Coelho Neto e a Ecologia no Brasil - 1890-1933 - Coelho Neto: Pioneiro nas Lutas Ecológicas no Brasil - 3ª Edição

Eulálio de Oliveira Leandro

Leia na Biblioteca Virtual
Preço:
Parcele em até 6x sem juros no cartão. Parcela mínima de R$ 20,00
FICHA TÉCNICA
Autor(es): Eulálio de Oliveira Leandro
ISBN: 978853623151-8
Edição/Tiragem: 3ª Edição
Acabamento: Brochura
Número de Páginas: 228
Publicado em: 18/10/2010
Área(s): Literatura e Cultura - Personalidades
CONFIRA TAMBÉM
SINOPSE

A degradação ecológica é uma dura e cruel realidade. Os conflitos permanentes entre equilíbrio ambiental e interesses econômicos e mercantis estão levando a civilização atual à catástrofe. Muitos lugares do Brasil e da Terra já são caóticos, pelo descaso e desprezo com que a questão ambiental foi tratada. Coelho Neto previu com muita antecedência os perigos da degradação da natureza e defendeu ardorosamente a educação ambiental como saída e alternativa a uma vida social equilibrada. Por tudo isso é mais do que urgente levar para as comunidades, para as escolas e para as ruas contribuições como esta. O leitor deste livro se deliciará com o padrão estético das belíssimas crônicas, dos ensaios e dos contos ecológicos e vibrará com a coragem cívica dos discursos parlamentares selecionados, todos visceralmente comprometidos com a defesa do meio ambiente.

Raimundo Palhano

AUTOR(ES)

Eulálio de Oliveira Leandro, historiador e professor da rede pública do Estado do Maranhão, nasceu ao final dos anos 50, no município de Bom Princípio - Brejo (MA). Teve como sua primeira professora Ana Almeida, em Chapadinha (MA), onde foi alicerçada sua formação humanista-cristã. Em São Luís estudou no Grupo Escolar Governador Matos Carvalho e nos colégios Luís Viana e Nina Rodrigues. Esta última escola era do poeta Carlos Cunha, cujo ambiente literário possibilitou ao historiador os primeiros contatos com o mundo das letras, quando acompanhava o poeta à Academia Maranhense de Letras. Foi aluno da tradicional “Escola de Aprendizes de Marinheiros do Ceará” e teve sua formação militar concluída a bordo dos navios de guerra da Marinha do Brasil. De volta ao Maranhão, aglutinou-se em tomo do “Canto do Protesto”, que tinha como líder maior o poeta José de Nascimento Moraes Filho, local onde o nome do prosador Coelho Neto era familiar nas discussões políticas. Foi nesse contexto que germinou o gosto e a tentativa de resgatar o escritor e ecologista Henrique Maximiano Coelho Neto. É autor do trabalho acadêmico intitulado “Coelho Neto e a Ecologia”. Com esse trabalho, o historiador resgatou o esquecido escritor Coelho Neto como o ecologista mais fecundo da sua época. Na Universidade Federal do Maranhão teve a oportunidade de ter professores que o induziram à pesquisa e que influenciaram profundamente na sua formação humanista. Eulálio Leandro tem se dedicado, ao longo dos anos, a estudos de temas diversos abordados por Coelho Neto, tais como o negro, a ecologia, a cidadania e outros relacionados à problemática social e política brasileiras. A primeira iniciativa de formar leitores da literatura coelhonetiana foi com a publicação dos textos intitulados “O exercício da cidadania no pensamento de Coelho Neto” e, depois, “Educação ambiental no pensamento de Coelho Neto”. “A mulher na visão humanística de Coelho Neto”, “O negro na obra de Coelho Neto”, “A Marinha e as camadas populares no Maranhão (1827-1872). Agora, apresenta “Coelho Neto e a ecologia no Brasil”, trabalho que mostra o pioneirismo do literato maranhense nas lutas ecológicas em nosso país.
 

SUMÁRIO

PAISAGEM

PAISAGENS

ÁGUA

A TERRA

ATRAVÉS DOS ALTARES

O PÂNTANO

LAVRADORES

O PARADOXO CONTEMPORÂNEO

A FLORESTA

AS ÁRVORES

A ÁRVORE

A ÁGUA

O FOGO

O RIBEIRO

ELEGIA

O FAUNO

AS ESTAÇÕES

AS FORMIGAS

O TRIGO

AVENTURA DAS ÁGUIAS

PATRIOTISMO

DEVASTAÇÃO DAS FLORESTAS

SELVA DE ENCANTO

AS MONTANHAS

APELO ÀS ENERGIAS PÁTRIAS

ABANDONO DA TERRA

BANZO

A POLÍTICA - O VOO DO COLIBRI

AS PALMEIRAS DO MANGUE

APARIÇÃO

AS PALMEIRAS DA RUA PAISSANDU

POR ÁGUA ABAIXO

O CEDRO DE TERESÓPOLIS

TERRAS AO MAR

FRUTAS

AS VELHAS ÁRVORES

A ÁRVORE QUE CHORA

FOLHA DE ACANTO

PERVERSIDADE

FRUTAS

UM SIMILLE

CIGARRA

A FESTA DO DIA DAS ÁRVORES

ÁRVORES DAS RUAS

AS ÁRVORES DA CIDADE

AS CIGARRAS

EXCERTOS DE ALGUNS COMENTÁRIOS DA CRÍTICA ESTRANGEIRA SOBRE COELHO NETO

EXCERTOS DOS COMENTÁRIOS DE ALGUNS JORNALISTAS BRASILEIROS SOBRE COELHO NETO, POSTERIORES A SEU DESAPARECIMENTO

DEPOIMENTOS

SOBRE O ORGANIZADOR

INDIQUE ESSA OBRA

Indique essa obra para um amigo:

De:

Nome:

E-mail:

Informe apenas 1 email por vez

Para:

Nome:

E-mail:

Informe apenas 1 email por vez


Mensagem: