Consultoria e Análise Contábil

Antônio Lopes de Sá

Leia na Biblioteca Virtual
Preço:
Parcele em até 6x sem juros no cartão. Parcela mínima de R$ 20,00
FICHA TÉCNICA
Autor(es): Antônio Lopes de Sá
ISBN: 978853622119-9
Acabamento: Brochura
Número de Páginas: 236
Publicado em: 18/08/2008
Área(s): Contabilidade Geral Aplicada
CONFIRA TAMBÉM
SINOPSE

Este livro trata da função mais importante do Contador na orientação aos Administradores.
É útil, pois, aos profissionais das áreas referidas, a empresários e advogados que também se interessem em saber o que pedir de um consultor contábil.
Acrescenta à metodologia científica que expõe a prática da análise das situações patrimoniais.
Cuida do comportamento ético do Contador no desempenho da nobre função de orientador.
Destacam-se na obra teses valiosas tais como na modernidade estão sendo tratadas, mas, com a originalidade das doutrinas que se derivaram das pesquisas científicas do autor.
Mérito principal, portanto, é o de apresentar de forma inédita "como pensar em Contabilidade" para poder encaminhar as empresas à prosperidade.
O grande sucesso que fez na Comunidade Européia a doutrina do autor justifica a leitura deste trabalho, agora, pela primeira vez, editado no Brasil.
Em linguagem clara apresenta o que há de mais refinado, superior e moderno na doutrina científica da Contabilidade.
Referem-se os textos, de forma objetiva, às alterações havidas na sociedade humana, na economia e que influíram sobre os movimentos das riquezas.
Enseja a obra uma visão especial da ciência contábil evidenciando que importante não é saber informar apenas, mas, muito além, disso "o que fazer com a informação".

AUTOR(ES)

Antônio Lopes de Sá é Doutor em Ciências Contábeis pela Universidade do Brasil; Doutor H.C. em Letras pela Samuel Benjamin Thomas University, de Londres; Presidente da Academia Brasileira de Ciências Contábeis de 1998 a 2004; Escritor, com 178 livros editados (no Brasil, Argentina, Portugal e Espanha) e mais de 13.000 artigos publicados (no Brasil, Argentina, Venezuela, Colômbia, Chile, Estados Unidos, Portugal, Espanha, Itália etc.); Detentor da medalha de Ouro João Lira, a maior comenda outorgada pelo máximo órgão profissional no Brasil, o Conselho Federal de Contabilidade (dentre quase 400.000 profissionais só 6 possuem tal dignidade oficial); Detentor da Cruz de Honra da Sociedade Brasileira de Filosofia e Cultura e Ensino; 1º Vice-Presidente da Academia Brasileira de Ciências Contábeis; Vice-Presidente da Academia Nacional de Economia; membro da Academia de Ciências Comerciais de Paris; membro da Academia Real de Ciências Econômicas e Financeiras da Espanha; Presidente de Honra do Centro de Estudos de História da Contabilidade de Portugal; membro do Instituto Internacional de Pesquisas de Nova Jersey, Estados Unidos; membro do Conselho Consultivo do Conselho Federal de Contabilidade; Contador Emérito dos Paises Andinos; Contador de Honra e Mérito de todas as Américas, diplomado pela Associação Interamericana de Contabilidade (que reúne todos os Países do Continente); Comendador da República, por decreto Presidencial; Presidente do VII e VIII Congresso Brasileiro de Contabilidade; Presidente do Seminário Latino de Cultural Contábil, do I ao VII; Detentor do prêmio de literatura cientifica outorgado pela revista Técnica Contable, de Madri, Espanha, recebido na Embaixada Brasileira com a presença de todos os Presidentes das maiores entidades espanholas da classe Contábil; Presidente do Conselho Científico da Revista JTCE, de Lisboa até 2004; membro do Conselho editorial da Revista Brasileira de Contabilidade, da Revista de Contabilidade do CRC do Rio Grande do Sul, da Revista da Fundação Álvares Penteado de São Paulo, da Revista Ibero-Americana de Contabilidade, da Revista Italiana de História da Contabilidade, da Revista de Contabilidade da Universidade do Chile, da Revista de Contabilidade da Associação dos Professores Universitários de Contabilidade da Espanha, da Revista Contabilidade e Informação da Universidade de Ijuí, do Conselho Editorial da Juruá; membro do Conselho Consultivo da Fundação Brasileira de Contabilidade; membro da comissão de normas contábeis do Conselho Econômico e Social das Nações Unidas, em 1980; Perito, Assessor e Consultor de importantes instituições e empresas como a Gerdau – AÇOMINAS, AMBEV, Transportes ATLAS, Comissão de Controle do Espaço Aéreo da Amazônia etc.; Detentor de mais de 250 dignidades por homenagens de Academias, Universidades, Centros de Cultura e Entidades oficiais nacionais e internacionais.

SUMÁRIO

1 - QUALIDADE DO SERVIÇO PROFISSIONAL DO CONTADOR E ÓTICAS DE FUNDAMENTO NO DESEMPENHO DA CONSULTORIA

1.1 Exercício e Cultura Profissional em Contabilidade

1.2 Qualidade Profissional

1.3 Orientação para a Eficácia Permanente

1.4 Adoção de Rigor e Seriedade Científica

1.5 Metodologia Holística

1.6 Atualização Permanente dos Conhecimentos

1.7 Integração entre Empresa e Agentes da Riqueza

1.8 Inteligência Emocional e Função Contábil

2 - ASPECTOS SUPLEMENTARES NA CONDUTA ÉTICA DO CONSULTOR CONTÁBIL

2.1 Opinião Científica e Consultoria

2.2 Naturezas de Opiniões

2.3 Responsabilidade e Opinião

2.4 Conflito de Opiniões

2.5 Ética e Opinião do Consultor Contábil de Acompanhamento

2.6 Dever Ético do Consultor Contábil de Acompanhamento

2.7 Referências dos Capítulos1 e 2

3 - ANÁLISE CIENTÍFICA QUALITATIVA E QUANTITATIVA E MODELOS EM CONTABILIDADE

3.1 Modelos e Realidade Patrimonial

3.2 Balanço e Análise Contábil

3.3 Análise e RelaçõesLógicas Contábeis

3.4 Critério dos Paradigmas ou Modelos

3.5 Modelo Científico e a Moderna Doutrina Científica em Contabilidade

3.6 Modelo Científico no Sistema de Funções Patrimoniais e a Metodologia das Proporções

3.7 Generalização do Modelo aos Sistemas de Funções Patrimoniais

3.8 Modelo Teórico e Modelo Quantitativo

3.9 Metodologia para a Aplicação dos Modelos na Análise Contábil

3.10 Variações, Modelos Científicos e Razões sobre as Opiniões do Consultor Contábil

3.11 Hipótese de um Modelo de Eficácia Global

3.12 Referências

4 - MODERNA ANÁLISE CIENTÍFICA DO EQUILÍBRIO DAS EMPRESAS PARA USO DO CONSULTOR CONTÁBIL

4.1 Equilíbrio Estático e Elenco Dinâmico dos Fenômenos Patrimoniais

4.2 Proporcionalidade Estrutural dos Capitais

4.3 Relatividade da Proporcionalidade

4.4 Temporalidade dos Meios Patrimoniais

4.5 Relatividade e Temporalidade

4.6 Ineficácia e Superinvestimento

4.7 Função Ineficaz do Superfinanciamento

4.8 Análise de Correlação entre Financiamento e Investimento

4.9 Função Ineficaz do Subinvestimento

4.10 Função Ineficaz do Subfinanciamento

4.11 Referências

5 - ANÁLISE CIENTÍFICA CONTÁBIL DA CAPACIDADE LUCRATIVA

5.1 O Objetivo Empresarial e os Estudos Contábeis

5.2 Apoio Científico na Análise do Lucro

5.3 Visão Sistemática e Ótica Reditual

5.4 Campos de Observação e Modelos de Resultabilidade

5.5 Fatores Causais Derivados de Filosofia e Política Administrativa

5.6 Fatores Externos ao Capital que influem sobre o Desempenho do Lucro e Análise Científica da Capacidade Lucrativa

5.7 Temporalidade Operacional e Lucratividade

5.8 Espaços Operacionais e Rédito

5.9 Quantidade dos Meios Patrimoniais e Margem de Resultados dos Empreendimentos

5.10 Qualidade como Fator de Lucratividade

5.11 Ambiente Endógeno e Eficácia do Lucro

5.12 Ambiente Exógeno e Defesa do Rédito

5.13 Proporcionalidade e Modelos Contábeis

5.14 Relatividade e Futuro do Lucro

5.15 Referências

6 - PROSPERIDADE E PADRÕES CIENTÍFICOS EM CONTABILIDADE

6.1 Prosperidade como Meta e Questão Especial no Estudo das Empresas

6.2 Curso da Prosperidade do Empreendimento

6.3 Evolução Contábil para a Metodologia Fundamentada na Prosperidade

6.4 Ótica Metodológica quanto à Prosperidade

6.5 Considerações Específicas sobre Modelos Contábeis Aplicados à Prosperidade

6.6 Razões entre a Necessidade e a Utilidade dos Elementos Patrimoniais

6.7 Aspectos Formais dos Modelos Qualitativos Contábeis

6.8 Necessidades Patrimoniais e Visão Holística

6.9 Hierarquia das Necessidades

6.10 Relevância Funcional e Modelos Contábeis

6.11 Conclusões e Futuro Científico

6.12 Referências

7 - REINTEGRAÇÃO DO CAPITAL DE PRODUÇÃO E RISCO INERENTE

7.1 Imobilizações Técnicas e Riscos Inerentes

7.2 Transformação e Destino do Capital

7.3 Capital Permanente: Giro e Riscos

7.4 Vocação do Capital Fixo, Perda Física e Funcional

7.5 Falsos Lucros e Quotas de Depreciações

7.6 Fundos para Riscos e Reservas

7.7 Referências

8 - ANÁLISE CIENTÍFICA CONTÁBIL E TEORIA DO RISCO

8.1 Risco e Consultoria

8.2 Pesquisas Empíricas e Óticas Científicas em Face do Risco

8.3 Complexidade do Risco e Necessidade de Teoria Própria para o Sistema da Invulnerabilidade

8.4 O Fenômeno do Risco Patrimonial e seu Teorema Fundamental

8.5 Teorema da Reincidência da Perda Defluente do Risco

8.6 Fatores Incógnitos em Relação à Ineficácia

8.7 Teorema do Risco da Temporalidade Funcional

8.8 Teorema da Espacialidade do Risco

8.9 Aspectos Qualitativos

8.10 Aspectos Quantitativos do Risco

8.11 Risco Assumido e Risco Transferido

8.12 Potencialidade do Risco

8.13 Capacidade de Pagamento e Risco

8.14 Lucros Finais e Riscos

8.15 Equilíbrio Patrimonial e Risco Imanente

8.16 Risco, Vitalidade e Continuidade dos Empreendimentos

8.17 Produtividade e Risco

8.18 Risco, Elasticidade e Prosperidade das Células Sociais

8.19 Modelos de Invulnerabilidade e Fundos para Riscos

8.20 Referências

9 - VALOR DO CONHECIMENTO, NEOPATRIMONIALISMO E ANÁLISE CIENTÍFICA EM CONTABILIDADE

9.1 Evolução do Conhecimento Contábil

9.2 Razões Científicas da Contabilidade

9.3 Doutrinas Científicas da Contabilidade

9.4 Nascimento da Mais Nova Escola Científica - O Neopatrimonialismo

9.5 Fundamentos e Evolução do Neopatrimonialismo Contábil

9.6 Referências

10 - METODOLOGIA GERAL NA ANÁLISE CIENTÍFICA CONTÁBIL

10.1 Visão do Consultor Perante os Agentes Transformadores e a Responsabilidade Global

10.2 Necessidades Materiais e Patrimônio

10.3 Conceitos Fundamentais sobre Fenômenos Patrimoniais

10.4 Células Sociais e Necessidades

10.5 Preceitos Filosóficos da Doutrina Neopatrimonialista

10.6 Contabilidade como Ciência da Riqueza das Células Sociais

10.7 Opções Doutrinárias no Campo Contábil

10.8 A Moderna Corrente do Neopatrimonialismo

10.9 Bases Específicas do Neopatrimonialismo

10.10 Relações Lógicas Essenciais do Fenômeno Patrimonial

10.11 Relações Lógicas Dimensionais

10.12 Relações Lógicas Ambientais

10.13 Os Sistemas de Funções Patrimoniais

10.14 Grandes Axiomas da Doutrina Neopatrimonialista

10.14.1 Axioma do Movimento Patrimonial

10.14.2 Axioma da Transformação Patrimonial

10.14.3 Axioma da Função

10.14.4 Axioma da Eficácia Funcional do Patrimônio

10.14.5 Axioma da Natureza Funcional dos Sistemas Patrimoniais

10.14.6 Axioma da Assimilação Funcional

10.15 Teoremas da Doutrina Neopatrimonialista

10.15.1 Teorema da Correlação de Temporalidade Sistemática

10.15.2 Teorema da Correlação de Origens de Capitais

10.15.3 Teorema da Prosperidade

10.15.4 Teorema do Acréscimo Ineficaz

10.16 Prosperidade Social e Limite da Necessidade Celular

10.17 Teorias Derivadas no Neopatrimonialismo

10.17.1 Axioma da Interação Perfeita

10.18 Referências

ÍNDICE ALFABÉTICO

A

  • Acompanhamento. Dever ético do consultor contábil de acompanhamento.
  • Acompanhamento. Ética e opinião do consultor contábil de acompanhamento
  • Acréscimo ineficaz. Teoremado acréscimo ineficaz.
  • Adoção de rigor e seriedade científica
  • Agente transformador. Visão do consultor perante os agentes transformadores e a responsabilidade global.
  • Agentes da riqueza. Integração entre empresa e agentes da riqueza
  • Ambiente endógeno e eficácia do lucro
  • Ambiente exógeno e defesa do rédito
  • Análise científica. Metodologia geralna análise científica contábil
  • Análise científica. Moderna análise científica do equilíbrio das empresas para uso do consultor contábil.
  • Análise científica. Valor do conhecimento, neopatrimonialismo e análise científica em contabilidade
  • Análise científica contábil da capacidade lucrativa
  • Análise científica contábil da capacidade lucrativa. Referências.
  • Análise científica contábil e teoria do risco
  • Análise científica contábil e teoria do risco. Referências.
  • Análise científica qualitativa e quantitativa. Modelos em contabilidade. Referências.
  • Análise científica qualitativa e quantitativa e modelos em contabilidade.
  • Análise contábil. Metodologia para a aplicação dos modelos na análise contábil.
  • Análise contábile balanço
  • Análise de correlação entre financiamento e investimento.
  • Análise do lucro. Apoio científico na análise do lucro
  • Análise e relações lógicas contábeis.
  • Apoio científico naanálise do lucro
  • Aspectos formais dos modelos qualitativos contábeis.
  • Aspectos suplementares na conduta ética do consultor contábil
  • Atualização permanentedos conhecimentos
  • Axioma da assimilação funcional
  • Axioma da eficácia funcional do patrimônio.
  • Axioma da função.
  • Axioma da interação perfeita.
  • Axioma da natureza funcional dos sistemas patrimoniais
  • Axioma da transformação patrimonial.
  • Axioma do movimentopatrimonial.

B

  • Balanço e análise contábil
  • Bases específicas do neopatrimonialismo.

C

  • Campos de observação e modelos de resultabilidade
  • Capacidade de pagamento e risco.
  • Capacidade lucrativa. Análise científica contábil da capacidade lucrativa.
  • Capacidade lucrativa. Fatores externos ao capital que influem sobre o desempenho do lucro e análise científica da capacidade lucrativa
  • Capitais. Proporcionalidade estrutural dos capitais
  • Capital. Fatores externos ao capital que influem sobre o desempenho do lucro e análise científica da capacidade lucrativa
  • Capital. Reintegração do capitalde produção e risco inerente
  • Capital. Teorema da correlaçãode origens de capitais.
  • Capital. Transformação edestino do capital
  • Capital fixo. Vocação do capital fixo, perda física efuncional.
  • Capital permanente: giro e riscos.
  • Célula social. Contabilidade como ciência da riqueza das células sociais
  • Célula social. Risco, elasticidade e prosperidade das células sociais.
  • Células sociais enecessidades
  • Ciência. Análise científica qualitativa e quantitativa e modelos em contabilidade.
  • Complexidade do risco e necessidade de teoria própria para o sistema da invulnerabilidade.
  • Conceitos fundamentais sobrefenômenos patrimoniais
  • Conclusões e futuro científico.
  • Conflito de opiniões.
  • Conhecimento. Atualização permanente dos conhecimentos
  • Conhecimento. Valor do conhecimento, neopatrimonialismo e análise científica em contabilidade
  • Considerações específicas sobre modelos contábeis aplicados a prosperidade.
  • Consultor contábil. Aspectos suplementares na conduta ética do consultor contábil.
  • Consultor contábil. Dever ético do consultor contábil de acompanhamento
  • Consultor contábil. Ética e opinião do consultor contábil de acompanhamento
  • Consultor contábil. Moderna análise científica do equilíbrio das empresas para uso do consultor contábil.
  • Consultor contábil. Variações, modelos científicos e razões sobre as opiniões do consultor contábil
  • Consultor contábil. Visão do consultor perante os agentes transformadores e a responsabilidade global
  • Consultoria. Qualidade do serviço profissional do contador e óticas de fundamento no desempenho da consultoria
  • Consultoria e risco
  • Contabilidade. Análise científica qualitativa e quantitativa e modelos em contabilidade
  • Contabilidade. Aspectos formais dosmodelos qualitativos contábeis
  • Contabilidade. Doutrinas científicas da contabilidade.
  • Contabilidade. Exercício e culturaprofissional em contabilidade.
  • Contabilidade. Modelo científico e a moderna doutrina científica em contabilidade
  • Contabilidade. Opções doutrinárias no campo contábil.
  • Contabilidade. Prosperidade e padrões científicos em contabilidade
  • Contabilidade. Razões científicas da contabilidade.
  • Contabilidade. Valor do conhecimento, neopatrimonialismo e análise científica em contabilidade
  • Contabilidade como ciência da riqueza das células sociais
  • Contador. Qualidade do serviço profissional do contador e óticas de fundamento no desempenho da consultoria
  • Continuidade. Risco, vitalidade e continuidade dos empreendimentos
  • Correlação de origens. Teorema da correlação de origens de capitais.
  • Correlação de temporalidade. Teorema da correlação de temporalidade sistemática
  • Critério dos paradigmas ou modelos
  • Cultura profissional e exercício em contabilidade.
  • Curso da prosperidadedo empreendimento.

D

  • Depreciação. Falsos lucros equotas de depreciações
  • Dever ético do consultor contábil de acompanhamento
  • Doutrina científica. Modelo científico e a moderna doutrina científica em contabilidade.
  • Doutrinas científicasda contabilidade.

E

  • Eficácia. Fatores incógnitos em relação à ineficácia
  • Eficácia global. Hipótese de ummodelo de eficácia global
  • Eficácia permanente e orientação
  • Elasticidade. Risco, elasticidade e prosperidade das células sociais.
  • Empreendimento. Curso da prosperidade do empreendimento.
  • Empreendimento. Quantidade dos meios patrimoniais e margem de resultados dos empreendimentos
  • Empreendimento. Risco, vitalidade e continuidade dos empreendimentos
  • Empresa. Integração entre empresa e agentes da riqueza.
  • Empresa. Prosperidade como meta e questão especial no estudo das empresas.
  • Equilíbrio das empresas. Moderna análise científica do equilíbrio das empresas para uso do consultor contábil.
  • Equilíbrio estático e elenco dinâmico dos fenômenos patrimoniais.
  • Equilíbrio patrimoniale risco imanente
  • Escola científica. Nascimento da mais nova escola científica. O neopatrimonialismo.
  • Espacialidade. Teorema da espacialidade do risco
  • Espaços operacionais e rédito
  • Estudos contábeis. Objetivo empresarial e os estudos contábeis
  • Ética. Aspectos suplementares na conduta ética do consultor contábil.
  • Ética. Dever ético do consultor contábil de acompanhamento.
  • Ética e opinião do consultor contábil de acompanhamento
  • Evolução contábil para a metodologiafundamentada na prosperidade.
  • Evolução do conhecimento contábil
  • Exercício e cultura profissional em contabilidade

F

  • Falsos lucros e quotasde depreciações
  • Fatores causais derivados de filosofia e política administrativa.
  • Fatores externos ao capital que influem sobre o desempenho do lucro e análise científica da capacidade lucrativa
  • Fatores incógnitos em relação à ineficácia
  • Fenômeno do risco patrimoniale seu teorema fundamental
  • Fenômeno patrimonial. Equilíbrio estático e elenco dinâmico dos fenômenos patrimoniais
  • Fenômenos patrimoniais. Conceitos fundamentais sobre fenômenos patrimoniais.
  • Filosofia. Fatores causais derivados de filosofia e política administrativa
  • Filosofia. Preceitos filosóficos dadoutrina neopatrimonialista
  • Financiamento. Análise de correlação entre financiamento e investimento
  • Financiamento. Função ineficaz do subfinanciamento
  • Função ineficaz do subfinanciamento.
  • Função ineficaz dosubinvestimento.
  • Função ineficaz do superfinanciamento.
  • Função conbtábil e inteligência emocional.
  • Função patrimonial. Generalização domodelo aos sistemas de funções patrimoniais
  • Função patrimonial. Modelo científico no sistema de funções patrimoniais e a metodologia das proporções.
  • Fundamentos e evolução do neopatrimonialismo contábil
  • Fundos para riscos e reservas
  • Futuro científico. Conclusões e futuro científico

G

  • Generalização do modelo aos sistemas de funções patrimoniais.
  • Giro. Capital permanente: giro e riscos
  • Grandes axiomas da doutrina neopatrimonialista

H

  • Hierarquia das necessidades
  • Hipótese de um modelode eficácia global

I

  • Imobilizações técnicas eriscos inerentes.
  • Ineficácia e superinvestimento.
  • Integração entre empresae agentes da riqueza
  • Inteligência emocionale função contábil.
  • Interação perfeita. Axioma da interação perfeita
  • Investimento. Análise de correlação entre financiamento e investimento
  • Investimento. Função ineficaz do subinvestimento
  • Investimento. Função ineficaz do superfinanciamento
  • Investimento. Ineficáciae superinvestimento
  • Invulnerabilidade. Complexidade do risco e a necessidade da teoria para o sistema
  • Invulnerabilidade. Complexidade do risco e necessidade de teoria própria para o sistema da invulnerabilidade
  • Invulnerabilidade. Modelos de invulnerabilidade e fundos para riscos

L

  • Lucratividade. Qualidade como fator de lucratividade
  • Lucratividade e temporalidade operacional
  • Lucro. Ambiente endógenoe eficácia do lucro.
  • Lucro. Análise científica contábil da capacidade lucrativa
  • Lucro. Apoio científico na análise do lucro
  • Lucro. Fatores externos ao capital que influem sobre o desempenho do lucro e análise científica dacapacidade lucrativa.
  • Lucro. Relatividade e futuro do lucro
  • Lucros finais e riscos.

M

  • Metodologia. Modelo científico no sistema de funções patrimoniais e a metodologia das proporções.
  • Metodologia. Ótica metodológica quanto à prosperidade.
  • Metodologia geral na análise científicacontábil.
  • Metodologiaholística.
  • Metodologia para a aplicação dosmodelos na análise contábil
  • Metologia geral e análise científica contábil. Referências
  • Modelo. Critério dos paradigmas ou modelos
  • Modelo científico. Variações, modelos científicos e razões sobre as opiniões do consultor contábil
  • Modelo científico e a moderna doutrina científica em contabilidade
  • Modelo científico no sistema de funções patrimoniais e a metodologia das proporções
  • Modelo contábil. Considerações específicas sobre modelos contábeis aplicados à prosperidade.
  • Modelo contábil. Relevância funcional e modelos contábeis
  • Modelo contábil e proporcionalidade
  • Modelo qualitativo. Aspectos formais dos modelos qualitativos contábeis.
  • Modelo teórico e modelo quantitativo
  • Modelos de invulnerabilidadee fundos para riscos
  • Modelos e realidade patrimonial.
  • Moderna análise científica do equilíbrio das empresas. Consultor contábil. Referências
  • Moderna análise científica do equilíbrio das empresas para uso do consultor contábil
  • Moderna corrente do neopatrimonialismo

N

  • Nascimento da mais nova escola científica. O neopatrimonialismo.
  • Necessidade. Razões entre a necessidade e a utilidade dos elementos patrimoniais.
  • Necessidades materiais e patrimônio.
  • Necessidades patrimoniaise visão holística
  • Neopatrimonialismo. Fundamentos e evolução do neopatrimonialismo contábil
  • Neopatrimonialismo. Grandes axiomas da doutrina neopatrimonialista.
  • Neopatrimonialismo. Moderna corrente do neopatrimonialismo
  • Neopatrimonialismo. Nascimento damais nova escola cientifica.
  • Neopatrimonialismo. Teorias derivadas no neopatrimonialismo.
  • Neopatrimonialismo. Valor do conhecimento, neopatrimonialismo e análise científica emcontabilidade.
  • Neopratrimonilismo. Preceitos filosóficos da doutrina neopatrimonialista

O

  • Objetivo empresarial e os estudos contábeis.
  • Opinião científicae consultoria
  • Opinião. Conflitode opiniões
  • Opinião. Naturezas de opiniões.
  • Opinião. Responsabilidade e opinião.
  • Orientação para a eficácia permanente.
  • Ótica científica. Pesquisas empíricas e óticas científicas em face do risco.
  • Ótica metodológica quanto à prosperidade
  • Ótica reditual. Visão sistemática e ótica reditual

P

  • Padrão científico. Prosperidade e padrões científicos em contabilidade.
  • Pagamento. Capacidade de pagamento e risco.
  • Paradigma. Critério dos paradigmas ou modelos.
  • Patrimômio. Axioma da eficácia funcional do patrimônio
  • Patrimônio. Equilíbrio patrimonial e risco imanente
  • Patrimônio. Necessidades materiais e patrimônio.
  • Patrimônio. Necessidades patrimoniais e visão holística
  • Patrimônio. Quantidade dos meios patrimoniais e margem de resultados dos empreendimentos.
  • Patrimônio. Razões entre a necessidade e a utilidade dos elementos patrimoniais.
  • Patrimônio. Relações lógicas essenciais do fenômeno patrimonial
  • Patrimônio. Sistemas defunções patrimoniais.
  • Patrimônio. Temporalidadedos meios patrimoniais.
  • Perda física. Vocação do capital fixo, perda física efuncional.
  • Perda funcional. Vocação do capitalfixo, perda físicae funcional
  • Pesquisas empíricas e óticas científicas em facedo risco
  • Política administrativa. Fatores causais derivados de filosofia e política administrativa
  • Potencialidadedo risco.
  • Preceitos filosóficos da doutrina neopatrimonialista
  • Produção. Reintegração do capital de produção e risco inerente.
  • Produtividade e risco
  • Profissão. Contador e consultor contábil. Referências dos capítulos 1 e 2.
  • Profissão. Qualidade do serviço profissional do contador e óticas de fundamento no desempenho da consultoria
  • Profissão. Qualidade profissional
  • Proporcionalidade. Relatividade da proporcionalidade
  • Proporcionalidade e modelos contábeis.
  • Proporcionalidade estrutural dos capitais
  • Proporção. Modelo científico no sistema de funções patrimoniais e a metodologia das proporções
  • Prosperidade. Considerações específicas sobre modelos contábeis aplicados a prosperidade
  • Prosperidade. Curso da prosperidade do empreendimento
  • Prosperidade. Ótica metodológica quanto à prosperidade
  • Prosperidade. Risco, elasticidade e prosperidade das células sociais
  • Prosperidade. Teoremada prosperidade.
  • Prosperidade como meta e questão especial no estudo das empresas.
  • Prosperidade e padrões científicos em contabilidade
  • Prosperidade e padrões científicosem contabilidade. Referências.
  • Prosperidade social e limiteda necessidade celular.

Q

  • Qualidade como fator de lucratividade.
  • Qualidade do serviço profissional do contador e óticas de fundamento no desempenho da consultoria.
  • Qualidade profissional.
  • Quantidade. Modelo teórico e modelo quantitativo.
  • Quantidade dos meios patrimoniais e margem de resultados dos empreendimentos.
  • Quota. Falsos lucros e quotas de depreciações.

R

  • Razões científicas da contabilidade
  • Razões entre a necessidade e a utilidade dos elementos patrimoniais
  • Rédito. Ambiente exógeno edefesa do rédito.
  • Rédito. Espaços operacionais e rédito.
  • Reincidência. Teorema da reincidência da perda defluente do risco
  • Reintegração do capital de produção e risco inerente
  • Reintegração do capital de produção e risco inerente. Referências
  • Relações lógicasambientais.
  • Relações e lógicas contábeis. Análise.
  • Relações lógicas dimensionais.
  • Relações lógicas essenciaisdo fenômeno patrimonial.
  • Relatividade da proporcionalidade.
  • Relatividade e futuro do lucro.
  • Relatividade e temporalidade.
  • Relevância funcional emodelos contábeis.
  • Reserva. Fundos para riscos e reservas
  • Responsabilidade e opinião.
  • Responsabilidade global. Visão do consultor perante os agentes transformadores e a responsabilidade global.
  • Resultabilidade. Campos de observação e modelos de resultabilidade.
  • Resultado. Quantidade dos meios patrimoniais e margem de resultados dos empreendimentos.
  • Risco. Capacidade depagamento e risco
  • Risco. Capital permanente giro e riscos
  • Risco. Complexidade do risco e necessidade de teoria própria para o sistema da invulnerabilidade
  • Risco. Equilíbrio patrimonial e risco imanente.
  • Risco. Fundos para riscos e reservas.
  • Risco. Lucros finais e riscos
  • Risco. Modelos de invulnerabilidade e fundos para riscos.
  • Risco. Pesquisas empíricas e óticascientíficas em face do risco.
  • Risco. Potencialidade.
  • Risco. Teorema da espacialidade do risco
  • Risco. Teorema da reincidência da perda defluente do risco.
  • Risco. Teorema do risco datemporalidade funcional.
  • Risco assumido e risco transferido
  • Risco e consultoria.
  • Risco e produtividade
  • Risco inerente. Reintegração do capital de produção e risco inerente
  • Risco patrimonial. Fenômeno do risco patrimonial e seu teorema fundamental
  • Risco, elasticidade e prosperidade das células sociais.
  • Risco, vitalidade e continuidade dos empreendimentos

S

  • Seriedade científica. Adoção de rigor e seriedade científica
  • Sistemas de funções patrimoniais

T

  • Temporalidade dos meios patrimoniais
  • Temporalidade erelatividade.
  • Temporalidade funcional. Teorema do risco da temporalidade funcional.
  • Temporalidade operacional e lucratividade
  • Teorema da correlação deorigens de capitais
  • Teorema da correlação de temporalidade sistemática.
  • Teorema da espacialidade do risco
  • Teorema da prosperidade.
  • Teorema da reincidência daperda defluente do risco.
  • Teorema do acréscimo ineficaz
  • Teorema do risco da temporalidade funcional
  • Teorema fundamental. Fenômeno do risco patrimonial e seu teorema fundamental.
  • Teoremas da doutrinaneopatrimonialista
  • Teoria. Modelo teóricoe modelo quantitativo
  • Teoria de risco. Análise científica contábil e teoria do risco
  • Teoria do risco. Aspectos qualitativos
  • Teoria do risco. Aspectosquantitativos do risco.
  • Teorias derivadas no neopatrimonialismo.
  • Transformação e destino do capital.

V

  • Valor do conhecimento, neopatrimonialismo e análise científica em contabilidade. Referências.
  • Valor do conhecimento, neopatrimonialismo e análise científica em contabilidade.
  • Variações, modelos científicos e razões sobre as opiniões do consultor contábil.
  • Visão do consultor perante os agentes transformadores e a responsabilidade global.
  • Visão sistemática eótica reditual.
  • Visão holística. Necessidades patrimoniais e visão holística.
  • Vitalidade. Risco, vitalidade e continuidade dos empreendimentos
  • Vocação do capital fixo, perda física e funcional
INDIQUE ESSA OBRA

Indique essa obra para um amigo:

De:

Nome:

E-mail:

Informe apenas 1 email por vez

Para:

Nome:

E-mail:

Informe apenas 1 email por vez


Mensagem: