Software Livre & Controvérsias Tecnocientíficas - Uma Análise Sociotécnica no Brasil e em Portugal

Adalto Herculano Guesser

Leia na Biblioteca Virtual
Preço:
Parcele em até 6x sem juros no cartão. Parcela mínima de R$ 20,00
FICHA TÉCNICA
Autor(es): Adalto Herculano Guesser
ISBN: 853621233-0
Acabamento: Brochura
Número de Páginas: 180
Publicado em: 11/04/2006
Área(s): Literatura e Cultura - Diversos
CONFIRA TAMBÉM
SINOPSE

O software livre é hoje uma importante inovação tecnológica presente em todo o mundo. Ao se impor como uma alternativa à tendência hegemônica – o software proprietário – gera uma série de embates políticos, produzindo controvérsias e disputas em diversos setores sociais. As posições conflitantes, desenvolvidas num ambiente rico e diversificado, nem sempre são vencidas pela argumentação técnica especializada, confundindo-se argumentações pessoais, ideológicas, políticas e culturais.

Esta obra realiza uma análise sociotécnica das controvérsias acerca do software livre, apresentando-as como disputas políticas. Relaciona referências teóricas contemporâneas no estudo de controvérsias tecnocientíficas, buscando identificar, a partir da teoria do ator-rede [actor network-theory], as redes sociotécnicas que se formam, bem como, as motivações das disputas entre os atores (humanos e não-humanos), as causas geradores dos conflitos e o provável encaminhamento, neste setor, para um fechamento das controvérsias, sob a forma do uso de sistemas híbridos, compostos pelos dois tipos de tecnologias: livres e proprietárias. O recorte desta obra dói o universo das pequenas e médias empresas, usuárias de tecnologia de softwares e sistemas, em duas realidades socioeconômicas distintas: o Brasil e Portugal. O trabalho de investigação foi empreendido durante dois anos (2003 e 2004), sendo que as pesquisas de campo foram concentradas entre os meses de junho a outubro de 2004.

AUTOR(ES)

Adalto Herculano Guesser concluiu o mestrado em Sociologia Política pela Universidade Federal de Santa Catarina em 2005. Cursa doutorado em Pós Colonialismo e Cidadania Global pela Universidade de Coimbra desde 2005. Publicou 8 artigos em periódicos especializados e 14 trabalhos em anais de eventos. Possui 2 produtos tecnológicos. Participou de 1 evento no exterior e 12 no Brasil. Recebeu 3 prêmios e/ou homenagens. Entre 2000 e 2003 participou de 3 projetos de pesquisa. Atua na área de Sociologia, com ênfase em Sociologia Política. Em suas atividades profissionais interagiu com 20 colaboradores em co-autorias de trabalhos científicos. Em seu currículo Lattes os termos mais freqüentes na contextualização da produção científica, tecnológica e artístico-cultural são: Software livre, Globalização, Alca, Mercosul, movimentos sociais, Bancos multilaterais, BID, BIRD, Conteúdo Digital e Estado.

SUMÁRIO

INTRODUÇÃO

CAPÍTULO1 - APRESENTANDO UMA QUESTÃO SOCIOTÉCNICA: AS CONTROVÉRSIAS DO SOFTWARE LIVRE

1.1 A evolução informática e os computadores

1.1.1 O surgimento e a propagação dos PCs

1.1.2 A transformação dos escritórios e o nascimento de um mercado consumidor

1.1.3 A necessidade de sistemas operacionais e de softwares aplicativos

1.1.4 Os ambientes gráficos

1.1.5 O sistema operacional Windows da Microsoft

1.1.6 A internet e a sociedade da informação

1.2 A historicidade do software livre e o movimento inter- nacional

1.2.1 O Projeto GNU e a GPL

1.2.2 O software livre nas empresas

1.2.3 O software livre no mundo

1.2.4 O movimento pela adoção do software livre no Brasil

1.2.5 O movimento pela adoção do software livre em Portugal

1.3 As controvérsias sobre o software livre

1.3.1 Algumas controvérsias políticas

1.3.2 Algumas controvérsias sociais

1.3.3 Algumas controvérsias econômicas

1.4 Software livre como um problema de pesquisa

CAPÍTULO 2 - UM ESFORÇO TEÓRICO PARA UMA ANÁLISE SOCIOTÉCNICA: O ESTUDO DAS CONTROVÉRSIAS TECNOCIENTÍFICAS

2.1 Três perspectivas para uma análise sociotécnica

2.1.1 A perspectiva determinista

2.1.2 A perspectiva da construção social

2.1.3 A perspectiva dos atores-rede - ANT

2.2 Os processos tecnocientíficos

2.2.1 Os conceitos de invenção, inovação e difusão

2.2.2 Inovação e contato social

2.3 Tecnociência e sociedade: uma relação ambivalente

2.3.1 O estudo das controvérsias tecnocientíficas

2.3.2 As motivações das controvérsias e uma tipologia das disputas

2.3.3 As formas de fechamento de controvérsias

CAPÍTULO 3 - A TEORIA DOS ATORES-REDE: UMA METODOLOGIA PARA SEGUIR CIENTISTAS E ENGENHEIROS

3.1 Seguindo atores humanos e não-humanos

3.1.1 Em busca de uma porta de entrada

3.1.2 Identificando os porta-vozes

3.1.3 Quem são os porta-vozes brasileiros

3.1.4 Quem são os porta-vozes portugueses

3.1.5 Recolhendo fatos e palavras

3.2 O processo de observação das ligações da rede

3.2.1 A leitura da literatura especializada

3.2.2 A escuta do que dizem os porta-vozes

3.2.3 A tradução das falas e dos fatos

CAPÍTULO 4 - UMA ANÁLISE SOCIOTÉCNICA DO SOFTWARE LIVRE: CONTROVÉRSIAS EM EMPRESAS BRASILEIRAS E PORTUGUESAS

4.1 O que dizem os porta-vozes brasileiros

4.1.1 Os discursos sobre a propriedade

4.1.2 Os discursos sobre a liberdade

4.1.3 Os discursos sobre a economia

4.1.4 Os discursos sobre o desempenho técnico

4.2 O que dizem os porta-vozes portugueses

4.2.1 Os discursos sobre a propriedade

4.2.2 Os discursos sobre a liberdade

4.2.3 Os discursos sobre a economia

4.2.4 Os discursos sobre o desempenho técnico

4.3 Reunindo e comparando os argumentos

CONSIDERAÇÕES FINAIS

REFERÊNCIAS

ANEXO

ÍNDICE ALFABÉTICO

A

  • ANT. Perspectiva dos atores-rede - ANT
  • Ambientes gráficos
  • Análise sociotécnica dosoftware livre: controvérsias em empresas brasileiras e portuguesas
  • Anexo . Guia de questões para entrevista com os empresários
  • Aplicativo. Necessidade de sistemas operacionais e de softwares aplicativos
  • Atores. Seguindo atores humanos e não-humanos
  • Atores-rede. Perspectiva dos atores-rede - ANT
  • Atores-rede. Teoria dos atores-rede: uma metodologia para seguir cientistas e engenheiros.

B

  • Brasil. Análise sociotécnica dosoftware livre: controvérsias em empresas brasileiras e portuguesas
  • Brasil. Movimento pela adoção do software livre no Brasil.

C

  • Ciência. Formas de fechamento de controvérsias
  • Ciência. Motivações das controvérsias e uma tipologia das disputas
  • Ciência. Sociedade. Tecnologia. Perspectiva da construção social
  • Ciência. Tecnologia. Sociedade. Perspectiva determinista
  • Ciência. Teoria dos atores-rede: uma metodologia para seguir cientistas e engenheiros
  • Computador. Evolução informática e os computadores.
  • Computador. Surgimento e a propagação dos PCs
  • Conceitos de invenção, inovação e difusão
  • Considerações finais
  • Consumidor. Transformação dos escritórios e o nascimento de um mercado consumidor.
  • Contato social. Inovação e contato social
  • Controvérsia. Formas de fechamento de controvérsias
  • Controvérsias sobre osoftware livre

D

  • Desempenho técnico. Porta-vozes brasileiros. Discursos sobre o desempenho técnico
  • Desempenho técnico. Porta-vozes portugueses. Discursos sobre o desempenho técnico

E

  • Economia. Porta-vozes brasileiros. Discursos sobre a economia
  • Economia. Porta-vozes portugueses. Discursos sobre a economia.
  • Economia. Software livre. Algumas controvérsias econômicas
  • Empresa. Software livre nas empresas
  • Engenharia. Teoria dos atores-rede: uma metodologia para seguir cientistas e engenheiros
  • Escritório. Transformação dos escritórios e o nascimento de um mercado consumidor
  • Esforço teórico para uma análise sociotécnica: o estudo das controvérsias tecnocientíficas
  • Estudo das controvérsias tecnocientíficas.
  • Evolução informática e os computadores

G

  • GNU. Projeto GNU e a GPL
  • GPL. Projeto GNU e a GPL
  • Gráfico. Ambientes gráficos
  • Guia de questões para entrevista com os empresários. Anexo

H

  • Historicidade do software livre e o movimento internacional

I

  • Informação. Internet e a sociedade da informação
  • Informática. Ambientes gráficos
  • Informática. Evolução informática e os computadores.
  • Informática. Surgimento e a propagação dos PCs
  • Informática. Transformação dos escritórios e o nascimento de um mercado consumidor
  • Inovação e contato social
  • Internet e a sociedade da informação
  • Introdução

L

  • Liberdade. Porta-vozes brasileiros. Discursos sobre a liberdade.
  • Liberdade. Porta-vozes portugueses. Discursos sobre a liberdade
  • Listagem de quadros

M

  • Metodologia. Teoria dos atores-rede: uma metodologia para seguir cien- tistas e engenheiros
  • Microsoft. Sistema operacional Windows da Microsoft
  • Modernidade. Transformação dos escritórios e o nascimento de um mercado consumidor
  • Movimento pela adoção do software livre em Portugal
  • Movimento pela adoção do software livre no Brasil
  • Mundo. Software livre no mundo

N

  • Necessidade de sistemas operacionais e de softwares aplicativos

P

  • PCs. Surgimento e a propagação dos PCs
  • Perspectiva da construção social. Ciência. Tecnologia. Sociedade.
  • Perspectiva determinista. Tecnologia. Sociedade. Ciência
  • Perspectiva dos atores-rede - ANT
  • Pesquisa. Software livre como um problema de pesquisa
  • Política.Software livre. Algumas controvérsias políticas
  • Portugal. Análise sociotécnica dosoftware livre: controvérsias em empresas brasileiras e portuguesas
  • Processos tecnocientíficos
  • Projeto GNU e a GPL
  • Propriedade. Porta-vozes brasileiros. Discursos sobre a propriedade.
  • Propriedade. Porta-vozes portugueses. Discursos sobre a propriedade

Q

  • Quadro. Listagem de quadros

R

  • Rede. Processo de observação das ligações da rede
  • Referências
  • Relação ambivalente. Tecnociência e sociedade: uma relação ambivalente.

S

  • Sistema operacional Windows da Microsoft.
  • Sociedade. Ciência. Tecnologia. Perspectiva da construção social
  • Sociedade. Ciência. Tecnologia. Perspectiva determinista.
  • Sociedade. Software livre. Algumas controvérsias sociais
  • Sociedade. Tecnociência e sociedade: uma relação ambivalente
  • Sociedade de informação. Internet e a sociedade da informação
  • Sociotécnica. Três perspectivas para uma análise sociotécnica
  • Software. Necessidade de sistemas operacionais e de softwares aplicativos
  • Software livre. Algumas controvérsias econômicas
  • Software livre. Algumas controvérsias políticas
  • Software livre. Algumas controvérsias sociais
  • Software livre. Análise sociotécnica dosoftware livre: controvérsias em empresas brasileiras e portuguesas
  • Software livre. Apresentando uma questão sociotécnica: as controvérsias do software livre
  • Software livre. Brasil. Portugal. Reunindo e comparando os argumentos
  • Software livre. Controvérsias sobre osoftware livre
  • Software livre. Em busca de uma porta de entrada
  • Software livre. Escuta do que dizem os porta-vozes
  • Software livre. Esforço teórico para uma análise sociotécnica: o estudo das controvérsias tecnocientíficas
  • Software livre. Historicidade do software livre e o movimento internacional.
  • Software livre. Identificando os porta-vozes
  • Software livre. Leitura da literatura especializada
  • Software livre. Movimento pela adoção do software livre em Portugal.
  • Software livre. Movimento pela adoção do software livre no Brasil
  • Software livre. O que dizem os porta-vozes brasileiros
  • Software livre. O que dizem os porta-vozes portugueses
  • Software livre. Processo de observação das l igações da rede
  • Software livre. Quem são os porta-vozes brasileiros
  • Software livre. Quem são os porta-vozes portugueses
  • Software livre. Recolhendo fatos e palavras
  • Software livre. Tradução das falas e dos fatos
  • Software livre como um problema de pesquisa
  • Software livre nas empresas
  • Software livre no mundo
  • Surgimento e a propagação dos PCs

T

  • Tecnociência. Esforço teórico para uma análise sociotécnica: o estudo das controvérsias tecnocientíficas
  • Tecnociência. Estudo das controvérsias tecnocientíficas
  • Tecnociência. Processos tecnocientíficos
  • Tecnociência e sociedade: uma relação ambivalente
  • Tecnologia. Apresentando uma questão sociotécnica: as controvérsias do software livre
  • Tecnologia. Ciência. Sociedade. Perspectiva da construção social
  • Tecnologia. Sociedade. Ciência. Perspectiva determinista
  • Teoria dos atores-rede: uma metodologia para seguir cientistas e engenheiros
  • Transformação dos escritórios e o nascimento de um mercado consumidor.

W

  • Windows. Sistema operacional Windows da Microsoft.
INDIQUE ESSA OBRA

Indique essa obra para um amigo:

De:

Nome:

E-mail:

Informe apenas 1 email por vez

Para:

Nome:

E-mail:

Informe apenas 1 email por vez


Mensagem: