Experiência de Adoecimento e Morte - Diálogos entre a Pesquisa e a Gestalt-Terapia

Joanneliese de Lucas Freitas

Parcele em até 6x sem juros no cartão.
Parcela mínima de R$ 20,00

Versão impressa

Ficha técnica

Autor(es): Joanneliese de Lucas Freitas

ISBN: 978853622626-2

Acabamento: Brochura

Número de páginas: 120

Publicado em: 15/09/2009

Área(s): Psicologia - Gestalt-Terapia

Sinopse

Acompanhar pacientes terminais é um desafio. Realizar este trabalho dentro de um hospital geral a partir de uma perspectiva como a gestalt-terapia talvez uma ousadia. O livro conta a experiência da autora no trabalho com pacientes terminais realizado durante seu curso de doutorado na Universidade de Brasília. As vivências, dores e possibilidades existenciais experienciadas pela proximidade da morte são o ponto de partida para a reflexão sobre os processos de constituição da subjetividade, bem como sobre a pesquisa e a prática do psicológo. O que e como pesquisar a partir de uma concepção do homem como movimento? Articular o pensamento da gestalt terapia e da pesquisa qualitativa, com o objetivo de compreender os processos de subjetivação foram os caminhos trilhados neste trabalho que levaram a propostas sobre a compreensão da relação saúde-doença, corpo-subjetividade e o papel do psicólogo frente à morte e o morrer.

Autor(es)

Joanneliese de Lucas Freitas é Doutora em Psicologia pela Universidade de Brasília (2005); Mestre em Processos de Desenvolvimento Humano e Saúde pela Universidade de Brasília (1999) e graduada em Psicologia pela Universidade de Brasília (1996). Professora do Centro de Estudos em Gestalt Terapia de Brasília, vistoriador da Associação Brasileira de Ensino de Psicologia e professor adjunto da Universidade Federal do Paraná. Tem experiência na área de Psicologia, com ênfase em Estudo da Subjetividade, atuando principalmente nos seguintes temas: morte, subjetividade, fenomenologia, psicologia clínica e corpo.

Sumário

I - Delimitação de um campo: a subjetividade

1.1 A epistemologia qualitativa da subjetividade e a gestalt-terapia - diálogos?

1.2 Sentido

1.3 Corpo

II - A Gestalt-terapia e a relação dialógica

III - A morte e o morrer

3.1 Histórico e modificações do conceito

3.2 Pensando a morte: a psicologia, a filosofia e a tanatologia

3.3 O paciente, a família e a equipe perante a morte e o morrer

IV - Saúde e doença

O câncer e o doente de câncer

V - Caminhos para a construção do fazer e do saber: considerações metodológicas

5.1 O que se fez e como foi feito?

5.2 O contexto

VI - Estudo de caso: Lúcia

Quem é Lúcia por detrás desse corpo doente?

VII - Considerações finais

7.1 O papel do psicólogo nos contextos da morte e do morrer

7.2 Morte e subjetivação

REFERÊNCIAS

Índice alfabético

A

  • Apresentação.

C

  • Caminhos para a construção do fazer e do saber: considerações metodológicas.
  • Campo. Delimitação. Subjetividade.
  • Câncer e o doente de câncer.
  • Câncer. Doença. Quem é Lúcia por detrás desse corpo doente?
  • Caso. Estudo decaso: Lúcia.
  • Conceito. Morte e o morrer.
  • Considerações finais.
  • Considerações metodológicas. Caminhos para a construção do fazer e do saber.
  • Construção do fazer e do saber. Caminhos. Considerações metodológicas.
  • Contexto. Pesquisa e metodologia.
  • Contextos da morte e do morrer. Papel do psicólogo.
  • Corpo doente. Quem é Lúcia por detrás desse corpo doente?
  • Corpo.

D

  • Delimitação de um campo: a subjetividade.
  • Dialogicidade. Gestalt-terapia e a relação dialógica.
  • Diálogos? Epistemologia qualitativa dasubjetividade e a gestalt-terapia.
  • Doença e saúde.
  • Doença. Câncer e o doente de câncer.
  • Doença. Quem é Lúcia por detrás desse corpo doente?
  • Doente de câncer.

E

  • Epistemologia qualitativa da subjetividade e a gestalt-terapia - diálogos?
  • Equipe médica e multidisciplinar. Paciente, a família e a equipe perante a morte e o morrer.
  • Estudo de caso: Lúcia.
  • Estudo de caso. Quem é Lúcia por detrás desse corpo doente?

F

  • Família. Paciente, a família e a equipe perante a morte e o morrer.
  • Filosofia. Pensando a morte: a psicologia, a filosofia e a tanatologia.

G

  • Gestalt-terapia e a relação dialógica.
  • Gestalt-terapia. Corpo.
  • Gestalt-terapia. Epistemologia qualitativa da subjetividade e a gestalt-terapia - diálogos?
  • Gestalt-terapia. Sentido.

H

  • Histórico e modificações do conceito. Morte e o morrer.

L

  • Lúcia. Estudo de caso.
  • Lúcia. Quem é por detrás desse corpo doente?

M

  • Metodologia e pesquisa. Contexto.
  • Metodologia. Caminhos para a construção do fazer e do saber: considerações metodológicas.
  • Metodologia. O que se fez e como foi feito?
  • Modificações e histórico do conceito. Morte e o morrer.
  • Morrer e morte. Histórico emodificações do conceito.
  • Morrer. Morte e o morrer.
  • Morrer. Paciente, a família e a equipe perante a morte e o morrer.
  • Morrer. Pensando a morte: a psicologia, a filosofia e a tanatologia.
  • Morte e morrer. Papel do psicólogo nos contextos da morte e do morrer.
  • Morte e o morrer.
  • Morte e o morrer. Histórico emodificações do conceito.
  • Morte e subjetivação.
  • Morte. Paciente, a família e a equipe perante a morte e o morrer.
  • Morte. Pensando a morte: a psicologia, a filosofia e a tanatologia.

O

  • O que se fez e como foi feito?

P

  • Paciente, a família e a equipe perante a morte e o morrer.
  • Papel do psicólogo nos contextos da morte e do morrer.
  • Pensando a morte: a psicologia, a filosofia e a tanatologia.
  • Pesquisa e metodologia. Contexto.
  • Pesquisa. Considerações metodológicas. Caminhos para a construção do fazer e do saber.
  • Pesquisa. O que se fez e como foi feito?
  • Psicologia. Pensando a morte: a psicologia, a filosofia e a tanatologia.
  • Psicólogo. Papel do psicólogo nos contextos da morte e do morrer.

Q

  • Quem é Lúcia por detrásdesse corpo doente?

R

  • Referências.
  • Relação dialógica. Gestalt-terapia.

S

  • Saúde e doença.
  • Sentido.
  • Signo. Sentido.
  • Subjetivação.Morte.
  • Subjetividade. Delimitação de um campo.
  • Subjetividade. Epistemologia qualitativa da subjetividade e a gestaltterapia - diálogos?
  • Subjetividade. Morte e subjetivação.

T

  • Tanatologia. Pensando a morte: a psicologia, a filosofia e a tanatologia.

Recomendações

Capa do livro: Histórias da Gestalt-Terapia no Brasil - Um estudo Historiográfico, Danilo Suassuna e Adriano Holanda

Histórias da Gestalt-Terapia no Brasil - Um estudo Historiográfico

 Danilo Suassuna e Adriano HolandaISBN: 978853622627-9Páginas: 98Publicado em: 15/09/2009

Versão impressa

R$ 29,90Adicionar ao
carrinho
Capa do livro: Gestalt-Terapia - Cuidando de Crianças – Teoria e Arte, Sheila Maria da Rocha Antony

Gestalt-Terapia - Cuidando de Crianças – Teoria e Arte

 Sheila Maria da Rocha AntonyISBN: 978853623939-2Páginas: 90Publicado em: 17/09/2012

Versão impressa

R$ 29,90Adicionar ao
carrinho
Capa do livro: Gestalt-Therapy - Taking Care of Children - Theory and Art, Sheila Maria da Rocha Antony - Translation: Marelise Winters

Gestalt-Therapy - Taking Care of Children - Theory and Art

 Sheila Maria da Rocha Antony - Translation: Marelise WintersISBN: 978853624786-1Páginas: 92Publicado em: 20/08/2014

Versão impressa

R$ 29,90Adicionar ao
carrinho