Estética, Angústia e Desejo - Uma Abordagem Psicanalítica sobre as Doenças da Beleza

Sergio Aguiar de Medeiros

Leia na Biblioteca Virtual
Preço:
Parcele em até 6x sem juros no cartão. Parcela mínima de R$ 20,00
FICHA TÉCNICA
Autor(es): Sergio Aguiar de Medeiros
ISBN: 978853623624-7
Acabamento: Brochura
Número de Páginas: 214
Publicado em: 16/02/2012
Área(s): Psicologia - Psicanálise
CONFIRA TAMBÉM
SINOPSE

NESTA OBRA:

INTRODUÇÃO
- Estética, Psicologia e Psicanálise

ESTÉTICA, PERVERSÃO E NARCISISMO: AS FUNÇÕES DA ESTÉTICA NO APARELHO PSÍQUICO
- A Estética é Desde Sempre
- Angústia: da Libido Reprimida ao Temor da Criação
- Desejo: um Verbo Intransitivo
- A Estética e a Perversão Infantil: da Pulsão à Paixão
- A Estética e o Narcisismo: dos Deuses aos Demônios

ESTÉTICA, ANGÚSTIA E DESEJO: NO CAMPO DO IMAGINÁRIO
- O Objeto da Estética
- O Belo e a Perfeição do Objeto
- O Feio e a Imperfeição do Sujeito
- O Trágico e um Sentido para a Vida
- O Grotesco e o Retorno do Recalcado

ESTÉTICA, FALO E CONSUMO: NO CAMPO DO FETICHE
- Estética e Subjetivação na Contemporaneidade
- A Estética como Espetáculo Aético: Mídia e Perversão
- A Beleza e a Mulher
- A Beleza e a Psicanálise: Belo é o que Atrai o Olhar
- Estética e Subjetivação: a Tirania da Estética Implícita


ESTÉTICA, SINTOMA FEMININO: AS DOENÇAS DA BELEZA
- O Belo e a Morte (ou o sujeito que se transforma em sua própria imagem)
- Casos Clínicos

AUTOR(ES)

Sergio Aguiar de Medeiros concluiu seu Doutorado em Psicologia Clínica na PUC/Rio em 2005, após estágio na École Doctorale de Recherches Psychanalyse da Université Paris 7 – Denis Diderot; Especializou--se em Psicanálise pelo curso de Pós-graduação do CEPCOP/USU em 2001; graduou-se em Economia, na PUC/Rio em 1982; graduou-se em Psicologia, na USU/RJ em 1998. Foi editor de publicações especializadas em análise de mercados financeiros. Escreveu artigos e participou de pesquisas sobre temas relacionados à Psicanálise e a Cultura. Dedica-se à clínica psicanalítica e aos estudos sobre a função da estética na produção de subjetividade. Investiga a etiologia e o tratamento da anorexia, bulimia e outros sintomas relacionados à estética e ao corpo. Foi diretor do Instituto de Psicologia e Psicanálise da Universidade Santa Úrsula. É pesquisador do Laboratório de Intervenção Psicossocial da PUC/Rio e do Groupe de Recherches CNRS-Pandora.

 

SUMÁRIO

LISTA DAS OBRAS DE ARTE MENCIONADAS NESTE TRABALHO

1 - INTRODUÇÃO

1.1 Estética, psicologia e psicanálise

2 - ESTÉTICA, PERVERSÃO E NARCISISMO: AS FUNÇÕES DA ESTÉTICA NO APARELHO PSÍQUICO

2.1 A Estética é desde sempre

2.2 Angústia: da libido reprimida ao temor da criação

2.2.1 A ansiedade como libido transformada

2.2.2 A ansiedade como sinal

2.2.3 Angústia e melancolia

2.2.4 Angústia: encontro com o vazio

2.2.5 Angústia e criação

2.3 Desejar: um verbo intransitivo

2.3.1 Desejo e pulsão: o desejo como uma pulsão anímica

2.4 A estética e a perversão infantil: da pulsão à paixão

2.5 A estética e o narcisismo: dos deuses aos demônios

3 - ESTÉTICA, ANGÚSTIA E DESEJO : NO CAMPO DO IMAGINÁRIO

3.1 O objeto da estética

3.2 O belo e a perfeição do objeto

3.3 O feio e a imperfeição do sujeito

3.4 O trágico e um sentido para a vida

3.4.1 A ética do herói e a ética do desejo

3.5 O grotesco e o retorno do recalcado

4 - ESTÉTICA, FALO E CONSUMO: NO CAMPO DO FETICHE

4.1 Estética e subjetivaçãona contemporaneidade

4.2 A estética como espetáculo aético: mídia eperversão

4.3 A beleza e a mulher

4.3.1 As representações do feminino nos tempos atuais

4.4 A beleza e a psicanálise: belo é o que atrai o olhar

4.5 Estética e subjetivação: a tirania da estética implícita

4.5.1 O masculino, o falo e o poder

4.5.2 A cripta dos homens: incorporar o falo para não introjetar a castração

4.5.3 A estética do ter: o consumo e os bens de poder

4.5.4 O feminino, o falo e a sedução

4.5.5 A estética do ser: o consumo e os bens de sedução (ou do objeto erótico àquilo que o representa)

5 - ESTÉTICA, SINTOMA FEMININO: AS DOENÇAS DA BELEZA

5.1 O belo e a morte (ou o sujeito que se transforma em sua própria imagem)

5.1.1 Anorexia: falo da mãe

5.1.2 Anorexia light e bulimia diet: histerias de conversão

5.1.3 As doenças da beleza: a estética como adicção

5.2 Casos clínicos (todos os nomes mencionados nesta obra são fictícios)

5.2.1 Caso Regina

5.2.2 Caso Júlia

5.2.3 Bulimia mundana e anorexia estoica (ou Playboy e Marie-Claire)

6 - CONSIDERAÇÕES FINAIS

REFERÊNCIAS

ÍNDICE ALFABÉTICO

A

  • Adicção. Doenças da beleza:a estética como adicção
  • Angústia ecriação
  • Angústia e melancolia
  • Angústia: da libido reprimida ao temor da criação
  • Angústia: encontro com o vazio
  • Anorexia. Bulimia mundana e anorexia estoica (ou Playboy e Marie-Claire)
  • Anorexia light e bulimia diet: histerias de conversão
  • Anorexia: falo da mãe
  • Ansiedade como libido transformada
  • Ansiedade como sinal
  • Aparelho psíquico. Estética, perversão e narcisismo: as funções da estética no aparelho psíquico
  • Arte. Lista das obras de arte mencionadas neste trabalho
  • Atração. Beleza e a psicanálise:belo é o que atrai o olhar

B

  • Beleza e a mulher
  • Beleza e a psicanálise: beloé o que atrai o olhar
  • Beleza. Doenças da beleza: aestética como adicção
  • Beleza. Estética, sintoma feminino: as doenças da beleza
  • Belo e a morte (ou o sujeito que se transforma em sua própria imagem)
  • Belo e a perfeição do objeto
  • Belo. Beleza e a psicanálise: belo é o que atrai o olhar
  • Bens. Estética do ter: o consumo e os bens de poder
  • Bulimia mundana e anorexia estoica (ou Playboy e Marie-Claire)
  • Bulimia. Anorexia light e bulimia diet: histerias de conversão

C

  • Casos clínicos
  • Casos clínicos.Caso Júlia
  • Casos clínicos.Caso Regina
  • Castração. Cripta dos homens: incorporar o falo para não introjetar a castração
  • Considerações finais
  • Consumo. Estética do ser: o consumo e os bens de sedução (ou do objeto erótico àquilo que o representa)
  • Consumo. Estética do ter: o consumo e os bens de poder
  • Consumo. Estética, falo e consumo: no campo do fetiche
  • Contemporaneidade. Estética e subjetivação na contemporaneidade
  • Criação. Angústia e criação
  • Criação. Angústia: da libido reprimida ao temor da criação
  • Cripta dos homens: incorporar o falo para não introjetar a castração

D

  • Demônios. Estética e o narcisismo: dos deuses aos demônios
  • Desejar: um verbo intransitivo
  • Desejo e pulsão: o desejocomo uma pulsão anímica
  • Desejo. Ética do herói e a ética do desejo
  • Deuses. Estética, angústia e desejo: no campo do imaginário
  • Diet. Anorexia light e bulimia diet: histerias de conversão
  • Doenças da beleza. Estética, sintomafeminino: as doenças da beleza
  • Doenças da beleza: a estética como adicção

E

  • Espetáculo aético. Estética como espetáculo aético: mídia e perversão
  • Estética como espetáculo aético: mídia e perversão
  • Estética do ser: o consumo e os bens de sedução (ou do objeto erótico àquilo que o representa)
  • Estética do ter: o consumo e os bens de poder
  • Estética e a perversão infantil: da pulsão à paixão
  • Estética é desde sempre
  • Estética e o narcisismo: dos deuses aos demônios
  • Estética e subjetivação na contemporaneidade
  • Estética e subjetivação: a tirania da estética implícita
  • Estética implícita. Estética e subjetivação: a tirania da estética implícita
  • Estética, falo e consumo: no campo do fetiche
  • Estética, perversão e narcisismo: as funções da estética no aparelho psíquico
  • Estética, psicologia e psicanálise
  • Estética, sintoma feminino:as doenças da beleza
  • Estética. Doenças da beleza:a estética como adicção
  • Estética. Estética, perversão e narcisismo: as funções da estética no aparelho psíquico
  • Estética. Objeto da estética
  • Ética do herói e a ética do desejo
  • Ética. Estética como espetáculoaético: mídia e perversão

F

  • Falo da mãe. Anorexia: falo da mãe
  • Falo. Cripta dos homens: incorporar o falo para não introjetar a castração
  • Falo. Estética, falo e consumo: no campo do fetiche
  • Falo. Feminino, o falo e a sedução
  • Falo. Masculino, ofalo e o poder
  • Feio e a imperfeição do sujeito
  • Feminilidade. Representações dofeminino nos tempos atuais
  • Feminino, o falo e a sedução
  • Fetiche. Estética, falo e consumo: no campo do fetiche

G

  • Grotesco e o retorno do recalcado

H

  • Herói. Ética do herói e a ética do desejo
  • Histeria. Anorexia light e bulimia diet: histerias de conversão
  • Homens. Cripta dos homens: incorporar o falo para não introjetar a castração

I

  • Imagem. Belo e a morte (ou o sujeito que se transforma em sua própria imagem)
  • Imperfeição do sujeito e o Feio
  • Introdução

L

  • Libido. Angústia: da libido reprimida ao temor da criação
  • Libido. Ansiedade como libido transformada
  • Light. Anorexia light e bulimia diet: histerias de conversão
  • Lista das obras de arte mencionadas neste trabalho

M

  • Masculino, o falo e o poder
  • Melancolia e angústia
  • Mídia. Estética como espetáculoaético: mídia eperversão
  • Morte. Belo e a morte (ou o sujeito que se transforma em sua própria imagem)
  • Mulher. Beleza e a mulher

N

  • Narcisismo. Estética e o narcisismo: dos deuses aos demônios
  • Narcisismo. Estética, perversão e narcisismo: as funções da estética no aparelho psíquico

O

  • Objeto da estética
  • Objeto erótico. Estética do ser: o consumo e os bens de sedução (ou do objeto erótico àquilo que o representa)
  • Objeto. Belo e a perfeição do objeto
  • Obras. Lista das obras de arte mencionadas neste trabalho

P

  • Paixão. Estética e a perversãoinfantil: da pulsão à paixão
  • Perfeição do objeto e o Belo
  • Perversão infantil. Estética e a perversão infantil: da pulsão à paixão
  • Perversão. Estética como espetáculo aético: mídia e perversão
  • Perversão. Estética, perversão e narcisismo: as funções da estética no aparelho psíquico
  • Poder. Estética do ter: o consumo e os bens de poder
  • Poder. Masculino, o falo e o poder
  • Psicanálise e beleza: beloé o que atrai o olhar
  • Psicanálise. Estética, psicologia e psicanálise
  • Psicologia. Estética, psicologia e psicanálise
  • Pulsão anímica. Desejo e pulsão: odesejo como uma pulsão anímica
  • Pulsão. Estética e a perversãoinfantil: da pulsão à paixão

R

  • Recalcado. Grotesco e o retorno do recalcado
  • Referências
  • Representação. Estética do ser: o consumo e os bens de sedução (ou do objeto erótico àquilo que o representa)
  • Representações do feminino nos tempos atuais
  • Repressão. Angústia: da libido reprimida ao temor da criação

S

  • Sedução. Estética do ser: o consumo e os bens de sedução (ou do objeto erótico àquilo que o representa)
  • Sedução. Feminino, ofalo e a sedução
  • Sentido para a vida e o Trágico
  • Ser. Estética do ser: o consumo e os bens de sedução (ou do objeto erótico àquilo que o representa)
  • Sintoma feminino. Estética, sintomafeminino: as doenças da beleza
  • Subjetivação e estética na contemporaneidade
  • Subjetivação e estética: a tirania da estética implícita
  • Sujeito. Feio e a imperfeição do sujeito

T

  • Temor. Angústia: da libido reprimida ao temor da criação
  • Tempos atuais. Representações do feminino nos tempos atuais
  • Ter. Estética do ter: o consumo e os bens de poder
  • Tirania. Estética e subjetivação: atirania da estética implícita
  • Trágico e um sentido para a vida

V

  • Vazio. Angústia: encontro com o vazio
  • Verbo. Desejar: um verbo intransitivo
  • Vida. Trágico e um sentido para a vida
INDIQUE ESSA OBRA

Indique essa obra para um amigo:

De:

Nome:

E-mail:

Informe apenas 1 email por vez

Para:

Nome:

E-mail:

Informe apenas 1 email por vez


Mensagem: