FICHA TÉCNICA
Autor(es): Juarez Poletto
ISBN: 978853623149-5
Acabamento: Brochura
Número de Páginas: 122
Publicado em: 26/10/2010
Área(s): Literatura e Cultura - Diversos
CONFIRA TAMBÉM
SINOPSE

“Os plátanos do Passeio Público dizem que o outono chegou. Os galhos tentam reter as folhas que o vento sulino insiste em roubar. Depois de curto voo, sem liberdade, pousam no áspero chão. Umas assentam-se na relva úmida; outras, movidas pelo minuano, perambulam caminhos, quebrando pontas, rasgando-se, buscando sossego que não vem. Colhidas de surpresa por uma chuva fria, são levadas a seu destino final. Raras as que, verdes, colhidas por mão inadvertida, têm outra ventura: presas entre páginas esquecidas, amarelecem entre dois poemas de revolta. A maioria picotada, pisada... sina de massa. Sobreviver? Nenhuma. Só as sementes permanecem, mas apenas as que caem em terreno fértil...”

AUTOR(ES)

Juarez Poletto

Natureza em recesso (1952), inverno seco, cinza só. Vim magro, primogênito, esperança minúscula. Fiz-me estudante cedo, fuga da lavoura. Devorei livros, mastiguei experiências de outro e comecei a sentir as próprias. Costureiro quase fui; as letras, entretanto, já me prendiam e amarrado estou.

Profissão: professor. Com gente lidar é bom, especialmente com moços. Mocidade é verde, árvore espreguiçando-se, procurando espaço, faz a gente esquecer cupins no próprio corpo.

Escrever é deleite, delírio de férias e folgas. Organizar o que penso, vivo e sonho em palavras fez-se necessidade. Segurar é morrer; dizer, porém, viver faz. Escrevo, pois.

Obras em prosa:

No limiar da imaginação (1986)

O anjo fatal (1987)

Teia (1988)

Corpo de marfim (1989)

 Obras em verso:

Alma nos dedos (1988)

Diálogo (1991)

Armazém (1995)

Silhueta (1998)

Vaidade (2002)

Adverso (2009)

VÍDEO
INDIQUE ESSA OBRA

Indique essa obra para um amigo:

De:

Nome:

E-mail:

Informe apenas 1 email por vez

Para:

Nome:

E-mail:

Informe apenas 1 email por vez


Mensagem: