De Um Pastor de Estrelas - Poemas da Vida Inteira

Manoel Claro

Leia na Biblioteca Virtual
Preço:
Parcele em até 6x sem juros no cartão. Parcela mínima de R$ 20,00
FICHA TÉCNICA
Autor(es): Manoel Claro
ISBN: 978853621765-9
Acabamento: Brochura
Número de Páginas: 406
Publicado em: 12/12/2007
Área(s): Literatura e Cultura - Diversos
CONFIRA TAMBÉM
SINOPSE


Amor diverso

Ainda que se tenha o amor cantado
de infinitas maneiras diferentes,
ao meu amor darei melhor cuidado
entre versos e risos inocentes...


Ainda que jamais lhe fosse dado
algum valor por olhos descontentes,
a qual sentir seria comparado
se o meu é único entre o amor das gentes?


Ainda que ilusões traga comigo,
e alguém me diga que mentiras digo,
que apenas sonho o amor, ingenuamente,


Ainda assim seria singular:
se ele não é o melhor que eu posso dar,
ele é infinitamente diferente!

AUTOR(ES)

Manoel Claro é autor desconhecido do grande público. Poeta e trovador aprendiz, publicou suas obras poéticas, em número de doze, em União da Vitória, e todas fazem parte da Coleção Vale do Iguaçu, da Fundação Faculdade Estadual de Filosofia, Ciências e Letras de União da Vitória. Não as divulgou além das fronteiras estreitas da cidade onde desenvolveu o gosto pela poesia. Foi amigo pessoal de Nelson Antônio Sicuro, seu conselheiro literário e Leonardo Henke, um dos maiores poetas do Paraná, e deles recebeu o incentivo necessário para continuar escrevendo e publicando seus poemas.
Nascido em Curitiba, em l937, foi militar, mecânico, professor e, agora, é médico, trabalhando no Programa Saúde da Família em Ponta Grossa. Deixou de publicar poemas depois de editar ÚLTIMOS VERSOS, em 1995, pelos motivos que no Posfácio alegou. Entretanto, em 2002, acabou publicando um livro de trovas bilíngüe (português e espanhol), tendo o cuidado de usar o heterônimo Manuel Maria. Estava amando novamente e, de lá para cá, continuou escrevendo, principalmente, trovas.
Casado, enviuvou e cuidou dos seis filhos que teve com a primeira esposa, até a maioridade de todos. Casou-se por mais duas vezes, tendo encontrado em Rosana de Fátima, sua última esposa, a inspiração para escrever, no aconchego do seu quarto, as suas obras atuais.
O endereço para correspondência é:
Caixa Postal 238 - Ponta Grossa, Paraná - 84001-970

SUMÁRIO

Bom Senso

Prefácio

Introdução

Antes de tudo

Primeira indicação

Acautela-te!

Medidas

Da fama

Ponderações

Justiça mais ampla

Comparação

Conselhos

Mediocridade

O óbvio

Visão mais ampla

Comportamentos

Do entusiasmo

Simplifica!

Anotações singelas

Advertências

Ilações

Protege-te!

Imperativo

Preços

Considerações oportunas

Quadrinhas

Pobreza

Mais vale

Estranha contabilidade

Julgar

Medida-Paz

Como servir

Pensamentos

Não percas

Dinheiro e Caridade

Sobre a Fé

Afabilidade

Tudo passa

Bom Senso

Contracultura

Com Jesus

Recomeça em Deus!

Acertos e desacertos

Última indicação

Bom Ânimo

Prefácio

Meu canto

Renovação

Algemas cruéis

Contabilidade

Alavanca

Sobre o Dever

Renova-te!

Queres que eu te conte?

Somente em Deus

Não desesperes!

Teu sonho

Viver é sonhar

Perspectiva maior

Teus sonhos

Trabalha!

Não te deixes vencer!

Não te esqueças!

Do mérito

Perante os nossos fracassos

A casca e o cerne

Mors ultima ratio

Sempre

Burocracia versus Amor

É bom lembrar

Sorriso

Perante a dor

Coragem!

Transitoriedade

A fonte

Ao jovem

O segredo

Gnose

Da liberdade

Não desistas!

Vencerás!

Senso comum

Avante!

É tempo

Esquina do Tempo

Prefácio

Soneto da justificação

O prumo e a pedra

O mistério

Vida

Ego Sum

Amanhã

Estrela

Minha verdade

Torre de marfim

Grito

Soneto da dor sem cura

Gesto

Pranto

Et tu Brutus

Meia-parede

Carne

Caminho da falsa devoção

Sombra

Despertar

Qualquer dia desses

Detalhes

Manhãs de espera

Meu rebanho

Ave, Maria!

Frustração

Alegria! Alegria!

Santo Graal

Chama

Os mistérios da vida

Poema das coisas

Somos

Homem

Razão

Atavismo ritual

Limitações

Avião

Caim, de novo

Fome

Dúvidas

Panteísmo

Num dia de frio

Porto

Coerência

Vida, Vida.

Guardados

Manhã de sol

Em tua boca

Amor primeiro

Esperança que se foi

Despeito

O teu amor

Faze de conta

Musa adormecida

Linha Divisória

Prefácio

Introdução

1. Ego Sum

Rio

Quietude antiga

Passado

Irmão

João Ticada

Trinca turca

Os três reis Magos

Corruíra

Capivari

Velha mansão

2. Generalidades

Lenda

O que cremos

Verdade

Para quê?

Saudade

Poema da livre concorrência

O toque da Salamandra

3. Recorrências

Anonimato

Morrer de amor

Recorrência

Automóvel

Manhã

Potencialidade

Analogia

Nuvens

Sol

Busca

Brejeirice

Fatalidade

Modorra

Ao lusco-fusco

Frustração

Apoteose

Inconsciência

Passagem

Visões

Posfácio

O Vale Mágico

Prefácio

1. Encontro com a fantasia

2. O feitiço do Vale

3. O Panteão Mágico

4. Sortilégios

5. A Cruz que eu vejo

6. O sortilégio termina

Relíquias

Introdução

Relíquias

Relíquias do Amor

Para viver um grande amor

Sinceridade

O bem do amor

À noite

Minha esperança

Partida

Previsão

Teu Relicário

Tua verdade

Quando chegares

Prova maior

Minha Estrela

Soneto do encantamento

Musa cotidiana

Relíquias do Ódio

Propósitos

Poema Negro

Elegia ao medíocre

Galeria de Sombras

Lições do passado

Do rotineiro

Do Prepotente

Do maledicente

Do medíocrehonesto

Do venal

Do vulgar

Do hipócrita

Do invejoso

O varejeira

Dos medíocres

De te fabula narratur

Herói-desilusão

Nós, os Falsos

1. Túmulos caiados

2. Prisioneiros

3. O Cristo que dorme

4. Medida

Reflexões

Comprometimento

Relíquias do Cristianismo

Espanto

Ângelus

Igreja

Profecia

Presença

Perante a Morte

Depois

Onde estás?

Agora

A era do cordeiro

Relíquias de Mim

O Nous (a essência)

Corpo

Limitações

Aquém

Síntese

Qualquer dia

Inspiração

Poemas Escolhidos

Introdução

Colheita suave

Teu vulto

Cantiga

Madrigal

Poema-Você

Estofo

Nhá Maria

Perspectivas maiores

Quadrinhas esquecidas na gaveta

Desperta!

Ninon Rose

Versos antigos

Poema-Solidão

Aos oitenta anos de um Sábio

Ecce Homo!

Os anjos que eu conheço

A lei

Horst Schnepper

Ação e reação

Herança

Lei do Carma

Cuidado!

Verbo

Fuzil

As idéias nobres

Prova maior

Bicho-Homem

Do bom humor

Promessa

O futuro

1. Velho, velho, eterno tema

Velho, eterno tema

Novo, eterno tema

Essa

2. De um Pastor de Estrelas

Meu rebanho

Cogito, Ergo Sum

Minha paga

De um pastor de estrelas

Meu sonho

Máscaras

Do cuidado no pastoreio

Meus segredos

Meditações

Do julgamento alheio

Perdido de amor

Seu resumo

Você de volta!

O passado que volta

Longa espera

Preço antigo

A verdadeira face

Tão perto, tão longe

Falando sério

Paradoxo

Tanto, nada

3. O Mistério Que Tu És

Gaiatice

Amo

O mistério que tu és

De um modo bem sutil de se caçar

Tocaia

Teus grilhões

Valia

Tua idade

Tarde?

Tempo inútil

Prisões

Meus Balões Coloridos

Introdução

Novas Trovas

Introdução

Últimos Versos

Prefácio

Últimos versos

Vai, sonho meu!

Pequenas coisas

Mundo interior

Desafio

Porto União da Vitória

Hipóteses diagnósticas

Investimentos

Encantamento

Chão

Um dia.

Soneto da Esperança

Tão perto, tão longe

Irmão Francisco

1. Começo

2. Meio

3. Fim

4. Depois

Para viver a solidão um dia

Ternura

Você, Amigo

A luz do seu olhar

Garimpagem

Promessas

Fazendo História

Pepita

Como o Sol

O mistério

Reflexo

Matemática

Suave encantamento

Roubo

Batalha inesquecível

Exclusiva

Quando houver solidão em sua vida

Causa

Floração

Poemeto definitivo

Últimos versos

Posfácio

INDIQUE ESSA OBRA

Indique essa obra para um amigo:

De:

Nome:

E-mail:

Informe apenas 1 email por vez

Para:

Nome:

E-mail:

Informe apenas 1 email por vez


Mensagem: