Fundamentos da Criminologia Crítica

Adriano Sérgio Nunes Bretas

Parcele em até 6x sem juros no cartão.
Parcela mínima de R$ 30,00

Versão impressa

Ficha técnica

Autor(es): Adriano Sérgio Nunes Bretas

ISBN: 978853623120-4

Acabamento: Capa Dura + Sobrecapa

Número de páginas: 472

Publicado em: 24/09/2010

Área(s): Direito Penal

Sinopse

“... De forma simples e didática, e sem olvidar a complexidade dos temas com os quais trabalha, Bretas nos oferece um texto que perpassa a história da criminologia: começa por seus antecedentes históricos (Escola Liberal Clássica), passa pelas teorias positivistas, psicanalistas e funcionalistas (criminologia etiológica individual e socioestrutural), e, com brilhantismo, apresenta o labelling approach e a criminologia crítica. Isso já seria o suficiente para um excelente livro.

Ocorre que o presente trabalho vai além. Aqui a sua especial contribuição. O autor selecionou as obras que utiliza como texto de apoio para suas pesquisas e aulas, e os sumariou. Dessa forma, permite ao estudante um rápido acesso (típico da velocidade que exige a contemporaneidade) ao pensamento de autores críticos fundamentais, assim como a temas contemporâneos de política criminal.

Enfim, trata-se de uma verdadeira contribuição. Nota-se que o autor se colocou a serviço dos estudantes: atitude humilde de poucos, com grandeza de espírito. E o fundamental é que, ainda que com toda a sua didática, não buscou simplificar a complexidade da vida como costumamos ver em Manuais. Alerta-nos para a dificuldade dos temas, mas, ao mesmo tempo, busca facilitar o entendimento aos leitores. Parabéns ao autor, tanto pelo seu arcabouço teórico, como por assumir posturas comprometidas com o ideal de um Estado Democrático de Direito, e principalmente ao público que consultará essa obra, pois certamente se trata de um dos melhores trabalhos brasileiros sobre o tema”.

Trechos do prefácio de FÁBIO DA SILVA BOZZA

Autor(es)

Adriano Sérgio Nunes Bretas é Professor da Pontifícia Universidade Católica do Paraná – PUCPR; Professor convidado da Escola Superior da Advocacia – ESA, e do curso de pós-graduação da Academia Brasileira de Direito Constitucional – ABDConst. É vice-presidente do Grupo Brasileiro da Association Internationale de Droit Penal – AIDP; Secretário Geral do Instituto Brasileiro de Direito Penal Econômico – IBDPE; Conselheiro do Instituto Paranaense de Estudos Criminais – IPEC, e membro da Comissão de Advogados Criminalistas da OAB/PR, laureado com a medalha Milton Vianna no departamento de Propedêutica do Direito, outorgada pela Faculdade de Direito de Curitiba. É Advogado criminal em Curitiba/PR.

Sumário

TÍTULO I PARTE GERAL

TEORIA GERAL

1 Conceito de Criminologia

2 Objeto da Criminologia

3 Localização da Criminologia

4 Do Caráter Científico da Criminologia

TÍTULO II PARTE ESPECIAL

I - O PENSAMENTO DE ALESSANDRO BARATTA - CRIMINOLOGIA CRÍTICA E CRÍTICA DO DIREITO PENAL

§ 1º Introdução

§ 2º Sociologia Jurídica e Sociologia Jurídico-Penal

§ 3º Microssociologia, Macrossociologia e Criminologia Positivista

§ 4º Escola Liberal Clássica

§ 5º Francesco Carrara

§ 6º Cesare Lombroso

§ 7º Teorias da Ideologia da Defesa Social

§ 8º Teorias Psicanalíticas

§ 9º Teorias Funcionalistas I

§ 10 Teorias Funcionalistas II

§ 11 Teorias das Subculturas Criminais

§ 12 Teorias das Técnicas de Neutralização

§ 13 Teoria do Labeling Approach I

§ 14 Teoria do Labeling Approach II

§ 15 Teoria do Labeling Approach III

§ 16 Recepção Alemã doLabeling Approach I

§ 17 Recepção Alemã doLabeling Approach II

§ 18 Recepção Alemã doLabeling Approach III

§ 19 Teorias do Conflito I

§ 20 Teorias do Conflito II

§ 21 Teorias do Conflito III

§ 22 Teorias do Conflito IV

§ 23 Crítica às Teorias do Conflito

§ 24 Criminologia Liberal Contemporânea e Concepções Patológicas

§ 25 Crítica à Criminologia Liberal

§ 26 Criminologia Crítica

§ 27 Crítica ao Direito Penal I

§ 28 Crítica ao Direito Penal II

§ 29 Sistema Penal e Sistema Escolar I

§ 30 Sistema Penal e Sistema Escolar II

§ 31 Reais Funções da Pena

§ 32 Cárcere e Fábrica

§ 33 Capitalismo e Criminologia Crítica

§ 34 Política Criminal Alternativa

§ 35 Conclusões

II - O PENSAMENTO DE MICHEL FOUCAULT - VIGIAR E PUNIR

§ 1º Transição e Desaparecimento dos Suplícios

§ 2º Quatro Eixos de Partida

§ 3º Tecnologia do Corpo e Microfísica do Poder

§ 4º Conceito de Suplício e Processo Criminal

§ 5º Confissão e Tortura

§ 6º Execução e Funções do Suplício

§ 7º Apogeu e Decadência dos Suplícios

§ 8º Decadência dos Suplícios

§ 9º Humanização das Penas

§ 10 Os Reformadores do Século XVIII

§ 11 Fundamentos do Novo Sistema

§ 12 Duas Regras Finais de uma Semiotécnica da Pena

§ 13 Sistema Punitivo do Século XVIII

§ 14 Pena de Prisão

§ 15 Modelos Prisionais

§ 16 Distribuição do Espaço Disciplinar

§ 17 Distribuição do Tempo Disciplinar

§ 18 Relações entre Disciplina, Tempo e Força

§ 19 O Olhar

§ 20 A Sanção Normalizadora

§ 21 O Exame

§ 22 Panoptismo

§ 23 Transição Histórica de Modelos Disciplinares

§ 24 Resumo sobre a Disciplina

§ 25 Princípios da Prisão

§ 26 Execução Penal e Direito Penal de Autor

§ 27 Carruagem Panóptica

§ 28 Críticas e Princípios da Prisão

§ 29 Prisão: Fracasso ou Sucesso?

§ 30 Prisão e Delinquência

§ 31 O Carcerário

III - O PENSAMENTO DE GEORG RUSCHE E OTTO KIRCHHEIMER - PUNIÇÃO E ESTRUT URA SOCIAL

§ 1º Introdução

§ 2º Evolução Histórica do Sistema Punitivo

§ 3º Da Fiançaà Prisão

§ 4º O Endurecimento das Penas e a Condição Social do Condenado

§ 5º Breve Relato Histórico do Século XV

§ 6º A Administração da Pobreza

§ 7º O Surgimento da Casa de Correção

§ 8º Duas Constatações sobre as Casas de Correção

§ 9º As Galés

§ 10 Deportação

§ 11 A Pena de Prisão

§ 12 Consagração da Pena de Prisão

§ 13 Origens do Sistema Carcerário

§ 14 A Política Criminal de Classes no Sistema Carcerário

§ 15 Revolução Industrial

§ 16 Mudanças Institucionais do Fim do Mercantilismo

§ 17 Aumento da Criminalidade e do Rigor Punitivo

§ 18 Declínio e Apogeu da Prisão

§ 19 Efeitos da Revolução Industrial na Prisão

§ 20 Abolição da Deportação I

§ 21 Abolição da Deportação II

§ 22 Confinamento Solitário nos Estados Unidos

§ 23 Confinamento Solitário na Europa

§ 24 Mudança de Paradigmas - Fins do Século XIX

§ 25 Garantias Processuais

§ 26 O Crime como Doença

§ 27 Problemas da Pena de Prisão

§ 28 Guerra e Criminalidade

§ 29 Apogeu e Decadência da Fiança

§ 30 Ainda Sobre a Fiança

§ 31 Direito Penal Facista

§ 32 Efeitos do Direito Penal Fascista

§ 33 Política Criminal e Cifras Criminais e Conclusão

IV - O PENSAMENTO DE DARIO MELOSSI E MASSIMO PAVARINI - CÁRCERE E FÁ BRICA

§ 1º Apresentação Crítica

§ 2º Introdução

§ 3º Bridewell e Rasp-Huis

§ 4º A Disciplina nas Casas de Correção

§ 5º Do Modelo Feudal para o Modelo Burguês

§ 6º A Expansão das Casas de Correção

§ 7º O Colapso do Sistema Manufatureiro

§ 8º A New Poor Law

§ 9º O Panótico

§ 10 Os Relatos de John Howard

§ 11 O Pensamento de Jean-Paul Marat

§ 12 A Experiência Norte-Americana

§ 13 A Família Colonial dos Estados Unidos

§ 14 Bases para a Decolagem Capitalista

§ 15 Impulso Industrial e Controle Social

§ 16 Dois Modelos de Penitenciária

§ 17 Exploração do Trabalho Penitenciário

§ 18 Função do Cárcere

§ 19 Características Comuns aos Modelos Penitenciários

V - O PENSAMENTO DE EUGENIO RAÚL ZAFFARONI EM BUSCA DAS PENAS PERDIDAS

§ 1º Introdução

§ 2º A Ilegalidade do Sistema

§ 3º Saberversus Poder

§ 4º O Empobrecimento Teórico do Discurso Jurídico-Penal

§ 5º Painel de Teorias Deslegitimantes

§ 6º Reação Legitimante

§ 7º O Discurso Sistêmico

§ 8º O Abolicionismo

§ 9º Efeitos Positivos e Negativos do Avanço Tecnológico

§ 10 O Uso Alternativo do Direito

§ 11 As Três Revoluções da América Latina

§ 12 O Papel da Mídia na Conservação das Agências Não Judiciais

§ 13 Universidade, Criminalização e Policização

§ 14 Falsos Papéis e Antagonismos Criados

§ 15 Deslegitimação do Direito Penal a Partir dos Direitos Humanos

§ 16 Pessimismo ou Otimismo

§ 17 Conceito de Realismo e Conceito de Marginal

§ 18 História, Política e Teoria do Realismo Marginal

§ 19 Objetivos Político-Criminais do Realismo Marginal e Táticas para Alcançá-los

§ 20 Elementos do Discurso Legitimante

§ 21 Teorias Realistas versus Teorias Idealistas

§ 22 Sistema Penal e Guerra

§ 23 O Conceito de Pena

§ 24 Reetização do Direito Penal

§ 25 Guerra e Sistema Penal

§ 26 Guerra e Sistema Penal II

§ 27 Personagens e Funções das Garantias

§ 28 Princípios

§ 29 A Inexistência do Crime

§ 30 Da Conduta e da Tipicidade

§ 31 Da Inexistência de Culpabilidade

§ 32 Da Responsabilidade da Agência Judicial

§ 33 Culpabilidade como Vulnerabilidade

VI - O PENSAMENTO DE JESÚS-MARÍA SILVA SÁNCHEZ - A EXPANSÃO DO DIREITO PENAL

§ 1º Introdução

§ 2º Sociedade do Medo

§ 3º Sujeitos Passivos

§ 4º Maioria e Vítima

§ 5º A Esquerda Punitiva

§ 6º A Formalidade e o Minimalismo

§ 7º Globalização e Integração como Multiplicadores do Expansionismo Penal

§ 8º Globalização do Direito Penal

§ 9º Globalização e Microcriminalidade

§ 10 A Missão do Direito Penal

§ 11 A Administrativização do Direito Penal

§ 12 O Paradigma dos Delitos de Acumulação

§ 13 A Inspeção Penal

§ 14 O Resgate da Neutralização

§ 15 O Rigor das Punições e o Grau das Garantias

§ 16 Duas Velocidades do Direito Penal

§ 17 A Terceira Velocidade do Direito Penal

VII - O PENSAMENTO DE JOCK YOUNG - A SOCIEDADE EXCLUDENTE

§ 1º Introdução

§ 2º O Projeto Modernista

§ 3º O Projeto Pós-Modernista

§ 4º Os Grupos da Sociedade Pós-Modernista

§ 5º O Outrosou Eu

§ 6º A Crise da Criminologia

§ 7º Fatores da Revolução Social Pós-Moderna

§ 8º Déficit ou Privação Relativa

§ 9º Diferença e Dificuldade

§ 10 Novos Métodos para uma Nova Realidade

§ 11 Umwelt e Medo

§ 12 A Bulimia

§ 13 O Epoché Multicultural

§ 14 Essencialismo e Demonização do Outro

§ 15 Demonização e Beatificação

§ 16 A Desmistificação da Tolerância Zero

§ 17 Falácias da Tolerância Zero

§ 18 Meritocracia, Desigualdade e Família

§ 19 Combater a Criminalidade

§ 20 Desafios da Modernidade Recente

VIII - O PENSAMENTO DE GÜNTHER JAKOBS - DIREITO PENAL DO INIMIGO

§ 1º Introdução

§ 2º Direito Penal do Cidadão e Direito Penal do Inimigo

§ 3º Cidadãos e Inimigos

§ 4º Processo, Garantia e Expectativas

§ 5º Direito Penal Simbólico e Punitivismo

§ 6º Direito Penal do Inimigo

IX - O PENSAMENTO DE LOUK HULSMAN - PENAS PERDIDAS

§ 1º Demolindo Mitos

§ 2º Deslegitimando o Sistema Penal

§ 3º Processo Fictício

§ 4º A Abolição do Sistema Penal

§ 5º Poema de Castro Alves

§ 6º O Rótulo do Crime

§ 7º Diferenças, Violência e Estatísticas

X - O PENSAMENTO DE LOÏC WACQUANT - PUNIR OS POBRES

§ 1º Introdução

§ 2º Evolução da Penalidade na Escalada do Neoliberalismo

§ 3º Panorama da Abordagem Punitiva

§ 4º O Estado Híbrido

§ 5º Recuo Assistencialista e Avanço Punitivo

§ 6º Críticas à Reforma Social dos EUA de 1996

§ 7º Efeitos da Reforma Americana de 1996

§ 8º Fatores do Aumento da Demografia Carcerária

§ 9º Tolerância Zero

§ 10 Como Abolir a Prisão

XI - O PENSAMENTO DE ROSA DEL OLMO - A AMÉRICA LATINA E SUA CRIMINOLOGIA

§ 1º Introdução

§ 2º Importaçãodo Saber

§ 3º A Penitenciária, o Código Penal e a Criminologia

§ 4º Gabinetes de Identificaçãoe Institutos de Criminologia

§ 5º Congressos

§ 6º Defesa Social

XII - O PENSAMENTO DE LOLA ANIYAR DE CASTRO - CRIMINOLOGIA DA LIBERTAÇÃO

§ 1º Introdução

§ 2º Função Legitimadora da Criminologia

§ 3º Surgimento da Criminologia da Libertação

§ 4º O Método

XIII - O PENSAMENTO DE ANTONIO BERISTAIN - NOVA CRIMINOLOGIA À LUZ DO DIREITO PENAL E DA VITIMOLOGIA

§ 1º Religião, Arte e Voluntariado

§ 2º Ainda o Voluntariado

§ 3º Revendo o Talião

§ 4º O Perdão

§ 5º Criminologia Pós-Moderna

§ 6º Desafios da Vitimologia

§ 7º A Predisposição de Ser Vítima

§ 8º Justiça Recriadora

§ 9º Cartas de Princípios dos Modelos de Justiça Penal

XIV - O PENSAMENTO DE HANNAH ARENDT SOBRE A VIOLÊNCIA

§ 1º O Suicídio Universal

§ 2º Novos Riscos Antigos

§ 3º Violência X Poder

§ 4º Um Acordo Semântico Necessário

§ 5º A Razão Violenta ou a Violência Racional

§ 6º Violência Orgânica

XV - O PENSAMENTO DE JUAREZ CIRINO DOS SANTOS - A CRIMINOLOGIA RADICAL

§ 1º Introdução

§ 2º Pressupostos Criminológicos à Criminologia Radical

§ 3º Modo de Produção e Sistema de Punição

§ 4º Conceito Proletário de Crime

§ 5º Matrizes Teóricas da Criminologia Radical

§ 6º Origens, Características e Funções da Prisão

§ 7º O Marxismo Aplicado à Teoria Geral do Direito

§ 8º Política Criminal Alternativa da Criminologia Radical

XVI - O PENSAMENTO DE NILO BATISTA - INTRODUÇÃO CRÍTICA AO DIREITO PENAL BRASILEIRO

§ 1º Introdução

§ 2º Criminologia e Política Criminal

§ 3º Direito Penal como Direito Público

§ 4º A Expressão "Direito Penal"

§ 5º A Missão do Direito Penal

XVII - OUTROS PENSAMENTOS

§ 1º Claus Roxin - Sobre o Futuro do Direito Penal

§ 2º Amilton Bueno de Carvalho Direito Alternativo

§ 3º Luigi Ferrajoli - Conceito de Garantismo

§ 4º Luigi Ferrajoli - Modelos de Direito Penal

§ 5º Luigi Ferrajoli - As Doutrinas Abolicionistas

§ 6º Winfried Hassemer - A Abolição do Direito Penal

§ 7º Alessandro de Giorgi -O Governo da Miséria

§ 8º Garofalo, Lombroso e Ferri - A Criminologia Positivista

§ 9º Ferrajoli e Hulsman - Garantismo ou Abolicionismo?

§ 10 Zaffaroni - O Inimigo no Direito Penal

§ 11 Rotina

§ 12 Figueiredo Dias - Sociedade de Risco

§ 13 Ulrich Beck - Sociedade de Risco

§ 14 Ulrich Beck II - Sociedade do Risco

§ 15 Zygmunt Bauman - Modernidade Líquida

§ 16 Zygmunt Bauman - Do Moderno ao Pós-Moderno

§ 17 Erich Fromm - O Caráter Social

§ 18 René Ariel Dotti - Movimento Antiterror

§ 19 René Ariel Dotti - Movimento Antiterror II

§ 20 Zaffaroni, Batista, Alagia e Slokar - Conceito de Direito Penal

§ 21 Zaffaroni, Batista, Alagia e Slokar - Criminalização Primária e Secundária

§ 22 Zaffaroni, Batista, Alagia e Slokar - Criminalização Secundária e Vitimização

§ 23 Zaffaroni, Batista, Alagia e Slokar - Função Política da Seleção Policizante e da Imagem Bélica

§ 24 Zaffaroni, Batista, Alagia e Slokar - Sistema Penal e Poder

§ 25 Zaffaroni, Batista, Alagia e Slokar - Relações entre Sistema Penal e Dados Sociais

§ 26 Zaffaroni, Batista, Alagia e Slokar - Encruzilhadas Teóricas

§ 27 Sérgio Salomão Shecaira - Direito Penal e Globalização

§ 28 Augusto Thompson - O Futuro da Criminologia

§ 29 Rodrigo Sánchez Rios - Criminologia e Delinquência Econômica

REFERÊNCIAS

Índice alfabético

A

  • A América Latina e sua criminologia. Pensamento de Rosa Del Olmo
  • A abolição do Direito Penal. Winfried Hassemer
  • A criminologia positivista. Garofalo, Lombroso e Ferri
  • A criminologia radical. Pensamentode Juarez Cirino dos Santos
  • A expansão do Direito Penal. Pensamento de Jesús-María Silva Sánchez.
  • A pena de prisão. Georg Rusche eOtto Kirchheimer. Pensamento
  • A política criminal de classes no sistema carcerário. Georg Rusche e Otto Kirchheimer. Pensamento
  • A sanção normalizadora. Michel Foucault. Pensamento.
  • A sociedade excludente. Pensamento de Jock Young
  • Abolição da deportação I. Georg Rusche e Otto Kirchheimer. Pensamento
  • Abolição da deportação II. Georg Rusche e Otto Kirchheimer. Pensamento
  • Abolição do sistema penal. Louk Hulsman. Pensamento.
  • Abolicionismo. As doutrinas abolicionistas. Luigi Ferrajoli.
  • Abolicionismo. Eugenio RaúlZaffaroni. Pensamento
  • Abolicionismo ou garantismo? Ferrajoli e Hulsman.
  • Abordagem punitiva. Panorama. Loïc Wacquant. Pensamento.
  • Acordo semântico necessário. Hannah Arendt. Pensamento.
  • Administração da pobreza. Georg Rusche e Otto Kirchheimer. Pensamento.
  • Administrativização do Direito Penal. Jesús-María Silva Sánchez. Pensamento.
  • Agência judicial. Responsabilidade da agência judicial. Eugenio Raúl Zaffaroni. Pensamento.
  • Agência não judicial. Papel da mídia na conservação das agências não judiciais. Eugenio Raúl Zaffaroni. Pensamento.
  • Ainda o voluntariado. AntonioBeristain. Pensamento.
  • Alagia. Zaffaroni, Batista, Alagia e Slokar. Criminalização primária e secundária
  • Alagia. Zaffaroni, Batista, Alagia e Slokar. Criminalização secundária e vitimização
  • Alagia. Zaffaroni, Batista, Alagia e Slokar. Encruzilhadas teóricas.
  • Alagia. Zaffaroni, Batista, Alagia e Slokar. Função política da seleção policizante e da imagem bélica.
  • Alagia. Zaffaroni, Batista, Alagia e Slokar. Relações entre sistema penal e dados sociais.
  • Alessandro Baratta. Pensamento. Capitalismo e criminologia crítica
  • Alessandro Baratta. Pensamento. Cárcere e fábrica
  • Alessandro Baratta. Pensamento. Cesare Lombroso
  • Alessandro Baratta. Pensamento. Conclusões
  • Alessandro Baratta. Pensamento. Criminologia crítica
  • Alessandro Baratta. Pensamento. Criminologia crítica e crítica do Direito Penal.
  • Alessandro Baratta. Pensamento. Criminologia liberal contemporânea e concepções patológicas
  • Alessandro Baratta. Pensamento. Crítica à criminologia liberal
  • Alessandro Baratta. Pensamento. Crítica ao Direito Penal I
  • Alessandro Baratta. Pensamento. Crítica ao Direito Penal II
  • Alessandro Baratta. Pensamento. Críticas às teorias do conflito.
  • Alessandro Baratta. Pensamento. Escola liberal clássica
  • Alessandro Baratta. Pensamento. Francesco Carrara
  • Alessandro Baratta. Pensamento. Introdução
  • Alessandro Baratta. Pensamento. Microssociologia, macrossociologia e criminologia positivista
  • Alessandro Baratta. Pensamento. Política criminal alternativa
  • Alessandro Baratta. Pensamento. Reais funções da pena.
  • Alessandro Baratta. Pensamento. Recepção Alemã doLabeling Approach I
  • Alessandro Baratta. Pensamento. Recepção Alemã doLabeling Approach II.
  • Alessandro Baratta. Pensamento. Recepção Alemã doLabeling Approach III.
  • Alessandro Baratta. Pensamento. Sistema penal e sistema escolar I.
  • Alessandro Baratta. Pensamento. Sistema penal e sistema escolar II.
  • Alessandro Baratta. Pensamento. Sociologia jurídica e sociologia jurídico-penal.
  • Alessandro Baratta. Pensamento. Teoria do Labeling Approach I.
  • Alessandro Baratta. Pensamento. Teoria do Labeling Approach II.
  • Alessandro Baratta. Pensamento. Teoria do Labeling Approach III
  • Alessandro Baratta. Pensamento. Teorias da ideologia da defesa social.
  • Alessandro Baratta. Pensamento. Teorias das subculturas criminais
  • Alessandro Baratta. Pensamento. Teorias das técnicas de neutralização
  • Alessandro Baratta. Pensamento. Teorias do Conflito I.
  • Alessandro Baratta. Pensamento. Teorias do Conflito II
  • Alessandro Baratta. Pensamento. Teorias do Conflito III
  • Alessandro Baratta. Pensamento. Teorias do Conflito IV.
  • Alessandro Baratta. Pensamento. Teorias funcionalistas I.
  • Alessandro Baratta. Pensamento. Teorias funcionalistas II.
  • Alessandro Baratta. Pensamento. Teorias psicanalíticas.
  • Alessandro de Giorgi. O governo da Miséria
  • Aligia. Zaffaroni, Batista, Alagia eSlokar. Sistema penal e poder
  • América Latina. As três revoluções da América Latina. Eugenio Raúl Zaffaroni. Pensamento
  • Amilton Bueno de Carvalho. Direito alternativo.
  • Antagonismo. Falsos papéis e antagonismos criados. Eugenio Raúl Zaffaroni. Pensamento
  • Antiterror. Movimento antiterror. René Ariel Dotti.
  • Antonio Beristain. Pensamento. A predisposição de ser vítima
  • Antonio Beristain. Pensamento. Ainda o voluntariado
  • Antonio Beristain. Pensamento. Cartas de princípios dos modelos de Justiça Penal
  • Antonio Beristain. Pensamento.Criminologia pós-moderna
  • Antonio Beristain. Pensamento.Desafios da vitimologia
  • Antonio Beristain. Pensamento. Justiça recriadora
  • Antonio Beristain. Pensamento. Nova criminologia à luz do Direito Penal e da vitimologia
  • Antonio Beristain. Pensamento. O perdão.
  • Antonio Beristain. Pensamento. Religião, arte e voluntariado
  • Antonio Beristain. Pensamento. Revendo o Talião
  • Apogeu e decadência da fiança. Georg Rusche e Otto Kirchheimer. Pensamento.
  • Apogeu e decadência dossuplícios. Michel Foucault. Pensamento.
  • As doutrinas abolicionistas. Luigi Ferrajoli.
  • As galés. Georg Rusche e Otto Kirchheimer. Pensamento.
  • As três revoluções da América Latina. Eugenio Raúl Zaffaroni. Pensamento.
  • Assistencialismo. Recuo assistencialista e avanço punitivo. Loïc Wacquant. Pensamento.
  • Augusto Thompson. O futuro da criminologia.
  • Aumento da criminalidade e do rigor punitivo. Georg Rusche e Otto Kirchheimer. Pensamento.
  • Autoria. Execução penal e Direito Penal de autor. Michel Foucault. Pensamento.
  • Avanço punitivo. Recuo assistencialista e avanço punitivo. Loïc Wacquant. Pensamento.
  • Avanço tecnológico. Efeitos positivos e negativos do avanço tecnológico. Eugenio Raúl Zaffaroni. Pensamento.

B

  • Batista. Zaffaroni, Batista, Alagia e Slokar. Criminalização primária e secundária
  • Batista. Zaffaroni, Batista, Alagia e Slokar. Criminalização secundária e vitimização
  • Batista. Zaffaroni, Batista, Alagia eSlokar. Encruzilhadas teóricas
  • Batista. Zaffaroni, Batista, Alagia e Slokar. Função política da seleção policizante e da imagem bélica.
  • Batista. Zaffaroni, Batista, Alagia e Slokar. Relações entre sistema penal e dados sociais.
  • Batista. Zaffaroni, Batista, Alagia eSlokar. Sistema penal e poder
  • Beatificação e demonização. Jock Young. Pensamento.
  • Breve relato histórico do século XV. Georg Rusche e Otto Kirchheimer. Pensamento
  • Bridewell e Rasp-Huis. Dario Melossi e Massimo Pavarini. Pensamento
  • Bulimia. Jock Young. Pensamento.

C

  • Capitalismo. Bases para a decolagem capitalista. Dario Melossi e Massimo Pavarini. Pensamento
  • Capitalismo e criminologia crítica. Alessandro Baratta. Pensamento
  • Características comuns aos modelos penitenciários. Dario Melossi e Massimo Pavarini. Pensamento
  • Caráter científico da criminologia.
  • Caráter social.Erich Fromm
  • Carcerário. Michel Foucault. Pensamento.
  • Cárcere. Função do cárcere. Dario Melossi e Massimo Pavarini. Pensamento
  • Cárcere e fábrica. Alessandro Baratta. Pensamento
  • Cárcere e fábrica. Pensamento de Dario Melossi e Massimo Pavarini.
  • Carruagem panóptica. Michel Foucault. Pensamento
  • Cartas de princípios dos modelos de Justiça Penal. Antonio Beristain. Pensamento
  • Casa de correção. Constatações sobre as casas de correção. Georg Rusche e Otto Kirchheimer. Pensamento.
  • Casa de correção. Disciplina. Dario Melossi e Massimo Pavarini. Pensamento.
  • Casa de correção. Expansão. Dario Melossi e Massimo Pavarini. Pensamento.
  • Casa de correção. Surgimento. GeorgRusche e Otto Kirchheimer. Pensamento.
  • Cesare Lombroso. Alessandro Baratta. Pensamento
  • Cidadãos. Direito Penal do cidadão e Direito Penal do inimigo. Günther Jakobs. Pensamento.
  • Cidadãos e inimigos. Günther Jakobs. Pensamento
  • Claus Roxin. Sobre o futuro do Direito Penal
  • Código Penal. Penitenciária, Código Penal e criminologia. Rosa Del Olmo.
  • Colapso do sistema manufatureiro. Dario Melossi e Massimo Pavarini. Pensamento.
  • Combater a criminalidade. Jock Young. Pensamento
  • Conceito de Direito Penal. Zaffaroni, Batista, Alagia e Slokar
  • Conceito de criminologia
  • Conceito de garantismo. Luigi Ferrajoli.
  • Conceito de pena. Eugenio Raúl Zaffaroni. Pensamento
  • Conceito de realismo e conceito de marginal. Eugenio Raúl Zaffaroni. Pensamento.
  • Conceito de suplício e processo criminal. Michel Foucault. Pensamento
  • Conceito proletário de crime. JuarezCirino dos Santos. Pensamento.
  • Conclusões. Alessandro Baratta. Pensamento
  • Condenado. O endurecimento das penas e a condição social do condenado. Georg Rusche e Otto Kirchheimer. Pensamento
  • Conduta e tipicidade. Eugenio Raúl Zaffaroni. Pensamento
  • Confinamento solitário na Europa. Georg Rusche e Otto Kirchheimer. Pensamento.
  • Confinamento solitário nos Estados Unidos. Georg Rusche e Otto Kirchheimer. Pensamento.
  • Confissão e tortura. MichelFoucault. Pensamento
  • Congressos. Rosa Del Olmo.
  • Consagração da pena de prisão. Georg Rusche e Otto Kirchheimer. Pensamento.
  • Constatações sobre as casas de correção. Georg Rusche e Otto Kirchheimer. Pensamento.
  • Controle social e impulso industrial. Dario Melossi e Massimo Pavarini. Pensamento.
  • Crime. Conceito proletário de crime. Juarez Cirino dos Santos. Pensamento
  • Crime. Inexistência do crime. Eugenio Raúl Zaffaroni. Pensamento.
  • Crime. Rótulo do crime. Louk Hulsman. Pensamento
  • Criminalidade. Aumento da criminalidade e do rigor punitivo. Georg Rusche e Otto Kirchheimer. Pensamento.
  • Criminalidade. Combater a criminalidade. Jock Young. Pensamento.
  • Criminalidade e guerra. Georg Rusche eOtto Kirchheimer. Pensamento
  • Criminalização. Universidade, criminalização e policização. Eugenio Raúl Zaffaroni. Pensamento
  • Criminalização primária e secundária. Zaffaroni, Batista, Alagia e Slokar.
  • Criminalização secundária e vitimização. Zaffaroni, Batista, Alagia e Slokar
  • Criminologia. Caráter científico.
  • Criminologia. Conceito
  • Criminologia. Crise. Jock Young. Pensamento.
  • Criminologia. Função legitimadora. Lola Aniyar de Castro. Pensamento
  • Criminologia. Gabinetes de identificação e institutos de criminologia. Rosa Del Olmo.
  • Criminologia. Localização
  • Criminologia. Nova criminologia à luz do Direito Penal e da vitimologia. Pensamento de Antonio Beristain
  • Criminologia. O futuro da criminologia. Augusto Thompson.
  • Criminologia. Objeto.
  • Criminologia. Penitenciária, Código Penal e criminologia. Rosa Del Olmo.
  • Criminologia. Pressupostos criminológicos à criminologia radical. Juarez Cirino dos Santos. Pensamento
  • Criminologia. Teoria geral
  • Criminologia crítica. Alessandro Baratta. Pensamento
  • Criminologia crítica e capitalismo. Alessandro Baratta. Pensamento
  • Criminologia crítica e crítica do Direito Penal. Pensamento de Alessandro Baratta
  • Criminologia da libertação. Pensamento de Lola Aniyar de Castro.
  • Criminologia da libertação. Surgimento. Lola Aniyar de Castro. Pensamento.
  • Criminologia e delinquência econômica. Rodrigo Sánchez Rios.
  • Criminologia e política criminal. Nilo Batista. Pensamento
  • Criminologia liberal contemporânea e concepções patológicas. Alessandro Baratta. Pensamento
  • Criminologia pós-moderna. Antonio Beristain. Pensamento
  • Criminologia positivista. Garofalo, Lombroso e Ferri
  • Criminologia positivista. Microssociologia, macrossociologia e criminologia positivista. Alessandro Baratta. Pensamento
  • Criminologia radical. Matrizes teóricas. Juarez Cirino dos Santos. Pensamento.
  • Criminologia radical. Pensamento de Juarez Cirino dos Santos.
  • Criminologia radical. Política criminal lternativa da criminologia radical. Juarez Cirino dos Santos. Pensamento
  • Crise da criminologia. Jock Young. Pensamento
  • Crítica à criminologia liberal. Alessandro Baratta. Pensamento
  • Crítica ao Direito Penal I. Alessandro Baratta. Pensamento
  • Crítica ao Direito Penal II. Alessandro Baratta. Pensamento
  • Crítica às Teorias do Conflito. Alessandro Baratta. Pensamento
  • Críticas à reforma social dos EUA de1996. Loïc Wacquant. Pensamento
  • Críticas e princípios da prisão.Michel Foucault. Pensamento
  • Culpabilidade. Inexistência. EugenioRaúl Zaffaroni. Pensamento.
  • Culpabilidade como vulnerabilidade. Eugenio Raúl Zaffaroni. Pensamento.

D

  • Da fiança à prisão. Georg Rusche e Otto Kirchheimer. Pensamento
  • Dario Melossi. Pensamento de Dario Melossi e Massimo Pavarini. Cárcere e fábrica
  • Dario Melossi e Massimo Pavarini. Pensamento. A New Poor Law.
  • Dario Melossi e Massimo Pavarini. Pensamento. A disciplina nas casas de correção
  • Dario Melossi e Massimo Pavarini. Pensamento. A expansão das casas de correção
  • Dario Melossi e Massimo Pavarini. Pensamento. A experiência norte-americana
  • Dario Melossi e Massimo Pavarini. Pensamento. A família colonial dos Estados Unidos.
  • Dario Melossi e Massimo Pavarini. Pensamento. Apresentação crítica.
  • Dario Melossi e Massimo Pavarini. Pensamento. Bases para a decolagem capitalista.
  • Dario Melossi e Massimo Pavarini. Pensamento. Bridewell e Rasp-Huis
  • Dario Melossi e Massimo Pavarini. Pensamento. Características comuns aos modelos penitenciários.
  • Dario Melossi e Massimo Pavarini. Pensamento. Do modelo feudal para o modelo burguês
  • Dario Melossi e Massimo Pavarini. Pensamento. Dois modelos de penitenciária.
  • Dario Melossi e Massimo Pavarini. Pensamento. Exploração do trabalho penitenciário.
  • Dario Melossi e Massimo Pavarini. Pensamento. Função do cárcere
  • Dario Melossi e Massimo Pavarini. Pensamento. Impulso industrial e controle social
  • Dario Melossi e Massimo Pavarini. Pensamento. Introdução
  • Dario Melossi e Massimo Pavarini. Pensamento. O colapso do sistema manufatureiro
  • Dario Melossi e Massimo Pavarini. Pensamento. O panótico.
  • Dario Melossi e Massimo Pavarini. Pensamento. O pensamento de Jean-Paul Marat
  • Dario Melossi e Massimo Pavarini. Pensamento. Os relatos de John Howard.
  • Decadência dos suplícios. Michel Foucault. Pensamento
  • Decadência e apogeu da fiança. Georg Rusche e Otto Kirchheimer. Pensamento
  • Declínio e apogeu da prisão. Georg Rusche e Otto Kirchheimer. Pensamento.
  • Defesa social. Rosa Del Olmo.
  • Defesa social. Teorias da ideologia da defesa social. Alessandro Baratta. Pensamento
  • Déficit ou privação relativa. Jock Young. Pensamento
  • Delinquência e prisão. Michel Foucault. Pensamento.
  • Delinquência econômica e criminologia. Rodrigo Sánchez Rios.
  • Delitos de acumulação. Paradigma. Jesús-María Silva Sánchez. Pensamento.
  • Demografia carcerária. Fatores do aumento da demografia carcerária. Loïc Wacquant. Pensamento.
  • Demolindo mitos. Louk Hulsman. Pensamento
  • Demonização do outro e essencialismo.Jock Young. Pensamento.
  • Demonização e beatificação. Jock Young. Pensamento.
  • Deportação. Abolição da deportação I. Georg Rusche e Otto Kirchheimer. Pensamento.
  • Deportação. Abolição da deportação II . Georg Rusche e Otto Kirchheimer. Pensamento.
  • Deportação. Georg Rusche e OttoKirchheimer. Pensamento.
  • Desafios da modernidade recente. Jock Young. Pensamento.
  • Desafios da vitimologia. Antonio Beristain. Pensamento
  • Desigualdade. Meritocracia, desigualdade e família. Jock Young. Pensamento.
  • Deslegitimação do Direito Penal a partir dos direitos humanos. Eugenio Raúl Zaffaroni. Pensamento
  • Deslegitimando o sistema penal. Louk Hulsman. Pensamento
  • Desmistificação da tolerância zero. Jock Young. Pensamento.
  • Diferença e dificuldade. Jock Young. Pensamento
  • Diferenças, violência e estatísticas. Louk Hulsman. Pensamento
  • Dificuldade e diferença. Jock Young. Pensamento
  • Direito Penal. A abolição do Direito Penal. Winfried Hassemer
  • Direito Penal. Conceito. Zaffaroni, Batista, Alagia e Slokar.
  • Direito Penal. Criminologia crítica e crítica do Direito Penal. Pensamento de Alessandro Baratta.
  • Direito Penal. Deslegitimação do Direito Penal a partir dos direitos humanos. Eugenio Raúl Zaffaroni. Pensamento
  • Direito Penal. Execução penal e Direito Penal de autor. Michel Foucault. Pensamento.
  • "Direito Penal". Expressão. Nilo Batista. Pensamento.
  • Direito Penal. Globalização do Direito Penal. Jesús-María Silva Sánchez. Pensamento.
  • Direito Penal. Introdução crítica ao Direito Penal brasileiro. Pensamento de Nilo Batista.
  • Direito Penal. Missão. Jesús-María Silva Sánchez. Pensamento
  • Direito Penal. Missão. Nilo Batista. Pensamento.
  • Direito Penal. Modelos. Luigi Ferrajoli
  • Direito Penal. Nova criminologia à luz do Direito Penal e da vitimologia. Pensamento de Antonio Beristain
  • Direito Penal. O inimigo no Direito Penal. Zaffaroni
  • Direito Penal. Reetização. EugenioRaúl Zaffaroni. Pensamento
  • Direito Penal. Sobre o futuro do Direito Penal. Claus Roxin.
  • Direito Penal. Terceira velocidade. Jesús-María Silva Sánchez. Pensamento.
  • Direito Penal como Direito Público. Nilo Batista. Pensamento
  • Direito Penal do cidadão e Direito Penal do inimigo. Günther Jakobs. Pensamento
  • Direito Penal do inimigo. Günther Jakobs. Pensamento
  • Direito Penal do inimigo. Pensamento de Günther Jakobs.
  • Direito Penal e globalização.Sérgio Salomão Shecaira.
  • Direito Penal fascista. Georg Rusche e Otto Kirchheimer. Pensamento
  • Direito Penal fascista. Efeitos. Georg Rusche e Otto Kirchheimer. Pensamento.
  • Direito Penal simbólico e punitivismo. Günther Jakobs. Pensamento
  • Direito Público. Direito Penal como Direito Público. Nilo Batista. Pensamento.
  • Direito. Uso alternativo do Direito. Eugenio Raúl Zaffaroni. Pensamento
  • Direito alternativo. Amilton Bueno de Carvalho.
  • Direitos Humanos. Deslegitimação do Direito Penal a partir dos direitos humanos. Eugenio Raúl Zaffaroni. Pensamento
  • Disciplina. Relações entre disciplina, tempo e força. Michel Foucault. Pensamento
  • Disciplina. Resumo sobre a disciplina. Michel Foucault. Pensamento
  • Disciplina nas casas de correção. Dario Melossi e Massimo Pavarini. Pensamento
  • Discurso jurídico-penal. Empobrecimento teórico. Eugenio Raúl Zaffaroni. Pensamento
  • Discurso legitimante. Elementos Eugenio Raúl Zaffaroni. Pensamento
  • Discurso sistêmico. Eugenio Raúl Zaffaroni. Pensamento.
  • Distribuição do espaço disciplinar.Michel Foucault. Pensamento
  • Distribuição do tempo disciplinar.Michel Foucault. Pensamento
  • Dois modelos de penitenciária. Dario Melossi e Massimo Pavarini. Pensamento.
  • Doutrinas abolicionistas. Luigi Ferrajoli
  • Duas constatações sobre as casas de correção. Georg Rusche e Otto Kirchheimer. Pensamento.
  • Duas regras finais de uma semiotécnica da pena. Michel Foucault. Pensamento.
  • Duas velocidades do Direito Penal. Jesús-María Silva Sánchez. Pensamento.

E

  • Efeitos da reforma americana de 1996. Loïc Wacquant. Pensamento.
  • Efeitos da revolução industrial na prisão. Georg Rusche e Otto Kirchheimer. Pensamento.
  • Efeitos do Direito Penal fascista. Georg Rusche e Otto Kirchheimer. Pensamento.
  • Efeitos positivos e negativos do avanço tecnológico. Eugenio Raúl Zaffaroni. Pensamento.
  • Elementos do discurso legitimante. Eugenio Raúl Zaffaroni. Pensamento
  • Em busca das penas perdidas. Pensamento de Eugenio Raúl Zaffaroni.
  • Empobrecimento teórico do discurso jurídico-penal. Eugenio Raúl Zaffaroni. Pensamento.
  • Encruzilhadas teóricas. Zaffaroni, Batista, Alagia e Slokar
  • Epoché multicultural. Jock Young. Pensamento
  • Erich Fromm. O caráter social.
  • Escola Liberal Clássica. Alessandro Baratta. Pensamento
  • Escola. Sistema penal e sistema escolar I. Alessandro Baratta. Pensamento
  • Escola. Sistema penal e sistema escolar II. Alessandro Baratta. Pensamento.
  • Espaço disciplinar. Distribuição. Michel Foucault. Pensamento.
  • Esquerda punitiva. Jesús-María Silva Sánchez. Pensamento
  • Essencialismo e demonização do outro.Jock Young. Pensamento.
  • Estado híbrido. Loïc Wacquant. Pensamento.
  • Estatística. Diferenças, violência e estatísticas. Louk Hulsman. Pensamento.
  • Estrutura social e punição. Pensamento de Georg Rusche e Otto Kirchheimer.
  • Eu. O outro sou eu. Jock Young. Pensamento.
  • Eugenio Raúl Zaffaroni. Pensamento. A ilegalidade do sistema.
  • Eugenio Raúl Zaffaroni. Pensamento. A inexistência do crime
  • Eugenio Raúl Zaffaroni. Pensamento. As três revoluções da América Latina
  • Eugenio Raúl Zaffaroni. Pensamento. Conceito de realismo e conceito de marginal.
  • Eugenio Raúl Zaffaroni. Pensamento. Culpabilidade como vulnerabilidade.
  • Eugenio Raúl Zaffaroni. Pensamento. Da conduta e da tipicidade
  • Eugenio Raúl Zaffaroni. Pensamento.Da inexistência de culpabilidade
  • Eugenio Raúl Zaffaroni. Pensamento. Da responsabilidade da agência judicial.
  • Eugenio Raúl Zaffaroni. Pensamento. Deslegitimação do Direito Penal a partir dos direitos humanos
  • Eugenio Raúl Zaffaroni. Pensamento. Efeitos positivos e negativos do avanço tecnológico.
  • Eugenio Raúl Zaffaroni. Pensamento. Elementos do discurso legitimante
  • Eugenio Raúl Zaffaroni. Pensamento. Em busca das penas perdidas.
  • Eugenio Raúl Zaffaroni. Pensamento. Falsos papéis e antagonismos criados
  • Eugenio Raúl Zaffaroni. Pensamento. Guerra e sistema penal.
  • Eugenio Raúl Zaffaroni. Pensamento. Guerra e sistema penal II.
  • Eugenio Raúl Zaffaroni. Pensamento. História, política e teoria do realismo marginal
  • Eugenio Raúl Zaffaroni.Pensamento. Introdução.
  • Eugenio Raúl Zaffaroni. Pensamento. O abolicionismo
  • Eugenio Raúl Zaffaroni. Pensamento. O conceito de pena
  • Eugenio Raúl Zaffaroni. Pensamento. O discurso sistêmico.
  • Eugenio Raúl Zaffaroni. Pensamento. O empobrecimento teórico do discurso jurídico-penal.
  • Eugenio Raúl Zaffaroni. Pensamento. O papel da mídia na conservação das agências não judiciais.
  • Eugenio Raúl Zaffaroni. Pensamento. O uso alternativo do direito
  • Eugenio Raúl Zaffaroni. Pensamento. Objetivos político-criminais do realismo marginal e táticas para alcançá-los
  • Eugenio Raúl Zaffaroni. Pensamento.Painel de teorias deslegitimantes
  • Eugenio Raúl Zaffaroni. Pensamento. Personagens e funções das garantias
  • Eugenio Raúl Zaffaroni. Pensamento. Pessimismo ou otimismo
  • Eugenio Raúl Zaffaroni. Pensamento. Princípios.
  • Eugenio Raúl Zaffaroni. Pensamento. Reação legitimante
  • Eugenio Raúl Zaffaroni. Pensamento. Reetização do Direito Penal.
  • Eugenio Raúl Zaffaroni. Pensamento. Saberversus poder.
  • Eugenio Raúl Zaffaroni. Pensamento. Sistema penal e guerra.
  • Eugenio Raúl Zaffaroni. Pensamento. Teorias realistas versus teorias idealistas
  • Eugenio Raúl Zaffaroni. Pensamento. Universidade, criminalização e policização.
  • Evolução da penalidade na escalada do neoliberalismo. Loïc Wacquant. Pensamento.
  • Evolução histórica do sistema punitivo. Georg Rusche e Otto Kirchheimer. Pensamento.
  • Execução e funções do suplício. Michel Foucault. Pensamento
  • Execução penal e Direito Penal de autor. Michel Foucault. Pensamento.
  • Expansão das casas de correção. Dario Melossi e Massimo Pavarini. Pensamento.
  • Expansão do Direito Penal. Pensamento de Jesús-María Silva Sánchez.
  • Expansionismo penal. Globalização e integração como multiplicadores do expansionismo penal. Jesús-MaríaSilva Sánchez. Pensamento.
  • Experiência norte-americana. Dario Melossi e Massimo Pavarini. Pensamento.
  • Exploração do trabalho penitenciário. Dario Melossi e Massimo Pavarini. Pensamento.
  • Expressão "Direito Penal". Nilo Batista. Pensamento.

F

  • Fábrica e cárcere. Alessandro Baratta. Pensamento
  • Fascismo. Direito Penal fascista. Georg Rusche e Otto Kirchheimer. Pensamento
  • Falácias da tolerância zero.Jock Young. Pensamento
  • Falsos papéis e antagonismos criados. Eugenio Raúl Zaffaroni. Pensamento.
  • Família. Meritocracia, desigualdade e família. Jock Young. Pensamento
  • Família colonial dos Estados Unidos. Dario Melossi e Massimo Pavarini. Pensamento
  • Fatores da revolução social pós-moderna. Jock Young. Pensamento
  • Fatores do aumento da demografia carcerária. Loïc Wacquant. Pensamento.
  • Ferrajoli e Hulsman. Garantismo ou abolicionismo?
  • Ferri. Garofalo, Lombroso e Ferri. A criminologia positivista.
  • Fiança. Ainda sobre a fiança. GeorgRusche e Otto Kirchheimer. Pensamento.
  • Fiança. Apogeu e decadência da fiança. Georg Rusche e Otto Kirchheimer. Pensamento
  • Fiança à prisão. Georg Rusche e Otto Kirchheimer. Pensamento
  • Figueiredo Dias. Sociedade de risco
  • Força. Relações entre disciplina, tempo e força. Michel Foucault. Pensamento.
  • Formalidade e minimalismo. Jesús-María Silva Sánchez. Pensamento
  • Francesco Carrara. Alessandro Baratta. Pensamento
  • Função do cárcere. Dario Melossi eMassimo Pavarini. Pensamento
  • Função legitimadora da criminologia. Lola Aniyar de Castro. Pensamento
  • Função política da seleção policizante e da imagem bélica. Zaffaroni Batista, Alagia e Slokar.
  • Fundamentos do novo sistema. Michel Foucault. Pensamento
  • Futuro da criminologia. Augusto Thompson.

G

  • Gabinetes de identificação e institutosde criminologia. Rosa Del Olmo.
  • Galés. Georg Rusche e Otto Kirchheimer. Pensamento
  • Garantia. Processo, garantia e expectativas. Günther Jakobs. Pensamento.
  • Garantias. Personagens e funções das garantias. Eugenio Raúl Zaffaroni. Pensamento.
  • Garantias. Rigor das punições e o grau das garantias. Jesús-María Silva Sánchez. Pensamento
  • Garantias processuais. Georg Rusche e Otto Kirchheimer. Pensamento.
  • Garantismo. Conceito de garantismo. Luigi Ferrajoli
  • Garantismo ou abolicionismo? Ferrajoli e Hulsman
  • Garofalo, Lombroso e Ferri. A criminologia positivista
  • Georg Rusche. Pensamento de Georg Rusche e Otto Kirchheimer. Punição e estrutura social.
  • Georg Rusche e Otto Kirchheimer. Pensamento. A administração da pobreza
  • Georg Rusche e Otto Kirchheimer. Pensamento. A pena de prisão
  • Georg Rusche e Otto Kirchheimer. Pensamento. A política criminal de classes no sistema carcerário
  • Georg Rusche e Otto Kirchheimer. Pensamento. Abolição da deportação II.
  • Georg Rusche e Otto Kirchheimer. Pensamento. Abolição da deportação I
  • Georg Rusche e Otto Kirchheimer. Pensamento. Ainda sobre a fiança
  • Georg Rusche e Otto Kirchheimer. Pensamento. Apogeu e decadência da fiança
  • Georg Rusche e Otto Kirchheimer. Pensamento. As galés.
  • Georg Rusche e Otto Kirchheimer. Pensamento. Aumento da criminalidade e do rigor punitivo
  • Georg Rusche e Otto Kirchheimer. Pensamento. Breve relato histórico do século XV.
  • Georg Rusche e Otto Kirchheimer. Pensamento. Confinamento solitário na Europa
  • Georg Rusche e Otto Kirchheimer. Pensamento. Confinamento solitário nos Estados Unidos
  • Georg Rusche e Otto Kirchheimer. Pensamento. Consagração da pena de prisão.
  • Georg Rusche e Otto Kirchheimer. Pensamento. Da fiança à prisão
  • Georg Rusche e Otto Kirchheimer. Pensamento. Declínio e apogeu da prisão
  • Georg Rusche e Otto Kirchheimer. Pensamento. Deportação.
  • Georg Rusche e Otto Kirchheimer. Pensamento. Direito Penal fascista
  • Georg Rusche e Otto Kirchheimer. Pensamento. Duas constatações sobre as casas de correção.
  • Georg Rusche e Otto Kirchheimer. Pensamento. Efeitos da revolução industrial na prisão
  • Georg Rusche e Otto Kirchheimer. Pensamento. Efeitos do Direito Penal fascista.
  • Georg Rusche e Otto Kirchheimer. Pensamento. Evolução histórica do sistema punitivo
  • Georg Rusche e Otto Kirchheimer. Pensamento. Garantias processuais.
  • Georg Rusche e Otto Kirchheimer. Pensamento. Guerra e criminalidade
  • Georg Rusche e Otto Kirchheimer. Pensamento. Introdução.
  • Georg Rusche e Otto Kirchheimer. Pensamento. Mudança de paradigmas. Fins do século XIX.
  • Georg Rusche e Otto Kirchheimer. Pensamento. Mudanças institucionais do fim do mercantilismo.
  • Georg Rusche e Otto Kirchheimer. Pensamento. O crime como doença
  • Georg Rusche e Otto Kirchheimer. Pensamento. O endurecimento das penas e a condição social do condenado
  • Georg Rusche e Otto Kirchheimer. Pensamento. O surgimento da casa de correção
  • Georg Rusche e Otto Kirchheimer. Pensamento. Origens do sistema carcerário
  • Georg Rusche e Otto Kirchheimer. Pensamento. Política criminal e cifras criminais e conclusão
  • Georg Rusche e Otto Kirchheimer. Pensamento. Problemas da pena de prisão.
  • Georg Rusche e Otto Kirchheimer. Pensamento. Revolução industrial
  • Globalização do Direito Penal. Jesús-María Silva Sánchez. Pensamento
  • Globalização e Direito Penal.Sérgio Salomão Shecaira
  • Globalização e integração como multiplicadores do expansionismo penal. Jesús-María Silva Sánchez. Pensamento
  • Globalização e microcriminalidade. Jesús-María Silva Sánchez. Pensamento.
  • Governo da Miséria. Alessandro de Giorgi
  • Grupos da sociedade pós-modernista. Jock Young. Pensamento
  • Guerra e criminalidade. Georg Rusche e Otto Kirchheimer. Pensamento.
  • Guerra e sistema penal. Eugenio Raúl Zaffaroni. Pensamento.
  • Guerra e sistema penal. Eugenio Raúl Zaffaroni. Pensamento.
  • Guerra e sistema penal II. Eugenio Raúl Zaffaroni. Pensamento
  • Günther Jakobs. Pensamento. Cidadãos e inimigos
  • Günther Jakobs. Pensamento. Direito Penal do cidadão e Direito Penal do inimigo
  • Günther Jakobs. Pensamento. Direito Penal do inimigo
  • Günther Jakobs. Pensamento. Direito Penal do inimigo
  • Günther Jakobs. Pensamento. DireitoPenal simbólico e punitivismo
  • Günther Jakobs. Pensamento. Introdução.
  • Günther Jakobs. Pensamento. Processo, garantia e expectativas.

H

  • Hannah Arendt. Pensamento. A razão violenta ou a violência racional
  • Hannah Arendt. Pensamento. Novos riscos antigos
  • Hannah Arendt. Pensamento. O suicídio universal
  • Hannah Arendt. Pensamento. Sobre a violência.
  • Hannah Arendt. Pensamento. Um acordo semântico necessário.
  • Hannah Arendt. Pensamento. Violência orgânica
  • Hannah Arendt. Pensamento. Violência x poder.
  • História, política e teoria do realismo marginal. Eugenio Raúl Zaffaroni. Pensamento.
  • Histórico. Breve relato histórico do século XV. Georg Rusche e Otto Kirchheimer. Pensamento.
  • Histórico. Modelo feudal para o modelo burguês. Dario Melossi e Massimo Pavarini. Pensamento
  • Humanização das penas. Michel Foucault. Pensamento

I

  • Idealismo. Teorias realistas versus teorias idealistas. Eugenio Raúl Zaffaroni. Pensamento
  • Ideologia. Teorias da ideologia da defesa social. Alessandro Baratta. Pensamento
  • Ilegalidade do sistema. Eugenio Raúl Zaffaroni. Pensamento
  • Imagem bélica. Função política da seleção policizante e da imagem bélica. Zaffaroni, Batista, Alagia e Slokar.
  • Importação do saber.Rosa Del Olmo.
  • Impulso industrial e controle social. Dario Melossi e Massimo Pavarini. Pensamento
  • Inexistência de culpabilidade. Eugenio Raúl Zaffaroni. Pensamento.
  • Inexistência do crime. Eugenio Raúl Zaffaroni. Pensamento.
  • Inimigo. Direito Penal do cidadão e Direito Penal do inimigo. Günther Jakobs. Pensamento.
  • Inimigo. Direito Penal do inimigo. Günther Jakobs. Pensamento.
  • Inimigo. Direito Penal do inimigo. Pensamento de Günther Jakobs
  • Inimigo e cidadão. GüntherJakobs. Pensamento
  • Inimigo no Direito Penal. Zaffaroni
  • Inspeção penal. Jesús-María Silva Sánchez. Pensamento
  • Integração. Globalização e integração como multiplicadores do expansionismo penal. Jesús-María Silva Sánchez. Pensamento.
  • Introdução crítica ao Direito Penal brasileiro. Pensamento de Nilo Batista.

J

  • Jean-Paul Marat. Pensamento. Dario Melossi e Massimo Pavarini. Considerações.
  • Jesús-María Silva Sánchez. Pensamento. A administrativização do Direito Penal.
  • Jesús-María Silva Sánchez. Pensamento. A esquerda punitiva
  • Jesús-María Silva Sánchez. Pensamento . A formalidade e o minimalismo
  • Jesús-María Silva Sánchez. Pensamento. A inspeção penal.
  • Jesús-María Silva Sánchez. Pensamento. A missão do Direito Penal
  • Jesús-María Silva Sánchez. Pensamento. A terceira velocidade do Direito Penal.
  • Jesús-María Silva Sánchez. Pensamento. Duas velocidades do Direito Penal.
  • Jesús-María Silva Sánchez. Pensamento . Globalização do Direito Penal
  • Jesús-María Silva Sánchez. Pensamento. Globalização e integração como multiplicadores do expansionismo penal.
  • Jesús-María Silva Sánchez. Pensamento. Globalização e microcriminalidade
  • Jesús-María Silva Sánchez.Pensamento. Introdução.
  • Jesús-María Silva Sánchez. Pensamento. Maioria e vítima.
  • Jesús-María Silva Sánchez. Pensamento. O paradigma dos delitos de acumulação
  • Jesús-María Silva Sánchez. Pensamento. O resgate da neutralização
  • Jesús-María Silva Sánchez. Pensamento. O rigor das punições e o grau das garantias
  • Jesús-María Silva Sánchez. Pensamento. Sociedade do medo
  • Jesús-María Silva Sánchez. Pensamento. Sujeitos passivos.
  • Jock Young. Pensamento. A bulimia.
  • Jock Young. Pensamento. A crise da criminologia
  • Jock Young. Pensamento. A desmistificação da tolerância zero.
  • Jock Young. Pensamento. Combater a criminalidade
  • Jock Young. Pensamento. Déficit ou privação relativa
  • Jock Young. Pensamento. Demonização e beatificação.
  • Jock Young. Pensamento. Desafios da modernidade recente.
  • Jock Young. Pensamento. Diferença e dificuldade
  • Jock Young. Pensamento. Essencialismo e demonização do outro.
  • Jock Young. Pensamento. Falácias da tolerância zero
  • Jock Young. Pensamento. Fatores da revolução social pós-moderna
  • Jock Young. Pensamento. Introdução
  • Jock Young. Pensamento. Meritocracia, desigualdade e família
  • Jock Young. Pensamento. Novos métodos para uma nova realidade.
  • Jock Young. Pensamento. O epoché multicultural.
  • Jock Young. Pensamento. O outro sou eu.
  • Jock Young. Pensamento. O projeto modernista.
  • Jock Young. Pensamento. O projeto pós-modernista.
  • Jock Young. Pensamento. Os grupos da sociedade pós-modernista
  • Jock Young. Pensamento. Umwelt e medo
  • John Howard. Relatos. Dario Melossie Massimo Pavarini. Pensamento
  • Juarez Cirino dos Santos. Pensamento. A criminologia radical
  • Juarez Cirino dos Santos. Pensamento. Conceito proletário de crime.
  • Juarez Cirino dos Santos. Pensamento. Introdução.
  • Juarez Cirino dos Santos. Pensamento. Matrizes teóricas da criminologia radical.
  • Juarez Cirino dos Santos. Pensamento. Modo de produção e sistema de punição
  • Juarez Cirino dos Santos. Pensamento. O marxismo aplicado à Teoria Geral do Direito
  • Juarez Cirino dos Santos. Pensamento. Origens, características e funções da prisão
  • Juarez Cirino dos Santos. Pensamento. Política criminal alternativa da criminologia radical.
  • Juarez Cirino dos Santos. Pensamento. Pressupostos criminológicos à criminologia radical.
  • Justiça penal. Cartas de princípios dos modelos de Justiça Penal. Antonio Beristain. Pensamento
  • Justiça recriadora. Antonio Beristain. Pensamento

L

  • Libertação. Pensamento de Lola Aniyar de Castro. Criminologia da libertação
  • Localização dacriminologia.
  • Lola Aniyar de Castro. Pensamento. Criminologia da libertação.
  • Lola Aniyar de Castro. Pensamento. Função legitimadora da criminologia.
  • Lola Aniyar de Castro. Pensamento. Introdução
  • Lola Aniyar de Castro. Pensamento. O método
  • Lola Aniyar de Castro. Pensamento. Surgimento da criminologia da libertação
  • Lombroso. Garofalo, Lombroso e Ferri. A criminologia positivista
  • Louk Hulsman. Pensamento. A abolição do sistema penal
  • Louk Hulsman. Pensamento. Demolindo mitos
  • Louk Hulsman. Pensamento. Deslegitimando o sistema penal
  • Louk Hulsman. Pensamento. Diferenças, violência e estatísticas
  • Louk Hulsman. Pensamento. O rótulo do crime.
  • Louk Hulsman. Pensamento. Penas perdidas
  • Louk Hulsman. Pensamento. Poema de Castro Alves.
  • Louk Hulsman. Pensamento. Processo fictício.
  • Loïc Wacquant. Pensamento. Como abolir a prisão.
  • Loïc Wacquant. Pensamento. Críticas à reforma social dos EUA de 1996
  • Loïc Wacquant. Pensamento. Efeitos da reforma americana de 1996.
  • Loïc Wacquant. Pensamento. Evolução da penalidade na escalada do neoliberalismo.
  • Loïc Wacquant. Pensamento. Fatores do aumento da demografia carcerária.
  • Loïc Wacquant. Pensamento. Introdução
  • Loïc Wacquant. Pensamento. O Estado híbrido
  • Loïc Wacquant. Pensamento. Panorama da abordagem punitiva
  • Loïc Wacquant. Pensamento. Punir os pobres.
  • Loïc Wacquant. Pensamento. Recuo assistencialista e avanço punitivo
  • Loïc Wacquant. Pensamento. Tolerância zero
  • Luigi Ferrajoli. As doutrinas abolicionistas.
  • Luigi Ferrajoli. Conceito de garantismo.
  • Luigi Ferrajoli. Modelos de Direito Penal.

M

  • Maioria e vítima. Jesús-María S ilva Sánchez. Pensamento
  • Marginal. Conceito de realismo e conceito de marginal. Eugenio Raúl Zaffaroni. Pensamento
  • Marxismo aplicado à Teoria Geral do Direito. Juarez Cirino dos Santos. Pensamento
  • Massimo Pavarini. Pensamento de Dario Melossi e Massimo Pavarini. Cárcere e fábrica.
  • Matrizes teóricas da criminologia radical. Juarez Cirino dos Santos. Pensamento
  • Medo. Sociedade do medo. Jesús-María Silva Sánchez. Pensamento.
  • Medo. Umwelt e medo. Jock Young. Pensamento
  • Mercantilismo. Mudanças institucionais do fim do mercantilismo. Georg Rusche e Otto Kirchheimer. Pensamento.
  • Meritocracia, desigualdade e família. Jock Young. Pensamento
  • Método. Lola Aniyar deCastro. Pensamento.
  • Michel Foucault. Pensamento.A sanção normalizadora.
  • Michel Foucault. Pensamento. Apogeu e decadência dos suplícios.
  • Michel Foucault. Pensamento. Carruagem panóptica
  • Michel Foucault. Pensamento. Conceito de suplício e processo criminal.
  • Michel Foucault. Pensamento. Confissão e tortura
  • Michel Foucault. Pensamento. Críticas e princípios da prisão.
  • Michel Foucault. Pensamento.Decadência dos suplícios
  • Michel Foucault. Pensamento. Distribuição do espaço disciplinar
  • Michel Foucault. Pensamento. Distribuição do tempo disciplinar
  • Michel Foucault. Pensamento. Duas regras finais de uma semiotécnica da pena
  • Michel Foucault. Pensamento. Execução e funções do suplício
  • Michel Foucault. Pensamento. Execuçãopenal e Direito Penal de autor.
  • Michel Foucault. Pensamento. Fundamentos do novo sistema
  • Michel Foucault. Pensamento. Humanização das penas
  • Michel Foucault. Pensamento. Modelos prisionais
  • Michel Foucault. Pensamento. O carcerário.
  • Michel Foucault. Pensamento. O exame
  • Michel Foucault. Pensamento. O olhar
  • Michel Foucault. Pensamento. Os reformadores do século XVIII
  • Michel Foucault. Pensamento. Panoptismo.
  • Michel Foucault. Pensamento. Pena de prisão
  • Michel Foucault. Pensamento. Princípios da prisão.
  • Michel Foucault. Pensamento. Prisão e delinquência.
  • Michel Foucault. Pensamento. Prisão: fracasso ou sucesso?.
  • Michel Foucault. Pensamento. Quatro eixos de partida
  • Michel Foucault. Pensamento. Relaçõesentre disciplina, tempo e força
  • Michel Foucault. Pensamento. Resumo sobre a disciplina.
  • Michel Foucault. Pensamento. Sistema punitivo do século XVIII.
  • Michel Foucault. Pensamento. Tecnologia do corpo e microfísica do poder.
  • Michel Foucault. Pensamento. Transição e desaparecimento dos suplícios.
  • Michel Foucault. Pensamento. Transição histórica de modelos disciplinares
  • Microcriminalidade e globalização. Jesús-María Silva Sánchez. Pensamento.
  • Microfísica do poder. Tecnologia docorpo e microfísica do poder. Michel Foucault. Pensamento.
  • Microssociologia, macrossociologia e criminologia positivista. Alessandro Baratta. Pensamento
  • Mídia. Papel da mídia na conservação das agências não judiciais. Eugenio Raúl Zaffaroni. Pensamento
  • Minimalismo e formalidade. Jesús-María Silva Sánchez. Pensamento.
  • Miséria. O governo da Miséria. Alessandro de Giorgi
  • Missão do Direito Penal. Jesús-María Silva Sánchez. Pensamento.
  • Missão do Direito Penal. Nilo Batista. Pensamento
  • Modelo disciplinar. Transição histórica de modelos disciplinares. Michel Foucault. Pensamento.
  • Modelos de Direito Penal. Luigi Ferrajoli.
  • Modelos prisionais. Michel Foucault. Pensamento
  • Modernidade. Desafios da modernidade recente. Jock Young. Pensamento.
  • Modernidade líquida. Zygmunt Bauman.
  • Moderno ao pós-moderno. Zygmunt Bauman.
  • Modo de produção e sistema de punição. Juarez Cirino dos Santos. Pensamento
  • Movimento antiterror. René Ariel Dotti. .
  • Movimento antiterror II. René Ariel Dotti
  • Mudança de paradigmas. Fins do século XIX. Georg Rusche e Otto Kirchheimer. Pensamento
  • Mudanças institucionais do fim do mercantilismo. Georg Rusche e Otto Kirchheimer. Pensamento

N

  • Neoliberalismo. Evolução da penalidade na escalada do neoliberalismo. Loïc Wacquant. Pensamento
  • Neutralização. Resgate da neutralização. Jesús-María Silva Sánchez. Pensamento
  • New Poor Law. Dario Melossi e Massimo Pavarini. Pensamento.
  • Nilo Batista. Pensamento. A expressão "Direito Penal"
  • Nilo Batista. Pensamento. A missão do Direito Penal.
  • Nilo Batista. Pensamento. Criminologia e políticacriminal
  • Nilo Batista. Pensamento. DireitoPenal como Direito Público
  • Nilo Batista. Pensamento. Introdução
  • Nilo Batista. Pensamento. Introdução crítica ao Direito Penal brasileiro.
  • Nova criminologia à luz do Direito Penal e da vitimologia. Pensamento de Antonio Beristain
  • Novos métodos para uma nova realidade. Jock Young. Pensamento.
  • Novos riscos antigos. Hannah Arendt. Pensamento

O

  • O carcerário. Michel Foucault. Pensamento.
  • O crime como doença. Georg Rusche e Otto Kirchheimer. Pensamento
  • O endurecimento das penas e a condição social do condenado. Georg Rusche e Otto Kirchheimer. Pensamento
  • O epoché multicultural. Jock Young. Pensamento.
  • O exame. Michel Foucault. Pensamento
  • O futuro da criminologia. Augusto Thompson.
  • O governo da Miséria. Alessandro de Giorgi
  • O inimigo no Direito Penal. Zaffaroni.
  • O marxismo aplicado à Teoria Geral do Direito. Juarez Cirino dos Santos. Pensamento.
  • O olhar. Michel Foucault. Pensamento
  • O outro sou eu. Jock Young. Pensamento
  • Objetivos político-criminais do realismo marginal e táticas para alcançá-los. Eugenio Raúl Zaffaroni. Pensamento.
  • Objeto da criminologia.
  • Origens, características e funções da prisão. Juarez Cirino dos Santos. Pensamento.
  • Origens do sistema carcerário. Georg Rusche e Otto Kirchheimer. Pensamento.
  • Otimismo e pessimismo. Eugenio Raúl Zaffaroni. Pensamento.
  • Otto Kirchheimer. Pensamento de Georg Rusche e Otto Kirchheimer. Punição e estrutura social

P

  • Painel de teorias deslegitimantes. Eugenio Raúl Zaffaroni. Pensamento
  • Panoptismo. Carruagem panóptica. Michel Foucault. Pensamento.
  • Panoptismo. Michel Foucault. Pensamento.
  • Panorama da abordagem punitiva. Loïc Wacquant. Pensamento
  • Panótico. Dario Melossi e Massimo Pavarini. Pensamento.
  • Papel da mídia na conservação dasagências não judiciais. Eugenio Raúl Zaffaroni. Pensamento
  • Paradigma dos delitos de acumulação.Jesús-María Silva Sánchez. Pensamento.
  • Passividade. Sujeitos passivos. Jesús-María Silva Sánchez. Pensamento
  • Patologia. Criminologia liberal contemporânea e concepções patológicas. Alessandro Baratta. Pensamento
  • Pena. Conceito de pena. EugenioRaúl Zaffaroni. Pensamento.
  • Pena. Duas regras finais de uma semiotécnica da pena. Michel Foucault. Pensamento
  • Pena. Humanização das penas. Michel Foucault. Pensamento.
  • Pena. O endurecimento das penas e a condição social do condenado. Georg Rusche e Otto Kirchheimer. Pensamento.
  • Pena. Reais funções da pena. Alessandro Baratta. Pensamento
  • Pena de prisão. Georg Rusche e Otto Kirchheimer. Pensamento.
  • Pena de prisão. Michel Foucault. Pensamento
  • Penalidade. Evolução da penalidadena escalada do neoliberalismo. Loïc Wacquant. Pensamento
  • Penas perdidas. Pensamento de Louk Hulsman
  • Penitenciária. Características comuns aos modelos penitenciários. Dario Melossi e Massimo Pavarini. Pensamento
  • Penitenciária, Código Penal e criminologia. Rosa Del Olmo.
  • Penitenciária. Dois modelos de penitenciária. Dario Melossi e Massimo Pavarini. Pensamento
  • Penitenciária. Exploração do trabalho penitenciário. Dario Melossi e Massimo Pavarini. Pensamento
  • Pensamento. Outros pensamentos
  • Pensamento de Alessandro Baratta. Criminologia crítica e crítica do Direito Penal.
  • Pensamento de Antonio Beristain. Nova criminologia à luz do Direito Penal e da vitimologia
  • Pensamento de Dario Melossi e Massimo Pavarini. Cárcere e fábrica.
  • Pensamento de Eugenio Raúl Zaffaroni. Em busca das penas perdidas.
  • Pensamento de Georg Rusche e Otto Kirchheimer. Punição e estrutura social.
  • Pensamento de Günther Jakobs.Direito Penal do inimigo.
  • Pensamento de Hannah Arendt. Sobre a violência.
  • Pensamento de Jean-Paul Marat. Dario Melossi e Massimo Pavarini. Pensamento.
  • Pensamento de Jesús-María Silva Sánchez. A expansão do Direito Penal.
  • Pensamento de Jock Young. A sociedade excludente
  • Pensamento de Juarez Cirino dos Santos. A criminologia radical.
  • Pensamento de Lola Aniyar de Castro. Criminologia da libertação.
  • Pensamento de Louk Hulsman. Penas perdidas
  • Pensamento de Loïc Wacquant. Punir os pobres.
  • Pensamento de Michel Foucault. Vigiar e punir
  • Pensamento de Nilo Batista. Introduçãocrítica ao Direito Penal brasileiro.
  • Pensamento de Rosa Del Olmo. A América Latina e sua criminologia
  • Perdão. Antonio Beristain. Pensamento
  • Personagens e funções das garantias. Eugenio Raúl Zaffaroni. Pensamento.
  • Pessimismo ou otimismo. Eugenio Raúl Zaffaroni. Pensamento
  • Pobreza. Pensamento de Loïc Wacquant. Punir os pobres
  • Poder. Saber versus poder. Eugenio Raúl Zaffaroni. Pensamento
  • Poder. Violência x poder. Hannah Arendt. Pensamento.
  • Poder e sistema penal. Zaffaroni, Batista, Alagia e Slokar.
  • Poema de Castro Alves. Louk Hulsman. Pensamento.
  • Policização. Universidade, criminalização e policização. Eugenio Raúl Zaffaroni. Pensamento.
  • Política criminal alternativa. Alessandro Baratta. Pensamento
  • Política criminal alternativa da criminologia radical. Juarez Cirino dos Santos. Pensamento
  • Política criminal de classes no sistema carcerário. Georg Rusche e Otto Kirchheimer. Pensamento.
  • Política criminal e cifras criminais e conclusão. Georg Rusche e Otto Kirchheimer. Pensamento.
  • Política criminal e criminologia.Nilo Batista. Pensamento
  • Predisposição de ser vítima. Antonio Beristain. Pensamento.
  • Pressupostos criminológicos à criminologia radical. Juarez Cirino dos Santos. Pensamento
  • Princípios. Eugenio RaúlZaffaroni. Pensamento.
  • Princípios da prisão. Michel Foucault. Pensamento.
  • Prisão. A pena de prisão. Georg Rusche e Otto Kirchheimer. Pensamento
  • Prisão. Como abolir a prisão. Loïc Wacquant. Pensamento.
  • Prisão. Consagração da pena de prisão. Georg Rusche e Otto Kirchheimer. Pensamento
  • Prisão. Críticas e princípios da prisão. Michel Foucault. Pensamento
  • Prisão. Da fiança à prisão. Georg Rusche e Otto Kirchheimer. Pensamento.
  • Prisão. Declínio e apogeu da prisão. Georg Rusche e Otto Kirchheimer. Pensamento
  • Prisão. Efeitos da revolução industrial na prisão. Georg Rusche e Otto Kirchheimer. Pensamento
  • Prisão. Modelos prisionais. Michel Foucault. Pensamento
  • Prisão. Origens, características e funções da prisão. Juarez Cirino dos Santos. Pensamento.
  • Prisão. Pena de prisão. Michel Foucault. Pensamento
  • Prisão. Princípios da prisão. Michel Foucault. Pensamento.
  • Prisão. Problemas da pena de prisão. Georg Rusche e Otto Kirchheimer. Pensamento
  • Prisão e delinquência. Michel Foucault. Pensamento
  • Prisão: fracasso ou sucesso?. Michel Foucault. Pensamento.
  • Privação relativa oudéficit. Jock Young. Pensamento.
  • Problemas da pena de prisão. Georg Rusche e Otto Kirchheimer. Pensamento.
  • Pobreza. Administração da pobreza. Georg Rusche e Otto Kirchheimer. Pensamento
  • Processo. Garantias processuais. Georg Rusche e Otto Kirchheimer. Pensamento
  • Processo criminal. Conceito de suplício e processo criminal. Michel Foucault. Pensamento.
  • Processo fictício. Louk Hulsman. Pensamento
  • Processo, garantia e expectativas.Günther Jakobs. Pensamento
  • Produção. Modo de produção e sistema de punição. Juarez Cirino dos Santos. Pensamento.
  • Projeto modernista. JockYoung. Pensamento
  • Projeto pós-modernista. Jock Young. Pensamento.
  • Punição. Modo de produção e sistema de punição. Juarez Cirino dos Santos. Pensamento
  • Punição. Rigor das punições e o grau das garantias. Jesús-María Silva Sánchez. Pensamento
  • Punição. Sistema punitivo do século XVIII. Michel Foucault. Pensamento
  • Punição e estrutura social. Pensamento de Georg Rusche e Otto Kirchheimer
  • Punir os pobres. Pensamento de Loïc Wacquant.
  • Punitivismo. Direito Penal simbólico e punitivismo. Günther Jakobs. Pensamento.

Q

  • Quatro eixos de partida. Michel Foucault. Pensamento

R

  • Racionalidade. Razão violenta ou a violência racional. Hannah Arendt. Pensamento.
  • Rasp-Huis e Bridewell. Dario Melossi e Massimo Pavarini. Pensamento
  • Razão violenta ou a violência racional. Hannah Arendt. Pensamento.
  • Reação legitimante. Eugenio RaúlZaffaroni. Pensamento
  • Reais funções da pena. Alessandro Baratta. Pensamento.
  • Realidade. Novos métodos para uma nova realidade. Jock Young. Pensamento.
  • Realismo. Conceito de realismo e conceito de marginal. Eugenio Raúl Zaffaroni. Pensamento.
  • Realismo. Teorias realistasversus teorias idealistas. Eugenio Raúl Zaffaroni. Pensamento.
  • Realismo marginal. História, política eteoria do realismo marginal. Eugenio Raúl Zaffaroni. Pensamento
  • Realismo marginal. Objetivos político-criminais do realismo marginal e táticas para alcançá-los. EugenioRaúl Zaffaroni. Pensamento
  • Recepção Alemã do Labeling Approach I. Alessandro Baratta. Pensamento.
  • Recepção Alemã do Labeling Approach II. Alessandro Baratta. Pensamento.
  • Recepção Alemã doLabeling Approach III. Alessandro Baratta. Pensamento.
  • Recuo assistencialista e avanço punitivo. Loïc Wacquant. Pensamento
  • Reetização do Direito Penal. Eugenio Raúl Zaffaroni. Pensamento
  • Referências.
  • Reformadores do século XVIII. Michel Foucault. Pensamento
  • Relações entre disciplina, tempo e força. Michel Foucault. Pensamento.
  • Relações entre sistema penal e dados sociais. Zaffaroni, Batista, Alagia e Slokar
  • Relatos de John Howard. Dario Melossi e Massimo Pavarini. Pensamento
  • Religião, arte e voluntariado. Antonio Beristain. Pensamento.
  • René Ariel Dotti. Movimento antiterror.
  • René Ariel Dotti. Movimento antiterror II
  • Resgate da neutralização. Jesús-María Silva Sánchez. Pensamento
  • Responsabilidade da agência judicial. Eugenio Raúl Zaffaroni. Pensamento.
  • Resumo sobre a disciplina. Michel Foucault. Pensamento.
  • Revendo o Talião. Antonio Beristain. Pensamento.
  • Revolução industrial. Efeitos da revolução industrial na prisão. Georg Rusche e Otto Kirchheimer. Pensamento.
  • Revolução industrial. Georg Rusche eOtto Kirchheimer. Pensamento
  • Revolução social pós-moderna. Fatores. Jock Young. Pensamento.
  • Rigor das punições e o grau das garantias. Jesús-María Silva Sánchez. Pensamento
  • Rigor punitivo. Aumento da criminalidade e do rigor punitivo. Georg Rusche e Otto Kirchheimer. Pensamento.
  • Risco. Sociedade de risco. Figueiredo Dias
  • Risco. Sociedade de risco. Ulrich Beck.
  • Rodrigo Sánchez Rios. Criminologia e delinquência econômica.
  • Rosa Del Olmo. A penitenciária, oCódigo Penal e a criminologia
  • Rosa Del Olmo. Congressos.
  • Rosa Del Olmo. Defesa social.
  • Rosa Del Olmo. Gabinetes de identificação e institutos de criminologia.
  • Rosa Del Olmo. Importação do saber.
  • Rosa Del Olmo. Pensamento. A América Latina e sua criminologia
  • Rosa Del Olmo. Pensamento. Introdução.
  • Rotina
  • Rótulo do crime. Louk Hulsman. Pensamento

S

  • Saber. Importação do saber. Rosa Del Olmo.
  • Saber versus poder. Eugenio Raúl Zaffaroni. Pensamento.
  • Sanção normalizadora. Michel Foucault. Pensamento
  • Seleção policizante. Função política da seleção policizante e da imagem bélica. Zaffaroni, Batista, Alagia e Slokar.
  • Semiotécnica da pena. Duas regras finais de uma semiotécnica da pena. Michel Foucault. Pensamento
  • Sérgio Salomão Shecaira. Direito Penal e globalização
  • Sistema carcerário. A política criminal de classes no sistema carcerário. Georg Rusche e Otto Kirchheimer. Pensamento
  • Sistema carcerário. Origens. Georg Rusche e Otto Kirchheimer. Pensamento.
  • Sistema manufatureiro. Colapso. Dario Melossi e Massimo Pavarini. Pensamento.
  • Sistema penal. Abolição. Louk Hulsman. Pensamento
  • Sistema penal. Deslegitimando. Louk Hulsman. Pensamento.
  • Sistema penal. Relações entre sistema penal e dados sociais. Zaffaroni, Batista, Alagia e Slokar
  • Sistema penal e guerra. Eugenio Raúl Zaffaroni. Pensamento.
  • Sistema penal e poder. Zaffaroni, Batista, Alagia e Slokar
  • Sistema penal e sistema escolar I.Alessandro Baratta. Pensamento.
  • Sistema penal e sistema escolar II.Alessandro Baratta. Pensamento.
  • Sistema punitivo. Evolução histórica. Georg Rusche e Otto Kirchheimer. Pensamento
  • Sistema punitivo do século XVIII.Michel Foucault. Pensamento.
  • Slokar. Zaffaroni, Batista, Alagia e Slokar. Criminalização primária e secundária.
  • Slokar. Zaffaroni, Batista, Alagia e Slokar. Criminalização secundária e vitimização
  • Slokar. Zaffaroni, Batista, Alagia eSlokar. Encruzilhadas teóricas.
  • Slokar. Zaffaroni, Batista, Alagia e Slokar. Função política da seleção policizante e da imagem bélica
  • Slokar. Zaffaroni, Batista, Alagia e Slokar. Relações entre sistema penal e dados sociais.
  • Slokar. Zaffaroni, Batista, Alagia eSlokar. Sistema penal e poder.
  • Sobre a violência. Pensamento de Hannah Arendt.
  • Sobre o futuro do Direito Penal. Claus Roxin
  • Sociedade. Relações entre sistema penal e dados sociais. Zaffaroni, Batista, Alagia e Slokar.
  • Sociedade de risco.Figueiredo Dias
  • Sociedade de risco. Ulrich Beck.
  • Sociedade do medo. Jesús-María Silva Sánchez. Pensamento.
  • Sociedade do risco. Ulrich Beck II.
  • Sociedade excludente. Pensamento de Jock Young
  • Sociologia jurídica e sociologia jurídico-Penal. Alessandro Baratta. Pensamento
  • Suicídio universal. Hannah Arendt. Pensamento
  • Sujeitos passivos. Jesús-María Silva Sánchez. Pensamento.
  • Suplício. Apogeu e decadência dos suplícios. Michel Foucault. Pensamento.
  • Suplício. Conceito de suplício e processo criminal. Michel Foucault. Pensamento
  • Suplício. Decadência dossuplícios. Michel Foucault. Pensamento
  • Suplício. Execução e funções do suplício . Michel Foucault. Pensamento
  • Suplício. Transição e desaparecimento dos suplícios. Michel Foucault. Pensamento
  • Surgimento da casa de correção. Georg Rusche e Otto Kirchheimer. Pensamento.
  • Surgimento da criminologia da libertação. Lola Aniyar de Castro. Pensamento.

T

  • Tecnologia. Efeitos positivos e negativos do avanço tecnológico. Eugenio Raúl Zaffaroni. Pensamento
  • Tecnologia do corpo e microfísica do poder. Michel Foucault. Pensamento.
  • Tempo. Relações entre disciplina, tempo e força. Michel Foucault. Pensamento.
  • Tempo disciplinar. Distribuição. Michel Foucault. Pensamento.
  • Teoria Geral do Direito. O marxismo aplicado. Juarez Cirino dos Santos. Pensamento.
  • Teoria do Labeling Approach I. Alessandro Baratta. Pensamento.
  • Teoria do Labeling Approach II. Alessandro Baratta. Pensamento.
  • Teoria do Labeling Approach III. Alessandro Baratta. Pensamento
  • Teorias da ideologia da defesa social. Alessandro Baratta. Pensamento.
  • Teorias das subculturas criminais. Alessandro Baratta. Pensamento
  • Teorias das técnicas de neutralização. Alessandro Baratta. Pensamento
  • Teorias deslegitimantes. Painel. Eugenio Raúl Zaffaroni. Pensamento
  • Teorias do Conflito I. Alessandro Baratta. Pensamento.
  • Teorias do Conflito II. Alessandro Baratta. Pensamento.
  • Teorias do Conflito III. Alessandro Baratta. Pensamento
  • Teorias do Conflito IV. Alessandro Baratta. Pensamento
  • Teorias funcionalistas I. Alessandro Baratta. Pensamento
  • Teorias funcionalistas II. Alessandro Baratta. Pensamento.
  • Teorias psicanalíticas. Alessandro Baratta. Pensamento
  • Teorias realistas versus teorias idealistas. Eugenio Raúl Zaffaroni. Pensamento.
  • Terceira velocidade do Direito Penal. Jesús-María Silva Sánchez. Pensamento.
  • Tipicidade e conduta. Eugenio Raúl Zaffaroni. Pensamento.
  • Tolerância zero. Desmistificação.Jock Young. Pensamento
  • Tolerância zero. Falácias. Jock Young. Pensamento.
  • Tolerância zero. Loïc Wacquant. Pensamento
  • Tortura e confissão. Michel Foucault. Pensamento.
  • Transição e desaparecimento dos suplícios. Michel Foucault. Pensamento.
  • Transição histórica de modelos disciplinares. Michel Foucault. Pensamento
  • Três revoluções da América Latina. Eugenio Raúl Zaffaroni. Pensamento

U

  • Ulrich Beck. Sociedade de risco.
  • Ulrich Beck II. Sociedade do risco.
  • Um acordo semântico necessário. Hannah Arendt. Pensamento.
  • Umwelt e medo. Jock Young. Pensamento.
  • Universidade, criminalização e policização. Eugenio Raúl Zaffaroni. Pensamento
  • Uso alternativo do Direito. Eugenio Raúl Zaffaroni. Pensamento

V

  • Vigiar e punir. Pensamento de Michel Foucault
  • Violência. Diferenças, violência e estatísticas. Louk Hulsman. Pensamento
  • Violência. Razão violenta ou a violência racional. Hannah Arendt. Pensamento.
  • Violência. Sobre a violência. Pensamento de Hannah Arendt
  • Violência orgânica. HannahArendt. Pensamento
  • Violência x poder. Hannah Arendt. Pensamento.
  • Vítima. Maioria e vítima. Jesús-María Silva Sánchez. Pensamento
  • Vítima. Predisposição de ser vítima. Antonio Beristain. Pensamento.
  • Vitimização. Criminalização secundária e vitimização. Zaffaroni, Batista, Alagia e Slokar.
  • Vitimologia. Desafios da vitimologia. Antonio Beristain. Pensamento
  • Vitimologia. Nova criminologia à luz do Direito Penal e da vitimologia. Pensamento de Antonio Beristain.
  • Voluntariado. Ainda o voluntariado. Antonio Beristain. Pensamento.
  • Vulnerabilidade. Culpabilidade como vulnerabilidade. Eugenio Raúl Zaffaroni. Pensamento.

W

  • Winfried Hassemer. A abolição do Direito Penal.

Z

  • Zaffaroni, Batista, Alagia e Slokar. Conceito de Direito Penal
  • Zaffaroni, Batista, Alagia e Slokar. Criminalização primáriae secundária.
  • Zaffaroni, Batista, Alagia e Slokar. Criminalização secundária e vitimização.
  • Zaffaroni, Batista, Alagia e Slokar. Encruzilhadas teóricas
  • Zaffaroni, Batista, Alagia e Slokar. Função política da seleção policizante e da imagem bélica
  • Zaffaroni, Batista, Alagia e Slokar. Relações entre sistema penal e dados sociais.
  • Zaffaroni, Batista, Alagia e Slokar. Sistema penal e poder
  • Zaffaroni. O inimigo no Direito Penal.
  • Zygmunt Bauman. Do moderno ao pós-moderno
  • Zygmunt Bauman. Modernidade líquida.

Recomendações

Capa do livro: Patrimônio Genético e Direito Penal, Gisele Mendes de Carvalho - Coords.: Luiz Regis Prado e Adel El Tasse

Patrimônio Genético e Direito Penal

 Gisele Mendes de Carvalho - Coords.: Luiz Regis Prado e Adel El TasseISBN: 978853621609-6Páginas: 314Publicado em: 03/07/2007

Versão impressa

R$ 89,90Adicionar ao
carrinho
Capa do livro: Abuso de Mercado e Responsabilidade Penal das Pessoas (Não) Colectivas, Gonçalo Sopas de Melo Bandeira
Doutrina Estrangeira

Abuso de Mercado e Responsabilidade Penal das Pessoas (Não) Colectivas

Editorial JuruáGonçalo Sopas de Melo BandeiraISBN: 978853623309-3Páginas: 784Publicado em: 03/03/2011

Versão impressa

R$ 237,70Adicionar ao
carrinho
Capa do livro: Estatuto do Desarmamento, César Dario Mariano da Silva

Estatuto do Desarmamento

7ª Edição - Revista e AtualizadaCésar Dario Mariano da SilvaISBN: 978853625955-0Páginas: 268Publicado em: 12/07/2016

Versão impressa

R$ 89,90Adicionar ao
carrinho
Versão impressa
+ eBook grátis

Na compra da versão impressa, a versão digital é brinde!


Versão digital

R$ 64,70Adicionar eBook
ao carrinho
Capa do livro: Imprescritibilidade dos Crimes de Competência do Tribunal Penal Internacional no Brasil, Alex Xavier Santiago da Silva

Imprescritibilidade dos Crimes de Competência do Tribunal Penal Internacional no Brasil

 Alex Xavier Santiago da SilvaISBN: 978853627082-1Páginas: 154Publicado em: 27/07/2017

Versão impressa

R$ 57,70Adicionar ao
carrinho
Versão impressa
+ eBook grátis

Na compra da versão impressa, a versão digital é brinde!


Versão digital

R$ 39,90Adicionar eBook
ao carrinho