínica pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo – PUC/SP; graduada em Psicologia pela Universidade de Taubaté – Unitau/SP. Atua como Professora assistente doutora no Departamento de Psicologia e no Programa de Pós-graduação da Universidade de Taubaté. É autora de capítulo nos livros: Visitando a Família ao longo do Ciclo Vital (2002) e Família e... (2006). É autora, também de vários trabalhos e artigos científicos na área de Psicologia da Família e Psicologia da Saúde.

Ceneide Maria de Oliveira Cerveny é Professora Doutora do Núcleo de Família e Comunidade – Nufac, do Programa de Pós-graduação em Psicologia Clínica da PUC/SP; Professora e Supervisora do curso de Terapia de Casal e Família do Nufac/PUC/SP e Psicoterapeuta individual, de casal e família. É autora e organizadora de diversas obras na área de Psicologia da Família, dentre elas: A Família como Modelo: Desconstruindo a patologia (1994); Família e Ciclo Vital: Nossa realidade em Pesquisa (1997); Visitando a Família ao longo do Ciclo Vital (2002); Família e... (2005, 2006).
 

PORQUE COMPRAR

É uma obra indicada para psicólogos e estudantes de psicologia, terapeutas familiares e profissionais de áreas afins que se interessam e que atuam junto à família contemporânea.

SUMÁRIO

Introdução

Capítulo 1 - Recasamento

1.1 O que é uma família recasada?

1.2 A família recasada numa perspectiva sistêmica

1.2.1 A estrutura da família recasada

1.2.2 Expectativas, crenças e mitos da família recasada

1.2.3 Papéis familiares

1.2.4 Afetividade na família recasada

1.2.5 Fronteiras

1.2.6 A família recasada formada após a morte de um cônjuge

1.2.7 A vivência do recasamento em diferentes fases do ciclo vital

1.2.8 O ciclo vital da família recasada

1.3 A família recasada como objeto de pesquisa: 30 anos de investigação

1.3.1 Literatura estrangeira

1.3.2 Literatura brasileira

1.3.3 Comentários gerais

Capítulo 2 - Teoria do apego: a base para a compreensão dos vínculos afetivos

2.1 Relações vinculares precoces: a teoria do apego

2.1.1 O comportamento de apego

2.1.2 As fases no desenvolvimento do apego

2.1.3 Os padrões de apego

2.1.4 Teoria do apego e teoria sistêmica: um encontro possível

2.2 Os vínculos afetivos ao longo da vida

2.2.1 Os relacionamentos interpessoais e a formação dos vínculos afetivos

2.2.2 Vínculos na infância e adolescência

2.2.3 Vínculos na fase adulta

Capítulo 3 - O vínculo entre irmãos

3.1 Irmão, meio-irmão, coirmão: algumas definições

3.2 Definindo o vínculo fraterno

3.3 Irmãos ao longo da vida: construindo uma memória compartilhada - compartilhando uma memória construída

3.3.1 Formando vínculos na infância

3.3.2 Relações transformadas na adolescência

3.3.3 Seguindo seus caminhos na fase adulta

Capítulo 4 - Irmãos e o recasamento

4.1 Irmãos biológicos, divórcio e recasamento

4.2 Meio-irmãos e coirmãos

Capítulo 5 - Método

5.1 Reflexões sobre a escolha metodológica

5.2 A escolha do método de pesquisa

5.2.1 Participantes

5.2.2 Instrumentos e coleta de dados

5.2.3 Análise dos dados

Capítulo 6 - Apresentando a teoria construída

6.1 Tendo a vida transformada: vivendo o divórcio e o recasamento dos pais

6.2 Vivendo transformações nas relações fraternas: os irmãos biológicos

6.3 Avaliando ganhos e perdas - construindo novas redes de relações fraternas: os coirmãos

6.4 Meio-irmãos ou irmãos por inteiro? Surgindo novas possibilidades de relações

6.5 Irmãos, meio-irmãos e coirmãos: compartilhando, construindo e ressignificando as relações fraternas na família recasada

Capítulo 7 - Discutindo o conhecimento construído

7.1 A perspectiva sistêmica da família recasada e os resultados obtidos

7.2 A teoria do apego e os resultados obtidos

7.3 A literatura sobre as relações fraternas no recasamento e os resultados obtidos

7.4 Concluindo

Considerações finais

Referências

Apêndice A - Protocolo de Participação

Apêndice B - Guia de Entrevista para Grupo Focal

Apêndice C - Carta de Apresentação e História

ÍNDICE ALFABÉTICO

A

  • Adolescência. Relações transformadas na adolescência
  • Adolescência. Vínculos na infância e adolescência
  • Adulto. Seguindo seus caminhos na fase adulta.
  • Afetividade. Vínculos afetivos ao longo da vida.
  • Afetividade na família recasada
  • Apego. Comportamento de apego
  • Apego. Fases no desenvolvimento do apego.
  • Apego. Padrões de apego
  • Apego. Teoria do apego: a base para a compreensão dos vínculos afetivos
  • Apego. Teoria do apego e os resultados obtidos
  • Apego. Um encontro possível. Teoria do apego e teoria sistêmica.
  • Apêndice A. Protocolo de Participação.
  • Apêndice B. Guia de Entrevista para Grupo Focal
  • Apêndice C. Carta de Apresentação e História
  • Apresentando a teoria construída
  • Avaliando ganhos e perdas. Construindo novas redes de relações fraternas: os coirmãos

C

  • Carta de Apresentação e História. Apêndice C
  • Casamento. Estrutura da família recasada.
  • Casamento. Família recasada. O que é uma família recasada?
  • Casamento. Família recasada numa perspectiva sistêmica.
  • Casamento. Irmãos biológicos, divórcio e recasamento
  • Casamento. Irmãos e o recasamento.
  • Casamento. Literatura sobre as relações fraternas no recasamento e os resultados obtidos
  • Casamento. Tendo a vida transformada: vivendo o divórcio e o recasamento dos pais.
  • Casamento. Vivência do recasamento em diferentes fases do ciclo vital
  • Ciclo vital da família recasada.
  • Coirmão. Irmão, meio-irmão, coirmão: algumas definições
  • Coirmãos. Avaliando ganhos e perdas. Construindo novas redes de relações fraternas: os coirmãos
  • Coirmãos. Relações fraternas na família recasada. Irmãos, meio-irmãos e coirmãos: compartilhando, construindo e ressignificando.
  • Coirmãos e meio-irmãos.
  • Comportamento de apego
  • Concluindo.
  • Conhecimento construído. Discussão
  • Cônjuge. Família recasada formada após a morte de um cônjuge.
  • Considerações finais
  • Crença. Expectativas, crenças e mitos da família recasada

D

  • Definição. Irmão, meio-irmão, coirmão: algumas definições.
  • Definindo o vínculo fraterno.
  • Discutindo o conhecimento construído.
  • Divórcio. Irmãos biológicos, divórcio e recasamento.
  • Divórcio. Tendo a vida transformada: vivendo o divórcio e o recasamento dos pais

E

  • Estrutura da família recasada
  • Expectativas, crenças e mitos da família recasada

F

  • Família. Papéis familiares
  • Família recasada. Afetividade
  • Família recasada. Ciclo vital da família recasada.
  • Família recasada. Estrutura
  • Família recasada. Expectativas, crenças e mitos da família recasada
  • Família recasada. O que é uma família recasada?
  • Família recasada. Perspectiva sistêmica da família recasada e os resultados obtidos.
  • Família recasada. Relações fraternas na família recasada. Irmãos, meio-irmãos e coirmãos: compartilhando, construindo e ressignificando.
  • Família recasada como objeto de pesquisa: 30 anos de investigação.
  • Família recasada como objeto depesquisa. Comentários gerais.
  • Família recasada como objeto de pesquisa. Literatura brasileira
  • Família recasada como objeto de pesquisa. Literatura estrangeira.
  • Família recasada formada após a morte de um cônjuge.
  • Família recasada numa perspectiva sistêmica
  • Fase adulta. Seguindo seus caminhos na fase adulta.
  • Fase adulta. Vínculosna fase adulta.
  • Fases do ciclo vital. Vivência do recasamento em diferentes fases do ciclo vital.
  • Fases no desenvolvimento do apego
  • Formando vínculos na infância
  • Fronteiras.

G

  • Ganhos. Avaliando ganhos e perdas. Construindo novas redes de relações fraternas: os coirmãos.
  • Guia de Entrevista paraGrupo Focal. Apêndice B.

I

  • Infância. Vínculos na infância e adolescência
  • Introdução.
  • Investigação. Família recasada como objeto de pesquisa: 30 anos de investigação
  • Irmão, meio-irmão, coirmão: algumas definições
  • Irmãos. Meio-irmãos ou irmãos por inteiro? Surgindo novas possibilidades de relações
  • Irmãos. Vínculo entre irmãos.
  • Irmãos ao longo da vida: construindo uma memória compartilhada. Compartilhando uma memória construída.
  • Irmãos biológicos. Vivendo transformações nas relações fraternas: os irmãos biológicos.
  • Irmãos biológicos, divórcio e recasamento.
  • Irmãos e o recasamento
  • Irmãos, meio-irmãos e coirmãos: compartilhando, construindo e ressignificando as relações fraternas ma família recasada

L

  • Literatura sobre as relações fraternas no recasamento e os resultados obtidos

M

  • Meio-irmão. Irmão, meio-irmão, coirmão: algumas definições
  • Meio-irmão. Relações fraternas na família recasada. Irmãos, meioirmãos e coirmãos: compartilhando, construindo e ressignificando
  • Meio-irmãos e coirmãos.
  • Meio-irmãos ou irmãos por inteiro? Surgindo novas possibilidades de relações.
  • Memória compartilhada. Irmãos ao longo da vida: construindo uma memória compartilhada. Compartilhando uma memória construída
  • Memória construída. Irmãos ao longo da vida: construindo uma memória compartilhada. Compartilhando uma memória construída
  • Método. Metodologia
  • Metodologia. Análise dos dados
  • Metodologia. Escolha do método de pesquisa.
  • Metodologia. Instrumentose coleta de dados
  • Metodologia. Participantes.
  • Metodologia. Reflexões sobrea escolha metodológica.
  • Mito. Expectativas, crenças e mitos da família recasada.
  • Morte de um cônjuge. Família recasada formada após a morte de um cônjuge

P

  • Padrões de apego.
  • Pais. Tendo a vida transformada: vivendo o divórcio e o recasamento dos pais.
  • Papéis familiares
  • Perdas. Avaliando ganhos e perdas. Construindo novas redes de relações fraternas: os coirmãos.
  • Perspectiva sistêmica. Família recasada numa perspectiva sistêmica
  • Perspectiva sistêmica da família recasada e os resultados obtidos.
  • Pesquisa. Família recasada como objeto de pesquisa: 30 anos de investigação.
  • Protocolo de Participação. Apêndice A.

R

  • Recasamento.
  • Recasamento. Irmãos biológicos, divórcio e recasamento
  • Recasamento. Irmãos e o recasamento
  • Recasamento. Literatura sobre as relações fraternas no recasamento e os resultados obtidos.
  • Recasamento. Tendo a vida transformada: vivendo o divórcio e o recasamento dos pais.
  • Recasamento. Vivência do recasamento em diferentes fases do ciclo vital
  • Referências
  • Reflexões sobre a escolha metodológica
  • Relacionamentos interpessoais e a formação dos vínculos afetivos
  • Relações fraternas. Literatura sobre as relações fraternas no recasamento e os resultados obtidos
  • Relações fraternas. Meio-irmãos ou irmãos por inteiro? Surgindo novas possibilidades de relações.
  • Relações fraternas na família recasada. Irmãos, meio-irmãos e coirmãos: compartilhando, construindo e ressignificando.
  • Relações transformadas na adolescência
  • Relações vinculares precoces: A teoria do apego
  • Relações fraternas. Avaliando ganhos e perdas. Construindo novas redes de relações fraternas: os coirmãos.
  • Relações fraternas. Vivendo transformações nas relações fraternas: os irmãos biológicos.
  • Resultados obtidos. Teoria do apego e os resultados obtidos

T

  • Tendo a vida transformada: vivendo o divórcio e o recasamento dos pais.
  • Teoria construída. Apresentando a teoria construída.
  • Teoria do apego: a base para a compreensão dos vínculos afetivos
  • Teoria do apego e os resultados obtidos.
  • Teoria do apego e teoria sistêmica: um encontro possível
  • Teoria sistêmica. Um encontro possível. Teoria do apego e teoria sistêmica

U

  • Um encontro possível. Teoria do apego e teoria sistêmica

V

  • Vínculo afetivo. Teoria do apego: a base para a compreensão dos vínculos afetivos.
  • Vínculo entre irmãos
  • Vínculo fraterno. Definição.
  • Vínculos afetivos ao longo da vida
  • Vínculos na fase adulta.
  • Vínculos na infância. Formação.
  • Vínculos na infância e adolescência.
  • Vivência do recasamento em diferentes fases do ciclo vital
  • Vivendo transformações nas relaçõesfraternas: os irmãos biológicos.
INDIQUE ESSA OBRA

Indique essa obra para um amigo:

De:

Nome:

E-mail:

Informe apenas 1 email por vez

Para:

Nome:

E-mail:

Informe apenas 1 email por vez


Mensagem: