Contabilidade do Capital - A Entronização do Capitalismo Contemporâneo - Prefácio do Prof. Dr. Ilírio José Rech

Valério Nepomuceno

Versão impressa

por R$ 94,70em 3x de R$ 31,57Adicionar ao carrinho

Versão digital

Disponível para:AndroidiOS
de R$ 67,70*
por R$ 57,55em 2x de R$ 28,77Adicionar ao carrinho

* Desconto não cumulativo com outras promoções, incluindo P.A.P. e Cliente Fiel

Ficha técnica

Autor(es): Valério Nepomuceno

ISBN v. impressa: 978655605471-1

ISBN v. digital: 978655605446-9

Acabamento: Brochura

Formato: 15,0x21,0 cm

Peso: 303grs.

Número de páginas: 244

Publicado em: 19/01/2021

Área(s): Contabilidade - Contabilidade Geral Aplicada

Versão Digital (eBook)

Para leitura em aplicativo exclusivo da Juruá Editora para Smartphones e Tablets rodando iOS e Android. Não compatível KINDLE, LEV, KOBO e outros e-Readers.

Disponível para as plataformas:

  • AndroidAndroid 4 ou posterior
  • iOSiOS 7 ou posterior

Em computadores a leitura é apenas online e sem recursos de favoritos e anotações;
Não permite a impressão e cópia do conteúdo.

Compra apenas via site da Juruá Editora.

Sinopse

A obra Contabilidade do Capital é um estudo dedicado a verificar o real papel desempenhado pela Contabilidade nas sociedades contemporâneas frente ao capitalismo. Das relações de cumplicidade entre Contabilidade e o capitalismo contemporâneo emergem os seguintes atores: o contador e suas agremiações (IASB/FASB), as corporações multinacionais, as Big Four (quatro maiores empresas de auditoria do mundo) e a sociedade civil. A historiográfica e a construção de teorias contábeis se dão em um complexo processo de interesses particulares, como se públicos fossem, escamoteados pela fineza da retórica da persuasão em que os números são apresentados como inequívocos. A garantia da aparente exatidão é balizada pelas normas internacionais de contabilidade (IFRS) cujo papel precípuo, frente à sociedade, é oferecer a chancela do inequívoco, como se outro caminho não existisse (aparente força da neutralidade).

Autor(es)

VALÉRIO NEPOMUCENO

Professor, pesquisador, escritor e ensaísta. Mestre em Contabilidade Financeira pela Universidade Federal de Uberlândia – UFU. Especializado em Administração Financeira pelo ICAT/UDF e em Auditoria pela Fundação Getulio Vargas. Graduado em Ciências Contábeis pela UDF/Brasília. Membro da Academia Brasileira de Ciências Contábeis. Professor de Contabilidade (UNIPAM). Possui mais cinquenta artigos publicados no Brasil e no exterior. Livros produzidos: Antônio Lopes de Sá: el filósofo contable, produzido pela Anthos Contable, na Colômbia; Contabilidade Internacional (2014) e Teoria da Contabilidade: uma abordagem histórico-cultural, 2014, 2ª ed., Juruá Editora; A Contabilidade Sob o Enfoque Neopatrimonialista (organizado por César Eduardo Steven Kroetz), pela Editora Unijuí, 1999. Tem feito palestras e conferências no Brasil e no exterior. Integra o Corpo Editorial de periódicos científicos de Contabilidade no Brasil e no exterior.

Porque comprar

Contabilidade do Capital é, provavelmente, a única obra do gênero no Brasil. Estabelecer as relações de proximidade, de cumplicidade entre Contabilidade e Capitalismo Neoliberal permitiu esclarecer, em certa medida, as razões de dependência da Contabilidade em relação ao capitalismo contemporâneo. A financeirização da Contabilidade por meio de instrumentos, como as IFRS, reificaram, entronizaram o capitalismo neoliberal e tem permitido a impressionante acumulação exponencial da riqueza na mão de uns poucos seres humanos.  Para aqueles que buscam elementos historiográficos, teóricos e críticos da Contabilidade e suas relações estreitas com a retórica da persuasão, certamente, a Contabilidade do Capital é a referência indispensável.

Sumário

LISTA DE TABELAS E FIGURA, p. 15

1 INTRODUÇÃO, p. 17

1.1 ESTRUTURA DESTE LIVRO, p. 19

1.1.1 O Problema, p. 19

1.1.2 O Objetivo deste Livro, p. 20

1.1.3 Sustentação Teórica, p. 21

1.1.4 Método de Investigação, p. 26

1.2 RAZÕES DO ENSAIO TEÓRICO, p. 26

2 CONTRIBUIÇÕES DA CONTABILIDADE PARA OS FUNDAMENTOS DO CAPITALISMO: OS PRIMÓRDIOS, p. 29

2.1 EUROPA MEDIEVAL: PRINCÍPIO DO CAPITALISMO, p. 31

2.1.1 A Tese de Sombart, p. 31

2.1.2 Os Contra-Argumentos de Yamey, p. 33

2.1.3 Sobre os Argumentos de Sombart e Yamey, p. 34

2.1.3.1 Ambiente italiano e a aritmética comercial, p. 35

2.1.3.2 Os abacistas versus algoristas e a diferença entre o cálculo unitário e o abstrato, p. 37

2.1.3.3 O método da partida de dupla entrada: o divisor de águas do capitalismo, p. 40

2.1.3.4 Guanzi, Ciropédia e Arthaśāstra: indícios de um capitalismo fecundo na antiguidade, p. 42

2.2 AMBIENTES INGLÊS E FRANCÊS A PARTIR DO SÉCULO XIII, p. 46

2.3 ANÁLISES E CONSIDERAÇÕES, p. 49

3 CONTRIBUIÇÕES DA CONTABILIDADE PARA OS FUNDAMENTOS DO CAPITALISMO: A TEORÉTICA CONTÁBIL, p. 53

3.1 O INVENTIVO CAMINHO DA DINÂMICA INDUSTRIAL, p. 54

3.2 A CONTABILIDADE CIENTÍFICA: DA INGENUIDADE CIENTÍFICA, p. 56

3.3 TEORIA DA PROPRIEDADE: A INAUGURAL RETÓRICA DA PERSPICÁCIA, p. 58

3.4 TEORIA DA ENTIDADE: A LÓGICA CONTÁBIL DO CAPITALISMO GERENCIAL, p. 60

3.4.1 A Pessoa Jurídica, p. 60

3.4.2 A Pessoa Teórica A-Científica, p. 62

3.4.3 A Construção do Interesse Particular, p. 64

3.5 A EXECRAÇÃO DO UNIFORM ACCOUNTING EM FAVOR DO FULL DISCLOSURE, p. 65

3.6 O CONTADOR NORTE-AMERICANO E O SEU DETERMINISMO PROFISSIONAL, p. 68

3.7 PRINCÍPIOS DE CONTABILIDADE GERALMENTE ACEITOS (PCGA): A INCÓGNITA A-CIENTÍFICA DO NORMATIVISMO (PRESCRITIVISMO), p. 69

3.8 O NORMATIVISMO CONTÁBIL E SUAS MEDIDAS CAPITALISTAS, p. 73

4 A RELEVÂNCIA DA DEPRECIAÇÃO E A OCULTAÇÃO DA EXPROPRIAÇÃO DO TRABALHO, p. 75

4.1 BREVE HISTÓRICO SOBRE O TERMO DEPRECIAÇÃO, p. 79

4.2 VALOR-TRABALHO E FORÇA-TRABALHO, p. 83

4.3 MARX E O SEU CONCEITO DE DEPRECIAÇÃO, p. 88

4.4 DEPRECIAÇÃO CONTÁBIL E A TEORIA MARGINALISTA, p. 93

4.5 CONCEITO DE DEPRECIAÇÃO CONTÁBIL COM BASE EM LEAKE, p. 94

4.5.1 Viés Normativo da Depreciação para o Resultado Econômico, p. 95

4.6 ANÁLISES E CONSIDERAÇÕES, p. 97

5 O CONTADOR E SUAS CONTROVERSAS RELAÇÕES COM O CAPITALISMO E A SOCIEDADE, p. 105

5.1 VERDADE CONTÁBIL X INTERESSE DO CAPITALISMO, p. 108

5.2 O CONTADOR NÃO INTELECTUAL: ESTRUTURADO NA PRÁTICA E NA CUMPLICIDADE, p. 113

5.3 CONTADOR INSTRUMENTAL: AUSÊNCIA DO PENSAMENTO SOCIETAL, p. 121

5.4 ORIGEM E DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR EM CONTABILIDADE, p. 123

5.5 A "COLONIZAÇÃO" DA CONTABILIDADE PELA ECONOMIA, p. 127

5.6 CONSEQUÊNCIAS PARA A SOCIEDADE ACERCA DAS RELAÇÕES CONTROVERSAS DO CONTADOR COM O CAPITALISMO, p. 131

6 AS GRANDES CORPORAÇÕES DA CONTABILIDADE E AUDITORIA E SUAS CONTROVERSAS RELAÇÕES COM A SOCIEDADE, p. 135

6.1 AS BIG FOUR, p. 138

6.2 BREVE RELATO HISTÓRICO SOBRE AS BIG FOUR, p. 139

6.3 A TRANSPARÊNCIA DOS NÚMEROS DAS BIG FOUR E DAS CORPORAÇÕES MULTINACIONAIS, p. 151

6.4 O PREÇO INCORRETO DE TRANSFERÊNCIA [TRANSFER MISPRICING], p. 155

6.5 AS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS CONSOLIDADAS DAS MULTINACIONAIS E A EXPLORAÇÃO DO SIGILO, p. 157

6.6 PROPOSTA DE RELATÓRIO PAÍS A PAÍS (RPP) E A CONTRAPROPOSTA DA PWC, p. 159

6.7 A INFLUÊNCIA DAS BIG FOUR NOS ÓRGÃOS PÚBLICOS, p. 163

6.8 ANÁLISES E CONSIDERAÇÕES, p. 166

7 AS IFRS COMO INSTRUMENTO DE RETÓRICA, p. 169

7.1 IFRS E O EGOÍSMO ÉTICO, p. 170

7.2 AS IFRS E A CONCEPÇÃO DE EMPRESA COLETIVA À PERCEPÇÃO DE CÉLULA SOCIAL, p. 174

7.3 AS IFRS NO CENÁRIO NEOLIBERAL, p. 175

7.3.1 Financeirização do Capitalismo por Meio das IFRS, p. 177

7.4 A RETÓRICA COMO UM INSTRUMENTO DE PERSUASÃO DAS IFRS, p. 180

7.5 A METÁFORA DO INTERESSE PÚBLICO DISSIMULADA NO DISCURSO DAS IFRS, p. 185

7.6 NATURALIZAÇÃO DA LÓGICA INSTRUMENTAL DA CONTABILIDADE PELAS IFRS, p. 187

7.7 AS IFRS COMO NORMAS DE PROCEDIMENTO, p. 189

7.8 A ESTRUTURA CONCEITUAL COMO INSTRUMENTO BALIZADOR DAS IFRS, p. 191

7.8.1 Ambiente da Gênese da Estrutura Conceitual nos EUA, p. 192

7.8.2 O Jogo Político do FASB: Reflexos nas IFRS e na EC, p. 194

7.8.3 Porque as IFRS Necessitam de uma Estrutura Conceitual, p. 196

7.9 ANÁLISES E CONSIDERAÇÕES FINAIS, p. 200

CONCLUSÃO, p. 203

REFERÊNCIAS, p. 211

Índice alfabético

A

  • Abacistas versus algoristas e a diferença entre o cálculo unitário e o abstrato, p. 37
  • Algoristas. Abacistas versus algoristas e a diferença entre o cálculo unitário e o abstrato, p. 37
  • Ambiente da gênese da estrutura conceitual nos EUA, p. 192
  • Ambiente italiano e a aritmética comercial, p. 35
  • Antiguidade. Guanzi, Ciropédia e Arthaśāstra: indícios de um capitalismo fecundo na antiguidade, p. 42
  • Aritmética comercial. Ambiente italiano e a aritmética comercial, p. 35
  • Arthaśāstra. Guanzi, Ciropédia e Arthaśāstra: indícios de um capitalismo fecundo na antiguidade, p. 42
  • Auditoria. Grandes corporações da contabilidade e auditoria e suas controversas relações com a sociedade, p. 135

B

  • Big Four, p. 138
  • Big Four. Breve relato histórico sobre as Big Four, p. 139
  • Big Four. Influência das Big Four nos órgãos públicos, p. 163
  • Big Four. Transparência dos números das Big Four e das corporações multinacionais, p. 151

C

  • Cálculo unitário. Abacistas versus algoristas e a diferença entre o cálculo unitário e o abstrato, p. 37
  • Capitalismo gerencial. Teoria da entidade: a lógica contábil do capitalismo gerencial, p. 60
  • Capitalismo. Consequências para a sociedade acerca das relações controversas do contador com o capitalismo, p. 131
  • Capitalismo. Contador e suas controversas relações com o capitalismo e a sociedade, p. 105
  • Capitalismo. Contribuições da contabilidade para os fundamentos do capitalismo: a teorética contábil, p. 53
  • Capitalismo. Contribuições da contabilidade para os fundamentos do capitalismo: os primórdios, p. 29
  • Capitalismo. Europa medieval: princípio do capitalismo, p. 31
  • Capitalismo. Financeirização do capitalismo por meio das IFRS, p. 177
  • Capitalismo. Guanzi, Ciropédia e Arthaśāstra: indícios de um capitalismo fecundo na antiguidade, p. 42
  • Capitalismo. Método da partida de dupla entrada: o divisor de águas do capitalismo, p. 40
  • Capitalismo. Normativismo contábil e suas medidas capitalistas, p. 73
  • Capitalismo. Verdade contábil x interesse do capitalismo, p. 108
  • Célula social. IFRS e a concepção de empresa coletiva à percepção de célula social, p. 174
  • Ciropédia. Guanzi, Ciropédia e Arthaśāstra: indícios de um capitalismo fecundo na antiguidade, p. 42
  • "Colonização" da contabilidade pela economia, p. 127
  • Conceito de depreciação contábil com base em Leake, p. 94
  • Conceito. Ambiente da gênese da estrutura conceitual nos EUA, p. 192
  • Conceito. Estrutura conceitual como instrumento balizador das IFRS, p. 191
  • Conceito. Porque as IFRS necessitam de uma estrutura conceitual, p. 196
  • Conclusão, p. 203
  • Consequências para a sociedade acerca das relações controversas do contador com o capitalismo, p. 131
  • Contabilidade científica: da ingenuidade científica, p. 56
  • Contabilidade. Contribuições da contabilidade para os fundamentos do capitalismo: a teorética contábil, p. 53
  • Contabilidade. Contribuições da contabilidade para os fundamentos do capitalismo: os primórdios, p. 29
  • Contabilidade. Demonstrações contábeis consolidadas das multinacionais e a exploração do sigilo, p. 157
  • Contabilidade. Depreciação contábil e a teoria marginalista, p. 93
  • Contabilidade. Grandes corporações da contabilidade e auditoria e suas controversas relações com a sociedade, p. 135
  • Contabilidade. Naturalização da lógica instrumental da contabilidade pelas IFRS, p. 187
  • Contabilidade. Origem e desenvolvimento da educação superior em contabilidade, p. 123
  • Contabilidade. Princípios de Contabilidade Geralmente Aceitos (PCGA): a incógnita a-científica do normativismo (prescritivismo), p. 69
  • Contabilidade. Problema, p. 19
  • Contabilidade. Verdade contábil x interesse do capitalismo, p. 108
  • Contabilidade. "Colonização" da contabilidade pela economia, p. 127
  • Contador e suas controversas relações com o capitalismo e a sociedade, p. 105
  • Contador instrumental: ausência do pensamento societal, p. 121
  • Contador não intelectual: estruturado na prática e na cumplicidade, p. 113
  • Contador norte-americano e o seu determinismo profissional, p. 68
  • Contador. Consequências para a sociedade acerca das relações controversas do contador com o capitalismo, p. 131
  • Contra-argumentos de Yamey, p. 33
  • Contribuição da contabilidade. Ambientes inglês e francês a partir do século XIII, p. 46
  • Contribuição da contabilidade. Análises e considerações, p. 49
  • Contribuições da contabilidade para os fundamentos do capitalismo: a teorética contábil, p. 53
  • Contribuições da contabilidade para os fundamentos do capitalismo: os primórdios, p. 29
  • Corporação. Grandes corporações da contabilidade e auditoria e suas controversas relações com a sociedade, p. 135
  • Corporações multinacionais. Transparência dos números das Big Four e das corporações multinacionais, p. 151
  • Cumplicidade. Contador não intelectual: estruturado na prática e na cumplicidade, p. 113

D

  • Demonstrações contábeis consolidadas das multinacionais e a exploração do sigilo, p. 157
  • Depreciação contábil e a teoria marginalista, p. 93
  • Depreciação contábil. Conceito de depreciação contábil com base em Leake, p. 94
  • Depreciação. Breve histórico sobre o termo depreciação, p. 79
  • Depreciação. Marx e o seu conceito de depreciação, p. 88
  • Depreciação. Relevância da depreciação e a ocultação da expropriação do trabalho, p. 75
  • Depreciação. Viés normativo da depreciação para o resultado econômico, p. 95
  • Determinismo profissional. Contador norte-americano e o seu determinismo profissional, p. 68
  • Dinâmica industrial. Inventivo caminho da dinâmica industrial, p. 54
  • Dupla entrada. Método da partida de dupla entrada: o divisor de águas do capitalismo, p. 40

E

  • Economia. "Colonização" da contabilidade pela economia, p. 127
  • Educação superior. Origem e desenvolvimento da educação superior em contabilidade, p. 123
  • Empresa coletiva. IFRS e a concepção de empresa coletiva à percepção de célula social, p. 174
  • Ensaio teórico. Razões, p. 26
  • Entidade. Teoria da entidade: a lógica contábil do capitalismo gerencial, p. 60
  • Estados Unidos. Ambiente da gênese da estrutura conceitual nos EUA, p. 192
  • Estados Unidos. Contador norte-americano e o seu determinismo profissional, p. 68
  • Estrutura conceitual como instrumento balizador das IFRS, p. 191
  • Estrutura conceitual como instrumento balizador das IFRS. Análises e considerações finais, p. 200
  • Estrutura deste livro, p. 19
  • Ética. IFRS e o egoísmo ético, p. 170
  • Europa medieval: princípio do capitalismo, p. 31
  • Execração do uniform accounting em favor do full disclosure, p. 65
  • Expropriação do trabalho. Relevância da depreciação e a ocultação da expropriação do trabalho, p. 75

F

  • Financeirização do capitalismo por meio das IFRS, p. 177
  • Força-trabalho. Valor-trabalho e força-trabalho, p. 83
  • Full disclosure. Execração do uniform accounting em favor do full disclosure, p. 65
  • Fundamentos primórdios. Contribuições da contabilidade para os fundamentos do capitalismo: os primórdios, p. 29

G

  • Grandes corporações da contabilidade e auditoria e suas controversas relações com a sociedade, p. 135
  • Grandes corporações da contabilidade e auditoria e suas controversas relações com a sociedade. Análises e considerações, p. 166
  • Guanzi, Ciropédia e Arthaśāstra: indícios de um capitalismo fecundo na antiguidade, p. 42

I

  • IFRS como instrumento de retórica, p. 169
  • IFRS como normas de procedimento, p. 189
  • IFRS e a concepção de empresa coletiva à percepção de célula social, p. 174
  • IFRS e o egoísmo ético, p. 170
  • IFRS no cenário neoliberal, p. 175
  • IFRS. Estrutura conceitual como instrumento balizador das IFRS, p. 191
  • IFRS. Financeirização do capitalismo por meio das IFRS, p. 177
  • IFRS. Metáfora do interesse público dissimulada no discurso das IFRS, p. 185
  • IFRS. Naturalização da lógica instrumental da contabilidade pelas IFRS, p. 187
  • IFRS. Porque as IFRS necessitam de uma estrutura conceitual, p. 196
  • IFRS. Retórica como um instrumento de persuasão das IFRS, p. 180
  • Inaugural retórica. Teoria da propriedade: a inaugural retórica da perspicácia, p. 58
  • Incógnita a-científica. Princípios de Contabilidade Geralmente Aceitos (PCGA): a incógnita a-científica do normativismo (prescritivismo), p. 69
  • Influência das Big Four nos órgãos públicos, p. 163
  • Ingenuidade científica. Contabilidade científica: da ingenuidade científica, p. 56
  • Instrumento balizador. Estrutura conceitual como instrumento balizador das IFRS, p. 191
  • Intelectualidade. Contador não intelectual: estruturado na prática e na cumplicidade, p. 113
  • Interesse público. Metáfora do interesse público dissimulada no discurso das IFRS, p. 185
  • Introdução, p. 17
  • Inventivo caminho da dinâmica industrial, p. 54

J

  • Jogo político do FASB: reflexos nas IFRS e na EC, p. 194

L

  • Leake. Conceito de depreciação contábil com base em Leake, p. 94
  • Livro. Estrutura deste livro, p. 19
  • Livro. Método de investigação, p. 26
  • Livro. Objetivo deste livro, p. 20
  • Livro. Sustentação teórica, p. 21
  • Lógica contábil. Teoria da entidade: a lógica contábil do capitalismo gerencial, p. 60
  • Lógica instrumental. Naturalização da lógica instrumental da contabilidade pelas IFRS, p. 187

M

  • Marx e o seu conceito de depreciação, p. 88
  • Metáfora do interesse público dissimulada no discurso das IFRS, p. 185
  • Método da partida de dupla entrada: o divisor de águas do capitalismo, p. 40
  • Multinacional. Demonstrações contábeis consolidadas das multinacionais e a exploração do sigilo, p. 157

N

  • Naturalização da lógica instrumental da contabilidade pelas IFRS, p. 187
  • Neoliberal. IFRS no cenário neoliberal, p. 175
  • Norma. Viés normativo da depreciação para o resultado econômico, p. 95
  • Normativismo contábil e suas medidas capitalistas, p. 73
  • Normativismo. Princípios de Contabilidade Geralmente Aceitos (PCGA): a incógnita a-científica do normativismo (prescritivismo), p. 69

O

  • Órgão público. Influência das Big Four nos órgãos públicos, p. 163
  • Origem e desenvolvimento da educação superior em contabilidade, p. 123

P

  • Partida. Método da partida de dupla entrada: o divisor de águas do capitalismo, p. 40
  • PCGA. Princípios de Contabilidade Geralmente Aceitos (PCGA): a incógnita a-científica do normativismo (prescritivismo), p. 69
  • Pensamento societal. Contador instrumental: ausência do pensamento societal, p. 121
  • Perspicácia. Teoria da propriedade: a inaugural retórica da perspicácia, p. 58
  • Persuasão. Retórica como um instrumento de persuasão das IFRS, p. 180
  • Porque as IFRS necessitam de uma estrutura conceitual, p. 196
  • Preço incorreto de transferência [transfer mispricing], p. 155
  • Prescritivismo. Princípios de Contabilidade Geralmente Aceitos (PCGA): a incógnita a-científica do normativismo (prescritivismo), p. 69
  • Princípios de Contabilidade Geralmente Aceitos (PCGA): a incógnita a-científica do normativismo (prescritivismo), p. 69
  • Problema, p. 19
  • Procedimento. IFRS como normas de procedimento, p. 189
  • Proposta de Relatório País a País (RPP) e a contraproposta da PWC, p. 159
  • Propriedade. Teoria da propriedade: a inaugural retórica da perspicácia, p. 58
  • PWC. Proposta de Relatório País a País (RPP) e a contraproposta da PWC, p. 159

R

  • Razões do ensaio teórico, p. 26
  • Referências, p. 211
  • Relevância da depreciação e a ocultação da expropriação do trabalho, p. 75
  • Relevância da depreciação e a ocultação da expropriação do trabalho. Análises e considerações, p. 97
  • Resultado econômico. Viés normativo da depreciação para o resultado econômico, p. 95
  • Retórica como um instrumento de persuasão das IFRS, p. 180
  • Retórica. IFRS como instrumento de retórica, p. 169
  • RPP. Proposta de Relatório País a País (RPP) e a contraproposta da PWC, p. 159

S

  • Sigilo. Demonstrações contábeis consolidadas das multinacionais e a exploração do sigilo, p. 157
  • Sobre os argumentos de Sombart e Yamey, p. 34
  • Sociedade. Consequências para a sociedade acerca das relações controversas do contador com o capitalismo, p. 131
  • Sociedade. Contador e suas controversas relações com o capitalismo e a sociedade, p. 105
  • Sociedade. Grandes corporações da contabilidade e auditoria e suas controversas relações com a sociedade, p. 135
  • Sombart. Sobre os argumentos de Sombart e Yamey, p. 34
  • Sombart. Tese de Sombart, p. 31

T

  • Teorética contábil. Contribuições da contabilidade para os fundamentos do capitalismo: a teorética contábil, p. 53
  • Teoria da entidade: a lógica contábil do capitalismo gerencial, p. 60
  • Teoria da entidade: a lógica contábil do capitalismo gerencial. Construção do interesse particular, p. 64
  • Teoria da entidade: a lógica contábil do capitalismo gerencial. Pessoa jurídica, p. 60
  • Teoria da entidade: a lógica contábil do capitalismo gerencial. Pessoa teórica a-científica, p. 62
  • Teoria da propriedade: a inaugural retórica da perspicácia, p. 58
  • Teoria marginalista. Depreciação contábil e a teoria marginalista, p. 93
  • Tese de Sombart, p. 31
  • Transfer mispricing. Preço incorreto de transferência [transfer mispricing], p. 155
  • Transferência. Preço incorreto de transferência [transfer mispricing], p. 155
  • Transparência dos números das Big Four e das corporações multinacionais, p. 151

U

  • Uniform accounting. Execração do uniform accounting em favor do full disclosure, p. 65

V

  • Valor-trabalho e força-trabalho, p. 83
  • Verdade contábil x interesse do capitalismo, p. 108
  • Viés normativo da depreciação para o resultado econômico, p. 95

Y

  • Yamey. Contra-argumentos de Yamey, p. 33
  • Yamey. Sobre os argumentos de Sombart e Yamey, p. 34

Recomendações

Capa do livro: Análise de Balanço, Wilson Alberto Zappa Hoog

Análise de Balanço

 Wilson Alberto Zappa HoogISBN: 978853627912-1Páginas: 228Publicado em: 16/05/2018

Versão impressa

R$ 89,90em 3x de R$ 29,97Adicionar ao
carrinho
Capa do livro: Normas Internacionais e Fraudes em Contabilidade, Antônio Lopes de Sá - Atualização: Wilson Alberto Zappa Hogg

Normas Internacionais e Fraudes em Contabilidade

2ª EdiçãoAntônio Lopes de Sá - Atualização: Wilson Alberto Zappa HoggISBN: 978853624655-0Páginas: 258Publicado em: 08/05/2014

Versão impressa

R$ 89,70em 3x de R$ 29,90Adicionar ao
carrinho

Versão digital

de R$ 64,70* porR$ 55,00em 2x de R$ 27,50Adicionar eBook
ao carrinho
Capa do livro: DIRF - 2011, Lúcia Helena Briski Young

DIRF - 2011

 Lúcia Helena Briski YoungISBN: 978853623208-9Páginas: 156Publicado em: 21/12/2010

Versão impressa

R$ 49,90 Adicionar ao
carrinho
Capa do livro: Controladoria, Luiz Carlos de Souza

Controladoria

 Luiz Carlos de SouzaISBN: 978853622107-6Páginas: 146Publicado em: 07/08/2008

Versão impressa

R$ 49,90 Adicionar ao
carrinho