Economia Política do Poder - As Práticas do Controle nas Organizações - Volume 3

José Henrique de Faria

Leia na Biblioteca Virtual
Preço:
Parcele em até 6x sem juros no cartão. Parcela mínima de R$ 20,00
FICHA TÉCNICA
Autor(es): José Henrique de Faria
ISBN: 853620804-X
Acabamento: Brochura
Número de Páginas: 192
Publicado em: 23/09/2004
Área(s): Administração; Economia
CONFIRA TAMBÉM
SINOPSE

Fruto de um trabalho de pesquisa desenvolvido nos últimos vinte e cinco anos, "Economia Política do Poder” é um livro inovador nos estudos sobre organizações. Nele, José Henrique de Faria mostra com profundidade e competência como as formas e os mecanismos de controle foram sendo aperfeiçoados ao longo do último século, desde as experiências decorrentes da Organização Científica do Trabalho até a concepção atual da Gestão Flexível. Para tanto, no Volume I, são apresentados os fundamentos da análise, a partir de temas importantes como Teoria Crítica, Estratificação Social, Estado e Globalização, Relações de Poder e Ética. No Volume II, é realizada uma extensa análise crítica da evolução do pensamento em gestão de organizações, também conhecida como Teoria Geral da Administração. No Volume III, é apresentado um arcabouço da prática do controle nas organizações e uma Teoria Crítica do Controle. A análise crítica e sistemática que se encontra neste livro não tem paralelo na literatura brasileira sobre o tema, fazendo do mesmo uma referência obrigatória nas áreas de Teoria das Organizações, Teoria Geral da Administração, Sociologia do Trabalho, Psicologia do Trabalho, Educação e Trabalho, Economia do Trabalho e Relações Industriais. A base epistemológica e teórica que sustenta este estudo, denominada de Economia Política do Poder, busca essencialmente investigar, desde uma perspectiva crítica de natureza objetiva e subjetiva, as contradições existentes em organizações sob o comando do capital. Mais especificamente, interessa analisar a produção, a distribuição e a utilização política do poder, enquanto expresso em sistemas, níveis, formas e processos de controle em organizações produtivas capitalistas. É nesta instância particular que se podem desvendar os mecanismos de poder do capital, os quais se refletem nas formas de controle nos locais de trabalho. Este livro mostra como os mecanismos de controle partem de uma origem na qual a ênfase estava na repressão e na hierarquia e, sem abandonar esta origem, investem atualmente e de forma sutil sobre a psique humana. A ideologia da gestão, também chamada de teoria gerencialista, constitui-se no fundamento do sistema de idéias que, ao mesmo tempo, reproduz a lógica de dominação do capital sobre o trabalho e oferece suporte "científico" para legitimar as ações decorrentes de tal lógica. Para isto, muito têm contribuído as pesquisas desenvolvidas principalmente em algumas escolas de business, psicologia, educação e ciências sociais, sobre comportamento humano, liderança, motivação, conflitos, cognição, aprendizagem, colaboração e comprometimento. Desta forma, pode-se compreender como os mecanismos de controle vão se aperfeiçoando conforme se desenvolve histórica e socialmente o capitalismo. Aperfeiçoamento este que significa que os mecanismos presentes na Organização Científica do Trabalho não foram abandonados ou substituídos como se apregoa. Em alguns casos, inclusive, foram incrementados.

AUTOR(ES)

José Henrique de Faria é Professor Titular da Universidade Federal do Paraná. Graduação em Ciências Econômicas (FAE-PR). Mestrado em Administração (PPGA-UFRGS). Doutorado em Administração (FEA-USP). Pós-Doutorado em Relações de Trabalho (University of Michigan-ILIR). Autor de Poder e Relações de Poder(1985), O Autoritarismo nas Organizações (1985), Comissões de Fábrica (1987) e Tecnologia e Processo de Trabalho (1992).

SUMÁRIO

INTRODUÇÃO

Volume 3 ECONOMIA POLÍTICA DO PODER: As Práticas do Controle nas Organizações

Capítulo 15 -AS PRÁTICAS DO CONTROLE NAS ORGANIZAÇÕES PRODUTIVAS CAPITALISTAS CONTEMPORÂNEAS

1 As Instâncias de Análise do Controle nas Organizações Capitalistas

2 As Práticas Contemporâneas do Controle nas Organizações Capitalistas

3 Considerações Adicionais

Capitulo 16 - A TEORIA CRÍTICA DO CONTROLE NAS ORGANIZAÇÕES PRODUTIVAS CAPITALISTAS

1 O Controle Econômico: aLógica daGestãoTécnica e daPropriedade das Orga- nizações Produtivas sob o Comando do Capital

2 O Controle Político-Ideológico nas Organizações Capitalistas

3 O Controle Psicossocial nas Organizações Capitalistas

4 Níveis e Formas de Controle e Instâncias de Análise

5 Considerações Adicionais

CONSIDERAÇÕES FINAIS

REFERÊNCIAS

ÍNDICE ALFABÉTICO

LISTA DE QUADROS

Quadro 01.15: Competências Definidas Pela Empresa e Seus Significados

Quadro 02.15: Vínculos Formal e Psicológico Instituídos Pela Organização

Quadro 03.15: Sistemas de Mediação na Organização

Quadro 04.15: Cardápio da Produção Enxuta (Flexível)

Quadro 05.15: Comparação entre os Modelos Japonês e Sueco deEquipe de Trabalho

Quadro:06.15. Imaginário e Controle na Organização

Quadro 01.16: Mecanismos de Controle na Ideologia da Gestão Capitalista

Quadro 02.16: Relações de Propriedade e de Controle Econômico

Quadro 03.16: Controle Econômico

Quadro 04.16: Controle Político-Ideológico

Quadro 05.16: Controle Psicossocial

Quadro 06.16: Níveis e Formas de Controle e Instâncias de Análise

Quadro 07.16: Formas de Controle na Instância Mítica de Análise

Quadro 08.16: Formas de Controle na Instância Social-Histórica de Análise

Quadro 09.16: Formas de Controle na Instância Institucional de Análise

Quadro 10.16: Formas de Controle na Instância Organizacional de Análise

Quadro 11.16: Formas de Controle na Instância Grupal de Análise

Quadro 12.16: Formas de Controle na Instância Individual de Análise

Quadro 13.16: Formas de Controle na Instância Pulsional de Análise

ÍNDICE ALFABÉTICO

A

  • Alienação do trabalhador nas unidades produtivas

B

  • Bibliografia. Referências

C

  • Capitalismo. Organizações produtivas capitalistas. Controle. Considerações adicionais
  • Capitalismo. Teoria crítica do controle nas organizações produtivas capitalistas.
  • Capitalismo contemporâneo. Práticas do controle nas organizações produtivas capitalistas contemporâneas
  • Capitalismo contemporâneo. Transformações estruturais e formas de propriedade no capitalismo contemporâneo
  • Cardápio da produção enxuta (flexível). Quadro 04.15
  • Comparação entre os modelos japonês e sueco de equipe de trabalho. Quadro 05.15
  • Competências definidas pela empresa e seus significados. Quadro 01.15
  • Considerações finais
  • Controle. Formas de controle na instância grupal de análise. Quadro 11.16
  • Controle. Formas de controle na instância individual de análise. Quadro 12.16
  • Controle. Formas de controle na instância institucional de análise. Quadro 09.16
  • Controle. Formas de controle na instância mítica de análise. Quadro 07.16
  • Controle. Formas de controle na instância organizacional de análise. Quadro 10.16
  • Controle. Formas de controle na instância pulsional de análise. Quadro 13.16
  • Controle. Formas de controle na instância social-histórica de análise. Quadro 08.16
  • Controle. Imaginário e controle na organização. Quadro 06.15
  • Controle. Instância grupal de análise do controle
  • Controle. Instância individual de análise do controle
  • Controle. Instância institucional de análise do controle
  • Controle. Instância mítica de análise do controle
  • Controle. Instância organizacional de análise do controle
  • Controle. Instância pulsional de análise do controle
  • Controle. Instância social-histórica de análise do controle
  • Controle. Instâncias de análise do controle nas organizações capitalistas
  • Controle. Mecanismos de controle na ideologia da gestão capitalista. Quadro 01.16
  • Controle. Níveis e formas de controle e instâncias de análise
  • Controle. Práticas contemporâneas do controle nas organizações capitalistas
  • Controle. Práticas do controle nas organizações
  • Controle. Práticas do controle nas organizações produtivas capitalistas contemporâneas
  • Controle. Teoria crítica do controle nas organizações produtivas capitalistas
  • Controle econômico. Quadro 03.16
  • Controle econômico. Relações de propriedade e de controle econômico. Quadro 02.16
  • Controle econômico: a lógica da gestão técnica e da propriedade nas organizações produtivas sob o comando do capital
  • Controle político-ideológico. Quadro 04.16
  • Controle político-ideológico nas organizações capitalistas
  • Controle psicossocial. Quadro 05.16.
  • Controle psicossocial nas organizações capitalistas
  • Cooperação e trabalho

D

  • Despotismo nas unidades produtivas: as bases da maximização da acumulação
  • Disciplina nas unidades produtivas.

E

  • Estrutura hierárquica e burocrática nas unidades produtivas

F

  • Formas de controle na instância grupal de análise. Quadro 11.16
  • Formas de controle na instância individual de análise. Quadro 12.16
  • Formas de controle na instância institucional de análise. Quadro 09.16
  • Formas de controle na instância mítica de análise. Quadro 07.16
  • Formas de controle na instância organizacional de análise. Quadro 10.16
  • Formas de controle na instância pulsional de análise. Quadro 13.16
  • Formas de controle na instância social-histórica de análise. Quadro 08.16
  • Formas e níveis de controle e instâncias de análise
  • Formas e processos do controle político-ideológicos

G

  • Gestão capitalista. Mecanismos de controle na ideologia da gestão capitalista. Quadro 01.16.
  • Gestão técnica. Controle econômico: a lógica da gestão técnica e da propriedade nas organizações produtivas sob o comando do capital

H

  • História. Formas de controle na instância social-histórica de análise. Quadro 08.16
  • História. Instância social-histórica de análise do controle

I

  • Ideologia. Controle político-ideológico nas organizações cap italistas
  • Ideologia. Mecanismos de controle na ideologia da gestão capitalista. Quadro 01.16
  • Ideologia. Transmissão ideológica nas unidades produtivas
  • Imaginário e controle na organização. Quadro 06.15
  • Instância de análise do controle nas organizações capitalistas
  • Instância grupal. Formas de controle na instância grupal de análise. Quadro 11.16
  • Instância grupal de análise do controle
  • Instância individual. Formas de controle na instância individual de análise. Quadro 12.16.
  • Instância individual de análise do controle
  • Instância institucional. Formas de controle na instância institucional de análise. Quadro 09.16
  • Instância institucional de análise do controle
  • Instância mítica. Formas de controle na instância mítica de análise. Quadro 07.16
  • Instância mítica de análise do controle
  • Instância organizacional. Formas de controle na instância organizacional de análise. Quadro 10.16
  • Instância organizacional de análise do controle
  • Instância pulsional. Formas de controle na instância pulsional de análise. Quadro 13.16
  • Instância pulsional de análise do controle
  • Instância social-histórica de análise do controle
  • Institucional. Instância institucional de análise do controle
  • Introdução

M

  • Mecanismos de controle na ideologia da gestão capitalista. Quadro 01.16
  • Mediação. Sistemas de mediação na organização. Quadro 03 15

N

  • Níveis e formas de controle e instâncias de análise
  • Níveis e formas de controle e instâncias de análise. Quadro 06.16

O

  • Organização. Imaginário e controle na organização. Quadro 06 15
  • Organização. Instância organizacional de análise do co ntrole
  • Organização. Práticas do controle nas organizações
  • Organização. Sistemas de mediação na organização. Quadro 03 15
  • Organização.Vínculos formal e psicológico instituídos pela organização. Quadro 02.15
  • Organização capitalista. Controle político-ideológico nas organizações capitalistas
  • Organização capitalista. Controle psicossocial nas organizações capitalistas.
  • Organização capitalista. Instâncias de análise do controle nas organizações capitalistas
  • Organização capitalista. Práticas contemporâneas. Controle nas organizações capitalistas. Considerações adicionais
  • Organização capitalista. Práticas contemporâneas do controle nas organizações capitalistas
  • Organização produtiva. Controle econômico: a lógica da gestão técnica e da propriedade das organizações produtivas sob o comando do capital
  • Organização produtiva. Práticas do controle nas organizações produtivas capitalistas contemporâneas
  • Organização produtiva. Teoria crítica do controle nas organizações produtivas capitalistas
  • Organizações produtivas capitalistas. Controle. Considerações adicionais

P

  • Política. Controle político-ideológico nas organizações capitalistas
  • Práticas contemporâneas. Controle nas organizações capitalistas. Considerações adicionais
  • Práticas contemporâneas do controle nas organizações capitalistas
  • Práticas do controle nas organizações
  • Práticas do controle nas organizações produtivas capitalistas contemporâneas.
  • Produção. Alienação do trabalhador nas unidades produtivas
  • Produção. Despotismo nas unidades produtivas: as bases da maximização da acumulação
  • Produção. Disciplina nas unidades produtivas
  • Produção. Estrutura hierárquica e burocrática nas unidades pr odutivas
  • Produção. Transmissão ideológica nas unidades produtivas
  • Propriedade. Controle econômico: a lógica da gestão técnica e da propriedade nas organizações produtivas sob o comando do capital
  • Propriedade. Relações de propriedade e de controle econômico. Quadro 02.16.
  • Propriedade. Transformações estruturais e formas de propriedade no capitalismo contemporâneo
  • Psicologia. Vínculos formal e psicológico instituídos pela organização. Quadro 02.15

Q

  • Quadro 01.15. Competências definidas pela empresa e seus significados.
  • Quadro 01.16. Mecanismos de controle na ideologia da gestão capitalista
  • Quadro 02.15. Vínculos formal e psicológico instituídos pela organização
  • Quadro 02.16. Relações de propriedade e de controle econômico
  • Quadro 03.15. Sistemas de mediação na organização
  • Quadro 03.16. Controle econômico
  • Quadro 04.15. Cardápio da produção enxuta (flexível)
  • Quadro 04.16. Controle político-ideológico
  • Quadro 05.15. Comparação entre os modelos japonês e sueco de equipe de trabalho
  • Quadro 05.16. Controle psicossocial.
  • Quadro 06.15. Imaginário e controle na organização
  • Quadro 06.16. Níveis e formas de controle e instâncias de análise
  • Quadro 07.16. Formas de controle na instância mítica de análise
  • Quadro 08.16. Formas de controle na instância social-histórica de análise
  • Quadro 09.16. Formas de controle na instância institucional de análise
  • Quadro 10.16. Formas de controle na instância organizacional de análise
  • Quadro 11.16. Formas de controle na instância grupal de análise
  • Quadro 12.16. Formas de controle na instância individual de análise
  • Quadro 13.16. Formas de controle na instância pulsional de análise

R

  • Referências. Bibliografia
  • Relações de propriedade e de controle econômico. Quadro 02.16

S

  • Sistemas de mediação na organização. Quadro 03.15
  • Sumário

T

  • Teoria crítica do controle nas organizações produtivas capitalistas
  • Trabalhador. Alienação do trabalhador nas unidades produtivas
  • Trabalho. Comparação entre os modelos japonês e sueco de equipe de trabalho. Quadro 05.15
  • Trabalho e cooperação
  • Transformações estruturais e formas de propriedade no capitalismo contemporâneo
  • Transmissão ideológica nas unidades produtivas

U

  • Unidade produtiva. (v. Produção)

V

  • Vínculos formal e psicológico instituídos pela organização. Quadro 02 15
INDIQUE ESSA OBRA

Indique essa obra para um amigo:

De:

Nome:

E-mail:

Informe apenas 1 email por vez

Para:

Nome:

E-mail:

Informe apenas 1 email por vez


Mensagem: