Processo Penal Fraterno - O Dever de Fundamentar o Provimento Acusatório pelo Ministério Público no Sistema Processual Brasileiro

João Porto Silvério Júnior

Parcele em até 6x sem juros no cartão.
Parcela mínima de R$ 20,00

Versão impressa

Ficha técnica

Autor(es): João Porto Silvério Júnior

ISBN: 978853624625-3

Acabamento: Brochura

Número de páginas: 312

Publicado em: 30/04/2014

Área(s): Direito Processual Penal

Sinopse

A presente obra analisa a necessidade do dever de fundamentação do provimento acusatório pelo Ministério Público no Estado Democrático de Direito, partindo do referencial teórico do Direito Fraterno. Trata-se de uma proposta de solução para o problema do autoritarismo e paternalismo por parte do agente do Ministério Público, que tem utilizado o processo penal como instrumento de perseguição implacável, materializando denúncias temerárias, solipsistas e sem a fundamentação jurídica necessária.

A partir da análise de premissas estabelecidas, apresenta-se o processo penal como mecanismo da tecnologia punitiva dividida em fases, destacando-se as fases de investigação criminal, intermediária e de julgamento, superando-se a ideia de persecução penal. Promoveu-se uma revisão da noção de "ação penal pública", concebendo-a como provimento acusatório, revelando-se o papel do Ministério Público no processo penal.

Considerando que os direitos fundamentais são um freio contra os poderes selvagens e que a arrogância estatal precisa ser eliminada pela inclusão e respeito às diferenças, chegou-se à conclusão de que, no Estado Democrático de Direito, o Ministério Público tem o dever de fundamentar o provimento acusatório, sobretudo a partir da compreensão do Direito Fraterno.

Autor(es)

João Porto Silvério Júnior

Doutor em Direito Processual pela Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais e Università degli Studi di Roma Tre; mestre em Direito (Ciências Penais) pela Universidade Federal de Goiás. Professor universitário. Promotor de Justiça.

Sumário

INTRODUÇÃO .

1 A FRATERNIDADE COMO PARADIGMA DA COMUNIDADE BRASILEIRA APÓS A CONSTITUIÇÃO DO BRASIL DE 1988 .

1.1 A noção de fraternidade de Eligio Resta .

1.2 Os fundamentos e as características do Direito Fraterno

1.2.1 Da noção de comunidade e a sua relação com a ideia de fraternidade de Eligio Resta

1.3 A reconstrução da trajetória da fraternidade c omo imperativo - da época Pré-Revolução Francesa ao preâmbulo da Constitui ção do Brasil de 1988

1.3.1 A fraternidade como lema da Revolução France sa

1.3.2 A fraternidade Pós-Revolução Francesa .

1.3.3 A fraternidade nas Constituições do Brasil e a sociedade fraterna de 1988

1.3.3.1 O problema da violência fundadora e a desconstrução da ideia de inimigo na fraternidade brasileira de 1988: o papel da justiça de transição no Estado Dem ocrático de Direito

1.3.3.2 O engano da violência pelo uso da tecnologia punitiva como mecanismo de imunização na fraternidade brasileira

1.3.3.3 A função da tecnologia punitiva e a noção do pharmakon grego

1.3.3.4 O jogo da ambivalência dopharmakon e a escolha (decisão) trágica da sua dose

1.3.3.4.1 A violência estatal do terceiro - a decisão

1.3.3.4.2 A jurisdição mínima e a lógica dos remédios na fraternidade brasileira

2 A REVISÃO DA TEORIA DO PROCESSO NO ESTADO DEMOCRÁTICO DE DIREITO .

2.1 Da teoria da relação jurídica processual de Os kar Bülow e a sua revelação em Gesetz und Richteramt (Lei e função do juiz) - ressonâncias no modelo processual brasileiro

2.2 O processo concebido como situação jurídica po r James Goldschmidt e a crítica à teoria da relação jurídica processual de Bülow

2.3 A revisão dos conceitos de procedimento e de p rocesso por Elio Fazzalari

2.3.1 A superação da noção de processo como relaçã o jurídica pelo critério inclusivo do contraditório

2.4 Noção de Estado Democrático de Direito segundo a teoria do discurso de Jürgen Habermas.

2.4.1 A ideia de contraditório no Estado Democrático de Direito

2.5 O modelo constitucional do processo (Andolina & Vignera) e as especificidades do processo penal

3 A ESTRUTURA DO PROCESSO PENAL COMO MECANISMO DA TECNOLOGIA PUNITIVA NO ESTADO DEMOCRÁTICO DE DIREITO - A SUPERAÇÃO DA IDEIA DE "PERSECUÇÃO PENAL" E SUA DIVISÃO EM FASES.

3.1 Da inadequação da ideia de "persecução penal" no Estado Democrático de Direito - uma compreensão do processo penal como mecanismo da tecnologia punitiva

3.2 O processo penal brasileiro como mecanismo da tecnologia punitiva e a sua divisão em fases .

3.2.1 A primeira fase do processo penal - a investigação criminal

3.2.1.1 A investigação criminal pela polícia - com o é possível o inquérito policial sobreviver

3.2.1.2 A investigação criminal feita pelo Ministério Público

3.2.1.3 Da fase de investigação criminal - procedi mento ou processo sob a ótica de Elio Fazzalari .

3.2.1.3.1 O contraditório na fase de investigação c riminal

3.2.2 A segunda fase do processo penal - a fase in termediária

3.2.3 A terceira fase do processo penal - a fase d e julgamento

4 O DEVIDO LUGAR DO MINISTÉRIO PÚBLICO NO PROCESSO PENAL DEMOCRÁTICO - DA REVISÃO DO CONCEITO DE "AÇÃO PENAL PÚBLICA" PARA PROVIMENTO ACUSATÓRIO A PARTIR DAS NOÇÕES DE LEGITIMAÇÃO PARA AGIR, POSIÇÕES SUBJETIVAS E PROVIMENTO DE FAZZALARI .

4.1 A noção de "ação penal" no Estado Democrático de Direito

4.2 A legitimação para agir a partir do provimento como critério de identificação da titularidade do direito ao processo no Estado Democrático de Direito

4.2.1 O direito ao processo no Estado Democráticode Direito

4.3 Da concepção de "ação penal pública" e "ação pública" como provimento acusatório a partir da noção de opinio delicti

4.3.1 O papel do Ministério Público no processo penal

4.4 Noção acerca de provimento .

4.4.1 A formação da opinio delicti como provimento acusatório

4.5 Da atuação ministerial solipsista e a suposta "obrigatoriedade do exercício do direito à segunda e à terceira fases do pr ocesso penal"

4.6 O direito de participação dos afetados na form ação do provimento acusatório .

5 O DEVER DE FUNDAMENTAR O PROVIMENTO ACUSATÓRIO NO ESTADO DEMOCRÁTICO DE DIREITO E O USO DA TECNOLOGIA PUNITIVA COMO ANTÍDOTO

5.1 O provimento acusatório como decisão do Minist ério Público e a questão do inconsciente .

5.2 A quebra do mimetismo da violência e da tragicidade do provimento acusatório pela participação dos afetados - a quest ão da imparcialidade do decididor

5.2.1 O metabolismo da violência na primeira faseda tecnologia punitiva - ver o que se pode ver e o problema da ve rdade

5.2.2 O metabolismo da violência na segunda e terceira fases da tecnologia punitiva - a lógica do pharmakon

5.3 O jogo da oscilação da tecnologia punitiva e a necessidade de um contratempo a partir da fase de investigação - a fu ndamentação do provimento acusatório .

5.3.1 O dever de fundamentar o provimento acusatór io pelo Ministério Público no Estado Democrático de Direito - uma releitura a partir do Direito Fraterno

5.3.1.1 Uma comunidade sem inimigos - os direitos contra os poderes

5.3.1.2 O mau decifrável ou de como a arrogância pode ser eliminada

5.3.1.3 A aposta da diferença do Direito Fraterno - a inclusão e o respeito pelo Outro.

CONCLUSÃO

REFERÊNCIAS

ANEXOS

Índice alfabético

A

  • Ação penal. Noção de "ação penal" no Estado Democ rático de Direito
  • Andolina & Vignera. Modelo constitucional do proc esso (Andolina & Vignera) e as especificidades do processo penal
  • Anexos .
  • Aposta da diferença do Direito Fraterno. A inclus ão e o respeito pelo Outro
  • Atuação ministerial solipsista e a suposta "obrig atoriedade do exercício do direito à segunda e à terceira fases do processo pe nal"

C

  • Concepção de "ação penal pública" e "ação pública " como provimento acusatório a partir da noção de opinio delicti
  • Conclusão .
  • Constituição Federal. Fraternidade como paradigma da comunidade brasileira após a Constituição do Brasil de 1988 .
  • Constituição Federal. Fraternidade nas Constituiç ões do Brasil e a sociedade fraterna de 1988
  • Constituição Federal. Reconstrução da trajetória da fraternidade como imperativo. Da época Pré-Revolução Francesa ao preâmbulo da Constituição do Brasil de 1988 .
  • Contraditório na fase de investigação criminal .
  • Contraditório. Ideia de contraditório no Estado D emocrático de Direito
  • Contraditório. Superação da noção de processo com o relação jurídica pelo critério inclusivo do contraditório

D

  • Decisão. Violência estatal do terceiro. A decisão
  • Dever de fundamentar o provimento acusatório no E stado Democrático de Direito e o uso da tecnologia punitiva como antídoto
  • Dever de fundamentar o provimento acusatório pelo Ministério Público no Estado Democrático de Direito. Uma releitura a partir do Direito Fraterno
  • Direito ao processo no Estado Democrático de Direito
  • Direito de participação dos afetados na formação do provimento acusatório .
  • Direito Fraterno. Fundamentos e as característica s do Direito Fraterno
  • Direito fraterno. Aposta da diferença do Direito Fraterno. A inclusão e o respeito pelo Outro
  • Direito fraterno. Comunidade sem inimigos. Os dir eitos contra os poderes
  • Direito fraterno. Dever de fundamentar o provimen to acusatório pelo Ministério Público no Estado Democrático de Direito . Uma releitura a partir do Direito Fraterno
  • Direito fraterno. O mau decifrável ou de como a rrogância pode ser eliminada

E

  • Eligio Resta. Noção de comunidade e a sua relação com a ideia de fraternidade de Eligio Resta
  • Eligio Resta. Noção de fraternidade de Eligio Res ta
  • Elio Fazzalari. Fase de investigação criminal. Pr ocedimento ou processo sob a ótica de Elio Fazzalari .
  • Elio Fazzalari. Ministério Público. Processo penal democrático. Da revisão do conceito de "ação penal pública" para provim ento acusatório a partir das noções de legitimação para agir, posições s ubjetivas e provimento de Fazzalari
  • Elio Fazzalari. Revisão dos conceitos de procedim ento e de processo por Elio Fazzalari
  • Engano da violência pelo uso da tecnologia punitiva como mecanismo de imunização na fraternidade brasileira .
  • Estado Democrático De Direito. Revisão da teoria do Processo no Estado Democrático de Direito
  • Estado Democrático de Direito. Dever de fundamentar o provimento acusatório no Estado Democrático de Direito e o uso da tecnologia punitiva como antídoto
  • Estado Democrático de Direito. Dever de fundamentar o provimento acusatório pelo Ministério Público no Estado Democrático de Direito. Uma releitura a partir do Direito Fraterno
  • Estado Democrático de Direito. Direito ao processo no Estado Democrático de Direito
  • Estado Democrático de Direito. Estrutura do processo penal como mecanismo da tecnologia punitiva no Estado Democráticode Direito. A superação da ideia de "persecução penal" e sua divisão em fases
  • Estado Democrático de Direito. Ideia de contraditório no Estado Democrático de Direito
  • Estado Democrático de Direito. Inadequação da ideia de "persecução penal" no Estado Democrático de Direito. Uma compreensão do processo penal como mecanismo da tecnologia punitiva
  • Estado Democrático de Direito. Legitimação para agir a partir do provimento como critério de identificação da titularidade do direito ao processo no Estado Democrático de Direito
  • Estado Democrático de Direito. Noção de "ação pen al"
  • Estado Democrático de Direito. Noção segundo a teoria do discurso de Jürgen Habermas.
  • Estado Democrático de Direito. Problema da violência fundadora e a desconstrução da ideia de inimigo na fraternidade bras ileira de 1988: o papel da justiça de transição .
  • Estado. Violência estatal do terceiro. A decisão
  • Estrutura do processo penal como mecanismo da tec nologia punitiva no Estado Democrático de Direito. A superação da ideia de "persecução penal" e sua divisão em fases .
  • Exercício do direito. Atuação ministerial solipsi sta e a suposta "obrigatoriedade do exercício do direito à segunda e à ter ceira fases do processo penal" .

F

  • Fase de investigação criminal. Procedimento ou pr ocesso sob a ótica de Elio Fazzalari
  • Formação da opinio delicti como provimento acusatório .
  • Fraternidade como lema da Revolução Francesa .
  • Fraternidade como paradigma da comunidade brasile ira após a Constituição do Brasil de 1988 .
  • Fraternidade nas Constituições do Brasil e a soci edade fraterna de 1988
  • Fraternidade Pós-Revolução Francesa .
  • Fraternidade. Engano da violência pelo uso da tecnologia punitiva como mecanismo de imunização na fraternidade brasileira
  • Fraternidade. Jurisdição mínima e a lógica dos re médios na fraternidade brasileira
  • Fraternidade. Noção de comunidade e a sua relação com a ideia de fraternidade de Eligio Resta
  • Fraternidade. Noção de fraternidade de Eligio Res ta
  • Fraternidade. Problema da violência fundadora e a desconstrução da ideia de inimigo na fraternidade brasileira de 1988: o papel da justiça de transição no Estado Democrático de Direito
  • Fraternidade. Reconstrução da trajetória da frate rnidade como imperativo. Da época Pré-Revolução Francesa ao preâmbulo da Constituição do Brasil de 1988
  • Função da tecnologia punitiva e a noção do pharmakon grego
  • Fundamentos e as características do Direito Frate rno

G

  • Gesetz und Richteramt. Teoria da relação jurídica processual de Oskar Bülow e a sua revelação em Gesetz und Richteramt (Lei e função do juiz). Ressonâncias no modelo processual brasileiro .

I

  • Ideia de contraditório no Estado Democrático de Direito
  • Inadequação da ideia de "persecução penal" no Est ado Democrático de Direito. Uma compreensão do processo penal como mec anismo da tecnologia punitiva
  • Inconsciente. Provimento acusatório como decisão do Ministério Público e a questão do inconsciente .
  • Introdução .
  • Investigação criminal feita pelo Ministério Público
  • Investigação criminal pela polícia. Como é possív el o inquérito policial sobreviver
  • Investigação criminal. Contraditório na fase de i nvestigação criminal
  • Investigação criminal. Fase de investigação crimi nal. Procedimento ou processo sob a ótica de Elio Fazzalari .
  • Investigação criminal. Primeira fase do processo penal. A investigação criminal

J

  • Jürgen Habermas. Noção de Estado Democrático de D ireito segundo a teoria do discurso de Jürgen Habermas .
  • James Goldschmidt. Processo concebido como situaç ão jurídica por James Goldschmidt e a crítica à teoria da relação jurídic a processual de Bülow
  • Jogo da ambivalência dopharmakon e a escolha (decisão) trágica da sua dose
  • Jogo da oscilação da tecnologia punitiva e a nece ssidade de um contratempo a partir da fase de investigação. A fundament ação do provimento acusatório .
  • Juiz. Teoria da relação jurídica processual de Os kar Bülow e a sua revelação em Gesetz und Richteramt (Lei e função do juiz). Ressonâncias no modelo processual brasileiro
  • Jurisdição mínima e a lógica dos remédios na frat ernidade brasileira
  • Justiça de transição. Problema da violência funda dora e a desconstrução da ideia de inimigo na fraternidade brasileira de 1988: o papel da justiça de transição no Estado Democrático de Direito

L

  • Legitimação para agir a partir do provimento como critério de identificação da titularidade do direito ao processo no Est ado Democrático de Direito

M

  • Metabolismo da violência na segunda e terceira fases da tecnologia punitiva. A lógica do pharmakon
  • Ministério Público. Dever de fundamentar o provimento acusatório pelo Ministério Público no Estado Democrático de Direito . Uma releitura a partir do Direito Fraterno
  • Ministério Público. Investigação criminal feita pelo Ministério Público
  • Ministério Público. Papel do Ministério Público n o processo penal
  • Ministério Público. Processo penal democrático. D a revisão do conceito de "ação penal pública" para provimento acusatório a partir das noções de legitimação para agir, posições subjetivas e provim ento de Fazzalari
  • Ministério Público. Provimento acusatório como decisão do Ministério Público e a questão do inconsciente
  • Modelo constitucional do processo (Andolina & Vig nera) e as especificidades do processo penal

N

  • Noção de comunidade e a sua relação com a ideia d e fraternidade de Eligio Resta
  • Noção de Estado Democrático de Direito segundo a teoria do discurso de Jürgen Habermas .
  • Noção de fraternidade de Eligio Resta .
  • Noção de "ação penal" no Estado Democrático de Di reito

O

  • Opinio delicti. Formação da opinio delicti como provimento acusatório
  • Oskar Bülow. Processo concebido como situação jur ídica por James Goldschmidt e a crítica à teoria da relação jurídica pr ocessual de Bülow
  • Oskar Bülow. Teoria da relação jurídica processua l de Oskar Bülow e a sua revelação em Gesetz und Richteramt (Lei e função do juiz). Ressonâncias no modelo processual brasileiro

P

  • Persecução penal. Estrutura do processo penal com o mecanismo da tecnologia punitiva no Estado Democrático de Direito. Asuperação da ideia de "persecução penal" e sua divisão em fases .
  • Persecução penal. Inadequação da ideia de "persec ução penal" no Estado Democrático de Direito. Uma compreensão do processo penal como mecanismo da tecnologia punitiva
  • Pharmakon grego. Função da tecnologia punitiva e a noção do pharmakon grego
  • Pharmakon. Jogo da ambivalência dopharmakon e a escolha (decisão) trágica da sua dose
  • Pharmakon. Metabolismo da violência na segunda e terceira fases da tecnologia punitiva. A lógica do pharmakon
  • Polícia. Investigação criminal pela polícia. Como é possível o inquérito policial sobreviver
  • Pós-Revolução francesa. Fraternidade Pós-Revoluçã o Francesa
  • Pré-Revolução francesa. Reconstrução da trajetóri a da fraternidade como imperativo. Da época Pré-Revolução Francesa ao preâmbulo da Constituição do Brasil de 1988 .
  • Problema da violência fundadora e a desconstrução da ideia de inimigo na fraternidade brasileira de 1988: o papel da justiça de transição no Estado Democrático de Direito
  • Procedimento. Fase de investigação criminal. Proc edimento ou processo sob a ótica de Elio Fazzalari .
  • Procedimento. Revisão dos conceitos de procedimen to e de processo por Elio Fazzalari
  • Processo concebido como situação jurídica por Jam es Goldschmidt e a crítica à teoria da relação jurídica processual de Bülow
  • Processo penal brasileiro como mecanismo da tecno logia punitiva e a sua divisão em fases .
  • Processo penal democrático. Ministério Público. D a revisão do conceito de "ação penal pública" para provimento acusatório a partir das noções de legitimação para agir, posições subjetivas e provim ento de Fazzalari
  • Processo penal. Atuação ministerial solipsista e a suposta "obrigatoriedade do exercício do direito à segunda e à terceira fase s do processo penal"
  • Processo penal. Estrutura do processo penal como mecanismo da tecnologia punitiva no Estado Democrático de Direito. A superação da ideia de "persecução penal" e sua divisão em fases .
  • Processo penal. Papel do Ministério Público no processo penal
  • Processo penal. Primeira fase do processo penal. A investigação criminal
  • Processo penal. Segunda fase do processo penal. F ase intermediária
  • Processo penal. Terceira fase do processo penal. A fase de julgamento
  • Processo. Fase de investigação criminal. Procedim ento ou processo sob a ótica de Elio Fazzalari .
  • Processo. Modelo constitucional do processo (Ando lina & Vignera) e as especificidades do processo penal
  • Processo. Revisão da teoria do Processo no Estado Democrático de Direito
  • Processo. Revisão dos conceitos de procedimento e de processo por Elio Fazzalari
  • Processo. Superação da noção de processo como rel ação jurídica pelo critério inclusivo do contraditório
  • Provimento acusatório como decisão do Ministério Público e a questão do inconsciente
  • Provimento acusatório. Dever de fundamentar o pro vimento acusatório no Estado Democrático de Direito e o uso da tecnologia punitiva como antídoto
  • Provimento acusatório. Dever de fundamentar o pro vimento acusatório pelo Ministério Público no Estado Democrático de Direito. Uma releitura a partir do Direito Fraterno
  • Provimento acusatório. Direito de participação do s afetados na formação do provimento acusatório .
  • Provimento acusatório. Formação da opinio delicti como provimento acusatório .
  • Provimento acusatório. Jogo da oscilação da tecno logia punitiva e a necessidade de um contratempo a partir da fase de investigação. A fundamentação do provimento acusatório .
  • Provimento acusatório. Quebra do mimetismo da vio lência e da tragicidade do provimento acusatório pela participação dos a fetados. A questão da imparcialidade do decididor
  • Provimento. Noção acerca de provimento .

Q

  • Quebra do mimetismo da violência e da tragicidade do provimento acusatório pela participação dos afetados. A questão da imparcialidade do decididor
  • Quebra do mimetismo da violência e da tragicidade do provimento acusatório pela participação dos afetados. A questão da imparcialidade do decididor

R

  • Reconstrução da trajetória da fraternidade como i mperativo. Da época PréRevolução Francesa ao preâmbulo da Constituição do Brasil de 1988
  • Referências
  • Relação jurídica processual. Teoria da relação ju rídica processual de Oskar Bülow e a sua revelação em Gesetz und Richteramt (Lei e função do juiz). Ressonâncias no modelo processual brasileiro
  • Relação jurídica. Superação da noção de processo como relação jurídica pelo critério inclusivo do contraditório
  • Revisão da teoria do Processo no Estado Democrático De Direito
  • Revisão dos conceitos de procedimento e de proces so por Elio Fazzalari
  • Revolução francesa. Fraternidade como lema da Rev olução Francesa

S

  • Sociedade fraterna. Fraternidade nas Constituiçõe s do Brasil e a sociedade fraterna de 1988
  • Superação da noção de processo como relação juríd ica pelo critério inclusivo do contraditório .

T

  • Tecnologia punitiva. Dever de fundamentar o provi mento acusatório no Estado Democrático de Direito e o uso da tecnologia punitiva como antídoto
  • Tecnologia punitiva. Engano da violência pelo uso da tecnologia punitiva como mecanismo de imunização na fraternidade brasil eira
  • Tecnologia punitiva. Função da tecnologia punitiv a e a noção do pharmakon grego
  • Tecnologia punitiva. Inadequação da ideia de "per secução penal" no Estado Democrático de Direito. Uma compreensão do processo penal como mecanismo da tecnologia punitiva
  • Tecnologia punitiva. Jogo da oscilação da tecnolo gia punitiva e a necessidade de um contratempo a partir da fase de investigação. A fundamentação do provimento acusatório .
  • Tecnologia punitiva. Metabolismo da violência nasegunda e terceira fases da tecnologia punitiva. A lógica do pharmakon
  • Tecnologia punitiva. Processo penal brasileiro co mo mecanismo da tecnologia punitiva e a sua divisão em fases .
  • Teoria da relação jurídica processual de Oskar Bü low e a sua revelação em Gesetz und Richteramt (Lei e função do juiz). Ressonâncias no modelo processual brasileiro
  • Teoria da relação jurídica. Processo concebido co mo situação jurídica por James Goldschmidt e a crítica à teoria da relação j urídica processual de Bülow .
  • Terceiro. Violência estatal do terceiro. A decisão

V

  • Verdade. Metabolismo da violência na primeira fase da tecnologia punitiva. Ver o que se pode ver e o problema da verdade
  • Violência. Engano da violência pelo uso da tecnologia punitiva como mecanismo de imunização na fraternidade brasileira
  • Violência. Quebra do mimetismo da violência e datragicidade do provimento acusatório pela participação dos afetados. A questão da imparcialidade do decididor
  • Violência estatal do terceiro. A decisão

Recomendações

Capa do livro: Temas de Direito Penal e Processual Penal, Isaac SABBÁ GUIMARÃES

Temas de Direito Penal e Processual Penal

 Isaac SABBÁ GUIMARÃESISBN: 853620121-5Páginas: 236Publicado em: 28/08/2002

Versão impressa

R$ 69,90Adicionar ao
carrinho
Capa do livro: El Agente Infiltrado desde el Punto de Vista del Garantismo Procesal Penal, Flávio Cardoso Pereira
Doutrina Estrangeira

El Agente Infiltrado desde el Punto de Vista del Garantismo Procesal Penal

2ª EdiciónFlávio Cardoso PereiraISBN: 978853625589-7Páginas: 778Publicado em: 26/02/2016

Versão impressa

R$ 249,90Adicionar ao
carrinho

Versão digital

R$ 174,70Adicionar eBook
ao carrinho
Capa do livro: Videoconferência no Processo Penal Brasileiro - Interrogatório On-line, Juliana Fioreze

Videoconferência no Processo Penal Brasileiro - Interrogatório On-line

2ª Edição - Revista e AmpliadaJuliana FiorezeISBN: 978853622575-3Páginas: 456Publicado em: 14/08/2009

Versão impressa

R$ 137,70Adicionar ao
carrinho
Capa do livro: Cautelares no Processo Penal, Adel El Tasse e Cássia Camila Cirino dos Santos

Cautelares no Processo Penal

 Adel El Tasse e Cássia Camila Cirino dos SantosISBN: 978853623407-6Páginas: 96Publicado em: 25/07/2011

Versão impressa

R$ 29,90Adicionar ao
carrinho