Direito Ambiental - O Ambiente como Objeto e os Objetos do Direito do Ambiente

Carla Amado Gomes

Parcele em até 6x sem juros no cartão.
Parcela mínima de R$ 20,00

Versão impressa

Ficha técnica

Autor(es): Carla Amado Gomes

ISBN: 978853623186-0

Acabamento: Brochura

Número de páginas: 248

Publicado em: 09/11/2010

Área(s): Direito Ambiental; Juruá Internacional

Sinopse

Neste Volume:

• O AMBIENTE COMO OBJECTO E OS OBJECTOS DO DIREITO DO AMBIENTE

• O DIREITO AO AMBIENTE NO BRASIL: UM OLHAR PORTUGUÊS

• OS BENS AMBIENTAIS NATURAIS COMO BENS COLECTIVOS

• OS BENS AMBIENTAIS COMO BENS DE INTERESSE COMUM DA HUMANIDADE: ENTRE O UNIVERSALISMO E A RAZÃO DE ESTADO

• SUBSÍDIOS PARA UM QUADRO PRINCIPIOLÓGICO DOS PROCEDIMENTOS DE AVALIAÇÃO E GESTÃO DO RISCO AMBIENTAL

• DAR O DUVIDOSO PELO (IN)CERTO? REFLEXÕES SOBRE O “PRINCÍPIO DA PRECAUÇÃO”

• AS PROVIDÊNCIAS CAUTELARES E O “PRINCÍPIO DA PRECAUÇÃO”: ECOS DA JURISPRUDÊNCIA

• A PROTECÇÃO INTERNACIONAL DO AMBIENTE NA CONVENÇÃO DE MONTEGO BAY

FOLLOW THE GREEN BRICK ROAD: APONTAMENTOS SOBRE A EVOLUÇÃO DA JURISPRUDÊNCIA DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DA UNIÃO EUROPEIA EM MATÉRIA AMBIENTAL

• ESCREVER VERDE POR LINHAS TORTAS: O DIREITO AO AMBIENTE NA JURISPRUDÊNCIA DO TRIBUNAL EUROPEU DOS DIREITOS DO HOMEM

Autor(es)

Carla Amado Gomes é Doutora, Mestre e Licenciada em Direito pela Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa. Atualmente é Professora da Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa e Professora convidada da Faculdade de Direito da Universidade Nova de Lisboa. É Vice-Presidente do Instituto da Cooperação Jurídica da Faculdade de Direito de Lisboa desde 2006. Foi Vice-Presidente do Conselho Directivo da Faculdade de Direito de Lisboa em 2007/2008. Foi assessora no Tribunal Constitucional entre 1998/1999. Livros publicados: A natureza constitucional do Tratado da União europeia, Lisboa, 1997; As imunidades parlamentares no direito português, Coimbra, 1998; Contributo para o estudo das operações materiais da Administração Pública e do seu controlo jurisdicional, Coimbra, 1999 (dissertação de mestrado); As operações materiais administrativas e o Direito do Ambiente, Lisboa, 1999 (2ª edição: 2005); A prevenção à prova no Direito do Ambiente. Em especial, os actos autorizativos ambientais, Coimbra, 2000; Três estudos de Direito da Educação, Lisboa, 2002; Textos dispersos de Direito do Ambiente, I, reimp.,Lisboa, 2008; Textos dispersos de Direito do Ambiente (e matérias relacionadas), II, Lisboa, 2008; Risco e modificação do acto autorizativo concretizador de deveres de protecção do ambiente, Coimbra, 2006 (dissertação de doutoramento); Textos dispersos de Direito do Património Cultural e Direito do Urbanismo, Lisboa, 2008; Três textos sobre o novo regime da responsabilidade civil extracontratual do Estado e demais entidades públicas (Lei 67/2007, de 31 de Dezembro), Lisboa, 2008; Textos dispersos de Direito do Contencioso Administrativo, Lisboa, 2009; O que há de novo no Direito do Ambiente? Actas das Jornadas de Direito do Ambiente realizadas na Faculdade de Direito em 15 de Outubro de 2008 (co-org. com Tiago Antunes), Lisboa, 2009; Textos dispersos sobre Direito da Responsabilidade Civil extracontratual das entidades públicas, Lisboa, 2010; Textos dispersos de Direito do Ambiente, III, Lisboa, 2010. Organização de cursos de Pós-graduação em Direito da Energia; da Cultura e Património Cultural; de Ambiente, Urbanismo e Ordenamento do Território; da Educação, no âmbito do Instituto de Ciências Jurídico Políticas da Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa. Organização de Colóquios e palestras: • VII Colóquio luso-americano – Faculdade de Direito de Lisboa e Columbus Law School da Catholic University of Washington, subordinado ao tema Environment and Development, realizado na FDL no dia 20.03.08, sob a égide do ICJ. • O que há de novo no Direito do Ambiente? Jornadas de Direito do Ambiente realizadas na Faculdade de Direito em 15.10.08, sob a égide do ICJP (co-org. com Tiago Antunes). • O Código Ambiental de Pernambuco, apresentação à palestra do Dr. Ricardo Vanderlinden de Vasconcellos Coelho, autor do Projecto, no dia 03.03.09, sob a égide do ICJP.• A responsabilidade civil por dano ambiental, Colóquio realizado na Faculdade de Direito nos dias 18, 19 e 20.11.09, sob a égide do ICJP, do ILDA e da APDA, com patrocínio da FLAD (co-org. com Tiago Antunes). • I Encontro Luso-brasileiro de Direito, entre a FDL e a Faculdade de Direito da Universidade de Santa Cecília, S. Paulo, nos dias 25 e 26.01.10. • Direito ao Património Cultural em face do Direito Ambiental Brasileiro, apresentação à palestra do Prof. Dr. Celso Fiorillo, no dia 10.03.10, sob a égide do ICJP. • Intervenção em diversas palestras em temas de Direito Público em Universidades portuguesas, europeias e brasileiras. Os textos contidos nesta compilação espelham a minha visão sobre questões fundamentais do Direito do Ambiente e focam partes importantes do meu programa da disciplina, que lecciono ao nível de graduação e mestrado nas Faculdades de Direito da Universidade de Lisboa e da Universidade Nova de Lisboa. Questões como o objecto do Direito do Ambiente e a sua autonomia científica; a natureza do "direito ao ambiente"; a protecção internacional e europeia do ambiente; as questões ligadas à gestão do risco e ao princípio da precaução, são alguns dos temas abordados, cuja actualidade vale tanto para Portugal como para o Brasil.

 

Sumário

O AMBIENTE COMO OBJECTO E OS OBJECTOS DO DIREITO DO AMBIENTE

1 Introdução

2 O Ambiente como Objecto.

2.1 As Pré-Compreensões Ambientais e a sua Influência na Fixação dos Contornos do Bem Jurídico Ambiente

2.1.1 A concepção ampla

2.1.2 A concepção restrita

2.1.3 O ambiente como conceito indeterminado

2.2 A(s) Opção(ões) do Legislador Português

2.3 Uma Leitura Alternativa

2.3.1 O direito ao ambiente como direito-dever

2.3.2 Para uma concepção unitária do Direito do Ambiente; sequência

3.E os Objectos do Direito do Ambiente

3.1 A Transversalidade do Direito do Ambiente

3.2 Direito do Ambiente ou Direito dos Recursos Naturais?

4 Considerações Conclusivas

O DIREITO AO AMBIENTE NO BRASIL: UM OLHAR PORTUGUÊS

1 Introdução

1 O Despertar da Causa Ecológica no Brasil

2 O Sentido Oculto do Direito ao Ambiente

3 Observações Conclusivas

Os BENS AMBIENTAIS NATURAIS COMO BENS COLECTIVOS

1 Introdução

2 Os Bens Ambientais como Bens de Fruição Colectiva

3 Uso Colectivo e Direito de Propriedade

4 A Reparação do Dano a Bens Ambientais

OS BENS AMBIENTAIS COMO BENS DE INTERESSE COMUM DA HUMANIDADE: ENTRE O UNIVERSALISMO E A RAZÃO DE ESTADO

1 A Protecção Ambiental Internacional entre o Imperativo da Prevenção e a Afirmação da Soberania

2 Quatro Questões Problemáticas

2.1 Definição dos Bens Ambientais de Interesse Colectivo

2.2 Legitimidade para Sindicar Atentados a estes Bens

2.3 Competência de Instância Internacional para Julgar Litígios Emergentes de Atentados a estes Bens

2.4 Responsabilidade Internacional por Ofensas a Estes Bens

SUBSÍDIOS PARA UM QUADRO PRINCIPIOLÓGICO DOS PROCEDIMENTOS DE AVALIAÇÃO E GESTÃO DO RISCO AMBIENTAL

DAR O DUVIDOSO PELO (IN)CERTO? REFLEXÕES SOBRE O "PRINCÍPIO DA PRECAUÇÃO"

1 De que Falamos quando Falamos de Precaução?

1.1 Os Consensos

1.2 Os Dissensos

1.3 A inexistência da precaução enquanto princípio geral de Direito Internacional

2 De quanta Incerteza se Faz a Protecção do Ambiente?

2.1 As incertezas quanto à operacionalidade da ideia de precaução

2.2 Os "Pontos Firmes" sobre a Ideia de Precaução

3 Considerações Finais

AS PROVIDÊNCIAS CAUTELARES E O "PRINCÍPIO DA PRECAUÇÃO": ECOS DA JURISPRUDÊNCIA

1 Introdução

2 Precaução e Urgência

3 O Contencioso Cautelar e o Princípio da Precaução: Exemplos de um Novo Paradigma?

3.1 No Direito Internacional: o (Segundo) Caso dos Ensaios Nucleares

3.2 No Direito Comunitário: o Caso Pfizer

3.3 No Direito Comparado: o Contencioso das Antenas de Telecomunicações Móveis na Jurisprudência Francesa

3.4 No Direito Português: o Caso da Co-Incineração (na Cimenteira de Souselas)

4 Balanço Crítico

A PROTECÇÃO INTERNACIONAL DO AMBIENTE NA CONVENÇÃO DE MONTEGO BAY

1 Introdução

2 A Convenção de Montego Bay e a Protecção do Ambiente: uma Visão Panorâmica

2.1 A Protecção dos Recursos Marinhos no Mar Territorial

2.2 A Protecção dos Recursos Marinhos na Plataforma Continental

2.3 A Protecção dos Recursos Marinhos na Zona Económica Exclusiva

2.4 A Protecção dos Recursos Marinhos na Área

2.5 A Protecção dos Recursos Marinhos no Alto Mar

2.6 O Dever de Protecção e Preservação do Meio Marinho

3 O Acordo de Nova Iorque, de 04.12.1995: uma Aproximação ao Princípio da Precaução?

3.1 A Precaução: um Princípio (?) que Veio do Mar

3.2 O dilema "Precaucionista" na Gestão das Pescas

3.3 O Art. 6º do Acordo de 1995: Princípio da Precaução ou Princípio da Prevenção Temperado pelo Princípio da Proporcionalidade

4 Reflexões Finais

FOLLOW THE GREEN BRICK ROAD: APONTAMENTOS SOBRE A EVOLUÇÃO DA JURISPRUDÊNCIA DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DA UNIÃO EUROPEIA EM MATÉRIA AMBIENTAL

1 A Green Brick Road da Jurisprudência Comunitária

2 A Abordagem Anterior ao Acto Único Europeu

2.1 A Necessidade de Confirmação da Protecção do Ambiente como Atribuição Comunitária: os AcórdãosComissão Contra a Itália (1980)

3 A Superabundância de Bases Jurídicas Após o Acto Único Europeu

4 A Abordagem Posterior ao Acto Único Europeu

4.1 Particularidades Processuais da Tutela Ambiental

4.1.1 O Acórdão Greenpeace Council e outros contra a Comissão (de 02.04.1998) e o défice de tutela contenciosa ambiental no plano comunitário

4.1.2 O Acórdão Comissão contra a Irlanda (de 30.05.2006) e a jurisdição exclusiva do Tribunal de Justiça em questões ambientais

4.1.3 O Acórdão Comissão contra a França (de 07.10.2004) e a competência de controlo da adequação das medidas de implementação de vinculações internacionais no plano da protecção ambiental

4.1.4 O Acórdão Delena Wells contra Secretary of State for Transport, Local Government and the Regions (de 07.01.2004) e a trilaterização contenciosa da relação jurídica ambiental

4.2 A Autonomia do Interesse de Protecção do Ambiente

4.2.1 O Acórdão Comissão contra o Conselho (de 13.09.2005) e a vis expansiva da Comunidade para o estabelecimento de sanções por prática de crimes ambientais

4.2.2 O Acórdão Comissão contra a (República federal da) Alemanha (de 28.02.1991) e a equação preservação do ambiente/qualidade de vida das populações

4.2.3 O Acórdão PreussenElektra contra Schleswag (de 13.03.2001) e a cedência a uma lógica "ambientalmente amiga"

4.2.4 O Acórdão Lanelijke Vereniging contra Staatssecretaris van Landbouw (de 07.09.2004), e o dever de interpretação in favor ambiente

4.2.5 O Acórdão Kraaijeveld (de 24.10.1996) e a sindicabilidade da autodeterminação legislativa ambiental pelos tribunais nacionais

4.2.6 O Acórdão Bund Naturschutz Bayern (de 09.08.1994) e a força normativa interina das directivas

4.2.7 O Acórdão Comissão contra Bélgica (de 14.06.2001) e a questão da desconformidade da figura da autorização tácita com a protecção do ambiente

4.2.8 O Acórdão Pfizer Animal Health S.A. contra o Conselho (de 11.09.2002) e o acolhimento expresso do princípio da precaução pela jurisprudência comunitária (de 1ª instância)

ESCREVER VERDE POR LINHAS TORTAS: O DIREITO AO AMBIENTE NA JURISPRUDÊNCIA DO TRIBUNAL EUROPEU DOS DIREITOS DO HOMEM

1 Introdução

2 A protecção do Ambiente na Convenção Europeia: uma Protecção Meramente Reflexa

2.1 A Ausência do Direito ao Ambiente no Catálogo da Convenção

2.2 Uma Selecção de Casos

3 Deveres de Protecção do Estado e Direitos de Liberdade: o Direito ao Ambiente como Propulsor de Obrigações de Prestação

Índice alfabético

A

  • Abordagem anterior ao Acto Único Europeu.
  • Abordagem posterior ao Acto Único Europeu.
  • Acórdão Bund Naturschutz Bayern (de09.08.1994) e a força normativa interina das directivas.
  • Acórdão Comissão contra a (Repúblicafederal da) Alemanha (de 28.02.1991) e a equação preservação do ambiente/qualidade de vida das populações.
  • Acórdão Comissão contra a França (de 07.10.2004) e a competência de controlo da adequação das medidas de implementação de vinculações internacionais no plano da protecção ambiental.
  • Acórdão Comissão contra a Irlanda (de30.05.2006) e a jurisdição exclusiva do Tribunal de Justiça em questões ambientais.
  • Acórdão Comissão contra Bélgica (de 14.06.2001) e a questão da desconformidade da figura da autorização tácita com a protecção do ambiente.
  • Acórdão Comissão contra o Conselho (de 13.09.2005) e a vis expansiva da Comunidade para o estabelecimento de sanções por prática de crimes ambientais.
  • Acórdão Delena Wells contra Secretary of State for Transport, Local Government and the Regions (de 07.01.2004) e a trilaterização contenciosa da relação jurídica ambiental.
  • Acórdão Greenpeace Council e outros contra a Comissão (de 02.04.1998) e o défice de tutela contenciosa ambiental no plano comunitário.
  • Acórdão Kraaijeveld (de 24.10.1996) e a sindicabilidade da autodeterminação legislativa ambiental pelos tribunais nacionais.
  • Acórdão Lanelijke Vereniging contra Staatssecretaris van Landbouw (de 07.09.2004), e o dever de interpretação in favor ambiente.
  • Acórdão Pfizer Animal Health S.A. contra o Conselho (de 11.09.2002) e o acolhimento expresso do princípio da precaução pela jurisprudência comunitária (de 1ª instância).
  • Acórdão PreussenElektra contra Schleswag (de 13.03.2001) e a cedência a uma lógica "ambientalm ente amiga".
  • Acordo de 1995, art. 6º: princípio da precaução ou princípio da prevenção temperado pelo princípio da proporcionalidade.
  • Acordo de Nova Iorque, de 04.12.1995: uma aproximação ao princípio da precaução?
  • Acto Único Europeu. Abordagem anterior.
  • Acto Único Europeu. Abordagem posterior.
  • Acto Único Europeu. Superabundância de bases jurídicas.
  • Ambiente como conceito indeterminado.
  • Ambiente como objecto e os objectivos do Direito do Ambiente. Considerações Conclusivas.
  • Ambiente como objecto e os objectos do Direito do Ambiente. Introdução.
  • Ambiente como objecto.
  • Ambiente. A(s) Opção(ões)do legislador português.
  • Ambiente. Direito ao ambiente como direito-dever.
  • Ambiente. Direito do Ambiente ouDireito dos Recursos Naturais?
  • Ambiente. Pré-compreensões ambientais e a sua influência na fixação dos contornos do bem jurídico ambiente.
  • Ambiente. Sentido oculto do Direito ao Ambiente.
  • Ambiente. Uma leitura alternativa.
  • Antena de telecomunicação. Precaução. No direito comparado: o contencioso das antenas de telecomunicações móveis na jurisprudência francesa.
  • As incertezas quanto à operacionalidade da ideia de precaução.
  • Ausência do direito ao ambienteno catálogo da Convenção.
  • Autonomia do interesse deprotecção do ambiente.
  • Avaliação de risco ambiental. Subsídios para um quadro principiológico dos procedimentos de avaliação e gestão do risco ambiental.

B

  • Base jurídica. Superabundância de bases jurídicas após o Acto Único Europeu
  • Bem ambiental de interesse coletivo. Legitimidade para sindicar atentados a estes bens. Questões problemáticas.
  • Bem ambiental. A Reparação do dano a bens ambientais.
  • Bem ambiental. Definição dos bens ambientais de interesse colectivo. Questões problemáticas.
  • Bem ambiental. Instância internacional. Competência de instância internacional para julgar litígios emergentes de atentados a estes bens. Questões problemáticas.
  • Bem ambiental. Responsabilidade internacional por ofensas a estes bens.
  • Bem colectivo. Bens ambientais como bens de fruição colectiva.
  • Bem colectivo. Bens ambientais naturais como bens colectivos. Introdução.
  • Bem colectivo. Uso colectivoe direito de propriedade.
  • Bem jurídico. Ambiente. Pré-Compreensões ambientais e a sua influência na fixação dos contornos do bem jurídico ambiente.
  • Bens ambientais como bensde fruição colectiva.
  • Bens ambientais naturaiscomo bens colectivos.
  • Bens ambientais naturais comobens colectivos. Introdução.
  • Brasil. Despertar da causa ecológica no Brasil.
  • Brasil. Direito ao Ambiente no Brasil: um olhar português. Introdução.

C

  • Caso Pfizer. Princípio da precaução. No Direito Comunitário: o Caso Pfizer.
  • Casos. Selecçãode casos.
  • Causa ecológica. Despertar no Brasil.
  • Cautelar. Providências cautelares e o "princípio da precaução": ecos da jurisprudência.
  • Colectividade. Bens ambientais como bens de fruição colectiva.
  • Colectividade. Bens ambientais naturais como bens colectivos. Introdução.
  • Colectividade. Uso colectivo edireito de propriedade.
  • Competência de instância internacional para julgar litígios emergentes de atentados a estes bens. Questões problemáticas.
  • Conceito. Ambiente como conceito indeterminado.
  • Concepção ampla. Pré-Compreensões ambientais e a sua influência na fixação dos contornos do bem jurídico ambiente.
  • Concepção restrita. Pré-Compreensões ambientais e a sua influência na fixação dos contornos do bem jurídico ambiente.
  • Concepção unitária do Direitodo Ambiente; sequência.
  • Contencioso cautelar e o princípio da precaução: exemplos de um novo paradigma?.
  • Convenção de Montego Bay e a protecção do ambiente: uma visão panorâmica
  • Convenção de Montego Bay e a protecção do ambiente: uma visão panorâmica. Reflexões finais.
  • Convenção de Montego Bay. Protecção internacional do ambiente.
  • Convenção Europeia. Ausência do direito ao ambiente no catálogo da Convenção.
  • Convenção Europeia. Protecção do ambiente na Convenção Europeia: uma protecção meramente reflexa.

D

  • Dano. A Reparação do dano a bens ambientais.
  • Dar o duvidoso pelo (in)certo? Reflexões sobre o "princípio da precaução". Considerações finais.
  • Dar o duvidoso pelo (in)certo? Reflexões sobre o "princípio da precaução".
  • De quanta incerteza se faz a protecção do ambiente?
  • De que falamos quando falamos de precaução?
  • De que falamos quando falamos de precaução?. Os consensos.
  • De que falamos quando falamos de precaução?. Os dissensos.
  • Definição dos bens ambientais de interesse colectivo. Questões problemáticas.
  • Despertar da causa ecológica no Brasil.
  • Dever de protecção e preservação do meio marinho.
  • Dever. O direito ao ambiente como direito-dever.
  • Deveres de protecção do Estado e direitos de liberdade: o direito ao ambiente como propulsor de obrigações de prestação.
  • Dilema "precaucionista" na gestão das pescas.
  • Direito ao Ambiente no Brasil: um olhar português.
  • Direito ao Ambiente no Brasil: um olhar português. Introdução.
  • Direito ao Ambiente no Brasil: um olhar português. Observações conclusivas.
  • Direito ao Ambiente. Sentido oculto.
  • Direito ao ambientecomo direito-dever.
  • Direito ao ambiente na jurisprudência do Tribunal Europeu dos Direitos do Homem.
  • Direito ao ambiente no catálogo da Convenção. Ausência.
  • Direito ao ambiente. Deveres de protecção do Estado e direitos de liberdade: o direito ao ambiente como propulsor de obrigações de prestação.
  • Direito Comunitário: Princípio da precaução. O Caso Pfizer.
  • Direito comparado. Princípio da precaução no direito comparado: o contencioso das antenas de telecomunicações móveis na jurisprudência francesa.
  • Direito comunitário.Green Brick Road da Jurisprudência Comunitária.
  • Direito comunitário. Necessidade de confirmação da protecção do ambiente como atribuição comunitária: os acórdãos comissão contra a Itália (1980).
  • Direito de propriedade e uso coletivo.
  • Direito do Ambiente ou Direito dos Recursos Naturais?.
  • Direito do Ambiente. Objectos.
  • Direito do Ambiente.Transversalidade.
  • Direito do ambiente. Para uma concepção unitária do Direito do Ambiente; sequência.
  • Direito do ambiente. Tribunal de Justiça da União Europeia. Follow The Green Brick Road: apontamentos sobre a evolução da jurisprudência do Tribunal de Justiça da União Europeia em matéria ambiental.
  • Direito dos Recursos Naturaisou Direito do Ambiente?.
  • Direito internacional. Responsabilidade internacional por ofensas a estes bens
  • Direito internacional. Competência de instância internacional para julgar litígios emergentes de atentados a estes bens. Questões problemáticas.
  • Direito internacional. Precaução. O (segundo) caso dos ensaios nucleares.
  • Direito internacional. Princípio da precaução. Inexistência da precaução enquanto princípio geral de Direito Internacional.
  • Direito internacional. Protecção ambiental internacional entre o imperativo da prevenção e a afirmação da soberania.
  • Direito internacional. Protecção internacional do ambiente na Convenção de Montego Bay.
  • Direito português. Princípio da precaução. No direito português: o caso da co-incineração (na cimenteira de souselas).
  • Direito-dever. O direito ao ambiente como direito-dever.
  • Direitos de liberdade. Deveres de protecção do Estado e direitos de liberdade: o direito ao ambiente como propulsor de obrigações de prestação.

E

  • Ensaio nuclear. Princípio da precaução.No direito internacional: o (segundo) caso dos ensaios nucleares.
  • Escrever verde por linhas tortas. Direito ao ambiente na jurisprudência do Tribunal Europeu dos Direitos do Homem.
  • Escrever verde por linhas tortas. Direito ao ambiente na jurisprudência do Tribunal Europeu dos Direitos do Homem. Introdução.

F

  • Follow The Green Brick Road: apontamentos sobre a evolução da jurisprudência do Tribunal de Justiça da UniãoEuropeia em matéria ambiental.
  • França. Precaução. No direito comparado: o contencioso das antenas de telecomunicações móveis na jurisprudência francesa.

G

  • Gestão de risco ambiental. Subsídios para um quadro principiológico dos procedimentos de avaliação e gestão do risco ambiental.

I

  • Incerteza. De quanta incerteza sefaz a protecção do ambiente?.
  • Incertezas quanto à operacionalidade da ideia de precaução.
  • Inexistência da precaução enquanto princípio geral de Direito Internacional.
  • Instância internacional. Competência deinstância internacional para julgar litígios emergentes de atentados a estes bens. Questões problemáticas.
  • Interesse coletivo. Definição dos bens ambientais de interesse colectivo. Questões problemáticas.
  • Interesse comum. Bens ambientais como bens de interesse comum da humanidade: entre o universalismo e a razão de Estado.
  • Interesse de protecção doambiente. Autonomia.

J

  • Jurisprudência. Princípio da precaução. No direito comparado: o contencioso das antenas de telecomunicações móveis na jurisprudência francesa.
  • Jurisprudência. Princípio da precaução. No direito internacional: o (segundo) caso dos ensaios nucleares.
  • Jurisprudência. Princípio da precaução. No direito português: o caso da co-incineração (na cimenteira de souselas).
  • Jurisprudência. Tribunal de Justiça da União Europeia. Follow The Green Brick Road: apontamentos sobre a evolução da jurisprudência do Tribunal de Justiça da União Europeia em matéria ambiental.
  • Jurisprudência Comunitária.Green Brick Road.
  • Jurisprudência. Direito ao ambiente na jurisprudência do Tribunal Europeu dos Direitos do Homem.
  • Jurisprudência. Princípio da precaução. No Direito Comunitário: o Caso Pfizer.
  • Jurisprudência. Providências cautelares e o "princípio da precaução": ecos da jurisprudência.

L

  • Legislação. A(s) Opção(ões)do legislador português.
  • Legislador português. Normas. A(s) opção(ões) do legislador português.
  • Legitimidade para sindicar atentados a estes bens. Questões problemáticas.

N

  • Necessidade de confirmação da protecção do ambiente como atribuição comunitária: os acórdãos comissãocontra a Itália (1980).

O

  • O Ambiente como objecto.
  • O ambiente como conceito indeterminado.
  • O ambiente como objecto e os objectos do Direito do Ambiente.
  • O art. 6º do acordo de 1995: princípio da precaução ou princípio da prevenção temperado pelo princípio da proporcionalidade.
  • Objecto. Ambiente como objecto.
  • Objectos do Direito do Ambiente.
  • Obrigações de prestação. Deveres de protecção do Estado e direitos de liberdade: o direito ao ambiente como propulsor de obrigações de prestação.

P

  • Particularidades processuaisda tutela ambiental.
  • Pesca. Dilema "precaucionista" na gestão das pescas.
  • Portugal. Direito ao Ambiente no Brasil: um olhar português. Introdução.
  • Pré-compreensões ambientais e a sua influência na fixação dos contornos do bem jurídico ambiente.
  • Pré-compreensões ambientais e a sua influência na fixação dos contornos do bem jurídico ambiente. A concepção ampla.
  • Pré-compreensões ambientais e a sua influência na fixação dos contornos do bem jurídico ambiente. A concepção restrita.
  • Precaução e urgência.
  • Precaução. Dar o duvidoso pelo (in)certo? Reflexões sobre o "princípio da precaução".
  • Precaução. De que falamos quando falamos de precaução?.
  • Precaução. Dilema "precaucionista" na gestão das pescas.
  • Precaução. Incertezas quanto à operacionalidade da ideia de precaução.
  • Precaução. Inexistência da precaução enquanto princípio geral de Direito Internacional.
  • Precaução. No direito comunitário: o Caso Pfizer.
  • Precaução. No direito comparado: o contencioso das antenas de telecomunicações móveis na jurisprudência francesa.
  • Precaução. No direito internacional: o (segundo) caso dos ensaios nucleares.
  • Precaução. No direito português: o caso da co-incineração (na cimenteira de souselas).
  • Precaução. O art. 6º do acordo de 1995: princípio da precaução ou princípio da prevenção temperado pelo princípio da proporcionalidade.
  • Precaução. Os "pontos firmes" sobre a ideia de precaução.
  • Precaução. Providências cautelares e o"princípio da precaução": ecos da jurisprudência.
  • Precaução: um princípio (?) que veio do mar.
  • Prevenção. O art. 6º do acordo de 1995: princípio da precaução ou princípio da prevenção temperado pelo princípio da proporcionalidade.
  • Prevenção. Protecção ambiental internacional entre o imperativo da prevenção e a afirmação da soberania.
  • Princípio da precaução. Dar o duvidoso pelo (in)certo? Reflexões sobre o "princípio da precaução".
  • Princípio da precaução. De que falamos quando falamos de precaução?.
  • Princípio da precaução. Incertezas quanto à operacionalidade da ideia de precaução.
  • Princípio da precaução. Inexistênciada precaução enquanto princípio geral de Direito Internacional.
  • Princípio da precaução. No Direito Comunitário: o Caso Pfizer.
  • Princípio da precaução. No direito comparado: o contencioso das antenas de telecomunicações móveis na jurisprudência francesa.
  • Princípio da precaução. No direito internacional: o (segundo) caso dos ensaios nucleares.
  • Princípio da precaução. No direito português: o caso da co-incineração (na cimenteira de souselas).
  • Princípio da precaução. O art. 6º do acordo de 1995: princípio da precaução ou princípio da prevenção temperado pelo princípio da proporcionalidade.
  • Princípio da precaução. Os "pontos firmes" sobre a ideia de precaução.
  • Princípio da precaução. Precaução e urgência.
  • Princípio da precaução. Providênciascautelares e o "princípio da precaução": ecos da jurisprudência.
  • Príncípio da prevenção. O art. 6º do acordo de 1995: princípio da precaução ou princípio da prevenção temperado pelo princípio da proporcionalidade.
  • Princípio da proporcionalidade. O art. 6º do acordode 1995: princípio da precaução ou princípio da prevenção temperado pelo princípio da proporcionalidade.
  • Princípio. Precaução: um princípio (?) que veio do mar.
  • Princípios. Subsídios para um quadro principiológico dos procedimentos de avaliação e gestão dorisco ambiental.
  • Processo. Particularidades processuais da tutela ambiental.
  • Proporcionalidade. O art. 6º do acordo de 1995: princípio da precaução ou princípio da prevenção temperado peloprincípio da proporcionalidade.
  • Protecção ambiental internacional entreo imperativo da prevenção e a afirmação da soberania.
  • Protecção ambiental. Superabundância de bases jurídicas após o Acto Único Europeu.
  • Protecção do ambiente na Convenção Europeia: protecção meramente reflexa
  • Protecção do ambiente. Convenção de Montego Bay e a protecção do ambiente: uma visão panorâmica.
  • Protecção do ambiente. De quanta incertezase faz a protecção do ambiente?.
  • Protecção do ambiente. Interesse. Autonomia.
  • Protecção do ambiente. Necessidade de confirmação da protecção do ambiente como atribuição comunitária: os acórdãos comissão contra a Itália (1980).
  • Protecção dos recursosmarinhos na área.
  • Protecção dos recursos marinhos na plataforma continental.
  • Protecção dos recursos marinhos nazona económica exclusiva.
  • Protecção dos recursos marinhos no alto mar.
  • Protecção dos recursos marinhos no mar territorial.
  • Protecção internacional do ambientena Convenção de Montego Bay.
  • Protecção internacional do ambiente na Convenção de Montego Bay. Introdução
  • Protecção meramente reflexa. Protecção do ambiente na Convenção Europeia.
  • Providências cautelares e o "princípio da precaução": ecos da jurisprudência. Balanço crítico.
  • Providências cautelares e o "princípio da precaução": ecos da jurisprudência. Introdução.

Q

  • Questões problemáticas. Competência de instância internacional para julgar litígios emergentes de atentados a estes bens.
  • Questões problemáticas. Definição dos bens ambientais de interesse colectivo
  • Questões problemáticas. Legitimidade para sindicar atentados a estes bens.

R

  • Razão de Estado. Bens ambientais como bens de interesse comum da humanidade: entre o universalismo e a razão de Estado.
  • Recurso natural. Direito do Ambiente ou Direito dos Recursos Naturais?.
  • Reflexões sobre o "princípio da precaução". Dar o duvidoso pelo (in)certo?
  • Reparação do dano a bens ambientais.
  • Responsabilidade internacional por ofensas a estes bens. Bem ambiental.
  • Risco ambiental. Subsídios para um quadro principiológico dos procedimentos de avaliação e gestãodo risco ambiental.

S

  • Selecção de casos.
  • Sentido oculto do Direito ao Ambiente.
  • Soberania. Protecção ambiental internacional entre o imperativo da prevenção e a afirmação da soberania.
  • Subsídios para um quadro principiológico dos procedimentos de avaliação e gestão do risco ambiental.
  • Superabundância de bases jurídicasapós o Acto Único Europeu.

T

  • Transversalidade do Direito do Ambiente.
  • Tribunal de Justiça da União Europeia.Follow The Green Brick Road: apontamentos sobre a evolução da jurisprudência do Tribunal de Justiça da União Europeia em matéria ambiental.
  • Tribunal Europeu dos Direitos do Homem. Direito ao ambiente.
  • Tutela ambiental. Particularidades processuais da tutela ambiental.

U

  • Unidade. Direito do ambiente. Para uma concepção unitária do Direito do Ambiente; sequência.
  • Universalismo. Bens ambientais como bens de interesse comum da humanidade: entre o universalismo e a razão de Estado.
  • Urgência e precaução.
  • Uso colectivo e direito de propriedade.

V

  • Visão panorâmica. Convenção de Montego Bay e a protecção do ambiente.

Recomendações

Capa do livro: Direito das Relações Patrimoniais - Estrutura e Função na Contemporaneidade, Coordenador: Carlos Edison do Rêgo Monteiro Filho

Direito das Relações Patrimoniais - Estrutura e Função na Contemporaneidade

 Coordenador: Carlos Edison do Rêgo Monteiro FilhoISBN: 978853624989-6Páginas: 292Publicado em: 18/02/2015

Versão impressa

R$ 89,90Adicionar ao
carrinho
Versão impressa
+ eBook grátis

Na compra da versão impressa, a versão digital é brinde!


Versão digital

R$ 61,90Adicionar ao
carrinho
Capa do livro: Responsabilidad Penal en el Deporte, Leonardo Schmitt de Bem
Doutrina Estrangeira

Responsabilidad Penal en el Deporte

 Leonardo Schmitt de BemISBN: 978853624637-6Páginas: 464Publicado em: 07/05/2014

Versão impressa

R$ 139,90Adicionar ao
carrinho
Capa do livro: Responsabilidade Civil do Estado por Danos Ambientais Decorrentes de Condutas Omissivas, Ana Beatriz da Motta Passos Guimarães

Responsabilidade Civil do Estado por Danos Ambientais Decorrentes de Condutas Omissivas

 Ana Beatriz da Motta Passos GuimarãesISBN: 978853624987-2Páginas: 166Publicado em: 28/01/2015

Versão impressa

R$ 49,90Adicionar ao
carrinho
Versão impressa
+ eBook grátis

Na compra da versão impressa, a versão digital é brinde!


Versão digital

R$ 34,70Adicionar ao
carrinho
Capa do livro: IUS QUIJOTESCUM - Una Visión Literaria del Derecho en la Novela Don Quixote de la Mancha, Germán José María Barreiro González
Doutrina Estrangeira

IUS QUIJOTESCUM - Una Visión Literaria del Derecho en la Novela Don Quixote de la Mancha

 Germán José María Barreiro GonzálezISBN: 853621292-6Páginas: 140Publicado em: 23/06/2006

Versão impressa

R$ 39,90Adicionar ao
carrinho