Psicose na Psicanálise - Escolha ou Determinação? - Da Escolha da Neurose em Freud aos Modos de Gozo em Lacan

Camila Alvarenga Côrtes

Leia na Biblioteca Virtual
Versão Impressa:
Versão Digital (e-Book):
Disponível para:  Android  iOS  Windows Phone
FICHA TÉCNICA
Autor(es): Camila Alvarenga Côrtes
ISBN v. Impressa: 978853625524-8
ISBN v. Digital: 978853625640-5
Acabamento: Brochura
Número de Páginas: 112
Publicado em: 17/12/2015
Área(s): Psicologia - Psicanálise
VERSÃO DIGITAL (E-BOOK)
  • Para leitura em aplicativo exclusivo da Juruá Editora para Smartphones e Tablets rodando iOS, Android ou Windows Phone;
  • Disponível para as plataformas:
    Android Android 4 ou posterior
    iOS iOS 7 ou posterior
    Windows Phone Windows Phone 8 ou posterior
  • Não compatível para leitura em computadores;
  • Compra apenas via site da Juruá Editora.
CONFIRA TAMBÉM
SINOPSE

Pensar na psicose como uma posição subjetiva é o ponto de partida deste livro. Se algumas abordagens da Psicologia, da Medicina, ou mesmo das Ciências Sociais consideram a loucura, ou a psicose, como desvio, déficit, índice de perigo, fruto de determinismo genético, familiar ou social, considerá-la enquanto uma estrutura, uma posição subjetiva, uma forma de estar no mundo, carrega a possibilidade de uma postura não apenas ética frente ao sujeito psicótico, como também amplia a visão em relação ao tratamento.

Trabalhar com a psicose e a sua constituição pela via do que chamamos aqui por uma escolha subjetiva, e não como puro determinismo ou doença, tem relação com um propósito ético da Psicanálise, voltado à clínica e à prática do analista, que visa justamente a responsabilização do sujeito por seu sofrimento, seu modo de gozo e seu próprio tratamento.

Este livro pretende contribuir para que se pense melhor sobre os atos que visam culpabilizar a família, a sociedade ou a genética pela existência de sujeitos psicóticos, como também sobre a condução do tratamento desses sujeitos, seja no campo público ou privado, ou no trabalho clínico com a saúde mental.

AUTOR(ES)

CAMILA ALVARENGA CÔRTES

Mestre em Psicologia pela Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais – PUC Minas. Especialista em Educação em Saúde para Preceptores do SUS pelo Instituto de Ensino e Pesquisa do Hospital Sírio Libanês, em parceria com o Ministério da Saúde. Graduada em Psicologia pela Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais – PUC Minas. Psicanalista. Psicóloga da Rede de Saúde Mental da Prefeitura de Belo Horizonte/MG. Coordenadora Adjunta e Preceptora do Programa de Residências Integradas em Saúde Mental – Multiprofissional e Médica em Psiquiatria do Hospital Municipal Odilon Behrens/Secretaria Municipal de Saúde/Prefeitura de Belo Horizonte/MG. Atuação clínica no campo da Saúde Mental, com experiência de atendimento a crianças, adolescentes e adultos, na urgência, na atenção a usuários de álcool e outras drogas e na atenção primária à saúde, como apoio de saúde mental a equipes do Programa Saúde da Família.

SUMÁRIO

INTRODUÇÃO

Capítulo 1 - A "ESCOLHA DA NEUROSE" FREUDIANA

1.1 Formulações sobre a etiologia das neuroses

1.2 A hereditariedade na etiologia das neuroses

1.3 A teoria da libido na primeira tópica

1.4 A segunda tópica e a relação com a realidade

Capítulo 2 - "NÃO É LOUCO QUEM QUER": A PSICOSE NA PRIMEIRA CLÍNICA DE LACAN

2.1 Que "escolha" e que "sujeito"?

2.2 A insondável decisão do ser

2.3 O estádio do espelho e o Eu

2.4 O primeiro ensino e a forclusão do Nome-do-Pai

2.5 A escolha forçada

2.6 Saber, gozo e objeto a

Capítulo 3 - "TODO MUNDO É LOUCO" NO ÚLTIMO ENSINO DE LACAN

3.1 Falasser, gozo e lalíngua

3.2 Os Nomes-do-Pai e a ex-sistência

3.3 Da estrutura ao nó: metáfora paterna e sinthoma

3.4 "Entre loucura e debilidade mental não temos senão a escolha"

3.5 O gozo elege o sujeito

CONSIDERAÇÕES FINAIS

REFERÊNCIAS

ÍNDICE ALFABÉTICO

C

  • Clínica. "Não é louco quem quer": a psicose na primeira clínica de Lacan
  • Considerações finais

D

  • Debilidade mental. "Entre loucura e debilidade mental não temos senão a escolha"

E

  • "Entre loucura e debilidade mental não temos senão a escolha"
  • "Escolha da neurose" freudiana
  • Escolha forçada
  • Escolha. "Entre loucura e debilidade mental não temos senão a escolha"
  • Escolha. Que "escolha" e que "sujeito"?
  • Espelho. Estádio do espelho e o Eu
  • Estádio do espelho e o Eu
  • Estrutura ao nó: metáfora paterna e sinthoma
  • Etiologia. Formulações sobre a etiologia das neuroses
  • Etiologia. Hereditariedade na etiologia das neuroses
  • Eu. Estádio do espelho e o Eu
  • Ex-sistência. Nome-do-Pai e a ex-sistência

F

  • Falasser, gozo e lalíngua
  • Formulações sobre a etiologia das neuroses
  • Freud. "Escolha da neurose" freudiana

G

  • Gozo elege o sujeito
  • Gozo. Falasser, gozo e lalíngua
  • Gozo. Saber, gozo e objeto a

H

  • Hereditariedade na etiologia das neuroses

I

  • Insondável decisão do ser
  • Introdução

L

  • Lacan. "Não é louco quem quer": a psicose na primeira clínica de Lacan
  • Lacan. Primeiro ensino e a forclusão do Nome-do-Pai
  • Lacan. "Todo mundo é louco" no último ensino de Lacan
  • Lalíngua. Falasser, gozo e lalíngua
  • Libido. Teoria da libido na primeira tópica
  • Loucura. "Entre loucura e debilidade mental não temos senão a escolha"
  • Loucura. "Não é louco quem quer": a psicose na primeira clínica de La-can
  • Loucura. "Todo mundo é louco" no último ensino de Lacan

M

  • Metáfora paterna. Estrutura ao nó: metáfora paterna e sinthoma

N

  • "Não é louco quem quer": a psicose na primeira clínica de Lacan
  • Neurose. "Escolha da neurose" freudiana
  • Neurose. Formulações sobre a etiologia das neuroses
  • Neurose. Hereditariedade na etiologia das neuroses
  • Nome-do-Pai e a ex-sistência
  • Nome-do-Pai. Primeiro ensino e a forclusão do Nome-do-Pai

O

  • Objeto. Saber, gozo e objeto a

P

  • Primeiro ensino e a forclusão do Nome-do-Pai
  • Psicanálise. "Escolha da neurose" freudiana
  • Psicose. "Não é louco quem quer": a psicose na primeira clínica de Lacan
  • Psicose. Primeiro ensino e a forclusão do Nome-do-Pai

R

  • Realidade. Segunda tópica e a relação com a realidade
  • Referências

S

  • Saber, gozo e objeto a
  • Segunda tópica e a relação com a realidade
  • Ser. Insondável decisão do ser
  • Sinthoma. Estrutura ao nó: metáfora paterna e sinthoma
  • Sujeito. Gozo elege o sujeito
  • Sujeito. Que "escolha" e que "sujeito"?

T

  • Teoria da libido na primeira tópica
  • "Todo mundo é louco" no último ensino de Lacan
INDIQUE ESSA OBRA

Indique essa obra para um amigo:

De:

Nome:

E-mail:

Informe apenas 1 email por vez

Para:

Nome:

E-mail:

Informe apenas 1 email por vez


Mensagem: