Tecnologia Contábil Contemporânea - A Contabilidade Pós-Moderna

2ª Edição - Revista e Atualizada Antônio Lopes de Sá - Atualização: Wilson Alberto Zappa Hogg

Parcele em até 6x sem juros no cartão.
Parcela mínima de R$ 20,00

Versão impressa

Ficha técnica

Autor(es): Antônio Lopes de Sá - Atualização: Wilson Alberto Zappa Hogg

ISBN: 978853624716-8

Edição/Tiragem: 2ª Edição - Revista e Atualizada

Acabamento: Brochura

Número de páginas: 264

Publicado em: 30/06/2014

Área(s): Contabilidade Geral Aplicada; Contabilidade - Controladoria; Contabilidade - Metodologia; Contabilidade - Perícia e Auditoria

Sinopse

Nesta obra está evidenciada a nova Contabilidade como um sistema de aplicações amplas. Em apenas meio século a evolução do conhecimento contábil em relação à aplicação ou utilidade do mesmo deu origem às tecnologias modernas da Contabilidade Social, Contabilidade de Custos, Contabilidade de Recursos Humanos, além de introduzir novidades substanciais nos campos dos Custos, das Planificações, dos Registros, das Demonstrações Contábeis, da Auditoria, da Perícia e das Análises.

Cada segmento da Tecnologia contábil (Perícia, Auditoria, Escrituração, Ambiental, Social etc.) é descrito com um máximo de objetividade, de forma didática, sem as tão prejudiciais sofisticações. A leitura deste livro enseja uma visão geral e pós-moderna da aplicação da Ciência Contábil de forma abrangente.

Nesta atualização da importante e elevada doutrina, estão sendo preservados todos os ensinamentos da mais importante corrente doutrinária, o "Neopatrimonialismo" e as sólidas e clássicas fundamentações do Prof. Dr. Antônio Lopes de Sá, portanto, as atualizações decorrem apenas de mudanças na legislação, jurisprudência ou semântica.

Autor(es)

Antônio Lopes de Sá
Doutor em Ciências Contábeis pela Universidade do Brasil; doutor em Letras Honoris Causa pela Samuel Benjamin Thomas University, Londres, Inglaterra. Foi administrador, economista e professor universitário. Publicou 176 livros no Brasil e no exterior, bem como mais de 13.000 artigos. Foi vice-presidente da Academia Nacional de Economia e presidente da Academia Brasileira de Ciências Contábeis. Tinha a maior titulação contábil que se atribui a um profissional, oficialmente, no Brasil, a Medalha de Ouro João Lyra, conferida pelo órgão governamental de fiscalização do exercício da profissão, Conselho Federal de Contabilidade. Foi líder da Corrente Científica do Neopatrimonialismo Contábil. Era detentor de diversos prêmios nacionais e internacionais de mérito profissional e literatura científica.

ATUALIZADOR
Wilson Alberto Zappa Hoog
Mestre em Ciência Jurídica; especialista em Avaliação de Sociedades Empresárias; bacharel em Ciências Contábeis. É Perito-contador, auditor, consultor empresarial e palestrante. Professor doutrinador de Perícia Contábil, Direito Contábil e de Empresas em cursos de pós-graduação de várias instituições de ensino. Escritor e pesquisador de matéria contábil. Mentor intelectual do Método Zappa de Avaliação da Carteira de Clientes e do Método Holístico de Avaliação do Fundo Empresarial, antigo Fundo de Comércio, e do Método de Amortização a Juros Simples - MAJS. Sócio-fundador e administrador da Zappa Hoog e Cia SS. Membro da ACIN - Associação Científica Internacional Neopatrimonialista.

Porque comprar

APLICAÇÃO

Livro texto para as disciplinas de Contabilidade dos cursos médios e superiores, assim como para pós-graduações. Obra de consulta para Administradores, Advogados, Economistas, Empresários e Financistas.
 

Sumário

1 - TECNOLOGIA EM CONTABILIDADE .

1.1 Evolução tecnológica e aplicação da ciência con tábil

1.2 Multiplicidade de temas na tecnologia da contabilidade

1.3 O grande universo das aplicações da contabilida de

1.4 Progresso em tecnologia contábil

2 - TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E NOÇÕES FUNDAMENTAIS SOBRE O REGISTRO CONTÁBIL .

2.1 Produção da informação contábil .

2.2 Conceito de tecnologia da informação contábil

2.3 Gênese e princípios a observar na informação para fins tecnológicos contábeis

2.4 Identificação tecnológica e classificação dos f atos patrimoniais

2.5 SPED - Informação contábil ao poder público: um outro aspecto do progresso da tecnologia

2.6 Importância da função das contas .

2.7 Fatos repetitivos por natureza e registros pertinentes em contas

2.8 Exemplos simples de fatos patrimoniais e contas pertinentes

2.9 Potencialidade de fatos patrimoniais

2.10 Registros e demonstrações em face das potencia lidades

2.11 Metodologia dos títulos das contas de compensação

2.12 Potencialidades, contratos e demonstrações per tinentes

2.13 Contratos e dinâmica da conta pertinente .

2.14 Fórmulas ou modalidades opcionais em registros

3 - TECNOLOGIA DA VALORIMETRIA CONTÁBIL .

3.1 Conceito de valor em contabilidade

3.2 Critérios usuais de avaliação

4 - TECNOLOGIA DA PLANIFICAÇÃO DE CONTAS .

4.1 Modelos e planos de contas

4.2 Elenco das contas de um plano singelo

4.3 Planos de contas em grandes empresas

4.4 Sumário de um elenco de contas na ótica das sociedades de maior porte baseado nas demonstrações obrigatórias .

4.5 Funções das contas do plano .

4.6 Funções dos grupos de contas .

4.7 Alterações dos planos .

4.8 Modelo estrutural de balanço patrimonial .

4.9 Exemplo de um modelo estrutural de demonstração de resultados

4.10 Exemplo de uma demonstração de fluxo de caixa

4.11 Modelo estrutural exemplo de demonstração dos lucros ou prejuízos acumulados

4.12 Modelo estrutural: exemplo de demonstração do valor adicionado

4.13 Consolidação de demonstrações contábeis .

5 - TECNOLOGIA DOS CUSTOS .

5.1 O fenômeno contábil do custo

5.2 Custos diretos

5.3 Custos indiretos de produção.

5.4 Custos fixos

5.5 Custos variáveis

5.6 Custos extraordinários

5.7 Custos figurativos

5.8 Custos desnecessários

5.9 Custos efetivos e teóricos .

5.10 Escrita contábil de custos

6 - TECNOLOGIA E AUDITORIA CONTÁBIL NAS EMPRESAS .

6.1 Auditoria de balanço .

6.2 Pré-auditoria

6.3 Plano de trabalho do auditor

6.4 Execução da auditoria ou trabalho de campo .

6.5 Método de verificação por amostragem

6.6 Normas de auditoria

6.7 Auditoria interna

6.8 Auditoria externa ou independente

6.9 Auditoria operacional

6.10 Metodologia e normas de auditoria

7 - TECNOLOGIA E PERÍCIA CONTÁBIL .

7.1 Conceito de perícia contábil

7.2 Finalidades das perícias

7.3 Capacidades profissionais

7.4 Habilitação legal do perito em contabilidade .

7.5 Cultura técnica e geral

7.6 Ética em perícia contábil

7.7 Experiência profissional

7.8 Perícia e as denominadas como normas internacionais de contabilidade

7.9 História da perícia contábil no Brasil na primeira metade do século XX

8 - TECNOLOGIA E QUESTIONALIDADE PERICIAL .

8.1 Conceito de quesito em perícia contábil

8.2 A lógica dos quesitos .

8.3 Conduta do perito na resposta aos quesitos

8.4 Resistências ao trabalho de produção de resposta aos quesitos

9 - TECNOLOGIA EM LAUDOS E PARECERES PERICIAIS CONTÁBEIS .

9.1 Conceito de laudo pericial contábil - supremacia do motivo da perícia

9.2 Laudos e pareceres

9.3 Concordâncias e discordâncias nos laudos .

9.4 Prólogos nos laudos .

9.5 Requisitos técnicos de um laudo pericial contábil

9.6 Requisitos técnicos dos anexos

9.7 Laudos coletivos

10 - TECNOLOGIA CONTÁBIL NÃO FINANCEIRA E ESTRATÉG IA DE GESTÃO .

10.1 Tradição e realidade do regime "financeiro" .

10.2 O "financeiro" e as informações não financeiras

10.3 Dados não financeiros e os modelos para decisões

10.4 Estratégia e contabilidade

10.5 Critério de conveniência administrativa e estratégia patrimonial

10.6 Modelos fundamentais na estratégia da gestão

10.7 Modelo do lucro (resultabilidade)

10.8 Modelo de operacionalidade e bens para vendas

10.9 Modelo de equilíbrio

11 - TECNOLOGIA E BALANÇO SOCIAL .

11.1 Balanço e participação social da empresa .

11.2 Razões e origens do balanço social .

11.3 Interação circulatória de riquezas .

11.4 Conceitos contábeis e a contabilidade social

11.5 A informação contábil particular e aquela social

11.6 Ótica genuninamente contábil para um balanço social

11.7 Técnicas híbridas sob a denominação de balanço social

11.8 Modelo de balanço social .

12 - TECNOLOGIA E CONTABILIDADE APLICADA AO MEIO AMBIENTE NATURAL

12.1 Empresa e sociedade

12.2 Contabilidade e ambiente natural

12.3 Qualidade das relações ambientais .

12.4 Contas e balanço ambiental .

12.5 Estrutura do balanço ambiental .

12.6 Crédito carbono como fenômeno patrimonial

13 - TECNOLOGIA DOS CUSTOS NA CONTABILIDADE APLICA DA AO AMBIENTE NATURAL

13.1 Produção e contaminação ambiental .

13.2 Custo ambiental por ação voluntária

13.3 Custo ambiental compulsório .

13.4 Custo ambiental de conveniência

13.5 Contabilidade de custos do meio ambiente

14 - TECNOLOGIA DA APURAÇÃO DE RESULTADOS APLICADA AO AMBIENTE NATURAL

14.1 Importância de um conceito de rédito ambiental

14.2 Estrutura do rédito ambiental

14.3 Contas de aplicações meio ambientais .

14.4 Contas de proveitos meio ambientais

14.5 A conta do rédito ambiental

14.6 Observações sobre a análise do rédito ambiental

15 - PROGRESSOS TECNOLÓGICOS NA CONTABILIDADE APLI CADA AOS FATOS DO AMBIENTE NATURAL

15.1 Obrigatoriedade de contas específicas

15.2 Esclarecimentos adicionais sobre os dados contábeis

15.3 Atividade meio ambiental natural e fenômenos c ontábeis pertinentes

15.4 Momentos dos fenômenos patrimoniais de relação ambiental ecológica

15.5 Ativo de natureza meio ambiental natural

15.6 Gastos meio ambientais naturais

15.7 Provisões e contingências meio ambientais naturais

15.8 Fundos para riscos

15.9 Aplicações voluntárias meio ambientais

15.10 Vocação moderna em relação à contabilidade me io ambiental

16 - TECNOLOGIA CONTÁBIL NOS INTANGÍVEIS PATRIMONIA IS E NOS RECURSOS HUMANOS

16.1 Evolução, conhecimento e patrimônio intangível

16.2 Riqueza patrimonial e agentes externos

16.3 Contabilidade dos intangíveis e evolução socia l

16.4 Bases racionais de uma contabilidade aplicada aos fatores intelectuais

16.5 Valores intelectuais e patrimoniais

16.6 Eficácia e valor intelectual

16.7 Definição de contabilidade aplicada às imaterialidades intelectuais

16.8 Forças humanas intelectuais e expressão dos agregados imateriais ao capital

16.9 Capital legal e capital intelectual

16.10 Lucro como fator de avaliação do fundo imaterial de negócios

16.11 Levantamento contábil das forças imateriais intelectuais

16.12 Considerações circunstanciais e adicionais .

17 - TECNOLOGIA CONTÁBIL E VALORES DIFERENCIAIS PATRIMONIAIS

17.1 Distorções na expressão do valor efetivo do ca pital

17.2 Razões fundamentais do conceito de fundo de comércio como " valor diferencial de capital" .

17.3 Valor diferencial imaterial

17.4 Finalidades diversas na atribuição de valores.

17.5 Conceitos credenciados sobre o fundo de comércio (valor diferencial do capital)

17.6 Elementos computáveis na determinação do capital atribuível ou negociável

17.7 Atualizações e busca da realidade relativa do capital

18 - METODOLOGIA E TECNOLOGIA NA CONTABILIDADE CONTEMPORÂNEA A SERVIÇO DO SOCIAL E HUMANO .

18.1 Profissionalismo e tecnologia em contabilidade

18.2 Metodologia científica e tecnologia em contabilidade

18.3 Categorias de julgamentos em tecnologia contábil

REFERÊNCIAS .

Índice alfabético

A

  • Ação voluntária. Custo ambiental por ação voluntária.
  • Adicionais. Considerações circunstanciais e adici onais.
  • Agente externo. Riqueza patrimonial e agentes ext ernos.
  • Alterações dos planos. .
  • Ambiental. Contas de aplicações meio ambientais.
  • Ambiental. Contas de proveitos meio ambientais. .
  • Ambiente natural. Atividade meio ambiental natura l e fenômenos contábeis pertinentes.
  • Ambiente natural. Contabilidade e ambiente natura l.
  • Ambiente natural. Progressos tecnológicos na cont abilidade aplicada aos fatos do ambiente natural.
  • Ambiente natural. Tecnologia da apuração de resul tados aplicada ao ambiente natural.
  • Ambiente natural. Tecnologia dos custos na contab ilidade aplicada ao ambiente natural.
  • Aplicações voluntárias meio ambientais.
  • Apuração de resultados. Tecnologia da apuração de resultados aplicada ao ambiente natural.
  • Atividade meio ambiental natural e fenômenos cont ábeis pertinentes.
  • Ativo de natureza meio ambiental natural. .
  • Atribuição de valores. Finalidades diversas. .
  • Atualizações e busca da realidade relativa do cap ital.
  • Auditor. Plano de trabalho do auditor. .
  • Auditoria. Execução da auditoria ou trabalho de c ampo.
  • Auditoria. Metodologia e normas de auditoria. .
  • Auditoria. Normas de auditoria. .
  • Auditoria. Pré-auditoria.
  • Auditoria contábil. Tecnologia e auditoria contábil nas empresas.
  • Auditoria de balanço. .
  • Auditoria externa ou independente. .
  • Auditoria interna. .
  • Auditoria operacional. .
  • Avaliação. Critérios usuais de avaliação. .

B

  • Balanço. Auditoria de balanço. .
  • Balanço ambiental. Estrutura do balanço ambiental .
  • Balanço ambiental e contas. .
  • Balanço e participação social da empresa. .
  • Balanço patrimonial. Modelo estrutural. .
  • Balanço social. Modelo. .
  • Balanço social. Ótica genuininamente contábil par a um balanço social.
  • Balanço social. Razões e origens do balanço socia l.
  • Balanço social. Técnicas híbridas sob a denominaç ão de balanço social.
  • Balanço social e tecnologia. .
  • Bases racionais de uma contabilidade aplicada aos fatores intelectuais.
  • Bem para vendas. Modelo de operacionalidade e bens para vendas.

C

  • Capacidades profissionais. .
  • Capital. Atualizações e busca da realidade relati va do capital.
  • Capital atribuível ou negociável. Elementos computáveis na determinação.
  • Capital legal e capital intelectual. .
  • Categorias de julgamentos em tecnologia contábil
  • Ciência contábil. Evolução tecnológica e aplicaçã o da ciência contábil.
  • Circunstâncias. Considerações circunstanciais e a dicionais.
  • Compensação. Metodologia dos títulos das contas d e compensação.
  • Conceito. Razões fundamentais do conceito de fund o de comércio como "valor diferencial de capital". .
  • Conceito de laudo pericial contábil. Supremacia do motivo da perícia.
  • Conceito de perícia contábil.
  • Conceito de quesito em perícia contábil.
  • Conceito de tecnologia da informação contábil.
  • Conceito de valor em contabilidade. .
  • Conceitos contábeis e a contabilidade social.
  • Conceitos credenciados sobre o fundo de comércio (valor diferencial do capital).
  • Concordâncias e discordâncias nos laudos.
  • Conduta do perito na resposta aos quesitos. .
  • Considerações circunstanciais e adicionais. .
  • Consolidação de demonstrações contábeis. .
  • Conta. Contratos e dinâmica da conta pertinente.
  • Conta. Elenco das contas de um plano singelo. .
  • Conta. Exemplos simples de fatos patrimoniais e c ontas pertinentes.
  • Conta. Fatos repetitivos por natureza e registros pertinentes em contas.
  • Conta. Funções das contas do plano. .
  • Conta. Importância da função das contas. .
  • Conta. Metodologia dos títulos das contas de comp ensação
  • Conta. Modelos e planos de contas. .
  • Conta. Obrigatoriedade de contas específicas. .
  • Conta. Planos de contas em grandes empresas. .
  • Conta. Sumário de um elenco de contas na ótica das sociedades de maior porte baseado nas demonstrações obrigatórias. .
  • Conta. Tecnologia da planificação de contas. .
  • Conta do rédito ambiental.
  • Contabilidade. Estratégia e contabilidade.
  • Contabilidade. Gênese e princípios a observar na informação para fins tecnológicos contábeis.
  • Contabilidade. Habilitação legal do perito em con tabilidade
  • Contabilidade. Metodologia científica e tecnologi a em contabilidade.
  • Contabilidade. Ótica genuininamente contábil para um balanço social.
  • Contabilidade. Progressos tecnológicos na contabi lidade aplicada aos fatos do ambiente natural.
  • Contabilidade. Tecnologia dos custos na contabili dade aplicada ao ambiente natural.
  • Contabilidade. Tecnologia e contabilidade aplicad a ao meio ambiente natural.
  • Contabilidade. Tecnologia em contabilidade. .
  • Contabilidade. Vocação moderna em relação à conta bilidade meio ambiental.
  • Contabilidade aplicada. Bases racionais de uma co ntabilidade aplicada aos fatores intelectuais.
  • Contabilidade aplicada. Definição de contabilidad e aplicada às imaterialidades intelectuais.
  • Contabilidade contemporânea. Metodologia e tecnol ogia na contabilidade contemporânea a serviço do social e humano. .
  • Contabilidade de custos do meio ambiente. .
  • Contabilidade dos intangíveis e evolução social.
  • Contabilidade e ambiente natural. .
  • Contabilidade social. Conceitos contábeis e a contabilidade social.
  • Contaminação ambiental. Produção e contaminação a mbiental.
  • Contas de aplicações meio ambientais. .
  • Contas de proveitos meio ambientais. .
  • Contas e balanço ambiental.
  • Contingências e provisões meio ambientais naturais.
  • Contrato. Potencialidades, contratos e demonstraç ões pertinentes.
  • Contratos e dinâmica da conta pertinente. .
  • Conveniência administrativa. Critério de conveniência administrativa e estratégia patrimonial.
  • Contabilidade. Grande universo das aplicações da contabilidade.
  • Crédito carbono como fenômeno patrimonial.
  • Critério de conveniência administrativa e estratégia patrimonial.
  • Critérios usuais de avaliação. .
  • Custo. Escrita contábil de custos.
  • Custo. Fenômeno contábil do custo.
  • Custo ambiental compulsório. .
  • Custo ambiental de conveniência.
  • Custo ambiental por ação voluntária.
  • Custos. Contabilidade de custos do meio ambiente.
  • Custos. Tecnologia dos custos. .
  • Custos. Tecnologia dos custos na contabilidade ap licada ao ambiente natural.
  • Custos desnecessários.
  • Custos diretos. .
  • Custos efetivos e teóricos. .
  • Custos extraordinários.
  • Custos figurativos. .
  • Custos fixos. .
  • Custos indiretos de produção. .
  • Custos variáveis.

D

  • Dados contábeis. Esclarecimentos adicionais sobre os dados contábeis.
  • Definição de contabilidade aplicada às imateriali dades intelectuais.
  • Demonstração. Modelo estrutural exemplo de demons tração dos lucros ou prejuízos acumulados.
  • Demonstração. Potencialidades, contratos e demons trações pertinentes.
  • Demonstração contábil. Consolidação de demonstraç ões contábeis.
  • Demonstração de resultados. Exemplo de um modelo estrutural de demonstração de resultados. .
  • Demonstração obrigatória. Sumário de um elenco de contas na ótica das sociedades de maior porte baseado nas demonstrações obrigatórias.
  • Distorções na expressão do valor efetivo do capit al.

E

  • Ecologia. Momentos dos fenômenos patrimoniais de relação ambiental ecológica. .
  • Eficácia e valor intelectual.
  • Elementos computáveis na determinação do capital atribuível ou negociável.
  • Elenco das contas de um plano singelo. .
  • Empresa. Balanço e participação social da empresa .
  • Empresa. Tecnologia e auditoria contábil nas empresas.
  • Empresa e sociedade. .
  • Equilíbrio. Modelo de equilíbrio. .
  • Esclarecimentos adicionais sobre os dados contábeis.
  • Escrita contábil de custos.
  • Estratégia e contabilidade.
  • Estratégia patrimonial. Critério de conveniênciaadministrativa e estratégia patrimonial.
  • Estrutura do balanço ambiental. .
  • Estrutura do rédito ambiental.
  • Ética em perícia contábil.
  • Evolução, conhecimento e patrimônio intangível. .
  • Evolução social. Contabilidade dos intangíveis e evolução social.
  • Evolução tecnológica e aplicação da ciência contá bil.
  • Execução da auditoria ou trabalho de campo. .
  • Exemplo de um modelo estrutural de demonstração d e resultados.
  • Exemplo de uma demonstração de fluxo de caixa. .
  • Exemplos simples de fatos patrimoniais e contas p ertinentes.
  • Expressão do valor efetivo do capital. Distorções .

F

  • Fato patrimonial. Exemplos simples de fatos patri moniais e contas pertinentes.
  • Fato patrimonial. Identificação tecnológica e cla ssificação dos fatos patrimoniais.
  • Fato patrimonial. Potencialidade de fatos patrimo niais.
  • Fatores intelectuais. Bases racionais de uma cont abilidade aplicada aos fatores intelectuais.
  • Fatos repetitivos por natureza e registros pertinentes em contas.
  • Fenômeno patrimonial. Momentos dos fenômenos patr imoniais de relação ambiental ecológica. .
  • Fenômeno contábil do custo.
  • Fenômeno contábil pertinente. Atividade meio ambiental natural e fenômenos contábeis pertinentes.
  • Fenômeno patrimonial. Crédito carbono como fenôme no patrimonial.
  • Finalidades das perícias. .
  • Finalidades diversas na atribuição de valores. .
  • Finança. Dados não financeiros e os modelos para decisões.
  • Finança. Tecnologia contábil não financeira e estratégia de gestão.
  • "Financeiro" e as informações não financeiras. .
  • Fluxo de caixa. Exemplo de uma demonstração de fl uxo de caixa.
  • Força imaterial. Levantamento contábil das forças imateriais intelectuais.
  • Forças humanas intelectuais e expressão dos agreg ados imateriais ao capital.
  • Fórmulas ou modalidades opcionais em registros. .
  • Funções das contas do plano. .
  • Funções dos grupos de contas. .
  • Fundo de comércio. Conceitos credenciados sobre o fundo de comércio (valor diferencial do capital).
  • Fundo de comércio. Razões fundamentais do conceito de fundo de comércio como "valor diferencial de capital". .
  • Fundos para riscos.

G

  • Gastos meio ambientais naturais. .
  • Gênese e princípios a observar na informação para fins tecnológicos contábeis.
  • Gestão. Modelos fundamentais na estratégia da gestão.
  • Gestão. Tecnologia contábil não financeira e estratégia de gestão.
  • Grande universo das aplicações da contabilidade.
  • Grupo de contas. Funções dos grupos de contas. .

H

  • Habilitação legal do perito em contabilidade. .
  • História da perícia contábil no Brasil na primeira metade do século XX.

I

  • Identificação tecnológica e classificação dos fat os patrimoniais.
  • Importância de um conceito de rédito ambiental.
  • Informação. Tecnologia da informação e noções fun damentais sobre o registro contábil.
  • Informação contábil. Conceito de tecnologia da informação contábil.
  • Informação contábil. SPED - Informação contábil a o poder público: um outro aspecto do progresso da tecnologia.
  • Informação contábil particular e aquela social.
  • Intangível. Contabilidade dos intangíveis e evolu ção social.
  • Intangível patrimonial. Tecnologia contábil nos ntangíveis patrimoniais e nos recursos humanos.
  • Intelectualidade. Capital legal e capital intelec tual.
  • Intelectualidade. Definição de contabilidade apli cada às imaterialidades intelectuais.
  • Intelectualidade. Eficácia e valor intelectual.
  • Intelectualidade. Levantamento contábil das forças imateriais intelectuais.
  • Intelectualidade. Valores intelectuais e patrimoniais.
  • Interação circulatória de riquezas. .

L

  • Laudo. Concordâncias e discordâncias nos laudos.
  • Laudo. Prólogos nos laudos. .
  • Laudo. Tecnologia em laudos e pareceres periciais contábeis.
  • Laudo pericial. Requisitos técnicos dos anexos.
  • Laudo pericial contábil. Requisitos técnicos.
  • Laudos coletivos. .
  • Laudos e pareceres. .
  • Legalidade. Capital legal e capital intelectual.
  • Levantamento contábil das forças imateriais intelectuais.
  • Lógica dos quesitos. .
  • Lucro. Modelo do lucro (resultabilidade). .
  • Lucro. Modelo estrutural exemplo de demonstração dos lucros ou prejuízos acumulados.
  • Lucro como fator de avaliação do fundo imaterial de negócios.

M

  • Meio ambiente. Aplicações voluntárias meio ambientais.
  • Meio ambiente. Ativo de natureza meio ambiental natural.
  • Meio ambiente. Contabilidade de custos do meio ambiente.
  • Meio ambiente. Gastos meio ambientais naturais. .
  • Meio ambiente. Momentos dos fenômenos patrimoniai s de relação ambiental ecológica. .
  • Meio ambiente. Provisões e contingências meio ambientais naturais.
  • Meio ambiente. Vocação moderna em relação à conta bilidade meio ambiental.
  • Meio ambiente natural. Tecnologia e contabilidade aplicada ao meio ambiente natural.
  • Metodologia científica e tecnologia em contabilid ade.
  • Metodologia dos títulos das contas de compensação .
  • Metodologia e normas de auditoria. .
  • Metodologia e tecnologia na contabilidade contemp orânea a serviço do social e humano
  • Modelo de balanço social. .
  • Modelo de equilíbrio. .
  • Modelo de operacionalidade e bens para vendas. .
  • Modelo do lucro (resultabilidade). .
  • Modelo estrutural de balanço patrimonial. .
  • Modelo estrutural: exemplo de demonstração do val or adicionado.
  • Modelo estrutural exemplo de demonstração dos luc ros ou prejuízos acumulados.
  • Modelos e planos de contas. .
  • Modelos fundamentais na estratégia da gestão.
  • Momentos dos fenômenos patrimoniais de relação am biental ecológica.
  • Multiplicidade de temas na tecnologia da contabil idade.

N

  • Normas de auditoria. .
  • Normas internacionais de contabilidade. Perícia e as denominadas como normas internacionais de contabilidade.

O

  • Obrigatoriedade de contas específicas. .
  • Observações sobre a análise do rédito ambiental
  • Operacionalidade. Modelo de operacionalidade e be ns para vendas.

P

  • Parecer. Laudos e pareceres. .
  • Parecer pericial. Tecnologia em laudos e parecere s periciais contábeis.
  • Participação social. Balanço e participação socia l da empresa.
  • Patrimonialidade. Identificação tecnológica e cla ssificação dos fatos patrimoniais.
  • Patrimônio. Critério de conveniência administrativa e estratégia patrimonial.
  • Patrimônio. Tecnologia contábil e valores diferenciais patrimoniais.
  • Patrimônio. Valores intelectuais e patrimoniais.
  • Perícia. Finalidades das perícias. .
  • Perícia. Tecnologia e questionalidade pericial. .
  • Perícia. Tecnologia em laudos e pareceres pericia is contábeis.
  • Perícia contábil. Conceito de perícia contábil
  • Perícia contábil. Ética em perícia contábil.
  • Perícia contábil. História da perícia contábil no Brasil na primeira metade do século XX.
  • Perícia contábil. Tecnologia e perícia contábil
  • Perícia e as denominadas como normas internaciona is de contabilidade.
  • Perito. Capacidades profissionais. .
  • Perito. Conduta do perito na resposta aos quesito s.
  • Perito. Cultura técnica e geral.
  • Perito. Experiência profissional.
  • Perito. Habilitação legal do perito em contabilid ade.
  • Plano. Funções das contas do plano. .
  • Plano de trabalho do auditor. .
  • Planos de contas em grandes empresas. .
  • Planos e modelos de contas. .
  • Poder público. SPED - Informação contábil ao poder público: um outro aspecto do progresso da tecnologia.
  • Potencialidade. Registros e demonstrações em face das potencialidades.
  • Potencialidade de fatos patrimoniais. .
  • Potencialidades, contratos e demonstrações pertin entes.
  • Pré-auditoria.
  • Prejuízo. Modelo estrutural exemplo de demonstraç ão dos lucros ou prejuízos acumulados.
  • Produção. Custos indiretos de produção. .
  • Produção da informação contábil. .
  • Produção e contaminação ambiental. .
  • Profissão. Capacidades profissionais. .
  • Profissionalismo e tecnologia em contabilidade. .
  • Progresso em tecnologia contábil.
  • Progresso tecnológico. SPED - Informação contábil ao poder público: um outro aspecto do progresso da tecnologia.
  • Progressos tecnológicos na contabilidade aplicada aos fatos do ambiente natural.
  • Prólogos nos laudos. .
  • Provisões e contingências meio ambientais naturais

Q

  • Qualidade das relações ambientais.
  • Quesito. Conduta do perito na resposta aos quesit os.
  • Quesito. Lógica dos quesitos. .
  • Quesito. Resistências ao trabalho de produção de resposta aos quesitos.
  • Questionalidade pericial. Tecnologia e questional idade pericial.

R

  • Razões e origens do balanço social. .
  • Razões fundamentais do conceito de fundo de comércio como "valor diferencial de capital". .
  • Recursos humanos. Tecnologia contábil nos intangíveis patrimoniais e nos recursos humanos.
  • Rédito ambiental. Conta do rédito ambiental.
  • Rédito ambiental. Estrutura do rédito ambiental
  • Rédito ambiental. Observações sobre a análise dorédito ambiental.
  • Referências.
  • Registro. Fórmulas ou modalidades opcionais em re gistros.
  • Registro contábil. Tecnologia da informação e noç ões fundamentais sobre o registro contábil.
  • Registros e demonstrações em face das potencialid ades.
  • Relação ambiental. Qualidade das relações ambient ais.
  • Requisitos técnicos de um laudo pericial contábil .
  • Resistências ao trabalho de produção de resposta aos quesitos.
  • Resultabilidade. Modelo do lucro (resultabilidade ).
  • Riqueza. Interação circulatória de riquezas.
  • Riqueza patrimonial e agentes externos. .
  • Risco. Fundos para riscos.

S

  • SPED - Informação contábil ao poder público: um outro aspecto do progresso da tecnologia.
  • Serviço do social e humano. Metodologia e tecnolo gia na contabilidade contemporânea. .
  • Serviço social e humano. Metodologia e tecnologia na contabilidade contemporânea a serviço do social e humano. .
  • Sociedade. Empresa e sociedade. .
  • Sociedade. Informação contábil particular e aquela social.
  • Sociedade. Sumário de um elenco de contas na ótica das sociedades de maior porte baseado nas demonstrações obrigatórias.
  • Sumário de um elenco de contas na ótica das sociedades de maior porte baseado nas demonstrações obrigatórias. .

T

  • Técnicas híbridas sob a denominação de balanço so cial.
  • Tecnologia. Conceito de tecnologia da informação contábil.
  • Tecnologia. Evolução tecnológica e aplicação da c iência contábil.
  • Tecnologia. Gênese e princípios a observar na informação para fins tecnológicos contábeis.
  • Tecnologia. Identificação tecnológica e classific ação dos fatos patrimoniais.
  • Tecnologia. Metodologia científica e tecnologia e m contabilidade.
  • Tecnologia. Metodologia e tecnologia na contabili dade contemporânea a serviço do social e humano. .
  • Tecnologia. Progressos tecnológicos na contabilid ade aplicada aos fatos do ambiente natural.
  • Tecnologia. SPED - Informação contábil ao poder p úblico: um outro aspecto do progresso da tecnologia.
  • Tecnologia contábil. Categorias de julgamentos em tecnologia contábil.
  • Tecnologia contábil. Progresso.
  • Tecnologia contábil e valores diferenciais patrimoniais.
  • Tecnologia contábil não financeira e estratégia de gestão.
  • Tecnologia contábil nos intangíveis patrimoniaise nos recursos humanos.
  • Tecnologia da apuração de resultados aplicada ao ambiente natural.
  • Tecnologia da contabilidade. Multiplicidade de te mas.
  • Tecnologia da informação e noções fundamentais so bre o registro contábil.
  • Tecnologia da planificação de contas. .
  • Tecnologia da valorimetria contábil.
  • Tecnologia dos custos. .
  • Tecnologia dos custos na contabilidade aplicada ao ambiente natural.
  • Tecnologia e auditoria contábil nas empresas.
  • Tecnologia e balanço social. .
  • Tecnologia e contabilidade aplicada ao meio ambie nte natural.
  • Tecnologia e perícia contábil.
  • Tecnologia e questionalidade pericial. .
  • Tecnologia em contabilidade. .
  • Tecnologia em laudos e pareceres periciais contábeis.
  • Título. Metodologia dos títulos das contas de com pensação.
  • Trabalho de campo. Execução da auditoria ou traba lho de campo.
  • Trabalho de campo. Método de verificação por amos tragem.
  • Tradição e realidade do regime "financeiro". .

V

  • Valor adicionado. Modelo estrutural: exemplo de demonstração do valor adicionado.
  • Valor diferenciado. Tecnologia contábil e valores diferenciais patrimoniais.
  • "Valor diferencial de capital". Razões fundamenta is do conceito de fundo de comércio como "valor diferencial de capital". .
  • Valor diferencial do capital. Conceitos credencia dos sobre o fundo de comércio (valor diferencial do capital).
  • Valor diferencial imaterial. .
  • Valor e eficácia intelectual.
  • Valores intelectuais e patrimoniais. .
  • Valorimetria contábil. Tecnologia da valorimetria contábil
  • Vocação moderna em relação à contabilidade meio a mbiental

Recomendações