Negociações Coletivas de Trabalho - As Decisões Judiciais e o Princípio da Fraternidade

Luiz Eduardo Gunther e Marco Antônio César Villatore

Parcele em até 6x sem juros no cartão.
Parcela mínima de R$ 30,00

Versão impressa

Versão digital

Disponível para:AndroidiOSWindows Phone

Ficha técnica

Autor(es): Luiz Eduardo Gunther e Marco Antônio César Villatore

ISBN v. impressa: 978853628368-5

ISBN v. digital: 978853628407-1

Acabamento: Brochura

Número de páginas: 216

Publicado em: 08/10/2018

Área(s): Direito - Trabalho; Internacional

Versão Digital (e-Book)

Para leitura em aplicativo exclusivo da Juruá Editora para Smartphones e Tablets rodando iOS, Android ou Windows Phone. Não compatível KINDLE, LEV, KOBO e outros e-Readers.

Disponível para as plataformas:

  • AndroidAndroid 4 ou posterior
  • iOSiOS 7 ou posterior
  • Windows PhoneWindows Phone 8 ou posterior

Em computadores a leitura é apenas online e sem recursos de favoritos e anotações;
Não permite a impressão e cópia do conteúdo.

Compra apenas via site da Juruá Editora.

Sinopse

Pretende-se, com este estudo, analisar o princípio da fraternidade, como macroprincípio de Direitos Humanos encontrado na Constituição brasileira, abordando a negociação coletiva do trabalho dentro deste contexto.

As relações interpessoais vêm sofrendo mudanças radicais e há necessidade de adequação aos princípios, inclusive o mais esque­cido de todos.

Os Tribunais brasileiros são chamados para resolver questões so­bre negociação coletiva do trabalho, sendo que o Supremo Tribu­nal Federal entende que é válido tudo que não traga prejuízo ao trabalhador; o Tribunal Superior do Trabalho, por sua vez, entende que é válido quando há concessões recíprocas entre o capital e o trabalho.

As negociações coletivas de trabalho sem a interveniência de en­tidades sindicais obreiras devem ser repelidas, mesmo com pre­visão na Consolidação das Leis Trabalhistas, pois afrontam deter­minação constitucional.

Ainda levaremos algum tempo para assimilar as novidades trazi­das pela Lei 13.467/2017, denominada reforma trabalhista, mas esperamos que todos nós, desde advogados ou procuradores a magistrados, apliquemos bem tais institutos modificados ou aqueles surgidos.

Esperamos que esta obra traga a lembrança e a prática do princí­pio da fraternidade não somente em negociações coletivas de tra­balho, mas também em todos os atos que forem desenvolver em suas vidas.

Autor(es)

LUIZ EDUARDO GUNTHER

Professor do Centro Universi­tário Curitiba – UNICURITIBA. Desembargador do Trabalho no TRT 9 PR. Pós-Doutor pela PUCPR. Membro da Academia Brasileira de Direito do Trabalho, do Instituto Históri­co e Geográfico do Paraná e do Centro de Letras do Paraná. Orientador do Grupo de Pesquisa que edita a Re­vista Eletrônica do TRT9.

MARCO ANTÔNIO CÉSAR VILLATORE

Professor Titular do Programa de Pós-Graduação em Direito e Coordenador do Curso de Especialização em Direito do Trabalho e do NEATES, todos da Pontifícia Universidade Católica do Paraná. Professor do UNINTER e da UFSC. Pós-Doutor pela Università degli Studi di Roma II, “Tor Vergata”. Doutor em Diritto del Lavoro, Sindacale e della Previdenza Sociale – Università degli Studi di Roma, “La Sapienza”, revali­dado pela Universidade Federal de Santa Catarina. Mes­tre em Direito pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo. Membro número 73 da Academia Brasileira de Di­reito do Trabalho. Advogado.

Sumário

1 ‒ INTRODUÇÃO

2 ‒ A DIMENSÃO HISTÓRICA DA ENCÍCLICA RERUM NOVARUM E DA DOUTRINA SOCIAL DA IGREJA: DA SUBSIDIARIEDADE À FRATERNIDADE COMO PRINCÍPIOS JURÍDICOS

2.1 AS PREOCUPAÇÕES COM AS CONDIÇÕES DOS OPERÁRIOS E A DOUTRINA SOCIAL DA IGREJA

2.2 O PRINCÍPIO DA SUBSIDIARIEDADE

2.3 A POLISSEMIA DA PALAVRA ´FRATERNIDADE´

2.4 A FRATERNIDADE COMO CATEGORIA JURÍDICA

2.5 O DIÁLOGO DAS FONTES

2.6 A SOLIDARIEDADE COMO PRIMEIRO PASSO PARA A FRATERNIDADE

2.7 A FRATERNIDADE COMO PRINCÍPIO

2.8 O PRINCÍPIO DA FRATERNIDADE E O PREÂMBULO DA CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL, DE 1988

3 ‒ O PAPEL DA ORGANIZAÇÃO INTERNACIONAL DO TRABALHO NA COMPREENSÃO DO TRABALHO DECENTE: OS PARÂMETROS DOS DIREITOS FUNDAMENTAIS E DA DIGNIDADE DA PESSOA HUMANA

3.1 A ÉTICA DO DESENVOLVIMENTO E A RESPONSABILIDADE SOCIAL EMPRESARIAL

3.2 COMO PODE SER ENTENDIDA A TEORIA DO RECONHECIMENTO DE AXEL HONNETH (RELACIONANDO-SE COM OS ENSINAMENTOS DE JÜRGEN HABERMAS)

3.3 A DIMENSÃO JURÍDICA DA TEORIA DO RECONHECIMENTO

3.4 A COMPREENSÃO DO TRABALHO DECENTE

3.5 A IMPORTÂNCIA DAS DECLARAÇÕES DA ORGANIZAÇÃO INTERNACIONAL DO TRABALHO E OS PARÂMETROS DOS DIREITOS FUNDAMENTAIS E DA DIGNIDADE DA PESSOA HUMANA

4 ‒ O RECONHECIMENTO DO PRINCÍPIO DA FRATERNIDADE QUANDO SE REALIZA OU SE CONCRETIZA A NEGOCIAÇÃO COLETIVA DE TRABALHO

4.1 AS ORIGENS DA NEGOCIAÇÃO COLETIVA

4.2 A "CONQUISTA" DOS DIREITOS DOS TRABALHADORES: O PERÍODO VARGAS

4.3 O DESENVOLVIMENTO NO BRASIL A PARTIR DE 1988

4.4 O SIGNIFICADO JURÍDICO DA NEGOCIAÇÃO COLETIVA TRABALHISTA

4.5 A FUNCIONALIDADE E A PRINCIPIOLOGIA

4.6 A NEGOCIAÇÃO COLETIVA DO TRABALHO COMO INSTRUMENTO PARA ASSIMILAR E ADAPTAR AS TRANSFORMAÇÕES DA ATIVIDADE LABORATIVA

4.7 COMO A NEGOCIAÇÃO COLETIVA PODE FRATERNIZAR AS RELAÇÕES ENTRE TRABALHADORES E EMPREGADORES

4.8 OBSTÁCULOS À NEGOCIAÇÃO COLETIVA: DIFICULDADES À SUA EFETIVAÇÃO

5 ‒ OS CONFLITOS COLETIVOS DE TRABALHO QUE SE SOLUCIONAM SEM A PARTICIPAÇÃO DO PODER JUDICIÁRIO: O CONTEÚDO DAS NEGOCIAÇÕES COLETIVAS E O PRINCÍPIO DA FRATERNIDADE

5.1 MUDANÇAS DE PARADIGMAS NAS NEGOCIAÇÕES COLETIVAS A PARTIR DE 1988

5.2 O PROCESSO DA NEGOCIAÇÃO COLETIVA

5.2.1 Os Limites Estabelecidos

5.2.2 A Abrangência da Negociação Coletiva

5.2.3 O Tempo de Vigência

5.2.4 A Existência de Normas Coletivas em Conflito

5.3 ABORDAGEM TÓPICA

5.3.1 O Caso dos Turnos Ininterruptos de Revezamento

5.3.2 Os Denominados Atos Antissindicais

5.3.3 A Possibilidade de Regular as Dispensas Coletivas

5.3.4 É Possível a Prorrogação da Jornada de Trabalho do Motorista Profissional Mediante Previsão em Convenção ou Acordo Coletivo, Por Até 4 (Quatro) Horas Extraordinárias?

5.3.5 Impossibilidade ou Invalidade da Negociação Coletiva de Trabalho, Segundo o Tribunal Superior do Trabalho

5.3.6 Possibilidade ou Validade da Negociação Coletiva de Trabalho, Segundo o STF e o TST

5.3.7 É Possível Deixar de Cumprir, ou de Seguir, Uma Norma Coletiva (ACT/CCT ou Sentença Normativa), Quando se Esgota o Tempo de Sua Vigência?

5.3.8 Verificação, e/ou Teste, da Incidência do Princípio da Fraternidade nas Negociações Coletivas de Trabalho e Possíveis Consequências ‒ Em Síntese

5.3.8.1 Pode haver negociação coletiva do trabalho sem a participação do sindicato dos trabalhadores (negociação coletiva atípica)?

5.3.8.2 É possível, no Brasil, a negociação coletiva voltada a regular as relações dos trabalhadores domésticos?

5.3.8.3 É possível, no Brasil, a negociação coletiva para os servidores públicos? Negar-se essa possibilidade violaria o princípio da fraternidade?

5.3.8.4 As novidades da Lei 13.467/2017, denominada "reforma trabalhista"

6 ‒ CONSIDERAÇÕES FINAIS

REFERÊNCIAS

Índice alfabético

A

  • Abordagem tópica
  • Atividade laborativa. Negociação coletiva do trabalho como instrumento para assimilar e adaptar as transformações da atividade laborativa
  • Ato antissindical. Denominados atos antissindicais
  • Axel Honneth. Teoria do reconhecimento. Como pode ser entendida a teoria do reconhecimento de Axel Honneth (relacionando-se com os ensinamentos de Jürgen Habermas)

C

  • Categoria jurídica. Fraternidade como categoria jurídica
  • Como pode ser entendida a teoria do reconhecimento de Axel Honneth (relacionando-se com os ensinamentos de Jürgen Habermas)
  • Compreensão do trabalho decente
  • Conflitos coletivos de trabalho que se solucionam sem a participação do poder judiciário: o conteúdo das negociações coletivas e o princípio da fraternidade
  • Considerações finais
  • Constituição Federal. Princípio da fraternidade e o preâmbulo da Constituição da República Federativa do Brasil, de 1988

D

  • Diálogo das fontes
  • Dignidade da pessoa humana. Importância das declarações da Organização Internacional do Trabalho e os parâmetros dos direitos fundamentais e da dignidade da pessoa humana
  • Dignidade da pessoa humana. Papel da Organização Internacional do Trabalho na compreensão do trabalho decente: os parâmetros dos direitos fundamentais e da dignidade da pessoa humana
  • Dimensão histórica da Encíclica Rerum Novarum e da doutrina social da igreja: da subsidiariedade à fraternidade como princípios jurídicos
  • Dimensão jurídica da teoria do reconhecimento
  • Direitos fundamentais. Importância das declarações da Organização Internacional do Trabalho e os parâmetros dos direitos fundamentais e da dignidade da pessoa humana
  • Direitos fundamentais. Papel da Organização Internacional do Trabalho na compreensão do trabalho decente: os parâmetros dos direitos fundamentais e da dignidade da pessoa humana
  • Dispensa coletiva. Possibilidade de regular as dispensas coletivas
  • Doutrina social da igreja. Preocupações com as condições dos operários e a doutrina social da igreja

E

  • Encíclica Rerum Novarum. Dimensão histórica da Encíclica Rerum Novarum e da doutrina social da igreja: da subsidiariedade à fraternidade como princípios jurídicos
  • Ética do desenvolvimento e a responsabilidade social empresarial

F

  • Fraternidade como categoria jurídica
  • Fraternidade como princípio
  • Fraternidade. Como a negociação coletiva pode fraternizar as relações entre trabalhadores e empregadores
  • Fraternidade. Conflitos coletivos de trabalho que se solucionam sem a participação do poder judiciário: o conteúdo das negociações coletivas e o princípio da fraternidade
  • Fraternidade. Dimensão histórica da Encíclica Rerum Novarum e da doutrina social da igreja: da subsidiariedade à fraternidade como princípios jurídicos
  • Fraternidade. Polissemia da palavra ´fraternidade´
  • Fraternidade. Princípio da fraternidade e o preâmbulo da Constituição da República Federativa do Brasil, de 1988
  • Fraternidade. Reconhecimento do princípio da fraternidade quando se realiza ou se concretiza a negociação coletiva de trabalho
  • Fraternidade. Solidariedade como primeiro passo para a fraternidade
  • Funcionalidade e a principiologia

H

  • Histórico. Dimensão histórica da Encíclica Rerum Novarum e da doutrina social da igreja: da subsidiariedade à fraternidade como princípios jurídicos

I

  • Igreja. Dimensão histórica da Encíclica Rerum Novarum e da doutrina social da igreja: da subsidiariedade à fraternidade como princípios jurídicos
  • Importância das declarações da Organização Internacional do Trabalho e os parâmetros dos direitos fundamentais e da dignidade da pessoa humana
  • Introdução

J

  • Jornada de trabalho. É possível a prorrogação da jornada de trabalho do motorista profissional mediante previsão em convenção ou acordo coletivo, por até 4 (quatro) horas extraordinárias?
  • Jürgen Habermas. Como pode ser entendida a teoria do reconhecimento de Axel Honneth (relacionando-se com os ensinamentos de Jürgen Habermas)

M

  • Mudanças de paradigmas nas negociações coletivas a partir de 1988

N

  • Negociação coletiva atípica. Pode haver negociação coletiva do trabalho sem a participação do sindicato dos trabalhadores (negociação coletiva atípica)?
  • Negociação coletiva de trabalho. Reconhecimento do princípio da fraternidade quando se realiza ou se concretiza a negociação coletiva de trabalho
  • Negociação coletiva do trabalho como instrumento para assimilar e adaptar as transformações da atividade laborativa
  • Negociação coletiva. A "conquista" dos direitos dos trabalhadores: o período Vargas
  • Negociação coletiva. Abrangência da negociação coletiva
  • Negociação coletiva. Como a negociação coletiva pode fraternizar as relações entre trabalhadores e empregadores
  • Negociação coletiva. Conflitos coletivos de trabalho que se solucionam sem a participação do poder judiciário: o conteúdo das negociações coletivas e o princípio da fraternidade
  • Negociação coletiva. Desenvolvimento no Brasil a partir de 1988
  • Negociação coletiva. Existência de normas coletivas em conflito
  • Negociação coletiva. Impossibilidade ou invalidade da negociação coletiva de trabalho, segundo o Tribunal Superior do Trabalho
  • Negociação coletiva. Mudanças de paradigmas nas negociações coletivas a partir de 1988
  • Negociação coletiva. Obstáculos à negociação coletiva: dificuldades à sua efetivação
  • Negociação coletiva. Origens da negociação coletiva
  • Negociação coletiva. Possibilidade ou validade da negociação coletiva de trabalho, segundo o STF e o TST
  • Negociação coletiva. Significado jurídico da negociação coletiva trabalhista
  • Negociação coletiva. Tempo de vigência
  • Negociação coletiva. Verificação, e/ou teste, da incidência do princípio da fraternidade nas negociações coletivas de trabalho e possíveis consequências? em síntese
  • Norma coletiva. É possível deixar de cumprir, ou de seguir, uma norma coletiva (ACT/CCT ou Sentença Normativa), quando se esgota o tempo de sua vigência?

O

  • OIT. Importância das declarações da Organização Internacional do Trabalho e os parâmetros dos direitos fundamentais e da dignidade da pessoa humana
  • OIT. Papel da Organização Internacional do Trabalho na compreensão do trabalho decente: os parâmetros dos direitos fundamentais e da dignidade da pessoa humana
  • Operários. Preocupações com as condições dos operários e a doutrina social da igreja
  • Origens da negociação coletiva

P

  • Papel da Organização Internacional do Trabalho na compreensão do trabalho decente: os parâmetros dos direitos fundamentais e da dignidade da pessoa humana
  • Poder Judiciário. Conflitos coletivos de trabalho que se solucionam sem a participação do poder judiciário: o conteúdo das negociações coletivas e o princípio da fraternidade
  • Polissemia da palavra ´fraternidade´
  • Preocupações com as condições dos operários e a doutrina social da igreja
  • Princípio da fraternidade e o preâmbulo da Constituição da República Federativa do Brasil, de 1988
  • Princípio da subsidiariedade
  • Princípio. Fraternidade como princípio
  • Principiologia. Funcionalidade e a principiologia
  • Processo da negociação coletiva
  • Processo da negociação coletiva. Limites estabelecidos

R

  • Reconhecimento do princípio da fraternidade quando se realiza ou se concretiza a negociação coletiva de trabalho
  • Referências
  • Reforma trabalhista. Novidades da Lei 13.467/2017, denominada "reforma trabalhista"
  • Responsabilidade social empresarial. Ética do desenvolvimento e a responsabilidade social empresarial

S

  • Servidor público. É possível, no Brasil, a negociação coletiva para os servidores públicos? Negar-se essa possibilidade violaria o princípio da fraternidade?
  • Solidariedade como primeiro passo para a fraternidade
  • Subsidiariedade. Dimensão histórica da Encíclica Rerum Novarum e da doutrina social da igreja: da subsidiariedade à fraternidade como princípios jurídicos
  • Subsidiariedade. Princípio da subsidiariedade

T

  • Teoria do reconhecimento. Dimensão jurídica da teoria do reconhecimento
  • Trabalho decente. Compreensão
  • Trabalho decente. Papel da Organização Internacional do Trabalho na compreensão do trabalho decente: os parâmetros dos direitos fundamentais e da dignidade da pessoa humana
  • Trabalho doméstico. É possível, no Brasil, a negociação coletiva voltada a regular as relações dos trabalhadores domésticos?
  • Turnos ininterruptos de revezamento. Caso

Recomendações

Capa do livro: CLT 2017 - Consolidação das Leis do Trabalho - Reforma Trabalhista, Organizadores: Emilio Sabatovski e Iara P. Fontoura

CLT 2017 - Consolidação das Leis do Trabalho - Reforma Trabalhista

 Organizadores: Emilio Sabatovski e Iara P. FontouraISBN: 978853627155-2Páginas: 220Publicado em: 31/07/2017

Versão impressa

R$ 79,90Adicionar ao
carrinho
Capa do livro: Contrato de Trabalho e Crise Econômica da Empresa, Cristiane Budel Waldraff

Contrato de Trabalho e Crise Econômica da Empresa

 Cristiane Budel WaldraffISBN: 978853622157-1Páginas: 188Publicado em: 28/11/2008

Versão impressa

R$ 57,70Adicionar ao
carrinho
Capa do livro: El Agente Infiltrado desde el Punto de Vista del Garantismo Procesal Penal, Flávio Cardoso Pereira
Doutrina Estrangeira

El Agente Infiltrado desde el Punto de Vista del Garantismo Procesal Penal

2ª EdiciónFlávio Cardoso PereiraISBN: 978853625589-7Páginas: 778Publicado em: 26/02/2016

Versão impressa

R$ 249,90Adicionar ao
carrinho

Versão digital

R$ 174,70Adicionar e-Book
ao carrinho
Capa do livro: Trabalhador versus Automação, Patrícia Dittrich Ferreira Diniz

Trabalhador versus Automação

 Patrícia Dittrich Ferreira DinizISBN: 978853625042-7Páginas: 232Publicado em: 12/03/2015

Versão impressa

R$ 69,90Adicionar ao
carrinho

Versão digital

R$ 49,90Adicionar e-Book
ao carrinho