Eleições e Pesquisas Eleitorais - Desvendando a Caixa-Preta

Adriano Oliveira, Maurício Costa Romão e Carlos Gadelha

Leia na Biblioteca Virtual
Preço:
Parcele em até 6x sem juros no cartão. Parcela mínima de R$ 20,00
FICHA TÉCNICA
Autor(es): Adriano Oliveira, Maurício Costa Romão e Carlos Gadelha
ISBN: 978853623643-8
Acabamento: Brochura
Número de Páginas: 226
Publicado em: 03/02/2012
Área(s): Direito Eleitoral; Economia
CONFIRA TAMBÉM
SINOPSE

Qual é a importância das pesquisas eleitorais? Este livro responde a esta indagação. Um cientista político, um economista e um estatístico nos ensinam a fazer e a analisar pesquisas eleitorais. Os autores não construíram uma obra teórica apenas. Foram além. Dados variados são mencionados, os quais facilitam a compreensão do leitor. Após a leitura do livro, o leitor, certamente, indagará: Como tomar boas decisões nos âmbitos empresarial e político sem o auxílio de pesquisas? Respondo, com tranquilidade: quase impossível, pois boas pesquisas auxiliam na tomada de decisões eficientes. Este livro é uma obra que deve ser lida por profissionais que diariamente precisam tomar decisões. Em particular, os políticos. Estratégias eleitorais eficientes são construídas por meio de pesquisas. Sem elas, as estratégias podem ser ineficientes. Esta é a principal conclusão do livro. Os autores estão de parabéns. Linguagens empírica e teórica. Presença de variados dados. E interpretação adequada. Um livro essencial para os que tomam decisões. E que precisam agir estrategicamente.

Janyo Diniz - CEO do Grupo Ser Educacional e Diretor Executivo da Contexto Estratégia

AUTOR(ES)

Adriano Oliveira é Doutor em Ciência Política. Professor do Departamento de Ciência Política da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE). Coordenador do Núcleo de Estratégias e Política Eleitoral da UFPE. Autor de artigos sobre opinião pública, estratégias eleitorais e comportamento eleitoral.

Maurício Costa Romão é PhD em Economia. Professor aposentado da Universidade Federal de Pernambuco. Consultor da Contexto Estratégia e do Instituto de Pesquisa Maurício de Nassau. Autor de variadas publicações sobre pesquisas e sistemas eleitorais.

Carlos Gadelha é Mestre em Estatística. Doutorando em Ciência da Computação. Estatístico do Instituto de Pesquisa Maurício de Nassau. Consultor da Contexto Estratégia. Professor da Faculdade Maurício de Nassau.


 

SUMÁRIO

INTRODUÇÃO

Capítulo 1 - PESQUISA ELEITORAL E AMOSTRA

1.1 Pesquisa de Opinião

1.1.1 Preliminares

1.1.2 Amostra

1.1.3 Coleta de dados

1.1.4 Trabalho de campo

1.2 Tamanho e Representatividade

1.3 Erros e Custos

1.3.1 Níveis de confiança

1.4 Tamanho da Amostra: Fórmulas Simplificadas

1.4.1 Preliminares

1.4.2 A fórmula básica de cálculo

1.4.3 A fórmula simplificada

1.4.4 A regra de bolso

1.4.5 Exemplos

1.5 Probabilísticas e por Cotas

1.5.1 Como se elabora a amostra para pesquisa de intenção de voto no Brasil

1.5.2 Estratos e setores censitários

1.5.3 Conglomerados

1.5.4 Estágios

1.5.5 Exemplo de um plano amostral de pesquisa de intençã o de voto

1.6 Espontânea e Estimulada

1.7 Quantitativa e Qualitativa

Capítulo 2 - LEITURA DOS NÚMEROS

2.1 Divergências de Metodologia Entre Institutos

2.1.1 Discrepâncias de intenção de voto

2.1.2 Definição do universo pesquisado

2.1.3 Sequência das perguntas

2.1.4 Questionários

2.2 Votos em Branco, Nulos e Indecisos

2.2.1 Superestimação

2.3 Votos em Branco, Nulos e Escolaridade

2.4 Votos em Branco, Nulos, Abstenção e Expectativas de Votação

2.4.1 Considerações complementares

2.5 De Votos Totais Para Votos Válidos

2.5.1 Votos totais x votos válidos

2.5.2 Apêndicereductio ad absurdum

2.5.3 Demonstração

2.6 Cronologia e Leitura dos Números

2.7 Pesquisas Para Senador

2.8 Resultados por Subconjunto Amostral

2.9 Compensando a Vantagem do Adversário

2.10 Arredondamento Muda Resultado

Capítulo 3 - COMPREENDENDO OS RESULTADOS

3.1 Critérios Para Avaliar Desempenho

3.2 Emoção e Razão

3.3 Boca de Urna

3.4 Resultados de 2010

3.4.1 Números contam a história

3.4.2 Escândalo da Casa Civil

3.4.3 Leitura por patamares

3.4.4 Erros, acertos e controles

3.4.5 Teste de influência

3.4.6 Síntese das pesquisas do segundo turno

3.4.7 Superestimando o primeiro colocado

Capítulo 4 - MISCELÂNEA

4.1 Conflito de Interesses

4.2 Já foi Entrevistado por Alguma Pesquisa Eleitoral?

4.3 Marketing Político e a Pesquisa Eleitoral de Tracking

4.4 Potencial de Transferência de Votos

4.5 Reclama Porque Quer!

4.5.1 Motivo 1: resultados semelhantes

4.5.2 Motivo 2: projeção.

4.5.3 Motivo 3: discrepância de resultados

4.5.4 Motivo 4: "tiro no pé"

4.5.5 Motivo 5: ex ante, post factum

4.6 A Popularidade das Pesquisas Eleitorais no Brasil

4.7 Regulamentação das Pesquisas Eleitorais.

Capítulo 5 - PARA QUE SERVEM AS PESQUISAS ELEITORAIS? INTERPRETAÇÃO, CENÁRIOS E ESTRATÉGIAS

5.1 Introdução.

5.2 Qual é a Razão de Fazer Pesquisas Eleitorais?

5.2.1 Os fenômenos eleitorais

5.2.2 O contexto, os eleitores e os atores

5.2.3 O ato de votar é uma ação social

5.2.4 Pesquisas qualitativas e quantitativas

5.2.5 Pesquisas: retratos do momento, mas sugerem o futuro

5.2.6 Eleitores fazem escolhas

5.2.7 Valores, mudança cultural e estratificação

5.2.7 Paixão e cisnes negros

5.3 Decifrando o Contexto Social

5.3.1 A construção do questionário e a interpretação dos dados

5.4 Construindo Cenários Eleitorais Mediante Pesquisas

5.4.1 As estratégias eleitorais

5.4.2 Um modelo que sugere a trajetória do eleitor

REFERÊNCIAS

ÍNDICE ALFABÉTICO

A

  • Abstenção. Votos em branco, nulos, abstenção e ex pectativas de votação
  • Ação social. Ato de votar é uma ação social .
  • Adversário. Compensando a vantagem do adversário
  • Amostra .
  • Amostra. Pesquisa eleitoral e amostra .
  • Amostra. Resultados por subconjunto amostral .
  • Amostra. Tamanho da amostra: fórmulas simplificad as
  • Apêndicereductio ad absurdum
  • Arredondamento muda resultado.
  • Ato de votar é uma ação social .
  • Atores. Qual é a razão de fazer pesquisas eleitorais?

B

  • Boca de urna .
  • Bolso. Regra de bolso .

C

  • Cálculo. Fórmula básica de cálculo
  • Campanha eleitoral. Motivo 1. Resultados semelhan tes
  • Campanha eleitoral. Motivo 2. Projeção .
  • Campanha eleitoral. Motivo 3. Discrepância de res ultados
  • Campanha eleitoral. Motivo 4. "Tiro no pé" .
  • Campanha eleitoral. Motivo 5. Ex ante, post factum
  • Campanha eleitoral. Reclama porque quer! .
  • Cenário eleitoral. Construindo cenários eleitorais mediante pesquisas
  • Cenário. Para que servem as pesquisas eleitorais? Interpretação, cenários e estratégias
  • Coleta de dados .
  • Como se elabora a amostra para pesquisa de intenç ão de voto no Brasil
  • Compensando a vantagem do adversário
  • Compreendendo os resultados .
  • Confiança. Níveis de confiança .
  • Conflito de interesses .
  • Conglomerados .
  • Construção do questionário e a interpretação dos dados
  • Construindo cenários eleitorais mediante pesquisas
  • Cotas. Probabilísticas e por cotas .
  • Critérios para avaliar desempenho
  • Cronologia e leitura dos números
  • Custos. Erros e custos .

D

  • Dados. Coleta de dados .
  • Definição do universo pesquisado .
  • Desempenho. Critérios para avaliar desempenho
  • Discrepâncias de intenção de voto .
  • Divergências de metodologia entre institutos

E

  • Eleição. Contexto, os eleitores e os atores .
  • Eleição. Estratégias eleitorais .
  • Eleições. Pesquisa eleitoral e amostra .
  • Eleitor. Um modelo que sugere a trajetória do ele itor
  • Eleitores fazem escolhas .
  • Emoção e razão .
  • Erros e custos .
  • Escolaridade. Votos em branco, nulos e escolarida de
  • Escolhas. Eleitores fazem escolhas .
  • Estágios
  • Estratégia. Para que servem as pesquisas eleitorais? Interpretação, cenários e estratégias
  • Estratégias eleitorais
  • Estratificação. Valores, mudança cultural e estra tificação
  • Estratos e setores censitários
  • Exemplo de um plano amostral de pesquisa de intenção de voto
  • Expectativa de votação. Votos em branco, nulos, abstenção e expectativas de votação .

F

  • Fenômenos eleitorais .
  • Fórmula básica de cálculo
  • Fórmula simplificada .
  • Fórmula simplificada. Exemplos .
  • Fórmula simplificada. Regra de bolso .
  • Fórmula simplificada. Tamanho da amostra: fórmulas simplificadas

H

  • Hermenêutica. Para que servem as pesquisas eleitorais? Interpretação, cenários e estratégias

I

  • Indecisão. Votos em branco, nulos e indecisos .
  • Intenção de voto. Discrepâncias de intenção de voto
  • Intenção de votos. Como se elabora a amostra para pesquisa de intenção de voto no Brasil
  • Interesse. Conflito de interesses .
  • Interpretação de dados. Construção do questionário e a interpretação dos dados
  • Interpretação. Para que servem as pesquisas eleitorais? Interpretação, cenários e estratégias
  • Introdução .

J

  • Já foi entrevistado por alguma pesquisa eleitoral?

L

  • Leitura dos números

M

  • Marketing político e a pesquisa eleitoral de tracking
  • Metodologia. Divergências de metodologia entre institutos
  • Miscelânea .
  • Mudança cultural. Valores, mudança cultural e est ratificação

N

  • Níveis de confiança .
  • Números. Leitura dos números

O

  • Opinião. Pesquisa de opinião .

P

  • Para que servem as pesquisas eleitorais? Interpre tação, cenários e estratégias
  • Para que servem as pesquisas eleitorais? Interpre tação, cenários e estratégias. Introdução .
  • Perguntas. Sequência das perguntas
  • Pesquisa de intenção de voto. Exemplo de um plano amostral de pesquisa de intenção de voto .
  • Pesquisa de intenção de votos. Como se elabora a amostra para pesquisa de intenção de voto no Brasil .
  • Pesquisa de opinião .
  • Pesquisa de opinião. Preliminares .
  • Pesquisa eleitoral e amostra .
  • Pesquisa eleitoral. Decifrando o contexto social
  • Pesquisa eleitoral. Já foi entrevistado por alguma pesquisa eleitoral?
  • Pesquisa eleitoral. Marketing político e a pesquisa eleitoral de tracking
  • Pesquisa eleitoral. Paixão e cisnes negros .
  • Pesquisa eleitoral. Para que servem as pesquisas eleitorais? Interpretação, cenários e estratégias
  • Pesquisa eleitoral. Popularidade das pesquisas el eitorais no Brasil
  • Pesquisa eleitoral. Qual é a razão de fazer pesquisas eleitorais?
  • Pesquisa eleitoral. Regulamentação das pesquisas eleitorais
  • Pesquisa. Coleta de dados .
  • Pesquisa. Construindo cenários eleitorais mediante pesquisas
  • Pesquisa. Definição do universo pesquisado .
  • Pesquisa. Espontânea e estimulada .
  • Pesquisa. Quantitativa e qualitativa .
  • Pesquisa. Trabalho de campo .
  • Pesquisas para senador .
  • Pesquisas qualitativas e quantitativas .
  • Pesquisas: retratos do momento, mas sugerem o fut uro
  • Plano amostral. Exemplo de um plano amostral de p esquisa de intenção de voto
  • Popularidade das pesquisas eleitorais no Brasil .
  • Potencial de transferência de votos
  • Probabilísticas e por cotas .

Q

  • Qual é a razão de fazer pesquisas eleitorais?
  • Questionário. Construção do questionário e a interpretação dos dados
  • Questionários

R

  • Razão de fazer pesquisas eleitorais .
  • Razão e emoção .
  • Reductio ad absurdum. Apêndicereductio ad absurdum
  • Referências
  • Regra de bolso .
  • Regulamentação das pesquisas eleitorais .
  • Representatividade. Tamanho e representatividade
  • Resultado. Arredondamento muda resultado .
  • Resultado. Compreendendo os resultados .
  • Resultados de 2010 .
  • Resultados de 2010. Erros, acertos e controles .
  • Resultados de 2010. Escândalo casa civil .
  • Resultados de 2010. Leitura por patamares .
  • Resultados de 2010. Números contam a história .
  • Resultados de 2010. Síntese das pesquisas do segu ndo turno
  • Resultados de 2010. Superestimando o primeiro col ocado
  • Resultados de 2010. Teste de influência
  • Resultados por subconjunto amostral .

S

  • Senado. Pesquisas para senador .
  • Sequência das perguntas
  • Setores censitários e estratos
  • Superestimação .

T

  • Tamanho da amostra: fórmulas simplificadas.
  • Tamanho da amostra: fórmulas simplificadas. Preli minares
  • Tamanho e representatividade .
  • Trabalho de campo .
  • Tracking. Marketing político e a pesquisa eleitoral de tracking
  • Transferência de votos. Potencial de transferência de votos

U

  • Urna. Boca de urna .

V

  • Validade. Votos totais para votos válidos
  • Validade. Votos totais x votos válidos
  • Valores, mudança cultural e estratificação .
  • Voto. Ato de votar é uma ação social .
  • Voto. Discrepâncias de intenção de voto .
  • Voto. Exemplo de um plano amostral de pesquisa de intenção de voto
  • Votos em branco, nulos e escolaridade .
  • Votos em branco, nulos e indecisos.
  • Votos em branco, nulos, abstenção e expectativas de votação
  • Votos em branco, nulos, abstenção e expectativas de votação. Considerações complementares .
  • Votos totais para votos válidos
  • Votos totais x votos válidos
  • Votos. Como se elabora a amostra para pesquisa de intenção de voto no Brasil
  • Votos. Potencial de transferência de votos
  • Votos. Totais e válidos. Demonstração
INDIQUE ESSA OBRA

Indique essa obra para um amigo:

De:

Nome:

E-mail:

Informe apenas 1 email por vez

Para:

Nome:

E-mail:

Informe apenas 1 email por vez


Mensagem: