Reinterpretando o Brasil - Da Revolução Burguesa à Modernização Conservadora

Marcos Vinícius Pansardi

Parcele em até 6x sem juros no cartão.
Parcela mínima de R$ 20,00

Versão impressa

Ficha técnica

Autor(es): Marcos Vinícius Pansardi

ISBN: 978853622756-6

Acabamento: Brochura

Número de páginas: 248

Publicado em: 26/03/2010

Área(s): Direito - Teoria Geral do Direito; Literatura e Cultura - Política, História e Filosofia

Sinopse

O tema deste livro são as interpretações e os debates que se fizeram sobre os processos de modernização econômica e política da sociedade brasileira no século XX. Lendo de outra maneira, seriam as interpretações e reinterpretações sobre o processo de constituição e desenvolvimento do capitalismo e do Estado brasileiro no período republicano. Tendo como pano de fundo as interpretações sobre a chamada “Revolução de 30”, que levou Getúlio Vargas ao poder, este trabalho acompanha desde as interpretações construídas no calor da hora até aquelas desenvolvidas nos anos mais recentes. É assim que este trabalho se centra na compreensão da constituição do atual paradigma de interpretação sobre a história brasileira, que surge na USP nos anos 70, desenvolvido a partir da crítica ao modelo hegemônico anterior: da chamada “revolução nacional burguesa”. A nova interpretação se insere em um projeto historiográfico reformista que teve como objetivo central negar à Revolução de 30 o status de revolução burguesa. Este livro busca fazer uma análise crítica deste paradigma reformista, mostrando seus limites teóricos e ideológicos, pois nesta interpretação as elites dominantes são os únicos atores relevantes de nossa história, ficando os setores populares relegados a simples espectadores de uma história que não é sua.

Autor(es)

Marcos Vinicius Pansardi é Doutor em Ciências Sociais pela Universidade Estadual de Campinas (2002); Mestre em Ciência Política pela Universidade Estadual de Campinas (1993). Atualmente é Professor adjunto do Mestrado em Educação da Universidade Tuiuti do Paraná e também Professor do curso de Relações Internacionais da mesma instituição. Tem experiência na área de Ciência Política, com ênfase em Teoria Política e pensamento político brasileiro, atuando principalmente nos seguintes temas: ciência política, teoria das relações internacionais e políticas públicas em educação.

Sumário

INTRODUÇÃO

PRIMEIRA PARTE

Capítulo 1 - O PROBLEMA DA REVOLUÇÃO BURGUESA

Capítulo 2 - A REVOLUÇÃO DE 1930: A VISÃO DOS CONTEMPORÂNEOS

2.1 Interpretando o pensamento político dos anos 30

2.2 Interpretando a Revolução de 1930

Capítulo 3 - O PENSAMENTO CONSERVADOR

3.1 O pensamento integralista

Capítulo 4 - O PENSAMENTO PROGRESSISTA

4.1 O pensamento liberal-democrata

4.2 O pensamento social-democrata

Capítulo 5 - O PENSAMENTO COMUNISTA

5.1 O pensamento pecebista

5.2 O pensamento trotskista

CONCLUSÃO (1ª PARTE)

SEGUNDA PARTE

Capítulo 6 - O MODELO DA REVOLUÇÃO NACIONAL

Capítulo 7 - A INTERPRETAÇÃO DO ISEB

7.1 O ISEB na historiografia brasileira

7.2 O pensamento isebiano e a Revolução de 1930

Capítulo 8 - A CONSTRUÇÃO DO MODELO HEGEMÔNICO - A VISÃO "USPIANA" DA REVOLUÇÃO DE 30

8.1 As primeiras críticas

8.2 O novo modelo hegemônico

Capítulo 9 - PATRIMONIALISMO E NEOPATRIMONIALISMO: CONSTRUINDO UMA INTERPRETAÇÃO WEBERIANA PARA A REVOLUÇÃO DE 30

Capítulo 10 - CONTRA O INSTRUMENTALISMO: O EXÉRCITO E AS TEORIAS ORGANIZACIONAIS

Capítulo 11 - CRISE DE HEGEMONIA E REVOLUÇÃO PASSIVA: A LEITURA GRAMSCIANA SOBRE A REVOLUÇÃO DE 1930

Capítulo 12 - REINTERPRETANDO A CLASSE MÉDIA

Capítulo 13 - TRABALHADORES E REVOLUÇÃO: UMA RELEITURA

CONCLUSÃO

REFERÊNCIAS

Índice alfabético

A

  • Anos 30. Interpretando o pensamento político dos anos 30

C

  • Classe média. Reinterpretando a classe média
  • Classe média. Trabalhadores erevolução: uma releitura
  • Comunismo. Pensamento comunista.
  • Conclusão.
  • Conclusão (primeira parte).
  • Conservadorismo. Pensamento conservador
  • Construção do modelo hegemônico. A visão "uspiana" da Revolução de 30.
  • Contemporaneidade. Revolução de 1930: a visão dos contemporâneos
  • Contra o instrumentalismo: o exército e as teorias organizacionais.
  • Crise de hegemonia e revolução passiva: a leitura gramsciana sobre a revolução de 1930
  • Crítica. Construção do modelo hegemônico. A visão "uspiana" da Revolução de 30. Primeiras críticas.

D

  • Democracia. Pensamento liberal-democrata
  • Desenvolvimentismo. Construção do modelo hegemônico. A visão "uspiana" da Revolução de 30.
  • Desenvolvimentismo. Interpretação do ISEB

E

  • Exército. Contra o instrumentalismo: o exército e as teorias organizacionais

G

  • Gramsci. Crise de hegemonia e revolução passiva: a leitura gramsciana sobre a revolução de 1930

H

  • Hegemonia. Crise de hegemonia e revolução passiva: a leitura gramsciana sobre a revolução de 1930
  • Hegemonia. Revolução de 1930.Novo modelo hegemônico.
  • Hermenêutica. Interpretação do ISEB
  • Hermenêutica. Interpretando a Revolução de 1930.
  • Hermenêutica. Patrimonialismo e neopatrimonialismo: construindo uma interpretação weberiana para a revolução de 30.
  • Histórico. Interpretando o pensamento político dos anos 30.
  • Histórico. Revolução burguesa. Problema.
  • Histórico. Revolução de 1930:a visão dos contemporâneos.
  • Historiografia. ISEB na historiografia brasileira
  • Historiografia. Patrimonialismo e neopatrimonialismo: construindo uma interpretação weberiana para a revolução de 30.

I

  • ISEB. Interpretação do ISEB.
  • ISEB. Pensamento isebiano e a Revolução de 1930.
  • ISEB na historiografia brasileira
  • Instrumentalismo. Contra o instrumentalismo: o exército e as teorias organizacionais.
  • Integralismo. Pensamento integralista.
  • Intelectualidade. Construção do modelo hegemônico. A visão "uspiana" da Revolução de 30
  • Intelectualidade. Reinterpretando a classe média
  • Interpretação do ISEB
  • Interpretação weberiana. Patrimonialismo e neopatrimonialismo: construindo uma interpretação weberiana para a revolução de 30
  • Interpretando a Revolução de 1930.
  • Interpretando o pensamento político dos anos 30
  • Introdução

L

  • Leitura gramsciana. Crise de hegemonia e revolução passiva: a leitura gramsciana sobre a revolução de 1930.
  • Liberalismo. Pensamento liberal-democrata

M

  • Modelo da revolução nacional
  • Modelo hegemônico. Construção. A visão "uspiana" da Revolução de 30.

N

  • Neopatrimonialismo. Patrimonialismo e neopatrimonialismo: construindo uma interpretação weberiana para a revolução de 30.

P

  • PCB. Construção do modelo hegemônico. A visão "uspiana" da Revolução de 30
  • Patrimonialismo e neopatrimonialismo: construindo uma interpretação weberiana para a revolução de 30
  • Pecebista. Pensamento pecebista.
  • Pensamento comunista
  • Pensamento conservador
  • Pensamento integralista.
  • Pensamento isebiano e a Revolução de 1930
  • Pensamento isebiano e a Revolução de 1930
  • Pensamento liberal-democrata
  • Pensamento pecebista.
  • Pensamento político. Interpretando opensamento político dos anos 30
  • Pensamento progressista.
  • Pensamento social-democrata
  • Pensamento trotskista.
  • Política. Construção do modelo hegemônico. A visão "uspiana" da Revolução de 30
  • Primeira parte. Conclusão (primeira parte)
  • Problema da revolução burguesa.
  • Progressismo. Pensamento progressista

R

  • Referências
  • Reinterpretando a classe média
  • Releitura. Trabalhadores e revolução: uma releitura
  • Revolução. Trabalhadores e revolução: uma releitura.
  • Revolução burguesa. Problema
  • Revolução de 1930. Construção do modelo hegemônico. A visão "uspiana" da Revolução de 30.
  • Revolução de 1930. Contra o instrumentalismo: o exército e as teorias organizacionais.
  • Revolução de 1930. Crise de hegemonia e revolução passiva: a leitura gramsciana sobre a revolução de 1930
  • Revolução de 1930. Interpretando a Revolução de 1930
  • Revolução de 1930. Novo modelo hegemônico
  • Revolução de 1930. Patrimonialismo e neopatrimonialismo: construindo uma interpretação weberiana para a revolução de 30
  • Revolução de 1930. Pensamento isebiano e a Revolução de 1930.
  • Revolução de 1930: a visão dos contemporâneos
  • Revolução nacional. Modelo
  • Revolução passiva. Crise de hegemonia e revolução passiva: a leitura gramsciana sobre a revolução de 1930

S

  • Social-democracia. Pensamento social-democrata
  • Sociedade. Reinterpretando a classe média

T

  • Tenentismo. Contra o instrumentalismo: o exército e as teorias organizacionais.
  • Teorias organizacionais. Contra o instrumentalismo: o exército e as teorias organizacionais.
  • Trabalhadores e revolução: uma releitura
  • Trotskismo. Pensamento trotskista.

U

  • USP. Construção do modelo hegemônico. A visão "uspiana" da Revolução de 30
  • USP. Reinterpretando a classe média.

V

  • Visão dos contemporâneos. Revolução de 1930: a visão dos contemporâneos

W

  • Weber. Patrimonialismo e neopatrimonialismo: construindo uma interpretação weberiana para a revolução de 30