Ironia, A - Considerações Filosóficas e Psicológicas

Adriano Facioli

Leia na Biblioteca Virtual
Preço:
Parcele em até 6x sem juros no cartão. Parcela mínima de R$ 20,00
FICHA TÉCNICA
Autor(es): Adriano Facioli
ISBN: 978853622983-6
Acabamento: Brochura
Número de Páginas: 196
Publicado em: 13/05/2010
Área(s): Psicologia - Diversos; Filosofia
CONFIRA TAMBÉM
SINOPSE

Só denominamos como irônico o ato malicioso, consciente de seus propósitos, e não o que é inocente e simplesmente equivocado. A inocência, quando toca a comicidade, é risível, como são risíveis as crianças em seus tropeços e confusões hilárias. Rimos dos erros cômicos do inocente. Por outro lado, para o cenário da ironia, o risível somos nós. Nosso riso pode voltar-se contra nós mesmos, quando menos esperamos, pois o ironista, na sua indefinição, esconde parte do jogo, e parece sempre pronto para pegar-nos em sua armadilha de enganos. É do ofício do ironista deixar-nos sempre a flutuar sobre a incerteza, a possibilidade constante da ignorância e do engano.

AUTOR(ES)

Adriano Facioli é Doutor e Mestre em Psicologia Clínica pela Universidade de Brasília – UnB; Psicólogo pela Universidade de São Paulo – USP. Autor do livro: Hipnose: fato ou fraude?, (Editora Átomo, Campinas, 2006).
 

SUMÁRIO

Introdução

Capítulo 1 - A ironia, seus sentidos e usos

1.1 Algumas definições: por uma tentativa de delimitação do conceito

1.2 Ironia e circularidade de sentido

Capítulo 2 - A ironia e sua relação com o paradoxo

2.1 Conceito e formação de paradoxos

2.2 Paradoxos pragmáticos podem ser indutores de criatividade

2.3 Paradoxos e algumas possíveis aplicações clínicas

2.4 Ironia e non-sense

Capítulo 3 - A ironia e aregra da abstinência

3.1 A ironia em Kierkegaard e sua negatividade

3.2 Ironia kierkegaardiana, estética e regra da abstinência.

Capítulo 4 - Ironia e narcisismo

4.1 Introdução

4.2 O narcisismo e duas formas de liberdade

4.3 Narcisismo e liberdade

4.4 Partindo do desespero

4.5 Eu e ironia

Capítulo 5 - Análise de uma intervenção

5.1 Introdução

5.2 "Conversa com Deus": uma intervenção baseada no jogo de papéis

5.3 Interpretação e sugestão

5.4 Abstinência e jogo

Considerações Finais

Referências

ÍNDICE ALFABÉTICO

A

  • A ironia e a regra da abstinência.
  • A ironia e sua relação com o paradoxo.
  • A ironia em Kierkegaard e sua negatividade.
  • A ironia, seus sentidos e usos.
  • A ironia, seus sentidos e usos.
  • Abstinência. Ironia e a regra da abstinência.
  • Algumas definições: por uma tentativa de delimitação do conceito.
  • Análise de uma intervenção. Introdução.
  • Aplicação clínica. Paradoxos e algumas possíveis aplicações clínicas.

B

  • Bibliografia. Referências.

C

  • Campo empírico. Análise de uma intervenção.
  • Circularidade de sentido e ironia.
  • Clínica. "Conversa com Deus": uma intervenção baseada no jogo de papéis.
  • Clínica. Paradoxos e algumas possíveis aplicações clínicas.
  • Cnclusão. Considerações finais.
  • Conceito de ironia. Algumas definições: por uma tentativa de delimitação do conceito.
  • Conceito de ironia. Definição. Tentativa de delimitação do conceito.
  • Conceito e formaçãode paradoxos.
  • Considerações finais.
  • "Conversa com Deus": uma intervenção baseada no jogo de papéis.
  • Criatividade. Paradoxos pragmáticos podem ser indutores de criatividade.

D

  • Definição. Conceito de ironia. Tentativa de delimitação do conceito.
  • Definição. Conceito eformação de paradoxos.
  • Delimitação do conceitode ironia. Definição.
  • Desespero. Partindo do desespero.

E

  • Estética. Ironia kierkegaardiana, estética e regra da abstinência.
  • Eu e ironia.

F

  • Formação de paradoxos. Conceito.
  • Formas de liberdade. Narcisismo e duas formas de liberdade.

I

  • Indução à criatividade. Paradoxos pragmáticos podem ser indutores de criatividade.
  • Intervenção clínica. "Conversa com Deus": uma intervenção baseada no jogo de papéis.
  • Intervenção. Análise de uma intervenção.
  • Introdução.
  • Introdução. Análise de uma intervenção.
  • Introdução. Ironiae narcisismo.
  • Ironia e a regra da abstinência.
  • Ironia e circularidade de sentido.
  • Ironia e Eu.
  • Ironia e narcisismo.
  • Ironia e narcisismo. Introdução.
  • Ironia e sua relação com o paradoxo.
  • Ironia em Kierkegaard e sua negatividade.
  • Ironia, seus sentidos e usos.
  • Ironia. Partindo do desespero.

J

  • Jogo de papéis. "Conversa com Deus": uma intervenção baseada no jogo de papéis.
  • Jogo e abstinência.

K

  • Kierkegaard. Ironia em Kierkegaard e sua negatividade.
  • Kierkegaard. Ironia kierkegaardiana, estética e regra da abstinência.

L

  • Liberdade. Narcisismo e duas formas de liberdade.
  • Liberdade. Narcisismo e liberdade.
  • Liberdade. Partindo do desespero.

N

  • Narcisismo e duas formas de liberdade.
  • Narcisismo. Ironia.
  • Narcisismo. Partindo do desespero.
  • Negatividade. Ironia em Kierkegaard e sua negatividade.
  • Non-sense. Ironia.

O

  • O narcisismo e duas formas de liberdade.

P

  • Paradoxo. Conceito e formação de paradoxos.
  • Paradoxo. Ironia e sua relação com o paradoxo.
  • Paradoxos e algumas possíveis aplicações clínicas.
  • Pragmatismo. Paradoxos pragmáticos podem ser indutores de criatividade.

R

  • Referências.
  • Regra da abstinência. Ironia kierkegaardiana, estética e regra da abstinência.
  • Regra da abstinência. Ironia.
  • Relação com o paradoxo. Ironia.

S

  • Senso. Ironia e non-sense.
  • Sentidos. Ironia e circularidade de sentido.
  • Sentidos. Ironia e non-sense.
  • Sentidos. Ironia, seus sentidos e usos.

U

  • Usos. Ironia, seus sentidos e usos.
INDIQUE ESSA OBRA

Indique essa obra para um amigo:

De:

Nome:

E-mail:

Informe apenas 1 email por vez

Para:

Nome:

E-mail:

Informe apenas 1 email por vez


Mensagem: