Pobreza, Caridade e Poder - Antiguidade Tardia

Bruno Miranda Zétola

Leia na Biblioteca Virtual
FICHA TÉCNICA
Autor(es): Bruno Miranda Zétola
ISBN: 978853622737-5
Acabamento: Brochura
Número de Páginas: 110
Publicado em: 30/11/2009
Área(s): Literatura e Cultura - Diversos
CONFIRA TAMBÉM
SINOPSE

Em 585, os bispos do Reino Franco, reunidos em um concílio eclesiástico para deliberar assuntos de relevância para suas comunidades, decretaram um cânone estabelecendo que se algum bispo receber um pobre lhe pedindo caridade, “que o receba com hospitalidade, e não lhe solte os cães, pois o bispo deve resguardar os hinos aos latidos, e as boas obras às mordidas venenosas”.
Essa passagem é reveladora da constante divergência entre teoria e prática caritativa no quotidiano da sociedade cristã entre os séculos IV a VIII. Por um lado, discursos, sermões, hagiografias e diversos outros discursos eclesiásticos disseminavam o ideal de que a caridade era o melhor meio para se redimir os pecados e, consequentemente, atingir o Reino dos Céus. Por outro, exercendo um verdadeiro “trust religioso”, a Igreja católica colocava-se como intermediária entre ricos e pobres, e entre este mundo e o Além, tornando-se a maior beneficiária dos recursos materiais e imateriais auferidos de um elaborado circuito caritativo do qual era a principal apologista.
Crítico e bem fundamentado em fontes de época, este livro analisa as transformações econômicas, sociais e mentais ocorridas durante a Antiguidade Tardia que habilitaram a Igreja católica a utilizar a caridade cristã sobretudo como forma de legitimação e afirmação do poder de suas altas hierarquias.
 

AUTOR(ES)

Bruno Miranda Zétola é Formado em História pela UFPR. Diplomata, vive atualmente em Brasília, onde trabalha no Departamento Cultural do Itamaraty. A pesquisa que originou esta obra é resultado de sua Dissertação de Mestrado em História Social, defendida em 2005 no Programa de Pós-Graduação em História da UFPR. No momento, está em processo de conclusão de sua Tese de Doutorado, pela mesma Instituição.

SUMÁRIO

INTRODUÇÃO

Os conceitos de ideologia e de imaginação social na concepção do discurso caritativo cristão

Fontes

CAPÍTULO I O POBRE

1.1 A inexistência social do pobre no baixo-império romano

1.2 O cristianismo e a "invenção" do pobre

1.3 Elementos pauperizantes na Antiguidade Tardia

CAPÍTULO II A CARIDADE

2.1 O evergetismo

2.2 A transformação do evergetismo e a ascensão do sistema caritativo cristão

2.3 Pobres "legítimos" e "ilegítimos" de receber a caridade cristã

CAPÍTULO III O PODER

3.1 Os construtores do imaginário caritativo cristão

3.2 Estímulos para os donativos

3.3 Paradigma do circuito caritativo

3.4 A prática da indiferença: cotejando o discurso com a atuação eclesiástica

CONSIDERAÇÕES FINAIS

REFERÊNCIAS

APÊNDICE DISCURSO CARITATIVO E POLÍTICA EPISCOPAL NA CIDADE DE MÉRIDA (SÉC. VI)

ÍNDICE ALFABÉTICO

A

  • A Caridade
  • Aprática da indiferença: cotejando o discurso com a atuação eclesiástica.
  • Antiguidade tardia. Elementos pauperizantes.
  • Apêndice. Discurso caritativo e política episcopal na cidade de Mérida (séc. VI).
  • Ascensão do sistema caritativo cristão. Transformação do evergetismo
  • Atuação eclesiástica. Prática da indiferença: cotejando o discurso com a atuação eclesiástica.

B

  • Baixo-império romano. Inexistência social do pobre no baixo-império romano.

C

  • Caridade cristã. Pobres "legítimos" e "ilegítimos" de receber a caridade cristã.
  • Caridade.
  • Caridade.Circuito caritativo normativo
  • Caridade. Circuito de poder caritativo.
  • Caridade. Construtores do imaginário caritativo cristão
  • Caridade. Discurso caritativo e política episcopal na cidade de Mérida (séc. VI). Apêndice.
  • Caridade. Paradigma do circuito caritativo
  • Caridade. Pobreza. Evergetismo
  • Circuito caritativo normativo.
  • Circuito caritativo. Paradigma
  • Circuito de poder caritativo
  • Conceitos de ideologia e de imaginação social na concepção do discurso caritativo cristão.
  • Concepção. Discurso caritativo cristão. Conceitos de ideologia e de imaginação social na concepção do discurso caritativo cristão.
  • Consideracoes finais
  • Construtores do imaginário caritativo cristão.
  • Cotejando o discurso com a atuação eclesiástica. Indiferença. Prática.
  • Cristianismo e a invenção do pobre.
  • Cristianismo. Estímulos para os donativos
  • Cristianismo. Imaginário caritativo cristão. Construtores
  • Cristianismo. Transformação do evergetismo e a ascensão do sistema caritativo cristão

D

  • Discurso caritativo e política episcopal na cidade de Mérida (séc. VI). Apêndice.
  • Discurso caritativo cristão. Conceitos de ideologia e de imaginação social na concepção do discurso caritativo cristão
  • Donativo. Estímulos para os donativos.
  • Donativo. Prática da indiferença: cotejando o discurso com a atuação eclesiástica.

E

  • Elementos pauperizantes na Antiguidade tardia.
  • Estímulos para os donativos.
  • Estudo. Fontes.
  • Evergetismo. Pobreza. Caridade
  • Evergetismo. Reciprocidade
  • Evergetismo. Transformação do evergetismo e a ascensão do sistema caritativo cristão
  • Existência social. Pobre. Inexistência social do pobre no baixo-império romano.

F

  • Fontes de estudo

D

  • deologia. Conceitos de ideologia e de imaginação social na concepção do discurso caritativo cristão.

I

  • Imaginação social. Conceitos de ideologia e de imaginação social na concepção do discurso caritativo cristão
  • Imaginário caritativo cristão. Construtores.
  • Império romano. Inexistência social do pobre no baixo-império romano
  • Indiferença. Prática. Cotejando o discurso com a atuação eclesiástica
  • Inexistência social do pobre no baixo-império romano.
  • Introdução
  • Invenção do pobre. Cristianismo.

L

  • Legitimidade. Pobres "legítimos" e "ilegítimos" de receber a caridade cristã.

O

  • O cristianismo e a invenção do pobre.
  • O Pobre.
  • O poder
  • Os conceitos de ideologia e de imaginação social na concepção do discurso caritativo cristão.
  • Os construtores do imaginário caritativo cristão

P

  • Paradigma do circuito caritativo.
  • Pobre.
  • Pobre. Elementos pauperizantes na Antiguidade tardia.
  • Pobre. Inexistência social do pobre no baixo-império romano
  • Pobre. O cristianismo e a invenção do pobre
  • Pobres "legítimos" e "ilegítimos" de receber a caridade cristã.
  • Pobreza. Caridade cristã. Pobres "legítimos" e "ilegítimos" de receber a caridade cristã.
  • Pobreza. Caridade
  • Pobreza. Caridade. Evergetismo
  • Poder caritativo. Circuito.
  • Poder.
  • Política episcopal. Discurso caritativo e política episcopal na cidade de Mérida (séc. VI). Apêndice.
  • Prática da indiferença: cotejando o discurso com a atuação eclesiástica.

R

  • Reciprocidade no evergetismo.
  • Referências.
  • Roma. Inexistência social do pobre no baixo-império romano

S

  • Sistema caritativo cristão. Ascensão. Transformação do evergetismo.
  • Sociedade. Inexistência social do pobre no baixo-império romano.

T

  • Transformação do evergetismo e a ascensão do sistema caritativo cristão.
INDIQUE ESSA OBRA

Indique essa obra para um amigo:

De:

Nome:

E-mail:

Informe apenas 1 email por vez

Para:

Nome:

E-mail:

Informe apenas 1 email por vez


Mensagem: