Contratos Eletrônicos - A Boa-Fé Objetiva e a Autonomia da Vontade

Geraldo Frazão de Aquino Júnior

Leia na Biblioteca Virtual
Preço:
Parcele em até 6x sem juros no cartão. Parcela mínima de R$ 20,00
FICHA TÉCNICA
Autor(es): Geraldo Frazão de Aquino Júnior
ISBN: 978853623629-2
Acabamento: Brochura
Número de Páginas: 180
Publicado em: 25/01/2012
Área(s): Direito - Consumidor; Direito Civil - Contratos
CONFIRA TAMBÉM
SINOPSE

A complexidade das relações negociais contemporâneas, em especial no quadro das inovações tecnológicas catalisadas a partir do advento da internet, dissipou a concepção clássica do contrato. O dogma da autonomia da vontade foi relativizado pela boa-fé objetiva, cânone hermenêutico-integrativo que limita a liberdade de contratar. No campo das relações de consumo travadas no ambiente virtual, o consumidor tem aprofundada sua vulnerabilidade, tendo em vista a imaterialidade do meio de contratação, a atemporalidade da oferta e a desumanização do contrato, elementos que propõem novos desafios para o direito. A delimitação do objeto desta obra cingiu-se ao cotejamento da autonomia da vontade e da boa-fé objetiva no âmbito dos contratos eletrônicos de consumo. Para tal, parte-se da retrospectiva histórica acerca da evolução dos dois institutos para analisar a função atual por eles desempenhada no contexto da constitucionalização do direito civil, fenômeno que tem por fundamento a unidade hermenêutica da Constituição, considerada o ápice conformador da elaboração e da aplicação da legislação civil. Nesse diapasão, são apresentadas as características básicas dos contratos eletrônicos e estudados os princípios informativos de defesa do consumidor, analisando-se o possível diálogo de fontes entre a legislação civil e o Código de Defesa do Consumidor, à luz da Constituição Federal. Expostos os desafios que o fenômeno do comércio eletrônico engendra, são examinadas decisões judiciais sobre o tema, que seguem a tendência da relativização da imperatividade do pacta sunt servanda frente à boa-fé objetiva, dever jurídico de conduta imposto às partes e passível de apreciação judicial. Conclui-se que a boa-fé, em sua vertente objetiva, é instrumento capaz de conformar o direito civil à hierarquia axiológica da Constituição, na medida em que o respeito aos interesses legítimos dos contratantes – que se obrigaram pela autonomia da vontade – representa, em síntese, o respeito à dignidade da pessoa humana.

AUTOR(ES)

Geraldo Frazão de Aquino Júnior é Doutorando em Direito pela Universidade Federal de Pernambuco – UFPE; Mestre em Direito e em Engenharia Elétrica pela Universidade Federal de Pernambuco – UFPE; Especialista em Políticas Públicas e Gestão Governamental pela Escola Nacional de Administração Pública (ENAP); Especialista em Direito Público pelo ATF Cursos Jurídicos/Faculdade Maurício Nassau; graduado em Direito e em Engenharia Elétrica pela Universidade Federal de Pernambuco – UFPE. Ex-Professor de Direito Administrativo do ATF Cursos Jurídicos. Servidor Público Federal.

ENTREVISTA COM O AUTOR

Título: Contratos Eletrônicos - A Boa-Fé Objetiva e a Autonomia da Vontade
Resumo: Geraldo Frazão de Aquino Júnior é autor do livro "Contratos Eletrônicos - A Boa-Fé Objetiva e a Autonomia da Vontade". Nesta entrevista, Dr. Geraldo discorre sobre alguns pontos importantes abordados em seu livro, como o dever de informação do fornecedor e a vulnerabilidade do consumidor em um ambiente eletrônico, além do tratamento jurisprudencial acerca dos contatos eletrônicos. O autor ainda expõe na entrevista a concepção de boa-fé objetiva à luz do constitucionalismo do Direito Civil.

Clique aqui e leia a íntegra da entrevista.

SUMÁRIO

INTRODUÇÃO

1 - HISTÓRICO DA BOA-FÉ

1.1 A boa-fé no Direito Romano

1.2 A boa-fé canônica

1.3 A boa-fé germânica

1.4 Evolução posterior da boa-fé

2 - HISTÓRICO DA AUTONOMIA DA VONTADE

2.1 Função histórica e fundamento ideológico

2.2 Consequências jurídicas

2.3 Intervenção estatal

2.4 Crise da autonomia da vontade na doutrina civilista

3 - PERSPECTIVA DA BOA-FÉ OBJETIVA E DA AUTONOMIA DA VONTADE NO ÂMBITO CONSTITUCIONAL

3.1 Constitucionalização do Direito Civil

3.2 Constitucionalização dos principais institutos de Direito Civil e tendências de repersonalização

3.3 Concepção atual e funções da boa-fé objetiva e da autonomia da vontade

3.4 A nova concepção do contrato: diálogo de fontes entre o Código de Defesa do Consumidor e o Código Civil

4 - CONTRATOS ELETRÔNICOS DE CONSUMO

4.1 Espaço virtual

4.2 A tecnologia e a ciência jurídica

4.3 Estrutura do contrato eletrônico

4.4 O fenômeno do comércio eletrônico e seus desafios

5 - O DIREITO DO CONSUMIDOR E OS PRINCÍPIOS DA AUTONOMIA DA VONTADE E DA BOA-FÉ OBJETIVA

5.1 A vulnerabilidade do consumidor

5.2 O dever de transparência e de informação

5.3 Análise jurisprudencial

5.4 O dever de boa-fé objetiva e os limites da autonomia da vontade na interpretação e integração do contrato

CONCLUSÕES

REFERÊNCIAS

ÍNDICE ALFABÉTICO

A

  • Análise jurisprudencial
  • Autonomia da vontade. Concepção atual e funções da boa-fé objetiva e da autonomia da vontade
  • Autonomia da vontade.Consequências jurídicas
  • Autonomia da vontade. Crise na doutrina civilista
  • Autonomia da vontade. Dever de boa-fé objetiva e os limites da autonomia da vontade na interpretação e integração do contrato
  • Autonomia da vontade. Direito do consumidor e os princípios da autonomia da vontade e da boa-fé objetiva
  • Autonomia da vontade. Função histórica e fundamento ideológico
  • Autonomia da vontade. Histórico
  • Autonomia da vontade.Intervenção estatal
  • Autonomia da vontade. Perspectiva da boa-fé objetiva e da autonomia da vontade no âmbito constitucional

B

  • Boa-fé canônica
  • Boa-fé germânica
  • Boa-fé no direito romano
  • Boa-fé objetiva. Concepção atual e funções da boa-fé objetiva e da autonomia da vontade
  • Boa-fé objetiva. Dever de boa-fé objetiva e os limites da autonomia da vontade na interpretação e integração do contrato
  • Boa-fé objetiva. Direito do consumidor e os princípios da autonomia da vontade e da boa-fé objetiva
  • Boa-fé objetiva. Perspectiva da boa-féobjetiva e da autonomia da vontade no âmbito constitucional
  • Boa-fé. Evolução posterior da boa-fé
  • Boa-fé. Função históricae fundamento ideológico
  • Boa-fé. Histórico da boa-fé

C

  • Ciência jurídicae tecnologia
  • Código Civil. Nova concepção do contrato: diálogo de fontes entre o Código de Defesa do Consumidor e o Código Civil
  • Código de Defesa do Consumidor. Nova concepção do contrato: diálogo de fontes entre o Código de Defesa do Consumidor e o Código Civil
  • Comércio eletrônico. Fenômeno do comércio eletrônico e seus desafios
  • Concepção atual e funções da boa-fé objetiva e da autonomia da vontade
  • Conclusões
  • Constitucional. Perspectiva da boa-fé objetiva e da autonomia da vontade no âmbito constitucional
  • Constitucionalização do Direito Civil
  • Constitucionalização dos principais institutos de Direito Civil e tendências de repersonalização
  • Consumidor. Direito do consumidor e os princípios da autonomia da vontade e da boa-fé objetiva
  • Consumidor. Vulnerabilidade do consumidor
  • Consumo. Contratos eletrônicos de consumo
  • Contrato eletrônico. Estrutura
  • Contrato. Dever de boa-fé objetiva e os limites da autonomia da vontade na interpretação e integração do contrato
  • Contrato. Nova concepção do contrato: diálogo de fontes entre o Código de Defesa do Consumidor e o Código Civil
  • Contratos eletrônicos de consumo
  • Crise da autonomia da vontade na doutrina civilista

D

  • Dever de boa-fé objetiva e os limites da autonomia da vontade na interpretação e integração do contrato
  • Dever de transparência e de informação
  • Direito Alemão. Boa-fé germânica
  • Direito Civil. Constitucionalização dos principais institutos de Direito Civil e tendências de repersonalização
  • Direito Civil. Constitucionalização
  • Direito do consumidor e os princípios da autonomia da vontade e da boa-fé objetiva
  • Direito Romano. Boa-fé no Direito Romano
  • Doutrina civilista. Crise da autonomiada vontade na doutrina civilista

E

  • Espaço virtual
  • Estrutura do contrato eletrônico
  • Evolução posterior da boa-fé

F

  • Fenômeno do comércio eletrônico e seus desafios

H

  • Hermenêutica. Dever de boa-fé objetiva e os limites da autonomia da vontade na interpretação e integração do contrato
  • Histórico da autonomia da vontade
  • Histórico da boa-fé
  • Histórico. Autonomia da vontade. Função histórica e fundamento ideológico
  • Histórico. Boa-fé canônica
  • Histórico. Boa-fé germânica
  • Histórico. Boa-fé no Direito Romano

I

  • Ideologia. Autonomia da vontade. Função histórica e fundamento ideológico
  • Informação. Dever de transparência e de informação
  • Integração do contrato. Dever de boa-fé objetiva e os limites da autonomia da vontade na interpretação e integração do contrato
  • Interpretação. Dever de boa-fé objetivae os limites da autonomia da vontade na interpretação e integração do contrato
  • Intervenção estatal. Autonomia da vontade
  • Introdução

J

  • Jurisprudência. Análise jurisprudencial

N

  • Nova concepção do contrato: diálogo de fontes entre o Código de Defesa do Consumidor e o Código Civil

P

  • Perspectiva da boa-fé objetiva e da autonomia da vontade no âmbito constitucional

R

  • Referências
  • Religião. Boa-fé canônica
  • Repersonalização. Constitucionalização dos principais institutos de Direito Civil e tendências de repersonalização

T

  • Tecnologia e a ciência jurídica
  • Transparência. Dever de transparência e de informação

V

  • Vulnerabilidade do consumidor
INDIQUE ESSA OBRA

Indique essa obra para um amigo:

De:

Nome:

E-mail:

Informe apenas 1 email por vez

Para:

Nome:

E-mail:

Informe apenas 1 email por vez


Mensagem: