Filosofia Jurídica - A Decisão Judicial para Kelsen e Dworkin e o Juízo de Kant

Danilo Pires Atala

Parcele em até 6x sem juros no cartão.
Parcela mínima de R$ 30,00

Versão impressa

Versão digital

Disponível para:AndroidiOSWindows Phone

Ficha técnica

Autor(es): Danilo Pires Atala

ISBN v. impressa: 978853626642-8

ISBN v. digital: 978853626718-0

Acabamento: Brochura

Número de páginas: 210

Publicado em: 20/03/2017

Área(s): Direito - Filosofia do Direito

Versão Digital (e-Book)

Para leitura em aplicativo exclusivo da Juruá Editora para Smartphones e Tablets rodando iOS, Android ou Windows Phone;

Disponível para as plataformas:

  • Android Android Android 4 ou posterior
  • iOSiOS iOS 7 ou posterior
  • Windows Phone Windows Phone Windows Phone 8 ou posterior

Não compatível para leitura em computadores;
Não permite a impressão do conteúdo.

Compra apenas via site da Juruá Editora.

Sinopse

O ponto de partida da presente obra é expor a lei segundo Platão (A República) e Aristóteles (Retórica e Ética à Nicômaco) para fazer contraponto com o positivismo jurídico que é fundado por Hobbes (Leviatã). Kelsen (Teoria Pura do Direito) deu caráter científico ao Direito isolando seu objeto, que é a norma pura, e definindo seu método, que é a vinculação da norma maior so­bre a menor. Acontece que este Direito científico não alcançou a objetividade científica nos limites internos da moldura kelseniana (quando se tem moldura). Assim o rigor científico empregado ao Direito não logrou seu objetivo: a decisão objetiva (ou correta). Neste sentido se investigou as principais teorias: Savigny (Metodologia Jurídica), Dworkin (Levando os Direitos a Sério e Império da Justiça), Müller (Teoria Estruturante do Direito) e Alexy (Teoria da Argumentação Jurídica).

Buscou-se uma concepção metafísica do Direito, investigando uma causa primeira e uma concepção filosófica de Justiça em Aristóteles (Política), libertária (Nozick e Friedman), utilitária (Bentham e Mill), kantiana (Fundamentação da Metafísica e dos Costumes e Introdução ao Estudo do Direito: Doutrina do Direi­to), rawlsiana (Uma Teoria de Justiça) e dworkiana (A Virtude Soberana). Investigou-se, ainda, a capacidade humana de fazer juízo (decisão) em Aristóteles (Ética à Nicômaco), Kant (Crítica do Juízo) e Gadamer (Verdade e Método).

Os resultados da presente obra são: a) uma concepção de direito pleno (e não puro); b) um método que tem a pretensão de mini­mizar a subjetividade nas decisões.

Autor(es)

DANILO PIRES ATALA
Doutor em Ciências Jurídicas e Sociais pela Universidad del Museo Social Argentino, com a tese Crítica da Metodologia da Norma Individual, sob a orien­tação do Dr. Anibal Américo D’Auria. Mestre em Direitos Humanos e Sustentabilidade pela Universidade Federal do Pará, com a dissertação A For­mação do Direito como Ciência Positiva em Kelsen, sob a orientação do Dr. Paulo Ségio Weyl A. Costa. Bacharel em Direito pela Universidade do Estado de Mato Grosso. Advogado militante desde 1999, com foco no Direito Civil e do Tra­balho. Professor Efetivo do Curso de Direito da Universi­dade do Estado de Mato Gros­so desde 1999, atualmente nas cadeiras de Direito Proces­sual Civil.

Sumário

INTRODUÇÃO

Capítulo 1 - O SABER METAFÍSICO DE PLATÃO E ARISTÓTELES E A LEI

1.1 O Saber Metafísico de Platão e Aristóteles

1.2 A Legislação para Platão e Aristóteles

Capítulo 2 - A NOVA CIÊNCIA DO SÉCULO XVII E O NASCIMENTO DO DIREITO POSITIVO

2.1 O Saber da Objetividade Científica do Século XVII: o Método

2.2 O Nascimento do Direito Positivo

2.3 Conclusões Provisórias: a Lei Escrita para Platão, Aristóteles e Hobbes

Capítulo 3 - A NÃO OBJETIVIDADE CIENTÍFICA DO DIREITO, ENQUANTO CIÊNCIA JURÍDICA NORMATIVISTA, EM KELSEN

3.1 A Teoria Kelseniana

3.2 Críticas à Teoria Kelseniana

3.2.1 A norma fundamental é uma ideia?

3.2.2 A vigência, a eficácia e a validade da norma jurídica

3.2.3 A Teoria Pura do Direito é uma teoria real ou ideológica?

3.2.4 A liberdade negativa como direito

3.3 A Subjetividade, a Discricionariedade e da Arbitrariedade em Kelsen

3.3.1 A norma individual no centro da estreita moldura: a decisão vinculante

3.3.2 A norma individual em qualquer lugar da larga moldura: a decisão discricionária

3.3.3 A norma individual fora da moldura (estreita ou larga): a decisão ilegal

3.3.4 A norma individual sem qualquer moldura: a decisão arbitrária

3.4 O Conteúdo da Moldura (Quando se tem Moldura): o Solipsismo, a Subjetividade e a Objetividade

3.5 Conclusões Provisórias - a Lei/Norma Jurídica para Aristóteles, Hobbes e Kelsen

Capítulo 4 - ALGUMAS ESTRATÉGIAS PARA ALCANÇAR A OBJETIVIDADE JURÍDICA

4.1 O Método Jurídico de Savigny

4.1.1 Críticas ao método de Savigny

4.2 O Conteúdo da Norma Jurídica e a Teoria de Dworkin

4.2.1 Distinção entre common law e direito legislado

4.2.2 Conteúdo da norma jurídica: regras, princípios e política

4.2.3 A teoria do direito com integridade de Dworkin

4.2.4 Críticas à teoria dworkiana

4.3 A Teoria Estruturante do Direito de Müller

4.3.1 Críticas à teoria de Müller

4.4 A Teoria da Argumentação Jurídica de Alexy

4.4.1 Críticas à teoria de Alexy

4.5 Conclusões Provisórias

Capítulo 5 - O JUÍZO FILOSÓFICO

5.1 Phronêsis (Prudência) de Aristóteles

5.2 O Juízo para Kant

5.2.1 O belo

5.2.2 Conclusões provisórias

5.3 Juízo para Gadamer

5.3.1 Os conceitos básicos do humanismo para Gadamer: a formação, o senso comum, o juízo e o gosto

5.3.2 A verdade sem método de Gadamer

5.3.3 Conclusões provisórias

5.4 Enfim, o que é Juízo?

Capítulo 6 - PRINCÍPIO METAFÍSICO E CAUSA FINAL DO DIREITO

6.1 A Causa Primeira ou Princípio Metafísico do Direito

6.2 O Fim Último do Direito - o que é Justiça?

6.2.1 Seis teorias de justiça - dos navegantes de Aristóteles aos náufragos de Dworkin

6.2.1.1 A justiça para Aristóteles: o propósito/finalidade

6.2.1.2 A justiça sob a ótica libertária

6.2.1.3 A justiça sob a ótica utilitarista

6.2.1.4 A justiça para Kant: a pessoa com fim em si

6.2.1.5 A justiça para Rawls: a igualdade de meios

6.2.1.6 A justiça para Dworkin: a igualdade de recursos

6.2.2 Conclusões provisórias

Capítulo 7 - A SUPERAÇÃO DA CRÍTICA: O MÉTODO DO JUÍZO JURÍDICO

CONCLUSÃO

REFERÊNCIAS

Índice alfabético

A

  • Alexy. Críticas à teoria de Alexy
  • Alexy. Teoria da Argumentação Jurídica de Alexy
  • Arbitrariedade. Subjetividade, a discricionariedade e da arbitrariedade em Kelsen
  • Aristóteles. Conclusões provisórias. A lei/norma jurídica para Aristóteles, Hobbes e Kelsen
  • Aristóteles. Justiça para Aristóteles: o propósito/finalidade
  • Aristóteles. Legislação para Platão e Aristóteles
  • Aristóteles. Saber metafísico de Platão e Aristóteles

C

  • Causa final. Princípio metafísico e causa final do direito
  • Ciência jurídica normativista. Não objetividade científica do direito, en-quanto ciência jurídica normativista, em Kelsen
  • Ciência. Nova ciência do século XVII e o nascimento do direito positivo
  • Common Law. Distinção entre Common Law e direito legislado
  • Conclusão
  • Conclusões provisórias. A lei/norma jurídica para Aristóteles, Hobbes e Kelsen
  • Conclusões provisórias: a lei escrita para Platão, Aristóteles e Hobbes
  • Conteúdo da moldura (quando se tem moldura): o solipsismo, a subjeti-vidade e a objetividade
  • Conteúdo da norma jurídica e a Teoria de Dworkin
  • Críticas à Teoria Kelseniana
  • Críticas ao método de Savigny

D

  • Decisão arbitrária. Norma individual sem qualquer moldura: a decisão arbitrária
  • Decisão discricionária. Norma individual em qualquer lugar da larga mol-dura: a decisão discricionária
  • Decisão ilegal. Norma individual fora da moldura (estreita ou larga): a decisão ilegal
  • Decisão vinculante. Norma individual no centro da estreita moldura: a decisão vinculante
  • Direito legislado. Distinção entre common law e direito legislado
  • Direito Positivo. Nascimento do Direito Positivo
  • Direito Positivo. Nova ciência do século XVII e o nascimento do direito positivo
  • Direito. Liberdade negativa como direito
  • Discricionariedade. Subjetividade, a discricionariedade e da arbitrariedade em Kelsen
  • Dworkin. Críticas à teoria dworkiana
  • Dworkin. Justiça para Dworkin: a igualdade de recursos
  • Dworkin. Teoria do Direito com integridade de Dworkin

E

  • Eficácia. Vigência, a eficácia e a validade da norma jurídica

F

  • Fim último do direito. O que é justiça?
  • Fim último do direito. O que é justiça? Conclusões provisórias

G

  • Gadamer. Conceitos básicos do humanismo para Gadamer: a formação, o senso comum, o juízo e o gosto
  • Gadamer. Juízo para Gadamer
  • Gadamer. Verdade sem método de Gadamer

H

  • Hobbes. Conclusões provisórias. A lei/norma jurídica para Aristóteles, Hobbes e Kelsen

I

  • Ideologia. Teoria Pura do Direito é uma teoria real ou ideológica?
  • Introdução

J

  • Juízo crítico. Superação da crítica: o método do juízo jurídico
  • Juízo filosófico
  • Juízo filosófico. Conclusões provisórias
  • Juízo para Gadamer
  • Juízo para Gadamer. Conclusões provisórias
  • Juízo para Kant
  • Juízo para Kant. Belo
  • Juízo. Enfim, o que é Juízo?
  • Justiça para Aristóteles: o propósito/finalidade
  • Justiça para Dworkin: a igualdade de recursos
  • Justiça para Kant: a pessoa com fim em si
  • Justiça para Rawls: a igualdade de meios
  • Justiça sob a ótica libertária
  • Justiça sob a ótica utilitarista

K

  • Kant. Juízo para Kant
  • Kant. Justiça para Kant: a pessoa com fim em si
  • Kelsen. Conclusões provisórias. A lei/norma jurídica para Aristóteles, Hobbes e Kelsen
  • Kelsen. Não objetividade científica do direito, enquanto ciência jurídica normativista, em Kelsen
  • Kelsen. Subjetividade, a discricionariedade e da arbitrariedade em Kelsen
  • Kelsen. Teoria Kelseniana

L

  • Legislação para Platão e Aristóteles
  • Lei escrita para Platão, Aristóteles e Hobbes. Conclusões provisórias: a lei escrita para Platão, Aristóteles e Hobbes
  • Lei. Conclusões provisórias. A lei/norma jurídica para Aristóteles, Hobbes e Kelsen
  • Liberdade negativa como direito

M

  • Método jurídico de Savigny
  • Müller. Críticas à teoria de Müller
  • Müller. Teoria Estruturante do Direito de Müller

N

  • Não objetividade científica do direito, enquanto ciência jurídica normati-vista, em Kelsen
  • Nascimento do Direito Positivo
  • Norma fundamental é uma ideia?
  • Norma individual em qualquer lugar da larga moldura: a decisão discrici-onária
  • Norma individual fora da moldura (estreita ou larga): a decisão ilegal
  • Norma individual no centro da estreita moldura: a decisão vinculante
  • Norma individual sem qualquer moldura: a decisão arbitrária
  • Norma jurídica. Conclusões provisórias. A lei/norma jurídica para Aristó-teles, Hobbes e Kelsen
  • Norma jurídica. Conteúdo da norma jurídica e a Teoria de Dworkin
  • Norma jurídica. Conteúdo da norma jurídica: regras, princípios e política
  • Norma jurídica. Vigência, a eficácia e a validade da norma jurídica
  • Nova ciência do século XVII e o nascimento do direito positivo

O

  • Objetividade jurídica. Algumas estratégias para alcançar a objetividade jurídica
  • Objetividade jurídica. Algumas estratégias para alcançar a objetividade jurídica. Conclusões provisórias
  • Objetividade. Conteúdo da moldura (quando se tem moldura): o solip-sismo, a subjetividade e a objetividade
  • Ótica libertária. Justiça sob a ótica libertária
  • Ótica utilitarista. Justiça sob a ótica utilitarista

P

  • Phronêsis (Prudência) de Aristóteles
  • Platão. Legislação para Platão e Aristóteles
  • Platão. Saber metafísico de Platão e Aristóteles e a lei
  • Princípio metafísico e causa final do direito
  • Princípio metafísico. Causa primeira ou princípio metafísico do direito

R

  • Rawls. Justiça para Rawls: a igualdade de meios
  • Realidade. Teoria Pura do Direito é uma teoria real ou ideológica?
  • Referências

S

  • Saber da objetividade científica do século XVII: o método
  • Saber metafísico de Platão e Aristóteles e a lei
  • Savigny. Críticas ao método de Savigny
  • Savigny. Método jurídico de Savigny
  • Seis teorias de justiça. Dos navegantes de Aristóteles aos náufragos de Dworkin
  • Solipsismo. Conteúdo da moldura (quando se tem moldura): o solipsismo, a subjetividade e a objetividade
  • Subjetividade, a discricionariedade e da arbitrariedade em Kelsen
  • Subjetividade. Conteúdo da moldura (quando se tem moldura): o solip-sismo, a subjetividade e a objetividade
  • Superação da crítica: o método do juízo jurídico

T

  • Teoria da Argumentação Jurídica de Alexy
  • Teoria de Dworkin. Conteúdo da norma jurídica e a Teoria de Dworkin
  • Teoria do Direito com integridade de Dworkin
  • Teoria Estruturante do Direito de Müller
  • Teoria Kelseniana
  • Teoria Kelseniana. Críticas à Teoria Kelseniana
  • Teoria Pura do Direito é uma teoria real ou ideológica?

V

  • Vigência, a eficácia e a validade da norma jurídica

Recomendações

Capa do livro: Direitos Humanos e Cidadania no Pensamento de Hannah Arendt, Iara Lúcia Santos Mellegari

Direitos Humanos e Cidadania no Pensamento de Hannah Arendt

 Iara Lúcia Santos MellegariISBN: 978853623915-6Páginas: 156Publicado em: 18/09/2012

Versão impressa

R$ 47,70Adicionar ao
carrinho
Capa do livro: Hermenêutica e Interpretação Jurídica, Victor Augusto Estevam Valente

Hermenêutica e Interpretação Jurídica

 Victor Augusto Estevam ValenteISBN: 978853626464-6Páginas: 282Publicado em: 14/12/2016

Versão impressa

R$ 94,70Adicionar ao
carrinho

Versão digital

R$ 67,70Adicionar eBook
ao carrinho
Capa do livro: Direito Internacional dos Direitos Humanos, Bernardo Pereira de Lucena Rodrigues Guerra

Direito Internacional dos Direitos Humanos

 Bernardo Pereira de Lucena Rodrigues GuerraISBN: 853621265-9Páginas: 304Publicado em: 25/05/2006

Versão impressa

R$ 89,90Adicionar ao
carrinho

Versão digital

R$ 61,90Adicionar eBook
ao carrinho
Capa do livro: Filosofia Jurídica da Alteridade, José Carlos Moreira da Silva Filho

Filosofia Jurídica da Alteridade

 José Carlos Moreira da Silva FilhoISBN: 857394139-1Páginas: 282Publicado em: 01/10/1998

Versão impressa

R$ 84,70Adicionar ao
carrinho