Capa do livro: Manual de Direito Comunitário - 50 Anos de Integração - • A Ordem Jurídica • O Ordenamento Econômico • As Políticas Comunitárias • O Tratado Constitucional - 3ª Edição - Revista e Atualizada, Maria Teresa de Cárcomo Lobo

Manual de Direito Comunitário - 50 Anos de Integração - • A Ordem Jurídica • O Ordenamento Econômico • As Políticas Comunitárias • O Tratado Constitucional

3ª Edição - Revista e Atualizada Maria Teresa de Cárcomo Lobo

Parcele em até 6x sem juros no cartão.
Parcela mínima de R$ 30,00

Versão impressa

Ficha técnica

Autor(es): Maria Teresa de Cárcomo Lobo

ISBN: 978853621540-2

Edição/Tiragem: 3ª Edição - Revista e Atualizada

Acabamento: Brochura

Número de páginas: 535

Publicado em: 29/03/2007

Área(s): Direito - Constitucional; Direito - Internacional

Sinopse

Conhecendo a União Européia

A palavra JUNTOS é formada por letras em cores, formatos e tamanhos diversos para simbolizar a diversidade e a unidade da União Européia.

“Não podemos admitir que surjam quaisquer dúvidas:o Parlamento Europeu apoia o Tratado Constitucional.Pretendemos contribuir para que o conteúdo do Tratado Constitucional, incluindo o capítulo consagrado aos valores, se converta em realidade jurídica e política”.

“Só seremos bem sucedidos neste aspecto - concretizar a unidade do nosso continente, mantendo a sua diversidade - se as cidadãs e os cidadãos da União Europeia, a par da sua ligação às raízes e à sua Pátria, também se conceberem como Europeias e Europeus e tiverem consciência do que os une”.

“Nunca esqueceremos que, sem os Estados Unidos da América, não teria sido possível vencer o nazismo nem o comunismo soviético. Mas também afirmamos aos nossos amigos norte-americanos que Guantanamo não é compatível com os nossos princípios europeus de ordenamento jurídico”.  Hans-Gert Pöttering - Presidente do Parlamento Europeu - Discurso programático em 13 de fevereiro de 2007.

“ Não há memória de uma experiência como a nossa : de forma voluntária, forjar uma união a partir dos Estados com tradições nacionais tão diversas e tão ricas “.

“Ao longo de cinqüenta anos, concebemos um modo novo e único de trabalhar em conjunto.Partilhámos as nossas soberanias para enfrentar desafios comuns. Mostrámos que os nossos Estados –Nação são mais fortes quando agimos juntos em domínios nos quais a Europa oferece os melhores resultados”.  Durão Barroso - Presidente da Comissão Européia - Parlamento Europeu,sessão de 13 de fevereiro de 2007.

“ O logotipo vencedor representa diversidade e o vigor da Europa e sublinha simultaneamente a unidade e a solidariedade do nosso continente”. Margot Wallström - Vice-presidente da Comissão Européia

“ A Comunidade não é senão uma etapa para as formas de organização do mundo de amanhã”.
“Fazer a Europa é fazer a paz”. Jean Monnet - O genial arquiteto da construção européia.

“ Paz e liberdade :estas são as bases de toda a existência digna de um ser humano.A paz de cada um não é possível sem a paz para o seu povo. Mas paz sem liberdade, não é paz”.  Konrad Adenauer - Chanceler alemão, um dos Pais Fundadores da Comunidade Européia.

Autor(es)

Maria Teresa de Cárcomo Lobo - Licenciada em Direito pela Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa, com a classificação de 16 valores (16/20) e é diplomada com o Mestrado em Ciências Jurídicas pela mesma Faculdade, defendendo tese sobre “Amortização de Quotas, Ações e Partes do Capital Social”, obtendo a classificação de 16 valores (16/20). Chefiou o Gabinete de Estudos Econômicos e de Relações com Organismos Internacionais da Junta Nacional do Azeite.
Foi consultora jurídica da Junta Provincial de Povoamento, do Instituto do Algodão, da Cooperativa Agrícola do Limpopo e exerceu a chefia do Gabinete de Estudos Econômicos e Financeiros do Banco Nacional Ultramarino, em Moçambique.Foi membro do Governo Português, como Subsecretária de Estado de Saúde e Assistência, de agosto de 1970 a novembro de 1973. Tem o Grande Oficialato da Ordem de Cristo. No Brasil exerceu as funções de Juíza Federal da Seção Judiciária do Estado do Rio de Janeiro, na titularidade da 28ª Vara Federal até à sua aposentadoria em fevereiro de 1999. Foi Diretora do Foro da Justiça Federal da mesma Seção Judiciária, no biênio 1993/1994. Agraciada com o Colar de Honra do Mérito Judiciário pelo Egrégio Tribunal de Justiça do Estado do Rio de Janeiro, em 08.12.1994.
Advogada, conferencista e palestrante sobre temas relativos ao direito tributário, direito processual civil, direito internacional, direito da União Européia e do Mercosul. Autora do livro “Ordenamento Jurídico Comunitário”,Ed. Del Rey- 1996.
Co-autora dos livros “O princípio da moralidade no Direito Tributário”, “Tributação no Mercosul”, “Imunidades Tributárias”, “ Processo Administrativo Tributário” “ O Tributo- reflexão multidisciplinar sobre sua natureza”,ed. Revista dos Tribunais, Centro de Extensão Universitária,S.Paulo e Ed. Forense e do Tomo I, do “Congreso Internacional de Derecho Comunitario y del Mercosur” (Salta-Argentina). Diretora Executiva do Centro Integrado de Estudos, Pesquisa e Formação em Direito Comunitário – CIDIC. Presidente da Comissão Permanente de Direito Comunitário do Instituto dos Advogados Brasileiros. Coordenadora Executiva do Instituto de Pesquisa e Estudos Jurídicos-IPEJ/RJ. Membro do Conselho Empresarial de Assuntos Jurídicos e Tributários da Associação Comercial do Rio de Janeiro.

Sumário

Título I As Comunidades Européias

Capítulo I - A Gênese das Comunidades Européias

Capítulo II - A Evolução das Comunidades Européias

Seção I - O Alargamento das Comunidades Européias

Seção II - O Aprofundamento das Comunidades Adaptação dos Tratados Constitutivos e o Tratado da União Européia

Seção III - A Convenção Européia - A Constituição Européia

Capítulo III - As Características das Comunidades

Capítulo IV - O Quadro Institucional das Comunidades Européias

Seção I - O Parlamento Europeu

Seção II - O Conselho da União Européia e o Conselho Europeu

Seção III - A Comissão

Seção IV - O Tribunal de Justiça

Seção V - O Tribunal de Contas

Seção VI - O Comitê Econômico e Social Europeu

Seção VII - O Comitê das Regiões

Seção VIII - O Banco Europeu de Investimento - BEI

Seção IX - O Banco Central Europeu - BCE

Seção X - Agências e Outros Órgãos

Título II A Ordem Jurídica Comunitária

Capítulo I - Os Princípiosdo Direito Comunitário

Capítulo II - As Fontes do Direito Comunitário

Seção I - O Direito Comunitário Originário

Seção II - O Direito Comunitário Derivado

Seção III - O Direito Comunitário Complementar

Seção IV - A Jurisprudência

Seção V - Os PrincípiosGerais do Direito

Capítulo III - O Contencioso Comunitário

Seção I - Contencioso de Legalidade

Seção II - O Contencioso Pleno - Ação de Descumprimento

Capítulo IV - O Processo de Reenvio

Título III Os Processos Comunitários

Capítulo I - O Processo Decisório

Capítulo II - O Processo Orçamental

Título IV O Ordenamento Econômico da Comunidade Européia

Capítulo I - Processo de Integração - Modalidades

Capítulo II - Do Mercado Comum àUnião Econômica e Monetária

Seção I - O Períodode Transição

Seção II - A Livre Circulação de Pessoas, de Serviços e de Capitais

Seção III - O Mercado Comum e o Mercado Interno Políticas Comuns

Seção IV - A Concorrência

Seção V - A União Econômicae Monetária - UEM

Capítulo III - A Política de Coesão Econômica, Social e Territorial - Os Fundos Estruturais - O Instrumento de Assistência de Pré-Adesão - Os Agrupamentos Europeus de Cooperação Territorial

Título V A União Européia

Capítulo I - O 2º PilarPolítica Externa e de Segurança Comum - Pesc

Capítulo II - O 3º Pilar Justiça e Assuntos Internos - JAI

Seção I - O Acordo de Schengen

Capítulo III - A Carta dos Direitos Fundamentais da União Européia

Considerações Finais

Referências

Tratado da União Européia - Tratado de Nice (versão compilada)

Tratado da Comunidade Européia - Tratado de Nice (versão compilada)

Índice alfabético

A

  • A gênese das comunidades européias.
  • Ação de anulação
  • Ação de anulação. Decisão do Tribunal
  • Ação de anulação. Prazo
  • Ação de descumprimento. Contencioso pleno
  • Ação de indenização. Responsabilidadeextracontratual da comunidade.
  • Ação por omissão
  • Ação por omissão. Decisão do Tribunal.
  • Acórdão do Tribunal. Execução
  • Acordo de Schengen.
  • Advogados-gerais.
  • Agência e outros órgãos
  • Agrícola. Política Agrícola Comum - PAC
  • Agrupamento europeu. Política de coesão econômica, social e territorial. Fundos estruturais. Instrumento de assistência de pré-adesão. Agrupamentos europeus de cooperação territorial.
  • Agrupamentos Europeus de Cooperação Territorial - AECT
  • Alargamento das Comunidades Européias
  • Ambiental. PolíticaAmbiental
  • Aprofundamento das comunidades européias - adaptação dos tratados constitutivos e o Tratado da União Européia
  • As comunidades européias
  • Asilo. Vistos, asilo, imigração e outras políticas relativas à livre circulação de pessoas.
  • Ato único europeu
  • Atuação obstativa da livre circulação de mercadorias.
  • Áustria. Quarto alargamento - Áustria, Finlân dia e Suécia
  • Autoridade européia paraa proteção de dados.

B

  • Banco Central Europeu - BCE.
  • Banco Central Europeu- BCE. Composição.
  • Banco Central Europeu - BCE. Fraudes
  • Banco Central Europeu -BCE. Independência.
  • Banco Central Europeu - BCE. Objetivos do SEBC
  • Banco Europeu de Investimento - BEI
  • Banco Europeu de Investimento - BEI. Composição

C

  • Capital. Livre circulação de pessoas, de serviços e de capitais
  • Características das comunidades
  • Carta dos direitos fundamentais da União Européia.
  • Circulação. Princípios deliberdade e circulação.
  • Código aduaneirocomunitário
  • Coesão econômica e social. Princípioda coesão econômica e social.
  • Comissão das comunidades européias.
  • Comissão das comunidades européias. Agências de execução
  • Comissão das comunidades européias. Cessação de funções.
  • Comissão das comunidades européias. Comitologia.
  • Comissão das comunidades européias. Competências de execução.
  • Comissão das comunidades européias. Composição e sede
  • Comissão das comunidades européias. Deliberação
  • Comissão das comunidades européias. Funções
  • Comissão das comunidades européias. Nomeação da Comissão
  • Comissão das comunidades européias. Novas competências - PESC E JAI
  • Comissão das comunidades européias. O Conselho, a Comissão e o Parlamento.
  • Comissão das comunidades européias. Objetivos para o período 2004/2009
  • Comissão das comunidades européias. Organização e funcionamento
  • Comissão das comunidades européias.Parlamento, conselho e comissão.
  • Comissão das comunidadeseuropéias. Poderes
  • Comissão das comunidades européias. Poderes de controle
  • Comissão das comunidades européias. Poderes de gestão e execução.
  • Comissão das comunidades européias. Poderes de sanção.
  • Comissão das comunidades européias. Poderes para autorizar a adoção de medidas derrogatórias das disposições do Tratado.
  • Comissão das comunidades européias.
  • Comitê Econômicoe Social
  • Comitê Econômico e Social. Composição
  • Comitê Econômico e Social. Função consultiva
  • Comitê Econômico e Social. Pareceres
  • Comitê das regiões
  • Comitê das regiões. Composição
  • Comitê das regiões. Função consultiva
  • Comitê das regiões. Pareceres
  • Comitê das regiões. Regiões de conhecimento.
  • Comunidade. Características das comunidades.
  • Comunidade Européia. Versão compilada do Tratado que institui a Comunidade Européia. Tratado de Nice
  • Comunidade. Ordem jurídica comunitária
  • Comunidade. Processoscomunitários
  • Comunidade européia. A gênesedas Comunidades européias.
  • Comunidade européia. Ascomunidades européias
  • Comunidade européia. Comissãodas comunidades européias.
  • Comunidade européia. Comissãodas comunidades européias.
  • Comunidade européia. Evoluçãodas comunidades européias
  • Comunidade européia. Ordenamento econômico da comunidade européia
  • Comunidade européia. Quadro institucional das comunidades européias.
  • Comunidade européia. Quadro sinóptico da Constituição e do alargamento das comunidades.
  • Comunidade européia. Tribunal de Justiça das comunidades européias
  • Concentração de empresas
  • Concentração de empresas. Comitê.
  • Concentração de empresas. Monopólios nacionais de natureza comercial
  • Concentração de empresas. Processo de investigação.
  • Concorrência
  • Concorrência. Auxílios estatais.
  • Concorrência. Auxílios existentes e auxílios novos
  • Concorrência. COIMAS.
  • Concorrência. Comitê.
  • Concorrência. Comitê.
  • Concorrência. Concentração de empresas
  • Concorrência. Concentração de empresas. Processo de investigação
  • Concorrência. Empresas públicas.
  • Concorrência. Modalidades de auxílios.
  • Concorrência. Posição dominante
  • Concorrência. Processode investigação.
  • Concorrência. Regras aplicáveis às empresas
  • Concorrência. Serviços de interesse econômico geral.
  • Confiança legítima. Princípios da segurança jurídica e da confiança legítima.
  • Conselho Europeu. Conselho da União Européia e o Conselho Europeu
  • Conselho da União Européia.
  • Conselho da União Européia. Composição, sede e funcionamento.
  • Conselho da União Européia.Convocações e deliberações
  • Conselho da União Européia. Deliberações
  • Conselho da União Européia. Funções do Conselho.
  • Conselho da União Européia. Nova sistemática.
  • Conselho da União Européia. O Coreper - Comitê dos Representantes Permanentes.
  • Conselho da União Européia. Ponderação de votos
  • Conselho da União Européia. Secretariado-geral.
  • Conselho da União Européia e o Conselho Europeu.
  • Conselho da União Européia.
  • Conselho europeu.
  • Considerações finais.
  • Constituição Européia
  • Constituição Européia. Convenção Européia. A Constituição Européia.
  • Consumidor. Política de defesa do consumidor
  • Contencioso. Fase pré-contenciosa
  • Contencioso comunitário.
  • Contencioso de legalidade.
  • Contencioso pleno. Açãode descumprimento
  • Controle Schengen. Funcionamento e tomada de decisões
  • Convenção Européia
  • Convenção Européia. A Constituição Européia
  • Cooperação econômica, financeira e técnica com os países terceiros. Novo título
  • Cooperação territorial. Política de coesão econômica, social e territorial. Fundos estruturais. Instrumento de assistência de pré-adesão. Agrupamentos europeus de cooperação territorial.
  • Coreper. Conselho da União Européia
  • Cultura.
  • Cultura. Política de emprego e política social

D

  • Decisão. Processo decisório
  • Dimensão política do parlamento europeu
  • Dimensão política do parlamento europeu
  • Dinamarca. Primeiro alargamento - Reino Unido, Dinamarca e Irlanda
  • Direito Comunitário. Autonomia.
  • Direito Comunitário.Efeito direto
  • Direito Comunitário. Parlamento europeu. Controle da aplicação do Direito Comunitário.
  • Direito Comunitário. Primado.
  • Direito Comunitáriocomplementar.
  • Direito Comunitário complementar. Jurisprudência.
  • Direito Comunitário derivado
  • Direito Comunitário derivado. Decisão.
  • Direito Comunitário derivado. Diretiva.
  • Direito Comunitário derivado. Diretiva. Derrogação
  • Direito Comunitário derivado.Diretiva. Efeito direto.
  • Direito Comunitário derivado. Parecer. Recomendações e pareceres
  • Direito Comunitário derivado. Regulamento
  • Direito Comunitário derivado. Responsabilidades dos Estados-Membros.
  • Direito Comunitário originário.
  • Direito. Princípios gerais do direito.
  • Direito comunitário. Fontesdo Direito Comunitário
  • Direito comunitário. Princípios do Direito Comunitário.
  • Direito fundamental. Carta dos direitos fundamentais da União Européia.
  • Direito fundamental. Princípio do respeito pelos direitos fundamentais.

E

  • Efeito útil. Princípio do efeito útil.
  • Emprego. Política de emprego epolítica social.Cultura.
  • Empresa. Concentraçãode empresas
  • Energia
  • Equilíbrio de poderes das instituições. Princípio do equilíbrio de poderes das instituições.
  • Espaço econômico europeu - EEE.
  • Espaço Único de Pagamentos em Euros - EUPE.
  • Espanha. Terceiro alargamento - Portugal e Espanha.
  • Estabelecimento. Pacto de estabilidade e crescimento - PEC.
  • Estados-Membros.
  • Euro.
  • Europa. Parlamento europeu
  • Evolução das comunidades européias
  • Evolução política de financiamento comunitário
  • Exceção de ilegalidade
  • Execução do acórdão do Tribunal

F

  • Financiamento comunitário. Evolução política de financiamento comunitário
  • Finlândia. Quarto alargamento -Áustria, Finlândia e Suécia
  • Fiscalidade.
  • Fiscalidade direta.
  • Fiscalidade indireta
  • Fluxograma - Processo de co-decisão (art. 251 do Tratado).
  • Fontes do DireitoComunitário.
  • Função do Tribunal de Justiça - De guardião a promotor da política jurídica comunitária.
  • Fundamentação. Princípioda fundamentação
  • Fundos estruturais. Política de coesão econômica, social e territorial. Fundos estruturais. Instrumento de assistência de pré-adesão. Agrupamentos europeus de cooperação territorial.

G

  • Gênese. A gênese das Comunidades européias
  • Grécia. Segundo alargamento - Grécia

H

  • Hermenêutica. Princípio dainterpretação conforme

I

  • Igualdade. Princípio da igualdade e da não-discriminação.
  • Imigração. Vistos, asilo, imigração e outras políticas relativas à livre circulação de pessoas.
  • Inserção do Direito Comunitário nas ordens nacionais: o efeito direto.
  • Instrumento de Assistênciade Pré-Adesão - IPA
  • Introdução
  • Irlanda. Primeiro alargamento - Reino Unido, Dinamarca e Irlanda

J

  • Justiça. 3º pilar. Comissão.
  • Justiça. 3º pilar. Comitê de coordenação.
  • Justiça. 3º pilar. Convenções
  • Justiça. 3º pilar. Decisões forado âmbito das decisões-quadro.
  • Justiça. 3º pilar.Decisões-quadro.
  • Justiça. 3º pilar. EUROJUST.
  • Justiça. 3º pilar. Espaço Judiciário Europeu.
  • Justiça. 3º pilar. Funcionamento e tomada de decisões
  • Justiça. 3º pilar. Justiça.
  • Justiça. 3º pilar. Liberdade
  • Justiça. 3º pilar. Mandadode detenção europeu.
  • Justiça. 3º pilar. Método comunitário e o método intergovernamental
  • Justiça. 3º pilar. Noruega e Islândia
  • Justiça. 3º pilar. Parlamento
  • Justiça. 3º pilar. Posições comuns
  • Justiça. 3º pilar. Processo decisório.
  • Justiça. 3º pilar. Programa AGIS.
  • Justiça. 3º pilar. Programa da HAIA
  • Justiça. 3º pilar. Rede Européia de Formação Judiciária.
  • Justiça. 3º pilar. Rede Judiciária Européia em matéria penal
  • Justiça. 3º pilar. Segurança.
  • Justiça. 3º pilar. Título executivo europeu.
  • Justiça. 3º pilar. Tribunal de Justiça - Reenvio
  • Justiça. O 3º pilar - Justiça eassuntos internos - JAI

L

  • Liberdade. Princípios deliberdade e circulação.
  • Liberdade de estabelecimento
  • Livre circulação. Vistos, asilo, imigraçãoe outras políticas relativas à livre circulação de pessoas.
  • Livre circulação de capitais.
  • Livre circulação de pessoas, de serviços e de capitais.
  • Livre circulação de serviços
  • Livre-circulação. Atuação obstativa dalivre circulação de mercadorias.

M

  • Manual SIRENE.
  • Mercado comum à União econômica e monetária
  • Mercado comum e mercado interno. Política comuns.
  • Moeda. Euro.

N

  • Natureza da União Européia.
  • Navegação porsatélite
  • Nice. Tratado de Nice.
  • Nice. Versão compilada do Tratado da União Européia. Tratado de Nice.
  • Nice. Versão compilada do Tratado que institui a comunidade Européia. Tratado de Nice
  • Nova Europa. A UniãoEuropéia dos 27
  • Novo título. Cooperação econômica, financeira e técnica com os países terceiros.
  • Não-discriminação. Princípio da igualdade e da não-discriminação

O

  • Orçamento. Processo orçamental
  • Ordem jurídica comunitária.
  • Ordenamento econômico. Comunidade européia. Introdução.
  • Ordenamento econômico da comunidade européia.
  • Órgão jurisdicional. Papel dos órgãos jurisdicionais nacionais e a comunitarização da função jurisdicional

P

  • PTU. Países e territórios ultramarinos - PTU
  • Pacto de estabilidade ecrescimento - PEC
  • Pacto de estabilidade e crescimento - PEC. Debate sobre o PEC. Código de Conduta
  • Países e territórios ultramarinos - PTU.
  • Países terceiros. Cooperação econômica,financeira e técnica com os países terceiros. Novo título
  • Papel dos órgãos jurisdicionais nacionais e a comunitarização da função jurisdicional.
  • Parlamento europeu.
  • Parlamento europeu. Comissões.
  • Parlamento europeu. Controle daaplicação do Direito Comunitário
  • Parlamento europeu.Dimensão política.
  • Parlamento europeu.Grupos políticos
  • Parlamento europeu. Organização e funcionamento
  • Parlamento europeu.Partidos políticos
  • Parlamento europeu.Perguntas escritas
  • Parlamento europeu.Poder Legislativo.
  • Parlamento europeu. Poder de controle do executivo
  • Parlamento europeu.Poder orçamental
  • Parlamento europeu. Poderes do parlamento
  • Parlamento europeu. Provedor de Justiça.
  • Parlamento europeu. Quórum e votações
  • Parlamento europeu. Sessões
  • Parlamento europeu. Órgãos
  • Período de transição
  • Pessoas. Livre circulação de pessoas, de serviços e de capitais
  • Pilar. O 2º pilar - Política externae de segurança comum - PESC
  • Pilar. O 3º pilar - Justiça eassuntos internos - JAI
  • Política AgrícolaComum - PAC
  • Política Ambiental.
  • Política Comum de Transportes - PCT.
  • Política comercial comum
  • Política comum. Mercado comum e mercado interno
  • Política de coesão econômica, social eterritorial. Fundos estruturais. Instrumento de assistência de pré-adesão. Agrupamentos europeus de cooperação territorial.
  • Política de defesado consumidor
  • Política de emprego e política social. Cultura
  • Política externa. 2º pilar. Ações comuns
  • Política externa. 2º pilar.Cooperação reforçada.
  • Política externa. 2º pilar. Estratégia Européia de Segurança
  • Política externa. 2º pilar. Justiça transitória.
  • Política externa. 2º pilar. Organização do Tratado do Atlântico Norte - OTAN
  • Política externa. 2º pilar.Parlamento e comissão.
  • Política externa. 2º pilar. Política Européia de Segurança e Defesa - PESD
  • Política externa. 2º p ilar. Política Européia de Vizinhança - PEV.
  • Política externa. 2º pilar. Posições comuns
  • Política externa. 2º pilar. Processo decisório.
  • Política externa. 2º p ilar. União da Europa Ocidental - UEO
  • Política externa. O 2º pilar - Política externa e de segurança comum - PESC
  • Políticas comuns.
  • Portugal. Terceiro alargamento - Portugal e Espanha.
  • Primeiro alargamento - Reino Unido, Dinamarca e Irlanda
  • Princípio da coesão econômica e social
  • Princípio da cooperação leal entre os Estados-Membros e a Comunidade.
  • Princípio da fundamentação
  • Princípio da igualdade eda não-discriminação
  • Princípio da interpretação conforme.
  • Princípio da transparência
  • Princípio do efeito útil.
  • Princípio do equilíbrio depoderes das instituições
  • Princípio do respeito pelos direitos fundamentais
  • Princípios da segurança jurídica e da confiança legítima
  • Princípios da subsidiariedade e proporcionalidade.
  • Princípios de liberdade e circulação
  • Princípios do Direito Comunitário
  • Princípios geraisdo direito.
  • Procedimento decooperação.
  • Procedimento originário
  • Processo de co-decisão.
  • Processo de integração. Modalidades.
  • Processo dereenvio.
  • Processo de reenvio. Acórdãos interpretativos.
  • Processo de reenvio. Acórdãossobre a questão da validade
  • Processo de reenvio. Amplitudeda faculdade de reenvio
  • Processo de reenvio. Conceito de órgão jurisdicional nacional.
  • Processo de reenvio. Efeitos do acórdão
  • Processo de reenvio. Legitimidade ativa
  • Processo de reenvio. O julgamento do processo de reenvio.
  • Processo de reenvio. O processo de reenvio a títuloprejudicial.
  • Processo de reenvio. Partes intervenientes
  • Processo de reenvio. Reenvio geral e reenvio específico
  • Processo de reenvio. Teoria do ato claro.
  • Processo decisório
  • Processo decisório. Unanimidade.
  • Processo legislativo comunitário. Base-legal
  • Processo legislativo comunitário. Fundamentação.
  • Processo legislativo comunitário. Publicidade
  • Processo orçamental.
  • Processo orçamental. Acordo interinstitucional
  • Processo orçamental. Autoridade orçamental.
  • Processo orçamental. Elaboração do orçamento
  • Processo orçamental. Evolução políticade financiamento comunitário
  • Processo orçamental. Execução do orçamento.
  • Processo orçamental. Modalidades de execução.
  • Processo orçamental. Rejeição do projeto.
  • Processos comunitários
  • Programa SESAR. Céu único europeu. Espaço de aviação europeu.
  • Programas Fiscalis.
  • Proporcionalidade. Princípios da subsidiariedade e proporcionalidade

Q

  • Quadro de Remissão para o Tratado da Comunidade
  • Quadro institucional das comunidades européias.
  • Quadro sinóptico. Momentos decisivos da integração européia.
  • Quadro sinóptico. Tratado da União Européia
  • Quadro sinóptico da Constituição edo alargamento das comunidades.
  • Quarto alargamento - Áustria, Finlândia e Suécia

R

  • Recomendações e pareceres. Direito Comunitário derivado
  • Reenvio. Processode reenvio.
  • Referências.
  • Reino Unido. Primeiro alargamento -Reino Unido, Dinamarca e Irlanda.
  • Relatório anual sobre o controle da aplicação do Direito Comunitário. Ano 2005.
  • Responsabilidade. Ação de indenização. Responsabilidade extracontratual da comunidade
  • Responsabilidade dos Estados-Membros no âmbito dos direitos dos particulares

S

  • Schengen. Acordo de Schengen
  • Schengen. Acordo de Schengen
  • Schengen. Sistema de Informações Schengen - SIS
  • Segundo alargamento - Grécia.
  • Segundo pilar - Política externa ede segurança comum - PESC
  • Segurança jurídica. Princípios da segurança jurídica e da confiança legítima
  • Serviço. Livre circulação de pessoas,de serviços e de capitais.
  • Sistema de Informações Schengen - SIS
  • Sociedade cooperativa européia
  • Sociedade européia
  • Subsidiariedade. Princípios da subsidiariedade e proporcionalidade
  • Suécia. Quarto alargamento -Áustria, Finlândia e Suécia.

T

  • Terceiro alargamento -Portugal e Espanha.
  • Terceiro pilar - Justiça e assuntos internos - JAI.
  • Transição. Período de transição.
  • Transparência. Princípioda transparência.
  • Transporte. Política Comum de Transportes - PCT.
  • Tratado. Aprofundamento das comunidades européias - adaptação dos tratados constitutivos e o Tratado da União Européia.
  • Tratado Constitucional. Alterações mais significativas.
  • Tratado Constitucional. Vigência.
  • Tratado da Comunidade da Energia
  • Tratado da comunidade. Quadro de Remissão para o Tratado da Comunidade
  • Tratado de Amsterdã
  • Tratado de Maastricht.
  • Tratado de Nice
  • Tratado de Nice. Versão compiladado Tratado da União Européia
  • Tratado de Nice. Versão compilada do Tratado que institui a Comunidade Européia.
  • Tratados.
  • Tratados comunitários.Vigência limitada.
  • Tratados comunitários e os compromissos internacionais assumidos pelos Estados-Membros.
  • Tribunal da Patente Comunitária.
  • Tribunal de Contas
  • Tribunal de Contas. Competência
  • Tribunal de Contas. Composição
  • Tribunal de Contas. Revisor independente.
  • Tribunal de Função Pública da União Européia.
  • Tribunal de Justiça
  • Tribunal de Justiça. Efeito suspensivo
  • Tribunal de Justiça. Estatuto
  • Tribunal de Justiça. Estrutura funcional.
  • Tribunal de Justiça. Forçaexecutiva dos acórdãos.
  • Tribunal de Justiça. Uma nova competência
  • Tribunal de Justiça das comunidades européias
  • Tribunal de Justiça das comunidades européias. Competências.
  • Tribunal de Justiça das comunidades européias. Composição
  • Tribunal de Justiça das comunidadeseuropéias. Estrutura funcional.
  • Tribunal de Justiça das comunidadeseuropéias. Função consultiva
  • Tribunal de Justiça das comunidades européias. Funcionamento
  • Tribunal de Justiça das comunidades européias. Jurisdição com base em cláusula compromissória.
  • Tribunal de Justiça das comunidades européias. Jurisdição no âmbito da PESC E JAI.
  • Tribunal de Justiça das comunidades européias. Jurisdição no âmbito da União Econômica e Monetária.
  • Tribunal de Justiça das comunidadeseuropéias. Relatores-adjuntos
  • Tribunal de Primeira Instância
  • Tribunal de Primeira Instância - TPI

U

  • União Européia.
  • União Européia.
  • União Européia. Aprofundamento das comunidades européias - adaptação dos tratados constitutivos e o Tratado da União Européia
  • União Européia. Carta dos direitos fundamentais da União Européia.
  • União Européia. Conselho da União Européia e o Conselho Europeu.
  • União Européia.Introdução
  • União Européia. Versão compilada do Tratado da União Européia. Tratado de Nice
  • União econômica. Mercado comum àUnião econômica e monetária.
  • União econômica e monetária - UEM
  • Unidade do Direito Comunitário
  • União Européia. Conselho da União Européia.
  • União Européia. Natureza
  • União Européia. Nova Europa.A União Européia dos 27

V

  • Versão compilada do Tratado da U+nião Européia. Tratado de Nice
  • Versão compilada do Tratado que institui a comunidade Européia. Tratado de Nice
  • Vistos, asilo, imigração e outras políticasrelativas à livre circulação de pessoas.

Recomendações

Capa do livro: Planos de Saúde, Rodrigo César Falcão Cunha Lima de Queiroz

Planos de Saúde

 Rodrigo César Falcão Cunha Lima de QueirozISBN: 978853627448-5Páginas: 284Publicado em: 14/11/2017

Versão impressa

R$ 99,90Adicionar ao
carrinho

Versão digital

R$ 69,90Adicionar eBook
ao carrinho
Capa do livro: Direito Internacional Humanitário, Carlos Frederico Cinelli

Direito Internacional Humanitário

2ª Edição - Revista e AtualizadaCarlos Frederico CinelliISBN: 978853626385-4Páginas: 316Publicado em: 25/11/2016

Versão impressa

R$ 99,90Adicionar ao
carrinho

Versão digital

R$ 69,90Adicionar eBook
ao carrinho
Capa do livro: Competitividade Industrial Chinesa, Gilmar Masiero, Guilherme Ary Plonski, Isak Kruglianskas, Mario Henrique Ogasavara, Moacir de M. Oliveira Junior

Competitividade Industrial Chinesa

 Gilmar Masiero, Guilherme Ary Plonski, Isak Kruglianskas, Mario Henrique Ogasavara, Moacir de M. Oliveira JuniorISBN: 978853623924-8Páginas: 490Publicado em: 05/09/2012

Versão impressa

R$ 147,70Adicionar ao
carrinho