Direito Penal - Volume 02 - Parte Geral - Teoria Geral da Pena

Maurilucio Alves de Souza

Versão impressa

de R$ 349,90*
por R$ 332,41em 6x de R$ 55,40Adicionar ao carrinho

Versão digital

Disponível para:AndroidiOS
de R$ 244,70*
por R$ 232,47em 6x de R$ 38,74Adicionar ao carrinho

* Desconto não cumulativo com outras promoções, incluindo P.A.P. e Cliente Fiel

Ficha técnica

Autor(es): Maurilucio Alves de Souza

ISBN v. impressa: 978652631344-2

ISBN v. digital: 978652631309-1

Acabamento: Capa Dura

Formato: 15,0x21,0 cm

Peso: 1065grs.

Número de páginas: 776

Publicado em: 25/06/2024

Área(s): Direito - Penal

Versão Digital (eBook)

Para leitura em aplicativo exclusivo da Juruá Editora - Juruá eBooks - para Smartphones e Tablets rodando iOS e Android. Não compatível KINDLE, LEV, KOBO e outros e-Readers.

Disponível para as plataformas:

  • AndroidAndroid 5 ou posterior
  • iOSiOS 8 ou posterior

Em computadores a leitura é apenas online e sem recursos de favoritos e anotações;
Não permite download do livro em formato PDF;
Não permite a impressão e cópia do conteúdo.

Compra apenas via site da Juruá Editora.

Sinopse

Prefácio do Prof. Guilherme Rodolfo Rittel

A presente obra jurídica, Direito Penal – Teoria Geral da Pena, tem como principal objetivo fornecer subsídios e elementos fundamentais acerca da sanção penal e sua aplicabilidade a todos aqueles que, de algum modo, tenham sede de conhecimento e necessitem de uma fonte singela de estudo, baseada na doutrina nacional e estrangeira, além de farta jurisprudência. Esta neófita ferramenta jurídica se destina àqueles apaixonados pela leitura penal, seja ela na graduação, no ofício profissional ou na preparação para concursos.

O estimado estudioso e leitor desta singela obra encontrará nas páginas adiante uma síntese histórica das penas; aspectos conceituais, fundamentos e fins da pena; suas teorias justificadoras; os princípios gerais da pena; os sistemas penitenciários; as espécies de penas (privativas de liberdade, restritivas de direitos e multa); prisão domiciliar; progressão e regressão de regime penal; detração penal; dos direitos e deveres do preso; do trabalho do preso; do limite e unificação das penas; exame criminológico; circunstâncias jurídicas da aplicação da pena; dosimetria da pena (sistema trifásico de aplicação da pena); medidas de segurança; concurso de crimes; remição de pena; suspensão condicional da pena; livramento condicional; efeitos da condenação penal; reabilitação penal; da ação penal; das causas de extinção de punibilidade; da prescrição penal.

Extremamente importante é a permanente ideia de fornecer informações práticas e doutrinárias, além da consciência em proporcionar neste livro, de forma científica, um instrumento de trabalho a todos que direta ou indiretamente labutam na seara do Direito Criminal.

Autor(es)

MAURILUCIO ALVES DE SOUZA

Graduação em Direito pela Pontifícia Universidade Católica do Paraná; Especialização em Administração, Planejamento e Metodologia do Ensino Superior pela Fundação de Estudos Sociais do Paraná; Mestrado em Direito pela Pontifícia Universidade Católica do Paraná; Doutorando em Direito pela Pontifícia Universidade Católica da Argentina; Ex-Diretor do Núcleo de Práticas Jurídicas da PUCPR – Campus SJP; Ex-Diretor do Núcleo de Práticas Jurídicas da PUCPR – Campus Curitiba; Professor em diversos cursos preparatórios para concursos em Curitiba, Londrina, Maringá, Blumenau e São Paulo; Ex-Professor de Direito Penal, Processual Penal e Prática Penal da PUCPR; Professor de Direito Penal e Processual Penal da Faculdade de Ensino Superior Dom Bosco. Ex-Oficial da Polícia Militar do Paraná. Ex-Delegado de Polícia. Advogado Criminalista.

Sumário

LISTA DE ABREVIATURAS E SIGLAS, p. 39

1 SÍNTESE HISTÓRICA DAS PENAS, p. 45

1.1 CONSIDERAÇÕES GERAIS, p. 45

1.2 AS PENAS NA ANTIGUIDADE, p. 47

1.3 AS PENAS NOS POVOS GREGOS, p. 48

1.4 A PENA NOS POVOS ROMANOS, p. 51

1.5 A PENA NO DIREITO CANÔNICO, p. 54

1.6 A PENA COMO SENTIDO DE VINGANÇA, p. 57

1.6.1 A Pena como Vingança Privada, p. 58

1.6.2 A Pena como Vingança Divina, p. 60

1.6.3 A Pena como Vingança Pública, p. 61

1.7 A PENA COMO PRIVAÇÃO DE LIBERDADE MEDIANTE CÁRCERE, p. 61

1.8 BREVES APONTAMENTOS DA PENA NO BRASIL, p. 63

1.8.1 A Pena no Período Colonial, p. 63

1.8.2 A Pena no Período Imperial, p. 64

1.8.3 A Pena no Período Republicano, p. 66

1.8.4 A Pena no Código Penal de 1940, p. 68

2 DAS PENAS, p. 71

2.1 ASPECTOS CONCEITUAIS, p. 71

2.2 FUNDAMENTO DA PENA, p. 74

2.3 FINS DA PENA (TEORIAS JUSTIFICADORAS), p. 77

2.3.1 Teoria Absoluta (Retributiva), p. 78

2.3.1.1 Teoria da retribuição moral, p. 80

2.3.1.2 Teoria da retribuição jurídica, p. 81

2.3.2 Teoria Relativa (Preventiva), p. 82

2.3.2.1 Prevenção de natureza especial, p. 83

2.3.2.1.1 Prevenção de natureza especial negativa, p. 85

2.3.2.1.2 Prevenção de natureza especial positiva, p. 85

2.3.2.2 Prevenção de natureza geral, p. 85

2.3.2.2.1 Prevenção de natureza geral negativa, p. 86

2.3.2.2.2 Prevenção de natureza geral positiva, p. 87

2.3.3 Teoria Unitária (Mista), p. 88

2.4 CLASSIFICAÇÃO DAS PENAS, p. 89

3 DOS PRINCÍPIOS DA PENA, p. 95

3.1 PRINCÍPIO DA LEGALIDADE, p. 97

3.2 PRINCÍPIO DA HUMANIDADE, p. 99

3.3 PRINCÍPIO DA PROPORCIONALIDADE, p. 102

3.4 PRINCÍPIO DA INDIVIDUALIZAÇÃO DA PENA, p. 104

3.5 PRINCÍPIO DA INDERROGABILIDADE DA PENA, p. 105

3.6 PRINCÍPIO DA PERSONALIDADE OU INTRANSCENDÊNCIA DA PENA, p. 107

3.7 PRINCÍPIO DA CULPABILIDADE, p. 109

3.8 PRINCÍPIO DO "NE BIS IN IDEM", p. 111

3.9 PRINCÍPIO DA PRESUNÇÃO DE INOCÊNCIA, p. 113

3.10 PRINCÍPIO DO "IN DUBIO PRO REO", p. 115

4 SISTEMAS PENITENCIÁRIOS, p. 119

4.1 ASPECTOS INTRODUTÓRIOS, p. 119

4.2 SISTEMA FILADÉLFICO OU PENSILVÂNICO (SISTEMA CELULAR), p. 121

4.3 SISTEMA AUBURNIANO (SISTEMA SILENCIOSO), p. 124

4.4 SISTEMA PENAL PROGRESSIVO, p. 126

4.4.1 Sistema Progressivo de Montesinos, p. 128

4.4.2 Sistema Progressivo Inglês ou Mark System (Sistema Maconochie), p. 130

4.4.3 Sistema Progressivo Irlandês, p. 131

4.4.4 Sistema Progressivo do Brasil, p. 132

4.5 REFORMATÓRIOS, p. 134

5 DAS PENAS PRIVATIVAS DE LIBERDADE, p. 139

5.1 CONSIDERAÇÕES GERAIS, p. 139

5.2 DA PENA DE RECLUSÃO, DETENÇÃO E PRISÃO SIMPLES, p. 142

5.2.1 Da Pena de Reclusão, p. 142

5.2.2 Da Pena de Detenção, p. 142

5.2.3 Da Pena de Prisão Simples, p. 143

5.3 DOS REGIMES PENAIS, p. 144

5.3.1 Do Regime Fechado, p. 145

5.3.2 Do Regime Semiaberto, p. 147

5.3.3 Do Regime Aberto, p. 149

5.4 DO REGIME INICIAL DE CUMPRIMENTO DE PENA, p. 150

5.5 DO REGIME DISCIPLINAR DIFERENCIADO, p. 152

5.5.1 Duração Máxima do Regime Disciplinar Diferenciado, p. 154

5.5.2 Do Cumprimento em Cela Individual, p. 155

5.5.3 Da Visitação, p. 155

5.5.4 Da Saída da Cela, p. 157

5.5.5 Do Contato com o Defensor, p. 157

5.5.6 Da Legitimidade para Pleitear a Aplicação do RDD, p. 158

5.5.7 Da Competência e Procedimento para Aplicação do RDD, p. 159

5.5.8 Da Aplicação Preventiva do RDD, p. 159

6 DA PRISÃO DOMICILIAR, p. 161

6.1 CONSIDERAÇÕES GERAIS, p. 161

6.2 O CONCEITO JURÍDICO DE RESIDÊNCIA (CASA) E DOMICÍLIO, p. 162

6.3 ANTECEDENTES HISTÓRICOS, p. 164

6.4 ASPECTOS CONCEITUAIS, p. 165

6.5 PREVISÃO LEGAL, p. 166

6.5.1 Prisão Domiciliar de Natureza Processual, p. 166

6.5.2 Prisão Domiciliar de Natureza Penal, p. 169

6.6 PRISÃO DOMICILIAR PARA MULHERES, p. 170

6.7 AMPLIAÇÃO DAS HIPÓTESES DE PRISÃO DOMICILIAR, p. 171

6.8 DIFERENÇA ENTRE PRISÃO DOMICILIAR E RECOLHIMENTO DOMICILIAR, p. 172

7 PROGRESSÃO E REGRESSÃO DE REGIME PENAL, p. 175

7.1 PROGRESSÃO DE REGIME PENAL, p. 177

7.1.1 Requisitos Objetivos da Progressão de Regime, p. 180

7.1.2 Requisitos Subjetivos da Progressão de Regime, p. 183

7.1.3 Interrupção do Prazo para a Progressão de Regime, p. 185

7.1.4 Vedação da Progressão de Regime, p. 186

7.2 REGRESSÃO DE REGIME PENAL, p. 187

7.2.1 Prática de Crime Doloso ou Falta Grave, p. 189

7.2.2 Sofrer Condenação, por Crime Anterior Cuja Pena, Somada ao Restante da Pena em Execução, Torne Incabível o Regime, p. 192

7.2.3 Frustrar os Fins da Execução ou Não Pagar, Podendo, a Multa, p. 193

8 DETRAÇÃO PENAL, p. 195

8.1 CONCEITO DE DETRAÇÃO PENAL, p. 195

8.2 NATUREZA JURÍDICA DA DETRAÇÃO PENAL, p. 196

8.3 BREVES APONTAMENTOS HISTÓRICOS DA DETRAÇÃO PENAL, p. 197

8.4 MOMENTO DE APLICAÇÃO DA DETRAÇÃO PENAL, p. 201

8.5 NEXO DA PRIVAÇÃO DE LIBERDADE COM A DETRAÇÃO PENAL, p. 204

8.5.1 Detração Penal pelo Mesmo Fato no Mesmo Processo, p. 205

8.5.2 Detração Penal por Fato Diverso no Mesmo Processo, p. 205

8.5.3 Detração Penal por Fato em Processo Diverso, p. 206

8.6 POSSIBILIDADES DE APLICAÇÃO DA DETRAÇÃO PENAL, p. 207

8.6.1 Detração pelo Tempo de Prisão Provisória, no Brasil ou no Estrangeiro, o de Prisão Administrativa e o de Internação, p. 210

8.6.2 Detração nas Penas Restritivas de Direito, p. 212

8.6.3 Detração na Pena de Multa, p. 213

8.6.4 Da Detração e a Medida de Segurança, p. 214

8.6.5 Da Detração no Sursis, p. 215

9 DOS DIREITOS E DEVERES DO PRESO, p. 217

9.1 DOS DIREITOS DO PRESO, p. 217

9.1.1 Direito à Alimentação e Vestuário, p. 220

9.1.2 Direito à Atribuição de Trabalho e sua Remuneração, p. 222

9.1.3 Direito à Previdência Social, p. 223

9.1.3.1 Do auxílio-reclusão, p. 224

9.1.4 Direito à Constituição de Pecúlio, p. 231

9.1.5 Direito à Proporcionalidade na Distribuição do Tempo para o Trabalho, o Descanso e a Recreação, p. 232

9.1.6 Direito a Atividades Profissionais, Intelectuais, Artísticas e Desportivas Anteriores, Desde que Compatíveis com a Execução da Pena, p. 233

9.1.7 Direito à Assistência Material, à Saúde, Jurídica, Educacional, Social e Religiosa, p. 236

9.1.8 Direito à Visita do Cônjuge, da Companheira, de Parentes e Amigos em Dias Determinados, p. 241

9.1.8.1 Direito à visita de crianças e adolescentes, p. 243

9.1.8.2 Direito à visita íntima, p. 245

9.1.8.3 Restrições à visita de pessoa presa, p. 247

9.2 DOS DEVERES DO PRESO, p. 248

10 DO TRABALHO DO PRESO, p. 251

10.1 DO TRABALHO INTERNO DO PRESO, p. 254

10.2 DO TRABALHO EXTERNO DO PRESO, p. 257

10.3 DA REMUNERAÇÃO DO TRABALHO DO PRESO, p. 259

11 DO LIMITE E DA UNIFICAÇÃO DAS PENAS, p. 263

11.1 DO LIMITE DAS PENAS, p. 263

11.2 DA UNIFICAÇÃO DAS PENAS, p. 269

11.2.1 Da Unificação das Penas de Reclusão e Detenção, p. 270

11.2.2 Correntes Doutrinárias Acerca da Unificação das Penas e Benefícios, p. 272

11.2.2.1 Corrente acerca da unificação das penas para todos os benefícios, p. 272

11.2.2.2 Correntes acerca da unificação das penas só para privação da liberdade, p. 274

11.3 HIPÓTESE DE CONDENAÇÃO SUPERVENIENTE, p. 275

11.3.1 Condenação Superveniente por Fato Anterior ao Início do Cumprimento da Pena, p. 276

11.3.2 Condenação Superveniente por Fato Posterior ao Início do Cumprimento da Pena, p. 277

12 EXAME CRIMINOLÓGICO, p. 279

12.1 CONCEITO DE EXAME CRIMINOLÓGICO, p. 279

12.2 SÍNTESE HISTÓRICA DO EXAME CRIMINOLÓGICO, p. 280

12.3 PREVISÃO LEGAL, p. 284

12.4 ESPÉCIES DE EXAME CRIMINOLÓGICO, p. 286

12.4.1 Exame Criminológico de Entrada, p. 286

12.4.2 Exame Criminológico e a Progressão de Regime, p. 288

12.4.3 Exame Criminológico e o Livramento Condicional, p. 289

13 PENAS RESTRITIVAS DE DIREITOS, p. 291

13.1 CONCEITO DE PENAS RESTRITIVAS DE DIREITOS, p. 291

13.2 CARACTERÍSTICAS DAS PENAS RESTRITIVAS DE DIREITOS, p. 295

13.3 REQUISITOS PARA APLICAÇÃO DAS PENAS RESTRITIVAS DE DIREITOS, p. 297

13.3.1 Requisitos Objetivos, p. 298

13.3.2 Requisitos Subetivos, p. 300

13.4 APLICAÇÃO DE PENA RESTRITIVA DE DIREITOS EM CASO DE VIOLÊNCIA DOMÉSTICA CONTRA MULHERES, p. 301

13.5 APLICAÇÃO DE PENA RESTRITIVA DE DIREITOS EM CASO DE CRIMES DE DROGAS, p. 302

13.6 APLICAÇÃO DE PENA RESTRITIVA DE DIREITOS EM CASO DE CRIMES MILITARES, p. 304

13.7 APLICAÇÃO DE DUAS PENAS RESTRITIVAS DE DIREITOS, p. 305

13.8 SUBSTITUIÇÃO POR PENA PECUNIÁRIA QUANDO CUMULATIVA NO TIPO PENAL, p. 306

13.9 CONVERSÃO EM PENA PRIVATIVA DE LIBERDADE, p. 307

13.10 ESPÉCIES DE PENAS RESTRITIVAS DE DIREITOS, p. 309

13.10.1 Prestação Pecuniária, p. 310

13.10.2 Perda de Bens e Valores, p. 314

13.10.3 Limitação de Fim de Semana, p. 316

13.10.4 Prestação de Serviço à Comunidade ou a Entidades Públicas, p. 319

13.10.5 Interdição Temporária de Direitos, p. 323

13.10.5.1 Proibição de exercício de cargo, função ou atividade pública, bem como de mandato eletivo, p. 325

13.10.5.2 Proibição do exercício de profissão, atividade ou ofício que dependam de habilitação especial, de licença ou autorização do poder público, p. 326

13.10.5.3 Suspensão de autorização ou de habilitação para dirigir veículo, p. 327

13.10.5.4 Proibição de frequentar determinados lugares, p. 329

13.10.5.5 Proibição de inscrever-se em concurso, avaliação ou exame públicos, p. 330

14 PENA DE MULTA, p. 333

14.1 SÍNTESE HISTÓRICA DA PENA DE MULTA, p. 333

14.2 ASPECTOS CONCEITUAIS DA PENA DE MULTA, p. 338

14.3 NATUREZA JURÍDICA DA PENA DE MULTA, p. 339

14.4 CARACTERÍSTICAS DA PENA DE MULTA, p. 342

14.5 FORMAS DE APLICAÇÃO DA PENA DE MULTA, p. 344

14.6 FORMAS DE PAGAMENTO DA PENA DE MULTA, p. 346

14.7 DESTINAÇÃO DA PENA DE MULTA, p. 348

14.8 SISTEMAS DE FIXAÇÃO DA PENA DE MULTA, p. 349

14.8.1 Sistema Clássico da Pena de Multa, p. 350

14.8.2 Sistema Temporal da Pena de Multa, p. 351

14.8.3 Sistema de Pena por Dias-Multa (Modelo Trifásico), p. 352

14.9 IMPOSSIBILIDADE DA CONVERSÃO DA PENA DE MULTA EM PRISÃO, p. 354

14.10 EXECUÇÃO DA PENA DE MULTA, p. 355

14.11 PROCEDIMENTO PARA A COBRANÇA DA PENA DE MULTA, p. 356

14.12 PRESCRIÇÃO DA PENA DE MULTA, p. 359

14.13 PENA DE MULTA NO DIREITO COMPARADO, p. 361

15 CIRCUNSTÂNCIAS JURÍDICAS DA APLICAÇÃO DA PENA, p. 367

15.1 CONSIDERAÇÕES INICIAIS, p. 367

15.2 CLASSIFICAÇÃO DAS CIRCUNSTÂNCIAS JURÍDICAS, p. 368

15.2.1 Circunstâncias Judiciais, p. 369

15.2.1.1 Culpabilidade, p. 370

15.2.1.2 Antecedentes, p. 372

15.2.1.3 Conduta social, p. 373

15.2.1.4 Personalidade, p. 374

15.2.1.5 Motivos do crime, p. 375

15.2.1.6 Circunstâncias e consequências do crime, p. 376

15.2.1.7 Comportamento da vítima, p. 376

15.2.2 Circunstâncias Legais, p. 377

15.2.2.1 Circunstâncias agravantes, p. 378

15.2.2.1.1 Circunstâncias agravantes subjetivas comuns, p. 379

15.2.2.1.2 Circunstâncias agravantes subjetivas especiais, p. 380

15.2.2.1.3 Circunstâncias agravantes objetivas comuns, p. 382

15.2.2.1.4 Circunstâncias agravantes objetivas especiais, p. 383

15.2.2.1.5 Reincidência, p. 385

15.2.2.1.5.1 Conceito de reincidência, p. 385

15.2.2.1.5.2 Evolução da reincidência penal no Brasil, p. 387

15.2.2.1.5.3 Espécies de reincidência, p. 388

15.2.2.1.5.4 Pressupostos da reincidência, p. 390

15.2.2.1.5.5 Efeitos da reincidência, p. 392

15.2.2.1.5.6 Hipóteses de ocorrência da reincidência, p. 396

15.2.2.1.6 Motivo fútil ou torpe, p. 397

15.2.2.1.7 Conexão de crimes para facilitar, assegurar a execução, ocultar, ter vantagem ou impunidade, p. 398

15.2.2.1.8 Traição, emboscada, dissimulação ou outro recurso que dificultou ou tornou impossível a defesa do ofendido, p. 399

15.2.2.1.9 Emprego de veneno, fogo, explosivo, tortura ou outro meio insidioso ou cruel, ou de que podia resultar perigo comum, p. 400

15.2.2.1.10 Crime contra ascendente, descendente, irmão ou cônjuge, p. 401

15.2.2.1.11 Abuso de autoridade ou prevalecendo-se de relações domésticas, de coabitação ou de hospitalidade, ou com violência contra a mulher, p. 403

15.2.2.1.12 Abuso de poder ou violação de dever inerente a cargo, ofício, ministério ou profissão, p. 404

15.2.2.1.13 Crime contra criança, maior de 60 (sessenta) anos, enfermo ou mulher grávida, p. 405

15.2.2.1.14 Ofendido sob imediata proteção da autoridade, p. 406

15.2.2.1.15 Incêndio, naufrágio, inundação, calamidade pública ou desgraça particular do ofendido, p. 406

15.2.2.1.16 Estado de embriaguez preordenada, p. 407

15.2.2.1.17 Agravantes no concurso de pessoas, p. 408

15.2.2.2 Das circunstâncias atenuantes, p. 412

15.2.2.2.1 Agente menor de 21 anos ou maior de 70 anos (na data da sentença), p. 414

15.2.2.2.2 Desconhecimento da lei, p. 416

15.2.2.2.3 Motivo de relevante valor social ou moral, p. 417

15.2.2.2.4 Arrependimento (ter procurado, por sua espontânea vontade e com eficiência, logo após o crime, evitar-lhe ou minorar-lhe as consequências, ou ter, antes do julgamento, reparado o dano), p. 418

15.2.2.2.5 Coação resistível, cumprimento de ordem de autoridade superior ou influência de violenta emoção, provocada por ato injusto da vítima, p. 419

15.2.2.2.6 Ter o agente confessado espontaneamente, perante a autoridade, a autoria do crime, p. 421

15.2.2.2.7 Cometido o crime sob a influência de multidão em tumulto, se não o provocou, p. 422

15.2.2.2.8 Circunstância atenuante inominada, p. 423

15.2.2.3 Causas de aumento e diminuição de pena, p. 424

15.2.2.4 Circunstâncias qualificadoras, p. 425

16 DOSIMETRIA DA PENA, p. 429

16.1 ASPECTOS CONCEITUAIS, p. 429

16.2 A IMPORTÂNCIA DA CORRETA DOSIMETRIA, p. 432

16.3 O SISTEMA TRIFÁSICO DE APLICAÇÃO DA PENA, p. 435

16.4 FIXAÇÃO DA PENA-BASE, p. 437

16.4.1 Cálculo das Circunstâncias Judiciais, p. 439

16.4.2 Incidência das Circunstâncias sobre a Pena Mínima, p. 442

16.5 FIXAÇÃO DA PENA PROVISÓRIA OU INTERMEDIÁRIA, p. 444

16.5.1 Circunstâncias Preponderantes na Fixação da Pena Provisória, p. 448

16.5.1.1 Conflito entre circunstâncias preponderantes, p. 450

16.6 FIXAÇÃO DA PENA DEFINITIVA, p. 452

16.7 EXISTÊNCIA DE DUAS OU MAIS QUALIFICADORAS, p. 455

16.8 ESCOLHA DENTRE AS PENAS ALTERNATIVAMENTE COMINADAS, p. 456

17 MEDIDAS DE SEGURANÇA, p. 459

17.1 CONCEITO DE MEDIDAS DE SEGURANÇA, p. 459

17.2 BREVES NOÇÕES HISTÓRICAS DAS MEDIDAS DE SEGURANÇA, p. 462

17.3 PRINCÍPIOS APLICÁVEIS ÀS MEDIDAS DE SEGURANÇA, p. 468

17.3.1 Princípio da Legalidade e do Devido Processo Legal, p. 469

17.3.2 Princípio da Culpabilidade, p. 471

17.3.3 Princípio da Necessidade, p. 472

17.3.4 Princípio da Periculosidade, p. 473

17.3.5 Princípio da Proporcionalidade, p. 474

17.3.6 Princípio da Humanidade ou Dignidade da Pessoa Humana, p. 475

17.3.7 Princípio da Ressocialização, p. 476

17.4 NATUREZA JURÍDICA DAS MEDIDAS DE SEGURANÇA, p. 477

17.5 NATUREZA JURÍDICA DA SENTENÇA QUE APLICA A MEDIDA DE SEGURANÇA, p. 480

17.6 ESPÉCIES DE MEDIDAS DE SEGURANÇA, p. 483

17.6.1 Internação em Hospital Psiquiátrico ou Estabelecimento Equivalente (Detentiva), p. 485

17.6.2 Tratamento Ambulatorial (Restritiva), p. 486

17.7 SISTEMAS DE APLICABILIDADE DAS MEDIDAS DE SEGURANÇA, p. 487

17.7.1 Sistema Monista ou Unificador, p. 487

17.7.2 Sistema Dualista ou Duplo Binário, p. 488

17.7.3 Sistema Vicariante, p. 489

17.8 PRINCIPAIS DIFERENÇAS ENTRE PENA E MEDIDA DE SEGURANÇA, p. 489

17.9 CONCEITO ACERCA DA PERICULOSIDADE, p. 490

17.10 LIMITE TEMPORAL DE APLICAÇÃO DAS MEDIDAS DE SEGURANÇA, p. 492

17.10.1 Limite Temporal Mínimo para Cumprimento das Medidas de Segurança, p. 493

17.10.2 Limite Temporal Máximo para Cumprimento das Medidas de Segurança, p. 494

17.10.2.1 Limite temporal máximo indeterminado e sem limite, p. 495

17.10.2.2 Limite temporal limitado pela pena máxima in abstrato, p. 496

17.11 SUBSTITUIÇÃO DA PENA POR MEDIDA DE SEGURANÇA, p. 497

17.12 APLICAÇÃO DE MEDIDA DE SEGURANÇA AOS MENORES, p. 498

17.13 A APLICAÇÃO DE MEDIDA DE SEGURANÇA NO DIREITO COMPARADO, p. 499

18 CONCURSO DE CRIMES, p. 507

18.1 CONCEITO DE CONCURSO DE CRIMES, p. 507

18.2 ESPÉCIES DE CONCURSO DE CRIMES, p. 508

18.3 SISTEMAS DE APLICAÇÃO DE PENAS NO CONCURSO DE CRIMES, p. 509

18.4 CONCURSO MATERIAL (REAL) DE CRIMES, p. 511

18.4.1 Espécies de Concurso Material de Crimes, p. 513

18.4.1.1 Concurso material homogêneo de crimes, p. 513

18.4.1.2 Concurso material heterogêneo de crimes, p. 513

18.4.2 Punibilidade no Concurso Material de Crimes, p. 514

18.5 CONCURSO FORMAL DE CRIMES, p. 515

18.5.1 Espécies de Concurso Formal de Crimes, p. 516

18.5.1.1 Concurso formal homogêneo, p. 518

18.5.1.2 Concurso formal heterogêneo, p. 518

18.5.2 Punibilidade no Concurso Formal de Crimes, p. 518

18.6 CRIME CONTINUADO, p. 519

18.6.1 Elementos do Crime Continuado, p. 521

18.6.2 Teorias Acerca da Unidade de Desígnios nos Crimes Continuados, p. 523

18.6.3 Espécies de Crimes Continuados, p. 525

18.6.4 Natureza Jurídica dos Crimes Continuados, p. 526

18.6.5 Continuidade Delitiva nos Crimes contra a Vida, p. 528

18.6.6 Punibilidade nos Crimes Continuados, p. 529

19 REMIÇÃO DE PENA, p. 531

19.1 ASPECTOS CONCEITUAIS DA REMIÇÃO DE PENA, p. 531

19.2 OBJETIVOS DA REMIÇÃO DE PENA, p. 532

19.3 AMPARO LEGAL PARA A REMIÇÃO DA PENA, p. 533

19.4 HIPÓTESES DE INCIDÊNCIA DA REMIÇÃO DE PENA, p. 535

19.4.1 Remição de Pena pelo Trabalho, p. 535

19.4.1.1 Da impossibilidade do trabalho para a remição de pena, p. 537

19.4.2 Remição de Pena pelo Estudo, p. 539

19.4.3 Remição de Pena pela Leitura, p. 541

19.4.4 Remição de Pena pelas Práticas Sociais Educativas Não Escolares, p. 544

19.5 COMPETÊNCIA PARA A APLICAÇÃO DA REMIÇÃO DE PENA, p. 545

19.6 REGISTRO DAS ATIVIDADES PARA A REMIÇÃO DE PENA, p. 546

19.7 REVOGAÇÃO DA REMIÇÃO DE PENA, p. 547

19.8 FALSA DECLARAÇÃO PARA PEDIDO DE REMIÇÃO DE PENA, p. 548

20 SUSPENSÃO CONDICIONAL DA PENA, p. 551

20.1 SÍNTESE HISTÓRICA DA SUSPENSÃO CONDICIONAL DA PENA, p. 551

20.2 CONCEITO DE SUSPENSÃO CONDICIONAL DA PENA (SURSIS), p. 554

20.3 SISTEMAS DE APLICAÇÃO DA SUSPENSÃO CONDICIONAL DA PENA, p. 556

20.4 NATUREZA JURÍDICA DA SUSPENSÃO CONDICIONAL DA PENA, p. 557

20.5 ESPÉCIES DE SUSPENSÃO CONDICIONAL DA PENA, p. 559

20.6 CONDIÇÕES PARA A SUSPENSÃO CONDICIONAL DA PENA, p. 562

20.7 PERÍODO DE PROVA PARA A SUSPENSÃO CONDICIONAL DA PENA, p. 564

20.7.1 Prorrogação do Período de Prova, p. 565

20.7.2 Revogação da Suspensão Condicional da Pena, p. 566

20.7.2.1 Revogação obrigatória da suspensão condicional da pena, p. 566

20.7.2.2 Revogação facultativa da suspensão condicional da pena, p. 568

20.7.3 Cumprimento do Período de Prova e Extinção da Pena, p. 568

21 LIVRAMENTO CONDICIONAL, p. 571

21.1 SÍNTESE HISTÓRICA DO LIVRAMENTO CONDICIONAL, p. 571

21.2 CONCEITO E CARACTERÍSTICAS DO LIVRAMENTO CONDICIONAL, p. 573

21.3 NATUREZA JURÍDICA DO LIVRAMENTO CONDICIONAL, p. 574

21.4 REQUISITOS OU PRESSUPOSTOS DO LIVRAMENTO CONDICIONAL, p. 577

21.4.1 Requisitos ou Pressupostos Objetivos do Livramento Condicional, p. 577

21.4.2 Requisitos ou Pressupostos Subjetivos do Livramento Condicional, p. 578

21.5 CONCESSÃO DO LIVRAMENTO CONDICIONAL, p. 580

21.5.1 Requisitos Procedimentais para a Concessão do Livramento Condicional, p. 580

21.5.2 Condições Obrigatórias para a Concessão do Livramento Condicional, p. 581

21.5.3 Condições Facultativas para a Concessão do Livramento Condicional, p. 582

21.6 CAUSAS DE REVOGAÇÃO DO LIVRAMENTO CONDICIONAL, p. 582

21.6.1 Revogação Obrigatória do Livramento Condicional, p. 583

21.6.2 Revogação Facultativa do Livramento Condicional, p. 583

21.7 SUSPENSÃO DO LIVRAMENTO CONDICIONAL, p. 584

21.8 PRORROGAÇÃO DO LIVRAMENTO CONDICIONAL E EXTINÇÃO DE PENA, p. 584

21.9 EFEITOS DE NOVA CONDENAÇÃO PENAL (REVOGAÇÃO), p. 586

22 EFEITOS DA CONDENAÇÃO PENAL, p. 589

22.1 CONSIDERAÇÕES GERAIS, p. 589

22.2 DAS ESPÉCIES DOS EFEITOS DA CONDENAÇÃO, p. 590

22.3 DOS EFEITOS EXTRAPENAIS, p. 592

22.3.1 Efeitos Extrapenais Genéricos, p. 593

22.3.1.1 Tornar certa a obrigação de reparar o dano (CP, art. 91, I), p. 593

22.3.1.2 Perda em favor da União, ressalvado o direito do lesado ou de terceiro de boa-fé: dos instrumentos do crime, desde que consistam em coisas cujo fabrico, alienação, uso, porte ou detenção constitua fato ilícito (CP, art. 91, II, a), p. 595

22.3.1.3 Perda em favor da União, ressalvado o direito do lesado ou de terceiro de boa-fé: do produto do crime ou de qualquer bem ou valor que constitua proveito auferido pelo agente com a prática do fato criminoso (CP, art. 91, II, b), p. 595

22.3.1.4 Condenação por infrações às quais a lei comine pena máxima superior a 6 (seis) anos de reclusão, poderá ser decretada a perda, como produto ou proveito do crime, dos bens correspondentes à diferença entre o valor do patrimônio do condenado e aquele que seja compatível com o seu rendimento lícito (CP, art. 91-A), p. 596

22.3.2 Efeitos Extrapenais Específicos, p. 598

22.3.2.1 Perda do cargo, função pública ou mandato eletivo (CP, art. 92, I): a) quando aplicada pena privativa de liberdade por tempo igual ou superior a um ano, nos crimes praticados com abuso de poder ou violação de dever para com a Administração Pública; b) quando for aplicada pena privativa de liberdade por tempo superior a 4 (quatro) anos nos demais casos, p. 598

22.3.2.2 Incapacidade para o exercício do poder familiar, da tutela ou da curatela nos crimes dolosos sujeitos à pena de reclusão cometidos contra outrem igualmente titular do mesmo poder familiar, contra filho, filha ou outro descendente ou contra tutelado ou curatelado, p. 600

22.3.2.3 Inabilitação para dirigir veículo, quando utilizado como meio para a prática de crime doloso, p. 602

22.4 EFEITOS PENAIS EM LEIS ESPECIAIS, p. 602

23 REABILITAÇÃO PENAL, p. 605

23.1 CONCEITO DE REABILITAÇÃO PENAL, p. 605

23.2 SÍNTESE HISTÓRICA DA REABILITAÇÃO PENAL, p. 607

23.3 REABILITAÇÃO COMO OBJETO DE DIREITOS HUMANOS, p. 609

23.4 NATUREZA JURÍDICA DA REABILITAÇÃO PENAL, p. 610

23.5 FUNÇÕES DA REABILITAÇÃO PENAL, p. 611

23.6 PRESSUPOSTOS OU REQUISITOS DA REABILITAÇÃO PENAL, p. 612

23.6.1 Requisitos Objetivos da Reabilitação Penal (Pressupostos), p. 613

23.6.1.1 Sentença penal condenatória com trânsito em julgado, p. 613

23.6.1.2 Lapso temporal de dois anos, p. 614

23.6.1.3 Reparação do dano ou prova da impossibilidade, p. 614

23.6.2 Requisitos Subjetivos da Reabilitação Penal, p. 615

23.6.2.1 Domicílio no Brasil durante o período, p. 615

23.6.2.2 Bom comportamento público e privado, p. 615

23.7 DA CONCESSÃO E DA REVOGAÇÃO DA REABILITAÇÃO PENAL, p. 616

23.8 A REINCIDÊNCIA NA REABILITAÇÃO PENAL, p. 617

23.9 A REABILITAÇÃO PENAL NO DIREITO COMPARADO, p. 618

24 AÇÃO PENAL, p. 623

24.1 SÍNTESE HISTÓRICA DA AÇÃO PENAL (CRÍTICAS INICIAIS ACERCA DA POSIÇÃO DA MATÉRIA NO CÓDIGO PENAL), p. 623

24.2 CONCEITO DE AÇÃO PENAL, p. 627

24.3 CARACTERÍSTICAS DA AÇÃO PENAL, p. 628

24.4 CONDIÇÕES DA AÇÃO PENAL, p. 629

24.4.1 Condições Genéricas da Ação Penal, p. 630

24.4.1.1 Possibilidade jurídica do pedido, p. 630

24.4.1.2 Interesse de agir, p. 631

24.4.1.3 Legitimidade de parte (legitimatio ad causam), p. 632

24.4.2 Condições Específicas da Ação Penal (Condições de Procedibilidade), p. 633

24.5 DO INÍCIO DAS AÇÕES PENAIS (DENÚNCIA E QUEIXA), p. 634

24.5.1 Da Denúncia, p. 637

24.5.2 Da Queixa, p. 638

24.6 DA AÇÃO PENAL PÚBLICA, p. 638

24.6.1 Conceito de Ação Penal Pública, p. 638

24.6.2 Princípios que Regem a Ação Penal Pública, p. 639

24.6.2.1 Princípio da obrigatoriedade (legalidade), p. 639

24.6.2.2 Princípio da oficialidade, p. 640

24.6.2.3 Princípio da indisponibilidade, p. 640

24.6.2.4 Princípio da intranscendência, p. 641

24.6.2.5 Princípio da indivisibilidade, p. 642

24.6.3 Espécies de Ação Penal Pública, p. 642

24.6.3.1 Ação penal pública incondicionada, p. 643

24.6.3.2 Ação penal pública condicionada, p. 644

24.6.3.2.1 Ação penal pública condicionada à representação do ofendido, p. 644

24.6.3.2.2 Ação penal pública condicionada à requisição do Ministro da Justiça, p. 646

24.7 DA AÇÃO PENAL PRIVADA, p. 647

24.7.1 Conceito de Ação Penal Privada, p. 647

24.7.2 Princípios que Regem a Ação Penal Privada, p. 647

24.7.2.1 Princípio da oportunidade ou conveniência, p. 648

24.7.2.2 Princípio da disponibilidade, p. 648

24.7.2.3 Princípio da intranscendência, p. 649

24.7.2.4 Princípio da indivisibilidade, p. 649

24.7.3 Da Renúncia, Perdão e Perempção, p. 650

24.7.4 Espécies de Ações Penais Privadas, p. 650

24.7.4.1 Ação penal privada exclusiva, principal ou propriamente dita, p. 650

24.7.4.2 Ação penal privada personalíssima, p. 651

24.7.4.3 Ação penal privada subsidiária, p. 651

25 EXTINÇÃO DA PUNIBILIDADE, p. 655

25.1 CONCEITO DE PUNIBILIDADE, p. 655

25.2 CONDIÇÕES OBJETIVAS DE PUNIBILIDADE, p. 656

25.3 ESCUSAS ABSOLUTÓRIAS, p. 658

25.3.1 Aspectos Conceituais de Escusa Absolutória, p. 658

25.3.2 Surgimento do Instituto das Escusas Absolutórias, p. 659

25.3.3 Escusas Absolutas (Absolutórias Propriamente Ditas), p. 660

25.3.4 Escusas Relativas (Processuais), p. 662

25.3.5 Impedimento às Escusas Absolutas e Relativas, p. 664

25.4 CLASSIFICAÇÃO DAS CAUSAS DE EXTINÇÃO DE PUNIBILIDADE, p. 665

25.5 EFEITOS DA EXTINÇÃO DE PUNIBILIDADE, p. 667

25.6 CAUSAS DE EXTINÇÃO DE PUNIBILIDADE, p. 668

25.6.1 Morte de Agente, p. 669

25.6.2 Anistia, Graça e Indulto, p. 674

25.6.2.1 Considerações gerais acerca da anistia, graça e indulto, p. 674

25.6.2.2 Da anistia, p. 674

25.6.2.2.1 Aspectos conceituais da anistia, p. 674

25.6.2.2.2 Da concessão e efeitos da anistia, p. 675

25.6.2.2.3 Das espécies de anistia, p. 676

25.6.2.3 Da graça, p. 677

25.6.2.4 Do indulto, p. 678

25.6.3 Retroatividade de Lei Nova Descriminante (Abolitio Criminis), p. 679

25.6.4 Prescrição, Decadência e Perempção, p. 680

25.6.4.1 Da decadência, p. 680

25.6.4.2 Da perempção, p. 683

25.6.5 Renúncia ao Direito de Queixa e Perdão Aceito, p. 684

25.6.5.1 A renúncia ao direito de queixa, p. 684

25.6.5.2 O perdão aceito, p. 686

25.6.5.2.1 Aspectos conceituais acerca do perdão aceito, p. 686

25.6.5.2.2 Cabimento e oportunidade do perdão aceito, p. 687

25.6.5.2.3 Formas de aceitação do perdão, p. 688

25.6.5.2.4 Necessidade de aceitação do perdão, p. 689

25.6.5.2.5 Extensão e comunicabilidade do perdão, p. 689

25.6.6 Retratação do Agente, p. 690

25.6.7 Perdão Judicial, p. 692

25.6.7.1 Aspectos conceituais acerca do perdão judicial, p. 692

25.6.7.2 Natureza jurídica do perdão judicial, p. 694

25.7 EXTINÇÃO DA PUNIBILIDADE NOS CRIMES ACESSÓRIOS, COMPLEXOS E CONEXOS, p. 696

26 PRESCRIÇÃO PENAL, p. 699

26.1 CONCEITO DE PRESCRIÇÃO, p. 699

26.2 BREVES APONTAMENTOS HISTÓRICOS DA PRESCRIÇÃO PENAL NO BRASIL, p. 701

26.3 FUNDAMENTOS DA PRESCRIÇÃO, p. 703

26.3.1 Teorias Fundamentadoras da Prescrição, p. 705

26.3.1.1 Teoria do esquecimento, p. 705

26.3.1.2 Teoria da expiação moral, p. 705

26.3.1.3 Teoria psicológica, p. 706

26.3.1.4 Teoria da emenda, p. 707

26.3.1.5 Teoria da dispersão das provas, p. 708

26.3.1.6 Teoria do interesse diminuído, p. 708

26.3.1.7 Teoria da presunção de negligência, p. 709

26.3.1.8 Teoria da segurança jurídica, p. 709

26.3.1.9 Teoria da extinção dos efeitos antijurídicos, p. 710

26.3.1.10 Teoria da política criminal, p. 710

26.4 NATUREZA JURÍDICA DA PRESCRIÇÃO, p. 711

26.4.1 A Prescrição como Instrumento de Direito Material ou Substantivo, p. 712

26.4.2 A Prescrição como Instrumento de Direito Formal ou Adjetivo, p. 713

26.4.3 A Prescrição como Instrumento de Direito Misto (Material e Formal), p. 714

26.5 EFEITOS DA PRESCRIÇÃO, p. 714

26.5.1 Efeitos da Prescrição da Pretensão Punitiva, p. 714

26.5.2 Efeitos da Prescrição da Pretensão Executória, p. 716

26.6 IMPRESCRITIBILIDADE PENAL, p. 716

26.7 PRAZOS PRESCRICIONAIS, p. 718

26.8 REDUÇÃO DOS PRAZOS PRESCRICIONAIS, p. 719

26.9 CAUSAS SUSPENSIVAS OU IMPEDITIVAS DE PRESCRIÇÃO, p. 720

26.10 CAUSAS INTERRUPTIVAS DE PRESCRIÇÃO, p. 722

26.11 PRESCRIÇÃO DA PRETENSÃO PUNITIVA, p. 723

26.11.1 Aspectos Conceituais, p. 723

26.11.2 Espécies de Prescrição da Pretensão Punitiva, p. 724

26.11.2.1 Prescrição da pretensão punitiva propriamente dita, p. 724

26.11.2.2 Prescrição da pretensão punitiva superveniente ou intercorrente, p. 725

26.11.2.3 Prescrição da pretensão punitiva retroativa, p. 726

26.11.2.4 Prescrição virtual, projetada, antecipada ou retroativa em perspectiva, p. 727

26.11.2.4.1 Posição favorável para a prescrição antecipada, p. 728

26.11.2.4.2 Posição desfavorável para a prescrição antecipada, p. 730

26.12 PRESCRIÇÃO DA PRETENSÃO EXECUTÓRIA, p. 731

26.13 PRESCRIÇÃO DA PENA DE MULTA, p. 732

REFERÊNCIAS, p. 735

Índice alfabético

A

  • Abreviatura. Lista de abreviaturas e siglas, p. 39
  • Ação penal, p. 623
  • Ação penal privada, p. 647
  • Ação penal privada exclusiva, principal ou propriamente dita, p. 650
  • Ação penal privada personalíssima, p. 651
  • Ação penal privada subsidiária, p. 651
  • Ação penal privada. Conceito de ação penal privada, p. 647
  • Ação penal privada. Espécies de ações penais privadas, p. 650
  • Ação penal privada. Princípio da disponibilidade, p. 648
  • Ação penal privada. Princípio da indivisibilidade, p. 649
  • Ação penal privada. Princípio da intranscendência, p. 649
  • Ação penal privada. Princípio da oportunidade ou conveniência, p. 648
  • Ação penal privada. Princípios que regem a ação penal privada, p. 647
  • Ação penal privada. Renúncia, perdão e perempção, p. 650
  • Ação penal pública, p. 638
  • Ação penal pública condicionada, p. 644
  • Ação penal pública condicionada à representação do ofendido, p. 644
  • Ação penal pública condicionada à requisição do Ministro da Justiça, p. 646
  • Ação penal pública incondicionada, p. 643
  • Ação penal pública. Conceito, p. 638
  • Ação penal pública. Espécies de ação penal pública, p. 642
  • Ação penal pública. Princípio da indisponibilidade, p. 640
  • Ação penal pública. Princípio da indivisibilidade, p. 642
  • Ação penal pública. Princípio da intranscendência, p. 641
  • Ação penal pública. Princípio da obrigatoriedade (legalidade), p. 639
  • Ação penal pública. Princípio da oficialidade, p. 640
  • Ação penal pública. Princípios que regem a ação penal pública, p. 639
  • Ação penal. Características da ação penal, p. 628
  • Ação penal. Conceito de ação penal, p. 627
  • Ação penal. Condições da ação penal, p. 629
  • Ação penal. Condições específicas da ação penal (condições de procedibilidade), p. 633
  • Ação penal. Condições genéricas da ação penal, p. 630
  • Ação penal. Início das ações penais (denúncia e queixa), p. 634
  • Ação penal. Interesse de agir, p. 631
  • Ação penal. Legitimidade de parte (legitimatio ad causam), p. 632
  • Ação penal. Possibilidade jurídica do pedido, p. 630
  • Ação penal. Síntese histórica da ação penal (críticas iniciais acerca da posição da matéria no Código Penal), p. 623
  • Agravantes no concurso de pessoas, p. 408
  • Anistia. Espécies de anistia, p. 676
  • Aplicação da pena. Circunstâncias jurídicas, p. 367
  • Aplicação da pena. Circunstâncias jurídicas. Abuso de autoridade ou prevalecendo-se de relações domésticas, de coabitação ou de hospitalidade, ou com violência contra a mulher, p. 403
  • Aplicação da pena. Circunstâncias jurídicas. Abuso de poder ou violação de dever inerente a cargo, ofício, ministério ou profissão, p. 404
  • Aplicação da pena. Circunstâncias jurídicas. Agente menor de 21 anos ou maior de 70 anos (na data da sentença), p. 414
  • Aplicação da pena. Circunstâncias jurídicas. Arrependimento (ter procurado, por sua espontânea vontade e com eficiência, logo após o crime, evitar-lhe ou minorar-lhe as consequências, ou ter, antes do julgamento, reparado o dano), p. 418
  • Aplicação da pena. Circunstâncias jurídicas. Causas de aumento e diminuição de pena, p. 424
  • Aplicação da pena. Circunstâncias jurídicas. Circunstância atenuante inominada, p. 423
  • Aplicação da pena. Circunstâncias jurídicas. Circunstâncias atenuantes, p. 412
  • Aplicação da pena. Circunstâncias jurídicas. Circunstâncias qualificadoras, p. 425
  • Aplicação da pena. Circunstâncias jurídicas. Classificação, p. 368
  • Aplicação da pena. Circunstâncias jurídicas. Classificação. Antecedentes, p. 372
  • Aplicação da pena. Circunstâncias jurídicas. Classificação. Circunstâncias agravantes, p. 378
  • Aplicação da pena. Circunstâncias jurídicas. Classificação. Circunstâncias agravantes objetivas comuns, p. 382
  • Aplicação da pena. Circunstâncias jurídicas. Classificação. Circunstâncias agravantes objetivas especiais, p. 383
  • Aplicação da pena. Circunstâncias jurídicas. Classificação. Circunstâncias agravantes subjetivas comuns, p. 379
  • Aplicação da pena. Circunstâncias jurídicas. Classificação. Circunstâncias agravantes subjetivas especiais, p. 380
  • Aplicação da pena. Circunstâncias jurídicas. Classificação. Circunstâncias e consequências do crime, p. 376
  • Aplicação da pena. Circunstâncias jurídicas. Classificação. Circunstâncias judiciais, p. 369
  • Aplicação da pena. Circunstâncias jurídicas. Classificação. Circunstâncias legais, p. 377
  • Aplicação da pena. Circunstâncias jurídicas. Classificação. Comportamento da vítima, p. 376
  • Aplicação da pena. Circunstâncias jurídicas. Classificação. Conduta social, p. 373
  • Aplicação da pena. Circunstâncias jurídicas. Classificação. Culpabilidade, p. 370
  • Aplicação da pena. Circunstâncias jurídicas. Classificação. Motivos do crime, p. 375
  • Aplicação da pena. Circunstâncias jurídicas. Classificação. Personalidade, p. 374
  • Aplicação da pena. Circunstâncias jurídicas. Coação resistível, cumprimento de ordem de autoridade superior ou influência de violenta emoção, provocada por ato injusto da vítima, p. 419
  • Aplicação da pena. Circunstâncias jurídicas. Cometido o crime sob a influência de multidão em tumulto, se não o provocou, p. 422
  • Aplicação da pena. Circunstâncias jurídicas. Conexão de crimes para facilitar, assegurar a execução, ocultar, ter vantagem ou impunidade, p. 398
  • Aplicação da pena. Circunstâncias jurídicas. Considerações iniciais, p. 367
  • Aplicação da pena. Circunstâncias jurídicas. Crime contra ascendente, descendente, irmão ou cônjuge, p. 401
  • Aplicação da pena. Circunstâncias jurídicas. Crime contra criança, maior de 60 (sessenta) anos, enfermo ou mulher grávida, p. 405
  • Aplicação da pena. Circunstâncias jurídicas. Desconhecimento da lei, p. 416
  • Aplicação da pena. Circunstâncias jurídicas. Emprego de veneno, fogo, explosivo, tortura ou outro meio insidioso ou cruel, ou de que podia resultar perigo comum, p. 400
  • Aplicação da pena. Circunstâncias jurídicas. Estado de embriaguez preordenada, p. 407
  • Aplicação da pena. Circunstâncias jurídicas. Incêndio, naufrágio, inundação, calamidade pública ou desgraça particular do ofendido, p. 406
  • Aplicação da pena. Circunstâncias jurídicas. Motivo de relevante valor social ou moral, p. 417
  • Aplicação da pena. Circunstâncias jurídicas. Motivo fútil ou torpe, p. 397
  • Aplicação da pena. Circunstâncias jurídicas. Ofendido sob imediata proteção da autoridade, p. 406
  • Aplicação da pena. Circunstâncias jurídicas. Ter o agente confessado espontaneamente, perante a autoridade, a autoria do crime, p. 421
  • Aplicação da pena. Circunstâncias jurídicas. Traição, emboscada, dissimulação ou outro recurso que dificultou ou tornou impossível a defesa do ofendido, p. 399

B

  • Breves apontamentos da pena no Brasil, p. 63

C

  • Circunstâncias jurídicas da aplicação da pena, p. 367
  • Classificação das penas, p. 89
  • Competência para a aplicação da remição de pena, p. 545
  • Conceito de punibilidade, p. 655
  • Concurso de crimes, p. 507
  • Concurso de crimes. Conceito de concurso de crimes, p. 507
  • Concurso de crimes. Concurso formal de crimes, p. 515
  • Concurso de crimes. Concurso formal heterogêneo, p. 518
  • Concurso de crimes. Concurso formal homogêneo, p. 518
  • Concurso de crimes. Concurso material (real) de crimes, p. 511
  • Concurso de crimes. Concurso material heterogêneo de crimes, p. 513
  • Concurso de crimes. Concurso material homogêneo de crimes, p. 513
  • Concurso de crimes. Espécies de concurso de crimes, p. 508
  • Concurso de crimes. Espécies de concurso formal de crimes, p. 516
  • Concurso de crimes. Espécies de concurso material de crimes, p. 513
  • Concurso de crimes. Punibilidade no concurso formal de crimes, p. 518
  • Concurso de crimes. Punibilidade no concurso material de crimes, p. 514
  • Concurso de crimes. Sistemas de aplicação de penas no concurso de crimes, p. 509
  • Condenação penal. Considerações gerais, p. 589
  • Condenação penal. Efeitos da condenação penal, p. 589
  • Condenação penal. Efeitos de nova condenação penal (revogação), p. 586
  • Condenação penal. Efeitos extrapenais, p. 592
  • Condenação penal. Efeitos extrapenais específicos, p. 598
  • Condenação penal. Efeitos extrapenais genéricos, p. 593
  • Condenação penal. Espécies dos efeitos da condenação, p. 590
  • Condenação penal. Inabilitação para dirigir veículo, quando utilizado como meio para a prática de crime doloso, p. 602
  • Condenação penal. Incapacidade para o exercício do poder familiar, da tutela ou da curatela nos crimes dolosos sujeitos à pena de reclusão cometidos contra outrem igualmente titular do mesmo poder familiar, contra filho, filha ou outro descendente ou contra tutelado ou curatelado, p. 600
  • Condenação penal. Instrumento do crime. Perda em favor da União, ressalvado o direito do lesado ou de terceiro de boa-fé: dos instrumentos do crime, desde que consistam em coisas cujo fabrico, alienação, uso, porte ou detenção constitua fato ilícito (CP, art. 91, II, a), p. 595
  • Condenação penal. Perda do cargo, função pública ou mandato eletivo (CP, art. 92, I): a) quando aplicada pena privativa de liberdade por tempo igual ou superior a um ano, nos crimes praticados com abuso de poder ou violação de dever para com a Administração Pública; b) quando for aplicada pena privativa de liberdade por tempo superior a 4 (quatro) anos nos demais casos, p. 598
  • Condenação penal. Produto do crime. Perda em favor da União, ressalvado o direito do lesado ou de terceiro de boa-fé: do produto do crime ou de qualquer bem ou valor que constitua proveito auferido pelo agente com a prática do fato criminoso (CP, art. 91, II, b), p. 595
  • Condenação penal. Produto ou proveito do crime. Condenação por infrações às quais a lei comine pena máxima superior a 6 (seis) anos de reclusão, poderá ser decretada a perda, como produto ou proveito do crime, dos bens correspondentes à diferença entre o valor do patrimônio do condenado e aquele que seja compatível com o seu rendimento lícito (CP, art. 91-A), p. 596
  • Condenação penal. Tornar certa a obrigação de reparar o dano (CP, art. 91, I), p. 593
  • Condenação superveniente por fato anterior ao início do cumprimento da pena, p. 276
  • Condenação superveniente por fato posterior ao início do cumprimento da pena, p. 277
  • Condenação superveniente. Hipótese, p. 275
  • Crime continuado, p. 519
  • Crime continuado. Continuidade delitiva nos crimes contra a vida, p. 528
  • Crime continuado. Elementos do crime continuado, p. 521
  • Crime continuado. Espécies de crimes continuados, p. 525
  • Crime continuado. Natureza jurídica dos crimes continuados, p. 526
  • Crime continuado. Punibilidade nos crimes continuados, p. 529
  • Crime continuado. Teorias acerca da unidade de desígnios nos crimes continuados, p. 523

D

  • Decadência, p. 680
  • Decadência. Prescrição, decadência e perempção, p. 680
  • Denúncia, p. 637
  • Denúncia. Início das ações penais (denúncia e queixa), p. 634
  • Detenção. Pena de detenção, p. 142
  • Detenção. Pena de reclusão, detenção e prisão simples, p. 142
  • Detração e a medida de segurança, p. 214
  • Detração na pena de multa, p. 213
  • Detração no sursis, p. 215
  • Detração pelo tempo de prisão provisória, no brasil ou no estrangeiro, o de prisão administrativa e o de internação, p. 210
  • Detração penal, p. 195
  • Detração penal pelo mesmo fato no mesmo processo, p. 205
  • Detração penal por fato diverso no mesmo processo, p. 205
  • Detração penal por fato em processo diverso, p. 206
  • Detração penal. Breves apontamentos históricos da detração penal, p. 197
  • Detração penal. Conceito, p. 195
  • Detração penal. Detração nas penas restritivas de direito, p. 212
  • Detração penal. Momento de aplicação da detração penal, p. 201
  • Detração penal. Natureza jurídica da detração penal, p. 196
  • Detração penal. Nexo da privação de liberdade com a detração penal, p. 204
  • Detração penal. Possibilidades de aplicação da detração penal, p. 207
  • Deveres do preso, p. 248
  • Deveres do preso. Remuneração do trabalho do preso, p. 259
  • Deveres do preso. Trabalho do preso, p. 251
  • Deveres do preso. Trabalho externo do preso, p. 257
  • Deveres do preso. Trabalho interno do preso, p. 254
  • Direitos do preso, p. 217
  • Direitos do preso. Auxílio-reclusão, p. 224
  • Direitos do preso. Direito à alimentação e vestuário, p. 220
  • Direitos do preso. Direito à assistência material, à saúde, jurídica, educacional, social e religiosa, p. 236
  • Direitos do preso. Direito a atividades profissionais, intelectuais, artísticas e desportivas anteriores, desde que compatíveis com a execução da pena, p. 233
  • Direitos do preso. Direito a atribuição de trabalho e sua remuneração, p. 222
  • Direitos do preso. Direito a constituição de pecúlio, p. 231
  • Direitos do preso. Direito à previdência social, p. 223
  • Direitos do preso. Direito à proporcionalidade na distribuição do tempo para o trabalho, o descanso e a recreação, p. 232
  • Direitos do preso. Direito à visita de crianças e adolescentes, p. 243
  • Direitos do preso. Direito à visita do cônjuge, da companheira, de parentes e amigos em dias determinados, p. 241
  • Direitos do preso. Direito à visita íntima, p. 245
  • Direitos do preso. Restrições à visita de pessoa presa, p. 247
  • Direitos e deveres do preso, p. 217
  • Dosimetria da pena, p. 429
  • Dosimetria da pena. Aspectos conceituais, p. 429
  • Dosimetria da pena. Cálculo das circunstâncias judiciais, p. 439
  • Dosimetria da pena. Circunstâncias preponderantes na fixação da pena provisória, p. 448
  • Dosimetria da pena. Conflito entre circunstâncias preponderantes, p. 450
  • Dosimetria da pena. Escolha dentre as penas alternativamente cominadas, p. 456
  • Dosimetria da pena. Existência de duas ou mais qualificadoras, p. 455
  • Dosimetria da pena. Fixação da pena definitiva, p. 452
  • Dosimetria da pena. Fixação da pena provisória ou intermediária, p. 444
  • Dosimetria da pena. Fixação da pena-base, p. 437
  • Dosimetria da pena. Importância da correta dosimetria, p. 432
  • Dosimetria da pena. Incidência das circunstâncias sobre a pena mínima, p. 442
  • Dosimetria da pena. O sistema trifásico de aplicação da pena, p. 435

E

  • Efeitos penais em leis especiais, p. 602
  • Espécies de exame criminológico, p. 286
  • Exame criminológico, p. 279
  • Exame criminológico de entrada, p. 286
  • Exame criminológico e a progressão de regime, p. 288
  • Exame criminológico e o livramento condicional, p. 289
  • Exame criminológico. Conceito, p. 279
  • Exame criminológico. Previsão legal, p. 284
  • Exame criminológico. Síntese histórica, p. 280
  • Extinção da punibilidade, p. 655
  • Extinção da punibilidade nos crimes acessórios, complexos e conexos, p. 696
  • Extinção da punibilidade. Aspectos conceituais de escusa absolutória, p. 658
  • Extinção da punibilidade. Causas, p. 668
  • Extinção da punibilidade. Causas. Anistia, p. 674
  • Extinção da punibilidade. Causas. Anistia, graça e indulto, p. 674
  • Extinção da punibilidade. Causas. Aspectos conceituais da anistia, p. 674
  • Extinção da punibilidade. Causas. Concessão e efeitos da anistia, p. 675
  • Extinção da punibilidade. Causas. Considerações gerais acerca da anistia, graça e indulto, p. 674
  • Extinção da punibilidade. Causas. Morte de agente, p. 669
  • Extinção da punibilidade. Classificação das causas de extinção de punibilidade, p. 665
  • Extinção da punibilidade. Condições objetivas de punibilidade, p. 656
  • Extinção da punibilidade. Efeitos da extinção de punibilidade, p. 667
  • Extinção da punibilidade. Escusas absolutas (absolutórias propriamente ditas), p. 660
  • Extinção da punibilidade. Escusas absolutórias, p. 658
  • Extinção da punibilidade. Escusas relativas (processuais), p. 662
  • Extinção da punibilidade. Impedimento às escusas absolutas e relativas, p. 664
  • Extinção da punibilidade. Surgimento do instituto das escusas absolutórias, p. 659

F

  • Fins da pena (teorias justificadoras), p. 77
  • Fins da pena. Teoria absoluta (retributiva), p. 78
  • Fins da pena. Teoria da retribuição jurídica, p. 81
  • Fins da pena. Teoria da retribuição moral, p. 80
  • Fins da pena. Teoria relativa (preventiva), p. 82

G

  • Graça, p. 677

H

  • Hipótese de condenação superveniente, p. 275
  • Histórico. Síntese histórica das penas, p. 45
  • Histórico. Síntese histórica das penas. Considerações gerais, p. 45

I

  • Indulto, p. 678

L

  • Leis especiais. Efeitos penais em leis especiais, p. 602
  • Limite das penas, p. 263
  • Limite e da unificação das penas, p. 263
  • Lista de abreviaturas e siglas, p. 39
  • Livramento condicional, p. 571
  • Livramento condicional. Causas de revogação do livramento condicional, p. 582
  • Livramento condicional. Conceito e características do livramento condicional, p. 573
  • Livramento condicional. Concessão do livramento condicional, p. 580
  • Livramento condicional. Condições facultativas para a concessão do livramento condicional, p. 582
  • Livramento condicional. Condições obrigatórias para a concessão do livramento condicional, p. 581
  • Livramento condicional. Natureza jurídica do livramento condicional, p. 574
  • Livramento condicional. Prorrogação do livramento condicional e extinção de pena, p. 584
  • Livramento condicional. Requisitos ou pressupostos do livramento condicional, p. 577
  • Livramento condicional. Requisitos ou pressupostos objetivos do livramento condicional, p. 577
  • Livramento condicional. Requisitos ou pressupostos subjetivos do livramento condicional, p. 578
  • Livramento condicional. Requisitos procedimentais para a concessão do livramento condicional, p. 580
  • Livramento condicional. Revogação facultativa do livramento condicional, p. 583
  • Livramento condicional. Revogação obrigatória do livramento condicional, p. 583
  • Livramento condicional. Síntese histórica do livramento condicional, p. 571
  • Livramento condicional. Suspensão do livramento condicional, p. 584

M

  • Medidas de segurança, p. 459
  • Medidas de segurança. A aplicação de medida de segurança no direito comparado, p. 499
  • Medidas de segurança. Aplicação de medida de segurança aos menores, p. 498
  • Medidas de segurança. Breves noções históricas das medidas de segurança, p. 462
  • Medidas de segurança. Conceito de medidas de segurança, p. 459
  • Medidas de segurança. Espécies de medidas de segurança, p. 483
  • Medidas de segurança. Internação em hospital psiquiátrico ou estabelecimento equivalente (detentiva), p. 485
  • Medidas de segurança. Limite temporal de aplicação das medidas de segurança, p. 492
  • Medidas de segurança. Limite temporal limitado pela pena máxima in abstrato, p. 496
  • Medidas de segurança. Limite temporal máximo indeterminado e sem limite, p. 495
  • Medidas de segurança. Limite temporal máximo para cumprimento das medidas de segurança, p. 494
  • Medidas de segurança. Limite temporal mínimo para cumprimento das medidas de segurança, p. 493
  • Medidas de segurança. Natureza jurídica da sentença que aplica a medida de segurança, p. 480
  • Medidas de segurança. Natureza jurídica das medidas de segurança, p. 477
  • Medidas de segurança. Periculosidade. Conceito acerca da periculosidade, p. 490
  • Medidas de segurança. Principais diferenças entre pena e medida de segurança, p. 489
  • Medidas de segurança. Princípio da culpabilidade, p. 471
  • Medidas de segurança. Princípio da humanidade ou dignidade da pessoa humana, p. 475
  • Medidas de segurança. Princípio da legalidade e do devido processo legal, p. 469
  • Medidas de segurança. Princípio da necessidade, p. 472
  • Medidas de segurança. Princípio da periculosidade, p. 473
  • Medidas de segurança. Princípio da proporcionalidade, p. 474
  • Medidas de segurança. Princípio da ressocialização, p. 476
  • Medidas de segurança. Princípios aplicáveis às medidas de segurança, p. 468
  • Medidas de segurança. Sistema dualista ou duplo binário, p. 488
  • Medidas de segurança. Sistema monista ou unificador, p. 487
  • Medidas de segurança. Sistema vicariante, p. 489
  • Medidas de segurança. Sistemas de aplicabilidade das medidas de segurança, p. 487
  • Medidas de segurança. Substituição da pena por medida de segurança, p. 497
  • Medidas de segurança. Tratamento ambulatorial (restritiva), p. 486

P

  • Pena de detenção, p. 142
  • Pena de multa, p. 333
  • Pena de multa no direito comparado, p. 361
  • Pena de multa. Aspectos conceituais da pena de multa, p. 338
  • Pena de multa. Características da pena de multa, p. 342
  • Pena de multa. Destinação da pena de multa, p. 348
  • Pena de multa. Execução da pena de multa, p. 355
  • Pena de multa. Formas de aplicação da pena de multa, p. 344
  • Pena de multa. Formas de pagamento da pena de multa, p. 346
  • Pena de multa. Impossibilidade da conversão da pena de multa em prisão, p. 354
  • Pena de multa. Natureza jurídica da pena de multa, p. 339
  • Pena de multa. Prescrição da pena de multa, p. 359
  • Pena de multa. Procedimento para a cobrança da pena de multa, p. 356
  • Pena de multa. Síntese histórica da pena de multa, p. 333
  • Pena de multa. Sistema clássico da pena de multa, p. 350
  • Pena de multa. Sistema de pena por dias-multa (modelo trifásico), p. 352
  • Pena de multa. Sistema temporal da pena de multa, p. 351
  • Pena de multa. Sistemas de fixação da pena de multa, p. 349
  • Pena de prisão simples, p. 143
  • Pena de reclusão, p. 142
  • Pena de reclusão, detenção e prisão simples, p. 142
  • Pena no Código Penal de 1940, p. 68
  • Pena no período colonial, p. 63
  • Pena no período imperial, p. 64
  • Pena no período republicano, p. 66
  • Pena. Aspectos conceituais, p. 71
  • Pena. Breves apontamentos da pena no Brasil, p. 63
  • Pena. Classificação das penas, p. 89
  • Pena. Fundamento da pena, p. 74
  • Pena. Histórico. Pena como privação de liberdade mediante cárcere, p. 61
  • Pena. Histórico. Pena como sentido de vingança, p. 57
  • Pena. Histórico. Pena como vingança divina, p. 60
  • Pena. Histórico. Pena como vingança privada, p. 58
  • Pena. Histórico. Pena como vingança pública, p. 61
  • Pena. Histórico. Pena no direito canônico, p. 54
  • Pena. Histórico. Pena nos povos romanos, p. 51
  • Pena. Histórico. Penas na antiguidade, p. 47
  • Pena. Histórico. Penas nos povos gregos, p. 48
  • Pena. Síntese histórica das penas, p. 45
  • Penas, p. 71
  • Penas privativas de liberdade, p. 139
  • Penas privativas de liberdade. Considerações gerais, p. 139
  • Penas restritivas de direitos, p. 291
  • Penas restritivas de direitos. Aplicação de duas penas restritivas de direitos, p. 305
  • Penas restritivas de direitos. Aplicação de pena restritiva de direitos em caso de crimes de drogas, p. 302
  • Penas restritivas de direitos. Aplicação de pena restritiva de direitos em caso de crimes militares, p. 304
  • Penas restritivas de direitos. Aplicação de pena restritiva de direitos em caso de violência doméstica contra mulheres, p. 301
  • Penas restritivas de direitos. Características das penas restritivas de direitos, p. 295
  • Penas restritivas de direitos. Conceito de penas restritivas de direitos, p. 291
  • Penas restritivas de direitos. Conversão em pena privativa de liberdade, p. 307
  • Penas restritivas de direitos. Espécies, p. 309
  • Penas restritivas de direitos. Interdição temporária de direitos, p. 323
  • Penas restritivas de direitos. Limitação de fim de semana, p. 316
  • Penas restritivas de direitos. Perda de bens e valores, p. 314
  • Penas restritivas de direitos. Prestação de serviço à comunidade ou a entidades públicas, p. 319
  • Penas restritivas de direitos. Prestação pecuniária, p. 310
  • Penas restritivas de direitos. Proibição de exercício de cargo, função ou atividade pública, bem como de mandato eletivo, p. 325
  • Penas restritivas de direitos. Proibição de frequentar determinados lugares, p. 329
  • Penas restritivas de direitos. Proibição de inscrever-se em concurso, avaliação ou exame públicos, p. 330
  • Penas restritivas de direitos. Proibição do exercício de profissão, atividade ou ofício que dependam de habilitação especial, de licença ou autorização do poder público, p. 326
  • Penas restritivas de direitos. Requisitos objetivos, p. 298
  • Penas restritivas de direitos. Requisitos para aplicação das penas restritivas de direitos, p. 297
  • Penas restritivas de direitos. Requisitos subjetivos, p. 300
  • Penas restritivas de direitos. Substituição por pena pecuniária quando cumulativa no tipo penal, p. 306
  • Penas restritivas de direitos. Suspensão de autorização ou de habilitação para dirigir veículo, p. 327
  • Perdão aceito, p. 686
  • Perdão aceito. Aspectos conceituais acerca do perdão aceito, p. 686
  • Perdão aceito. Cabimento e oportunidade do perdão aceito, p. 687
  • Perdão aceito. Extensão e comunicabilidade do perdão, p. 689
  • Perdão aceito. Formas de aceitação do perdão, p. 688
  • Perdão aceito. Necessidade de aceitação do perdão, p. 689
  • Perdão judicial, p. 692
  • Perdão judicial. Aspectos conceituais, p. 692
  • Perdão judicial. Natureza jurídica, p. 694
  • Perdão. Renúncia ao direito de queixa e perdão aceito, p. 684
  • Perempção, p. 683
  • Perempção. Prescrição, decadência e perempção, p. 680
  • Prescrição como instrumento de direito formal ou adjetivo, p. 713
  • Prescrição como instrumento de direito material ou substantivo, p. 712
  • Prescrição como instrumento de direito misto (material e formal), p. 714
  • Prescrição da pena de multa, p. 732
  • Prescrição da pretensão executória, p. 731
  • Prescrição da pretensão punitiva, p. 723
  • Prescrição da pretensão punitiva propriamente dita, p. 724
  • Prescrição da pretensão punitiva retroativa, p. 726
  • Prescrição da pretensão punitiva superveniente ou intercorrente, p. 725
  • Prescrição da pretensão punitiva. Aspectos conceituais, p. 723
  • Prescrição da pretensão punitiva. Espécies, p. 724
  • Prescrição da pretensão punitiva. Posição desfavorável para a prescrição antecipada, p. 730
  • Prescrição da pretensão punitiva. Posição favorável para a prescrição antecipada, p. 728
  • Prescrição penal, p. 699
  • Prescrição penal. Breves apontamentos históricos da prescrição penal no Brasil, p. 701
  • Prescrição penal. Conceito de prescrição, p. 699
  • Prescrição penal. Fundamentos da prescrição, p. 703
  • Prescrição penal. Teorias fundamentadoras, p. 705
  • Prescrição penal. Teorias fundamentadoras. Teoria da dispersão das provas, p. 708
  • Prescrição penal. Teorias fundamentadoras. Teoria da emenda, p. 707
  • Prescrição penal. Teorias fundamentadoras. Teoria da expiação moral, p. 705
  • Prescrição penal. Teorias fundamentadoras. Teoria da extinção dos efeitos antijurídicos, p. 710
  • Prescrição penal. Teorias fundamentadoras. Teoria da política criminal, p. 710
  • Prescrição penal. Teorias fundamentadoras. Teoria da presunção de negligência, p. 709
  • Prescrição penal. Teorias fundamentadoras. Teoria da segurança jurídica, p. 709
  • Prescrição penal. Teorias fundamentadoras. Teoria do esquecimento, p. 705
  • Prescrição penal. Teorias fundamentadoras. Teoria do interesse diminuído, p. 708
  • Prescrição penal. Teorias fundamentadoras. Teoria psicológica, p. 706
  • Prescrição virtual, projetada, antecipada ou retroativa em perspectiva, p. 727
  • Prescrição, decadência e perempção, p. 680
  • Prescrição. Causas interruptivas de prescrição, p. 722
  • Prescrição. Causas suspensivas ou impeditivas de prescrição, p. 720
  • Prescrição. Efeitos da prescrição, p. 714
  • Prescrição. Efeitos da prescrição da pretensão executória, p. 716
  • Prescrição. Efeitos da prescrição da pretensão punitiva, p. 714
  • Prescrição. Imprescritibilidade penal, p. 716
  • Prescrição. Natureza jurídica da prescrição, p. 711
  • Prescrição. Prazos prescricionais, p. 718
  • Prescrição. Redução dos prazos prescricionais, p. 719
  • Preso. Direitos e deveres, p. 217
  • Prevenção de natureza especial, p. 83
  • Prevenção de natureza especial negativa, p. 85
  • Prevenção de natureza especial positiva, p. 85
  • Prevenção de natureza geral, p. 85
  • Prevenção de natureza geral negativa, p. 86
  • Prevenção de natureza geral positiva, p. 87
  • Princípio da culpabilidade, p. 109
  • Princípio da humanidade, p. 99
  • Princípio da inderrogabilidade da pena, p. 105
  • Princípio da individualização da pena, p. 104
  • Princípio da legalidade, p. 97
  • Princípio da personalidade ou intranscendência da pena, p. 107
  • Princípio da presunção de inocência, p. 113
  • Princípio da proporcionalidade, p. 102
  • Princípio do "in dubio pro reo", p. 115
  • Princípio do "ne bis in idem", p. 111
  • Princípios da pena, p. 95
  • Prisão domiciliar, p. 161
  • Prisão domiciliar de natureza penal, p. 169
  • Prisão domiciliar de natureza processual, p. 166
  • Prisão domiciliar para mulheres, p. 170
  • Prisão domiciliar. Ampliação das hipóteses de prisão domiciliar, p. 171
  • Prisão domiciliar. Antecedentes históricos, p. 164
  • Prisão domiciliar. Aspectos conceituais, p. 165
  • Prisão domiciliar. Conceito jurídico de residência (casa) e domicílio, p. 162
  • Prisão domiciliar. Considerações gerais, p. 161
  • Prisão domiciliar. Diferença entre prisão domiciliar e recolhimento domiciliar, p. 172
  • Prisão domiciliar. Previsão legal, p. 166
  • Prisão simples. Pena de reclusão, detenção e prisão simples, p. 142
  • Prisão. Pena de prisão simples, p. 143
  • Progressão de regime penal, p. 177
  • Progressão de regime penal. Interrupção do prazo para a progressão de regime, p. 185
  • Progressão de regime penal. Requisitos objetivos da progressão de regime, p. 180
  • Progressão de regime penal. Requisitos subjetivos da progressão de regime, p. 183
  • Progressão de regime penal. Vedação da progressão de regime, p. 186
  • Progressão e regressão de regime penal, p. 175
  • Punibilidade. Conceito, p. 655

Q

  • Queixa, p. 638
  • Queixa. Início das ações penais (denúncia e queixa), p. 634
  • Queixa. Renúncia ao direito de queixa, p. 684
  • Queixa. Renúncia ao direito de queixa e perdão aceito, p. 684

R

  • Reabilitação penal, p. 605
  • Reabilitação penal. A reabilitação penal no direito comparado, p. 618
  • Reabilitação penal. A reincidência na reabilitação penal, p. 617
  • Reabilitação penal. Bom comportamento público e privado, p. 615
  • Reabilitação penal. Conceito de reabilitação penal, p. 605
  • Reabilitação penal. Concessão e da revogação da reabilitação penal, p. 616
  • Reabilitação penal. Domicílio no Brasil durante o período, p. 615
  • Reabilitação penal. Funções da reabilitação penal, p. 611
  • Reabilitação penal. Lapso temporal de dois anos, p. 614
  • Reabilitação penal. Natureza jurídica da reabilitação penal, p. 610
  • Reabilitação penal. Pressupostos ou requisitos da reabilitação penal, p. 612
  • Reabilitação penal. Reabilitação como objeto de direitos humanos, p. 609
  • Reabilitação penal. Reparação do dano ou prova da impossibilidade, p. 614
  • Reabilitação penal. Requisitos objetivos da reabilitação penal (pressupostos), p. 613
  • Reabilitação penal. Requisitos subjetivos da reabilitação penal, p. 615
  • Reabilitação penal. Sentença penal condenatória com trânsito em julgado, p. 613
  • Reabilitação penal. Síntese histórica da reabilitação penal, p. 607
  • Reclusão. Pena de reclusão, p. 142
  • Referências, p. 735
  • Reformatórios, p. 134
  • Regime aberto, p. 149
  • Regime disciplinar diferenciado, p. 152
  • Regime disciplinar diferenciado. Aplicação preventiva do RDD, p. 159
  • Regime disciplinar diferenciado. Competência e procedimento para aplicação do RDD, p. 159
  • Regime disciplinar diferenciado. Contato com o defensor, p. 157
  • Regime disciplinar diferenciado. Cumprimento em cela individual, p. 155
  • Regime disciplinar diferenciado. Duração máxima do regime disciplinar diferenciado, p. 154
  • Regime disciplinar diferenciado. Legitimidade para pleitear a aplicação do RDD, p. 158
  • Regime disciplinar diferenciado. Saída da cela, p. 157
  • Regime disciplinar diferenciado. Visitação, p. 155
  • Regime fechado, p. 145
  • Regime inicial de cumprimento de pena, p. 150
  • Regime semiaberto, p. 147
  • Regimes penais, p. 144
  • Regressão de regime penal, p. 187
  • Regressão de regime penal. Frustrar os fins da execução ou não pagar, podendo, a multa, p. 193
  • Regressão de regime penal. Prática de crime doloso ou falta grave, p. 189
  • Regressão de regime penal. Sofrer condenação, por crime anterior cuja pena, somada ao restante da pena em execução, torne incabível o regime, p. 192
  • Regressão. Progressão e regressão de regime penal, p. 175
  • Reincidência, p. 385
  • Reincidência. Conceito de reincidência, p. 385
  • Reincidência. Efeitos da reincidência, p. 392
  • Reincidência. Espécies de reincidência, p. 388
  • Reincidência. Evolução da reincidência penal no Brasil, p. 387
  • Reincidência. Hipóteses de ocorrência, p. 396
  • Reincidência. Pressupostos da reincidência, p. 390
  • Remição de pena, p. 531
  • Remição de pena pela leitura, p. 541
  • Remição de pena pelas práticas sociais educativas não escolares, p. 544
  • Remição de pena pelo estudo, p. 539
  • Remição de pena pelo trabalho, p. 535
  • Remição de pena. Amparo legal para a remição da pena, p. 533
  • Remição de pena. Aspectos conceituais, p. 531
  • Remição de pena. Competência para a aplicação, p. 545
  • Remição de pena. Competência. Falsa declaração para pedido de remição de pena, p. 548
  • Remição de pena. Competência. Registro das atividades para a remição de pena, p. 546
  • Remição de pena. Competência. Revogação da remição de pena, p. 547
  • Remição de pena. Hipóteses de incidência da remição de pena, p. 535
  • Remição de pena. Impossibilidade do trabalho para a remição de pena, p. 537
  • Remição de pena. Objetivos da remição de pena, p. 532
  • Renúncia ao direito de queixa, p. 684
  • Renúncia ao direito de queixa e perdão aceito, p. 684
  • Retratação do agente, p. 690
  • Retroatividade de lei nova descriminante (abolitio criminis), p. 679

S

  • Sigla. Lista de abreviaturas e siglas, p. 39
  • Síntese histórica das penas, p. 45
  • Sistema penitenciário. Aspectos introdutórios, p. 119
  • Sistema penitenciário. Sistema auburniano (sistema silencioso), p. 124
  • Sistema penitenciário. Sistema filadélfico ou pensilvânico (sistema celular), p. 121
  • Sistema penitenciário. Sistema penal progressivo, p. 126
  • Sistema penitenciário. Sistema Progressivo de Montesinos, p. 128
  • Sistema penitenciário. Sistema Progressivo do Brasil, p. 132
  • Sistema penitenciário. Sistema Progressivo Inglês ou Mark System (Sistema Maconochie), p. 130
  • Sistema penitenciário. Sistema Progressivo Irlandês, p. 131
  • Sistemas penitenciários, p. 119
  • Suspensão condicional da pena, p. 551
  • Suspensão condicional da pena. Conceito de suspensão condicional da pena (sursis), p. 554
  • Suspensão condicional da pena. Condições para a suspensão condicional da pena, p. 562
  • Suspensão condicional da pena. Cumprimento do período de prova e extinção da pena, p. 568
  • Suspensão condicional da pena. Espécies de suspensão condicional da pena, p. 559
  • Suspensão condicional da pena. Natureza jurídica da suspensão condicional da pena, p. 557
  • Suspensão condicional da pena. Período de prova para a suspensão condicional da pena, p. 564
  • Suspensão condicional da pena. Prorrogação do período de prova, p. 565
  • Suspensão condicional da pena. Revogação da suspensão condicional da pena, p. 566
  • Suspensão condicional da pena. Revogação facultativa da suspensão condicional da pena, p. 568
  • Suspensão condicional da pena. Revogação obrigatória da suspensão condicional da pena, p. 566
  • Suspensão condicional da pena. Síntese histórica da suspensão condicional da pena, p. 551
  • Suspensão condicional da pena. Sistemas de aplicação da suspensão condicional da pena, p. 556

T

  • Teoria unitária (mista), p. 88

U

  • Unificação das penas, p. 269
  • Unificação das penas. Corrente acerca da unificação das penas para todos os benefícios, p. 272
  • Unificação das penas. Correntes acerca da unificação das penas só para privação da liberdade, p. 274
  • Unificação das penas. Correntes doutrinárias acerca da unificação das penas e benefícios, p. 272
  • Unificação das penas. Unificação das penas de reclusão e detenção, p. 270
  • Unificação e limites das penas, p. 263

Recomendações

Capa do livro: Lavagem de Dinheiro, Carlos Márcio Rissi Macedo

Lavagem de Dinheiro

 Carlos Márcio Rissi MacedoISBN: 853621419-8Páginas: 188Publicado em: 16/11/2006

Versão impressa

de R$ 99,90* porR$ 79,92em 3x de R$ 26,64Adicionar ao
carrinho
Capa do livro: Princípio da Insignificância, Gustavo de Carvalho Guadanhin

Princípio da Insignificância

 Gustavo de Carvalho GuadanhinISBN: 978853627553-6Páginas: 214Publicado em: 21/12/2017

Versão impressa

de R$ 109,90* porR$ 104,41em 4x de R$ 26,10Adicionar ao
carrinho

Versão digital

de R$ 77,70* porR$ 73,82em 2x de R$ 36,91Adicionar eBook
ao carrinho
Capa do livro: Imputação Objetiva e Causalidade Penal, Marcondes Pereira de Oliveira

Imputação Objetiva e Causalidade Penal

 Marcondes Pereira de OliveiraISBN: 978853624661-1Páginas: 256Publicado em: 20/05/2014

Versão impressa

de R$ 129,90* porR$ 123,41em 4x de R$ 30,85Adicionar ao
carrinho

Versão digital

de R$ 89,90* porR$ 85,41em 3x de R$ 28,47Adicionar eBook
ao carrinho
Capa do livro: Apropriação Indébita - PPJ Criminal vol. 8, Romeu de Almeida Salles Júnior

Apropriação Indébita - PPJ Criminal vol. 8

3ª EdiçãoRomeu de Almeida Salles JúniorISBN: 853620579-2Páginas: 158Publicado em: 04/12/2003

Versão impressa

de R$ 79,90* porR$ 63,92em 2x de R$ 31,96Adicionar ao
carrinho