Mediação Penal & Justiça - Da Ética da Alteridade como Fundamento Filosófico para a adoção das Práticas Restaurativas

Cristina Rego de Oliveira

Parcele em até 6x sem juros no cartão.
Parcela mínima de R$ 20,00

Versão impressa

Ficha técnica

Autor(es): Cristina Rego de Oliveira

ISBN: 978853624453-2

Acabamento: Brochura

Número de páginas: 170

Publicado em: 31/10/2013

Área(s): Direito Penal

Sinopse

Mediação Penal & Justiça - Da Ética da Alteridade como Fundamento Filosófico para a adoção de Práticas Restaurativas se propõe a analisar uma das deficiências do sistema jurídico penal da atualidade, decorrente da apropriação do conflito pelo Estado: o distanciamento do autor dos fatos e da vítima na solução do litígio. Neste cenário, aponta como alternativa à crise do pensamento tradicional o recente paradigma de Justiça Restaurativa, que surge como movimento favorável à retomada da participação dos sujeitos no litígio, tornando-os seus personagens centrais. Nesse sentido, aborda suas principais características, enfatizando algumas das críticas que lhe são pertinentes.

A realização prática deste movimento, porém, só é possível através da Mediação Penal, tido como mecanismo que instrumentaliza o encontro (direto e dialogado) entre os participantes, coordenado por um terceiro alheio ao conflito. A fundamentação filosófica adotada é a teoria desenvolvida por Emmanuel Levinas para a reflexão acerca da possibilidade de sua inserção no ordenamento jurídico. Sob a perspectiva da "ética da alteridade", pretende-se resgatar a importância do sujeito no contexto jurídico-criminal - enquanto pessoa que coexiste, em dignidade, com o próximo -, destacando como o pensamento do autor viabiliza a emergência de uma perspectiva humanitária à problemática penal.

Autor(es)

Cristina Rego de Oliveira

Mestre em Ciências Jurídico-Criminais pela Universidade de Coimbra - Portugal. Especialista em Direito Econômico Europeu pelo Instituto de Direito Penal Económico e Europeu (IDPEE - Universidade de Coimbra). Especialista em Sociologia Política pela UFPR. Especialista em Direito Constitucional pela Academia Brasileira de Direito Constitucional (ABDConst). Especialista em Direito Penal e Criminologia pelo Instituto de Criminologia e Política Criminal (ICPC - UFPR). Graduada pela Universidade Estadual de Londrina (UEL). Assessora Jurídica na Procuradoria de Justiça Criminal - Ministério Público do Paraná.

Sumário

INTRODUÇÃO

1 SOBRE A CRISE DO PARADIGMA PENAL CLÁSSICO (OU DO RESULTADO DA ESTATIZAÇÃO DO CONFLITO): FUNDAMENTOS PARA A CONSTRUÇÃO DO PENSAMENTO RESTAURATIVO

1.1 Introdução

1.2 Notas Sobre o Sistema Jurisdicional da Atualidade

1.3 Contribuições da Criminologia Para a Crítica do Sistema Jurídico-Penal: da Proposta Abolicionista

1.4 Perspectiva Vitimológica: Da Necessidade de Repensa r o Papel da Vítima no Sistema Jurídico-Penal

2 RESTAURAR O QUÊ , E ENTRE QUEM? PROPOSTA AO MODELO TRADICIONAL DE JUSTIÇA PENAL

2.1 Justiça Restaurativa: Notas Conceituais

2.2 Características da Justiça Restaurativa

2.2.1 Do crime como ofensa à relação intersubjetiva

2.2.2 Do papel da comunidade no paradigma restaurativo

2.2.3 Da reparação dos danos

2.2.3.1 Da abrangência da reparação: dos danos materiais aos psicológicos

2.2.3.2 Natureza jurídica da reparação

3 MEDIAÇÃO PENAL: INSTRUMENTO RESTAURATIVO QUE POSSIBILITA O ENCONTRO ENTRE O AUTOR E A VÍTIMA

3.1 Conceito

3.2 Princípios da Mediação

3.3 Do Mediador Como Personagem Facilitador do Diálogo

3.4 Da Importância da Mediação Para o Autor e Para a Vítima

3.5 Experiências Práticas

3.5.1 Mediação Penal em Portugal

3.5.2 Projetos de Mediação Penal no Brasil

3.6 Críticas à Mediação Penal (Ou, de Forma Genérica, a o Paradigma Restaurativo)

4 DA ÉTICA DA ALTERIDADE DESENVOLVIDA POR EMMANUEL LEVINAS: PROPOSTA DE FUNDAMENTAÇÃO FILOSÓFICA PARA A JUSTIÇA RESTAURATIVA

4.1 Notas Introdutórias

4.2 Apresentação de Emmanuel Levinas

4.3 Conceitos Fundamentais Para a Compreensão do Pensam ento Filosófico de Levinas

4.3.1 Da concepção de "sujeito" na teorização de Levinas

4.3.2 Do desenvolvimento da alteridade (afinal, quem é o Outro?)

4.3.3 Do "Rosto" como categoria filosófica

4.4 Da Ética da Alteridade Como Responsabilidade Pelo Outro

5 DA ÉTICA DA ALTERIDADE PRATICADA NA MEDIAÇÃO (OU DE COMO A JUSTIÇA RESTAURATIVA FAVORECE O ENCONTRO DA DIFERENÇA EM ÂMBITO PENAL)

5.1 Do Diálogo Como Instrumento Para o Encontro das Partes (e do Resgate do Outro Enquanto "Rosto")

5.2 Da Desconstrução dos Estereótipos Para o Reconhecim ento do Sujeito: De que "Outro" se Fala na Justiça Restaurativa?

5.3 Da Assunção de Responsabilidades Através das Práticas Restaurativas

CONSIDERAÇÕES FINAIS

REFERÊNCIAS

Índice alfabético

A

  • Abrangência da reparação: dos danos materiais aos psicológicos
  • Alteridade. Desenvolvimento da alteridade (afinal , quem é o Outro?)
  • Alteridade. Ética da alteridade como responsabili dade pelo Outro
  • Alteridade. Ética da alteridade desenvolvida por Emmanuel Levinas: proposta de fundamentação filosófica para a justiça re staurativa
  • Alteridade. Ética da alteridade praticada na medi ação (ou de como a justiça restaurativa favorece o encontro da diferença em âmbito penal)
  • Apresentação de Emmanuel Levinas .
  • Assunção de responsabilidades através das práticas restaurativas
  • Autor. Importância da mediação para o autor e par a a vítima
  • Autor. Mediação penal: instrumento restaurativo q ue possibilita o encontro entre o autor e a vítima

B

  • Brasil. Projetos de mediação penal no Brasil .

C

  • Características da justiça restaurativa .
  • Categoria filosófica. "Rosto" como categoria filo sófica
  • Comunidade. Papel da comunidade no paradigma rest aurativo
  • Conceito. Justiça restaurativa: notas conceituais
  • Conceitos fundamentais para a compreensão do pens amento filosófico de Levinas
  • Concepção de "sujeito" na teorização de Levinas .
  • Considerações finais .
  • Contribuições da criminologia para a crítica do s istema jurídico-penal: da proposta abolicionista
  • Crime como ofensa à relação intersubjetiva .
  • Criminologia. Contribuições da criminologia para a crítica do sistema jurídico-penal: da proposta abolicionista
  • Críticas à mediação penal (ou, de forma genérica, ao paradigma restaurativo)

D

  • Danos materiais. Abrangência da reparação: dos danos materiais aos psicológicos .
  • Danos psicológicos. Abrangência da reparação: dos danos materiais aos psicológicos .
  • Danos. Reparação dos danos .
  • Desconstrução dos estereótipos para o reconhecime nto do sujeito: de que "outro" se fala na justiça restaurativa? .
  • Desenvolvimento da alteridade (afinal, quem é o Outro?)
  • Diálogo como instrumento para o encontro das partes (e do resgate do outro enquanto "rosto") .
  • Diálogo. Mediador como personagem facilitador dodiálogo

E

  • Emmanuel Levinas. Apresentação .
  • Emmanuel Levinas. Conceitos fundamentais para a c ompreensão do pensamento filosófico de Levinas .
  • Emmanuel Levinas. Concepção de "sujeito" na teori zação de Levinas
  • Emmanuel Levinas. Ética da alteridade desenvolvid a por Emmanuel Levinas: proposta de fundamentação filosófica para a ju stiça restaurativa
  • Encontro das partes. Diálogo como instrumento para o encontro das partes (e do resgate do outro enquanto "rosto") .
  • Estatização do conflito. Sobre a crise do paradig ma penal clássico (ou do resultado da estatização do conflito): fundamentos para a construção do pensamento restaurativo
  • Estereótipo. Desconstrução dos estereótipos para o reconhecimento do sujeito: de que "outro" se fala na justiça restaurati va?
  • Ética da alteridade como responsabilidade pelo Ou tro
  • Ética da alteridade desenvolvida por Emmanuel Lev inas: proposta de fundamentação filosófica para a justiça restaurativ a
  • Ética da alteridade desenvolvida por Emmanuel Lev inas: proposta de fundamentação filosófica para a justiça restaurativa. Notas introdutórias
  • Ética da alteridade praticada na mediação (ou de como a justiça restaurativa favorece o encontro da diferença em âmbito penal )

I

  • Importância da mediação para o autor e para a vít ima
  • Instrumento restaurativo. Mediação penal: instrum ento restaurativo que possibilita o encontro entre o autor e a vítima
  • Introdução .

J

  • Justiça penal. Restaurar o quê, e entre quem? Proposta ao modelo tradicional de justiça penal .
  • Justiça restaurativa. Assunção de responsabilidad es através das práticas restaurativas
  • Justiça restaurativa. Características.
  • Justiça restaurativa. Desconstrução dos estereóti pos para o reconhecimento do sujeito: de que "outro" se fala na justiça re staurativa?
  • Justiça restaurativa. Ética da alteridade desenvo lvida por Emmanuel Levinas: proposta de fundamentação filosófica para a ju stiça restaurativa
  • Justiça restaurativa. Ética da alteridade pratica da na mediação (ou de como a justiça restaurativa favorece o encontro da di ferença em âmbito penal)
  • Justiça restaurativa: notas conceituais .

M

  • Mediação penal em Portugal .
  • Mediação penal. Críticas à mediação penal (ou, de forma genérica, ao paradigma restaurativo)
  • Mediação penal. Ética da alteridade praticada na mediação (ou de como a justiça restaurativa favorece o encontro da diferen ça em âmbito penal)
  • Mediação penal: instrumento restaurativo que poss ibilita o encontro entre o autor e a vítima
  • Mediação penal: instrumento restaurativo que poss ibilita o encontro entre o autor e a vítima. Conceito
  • Mediação. Experiências práticas
  • Mediação. Importância da mediação para o autor e para a vítima
  • Mediação. Princípios da mediação .
  • Mediador como personagem facilitador do diálogo

N

  • Natureza jurídica da reparação .
  • Notas sobre o sistema jurisdicional da atualidade

O

  • Outro. Desenvolvimento da alteridade (afinal, que m é o Outro?)
  • Outro. Diálogo como instrumento para o encontro das partes (e do resgate do outro enquanto "rosto") .
  • Outro. Ética da alteridade como responsabilidade pelo Outro

P

  • Papel da comunidade no paradigma restaurativo .
  • Paradigma penal. Sobre a crise do paradigma penal clássico (ou do resultado da estatização do conflito): fundamentos para a construção do pensamento restaurativo
  • Paradigma restaurativo. Críticas à mediação penal (ou, de forma genérica, ao paradigma restaurativo)
  • Paradigma restaurativo. Papel da comunidade no pa radigma restaurativo
  • Pensamento restaurativo. Sobre a crise do paradigma penal clássico (ou do resultado da estatização do conflito): fundamentos para a construção do pensamento restaurativo
  • Perspectiva vitimológica: da necessidade de repen sar o papel da vítima no sistema jurídico-penal
  • Portugal. Mediação penal em Portugal .
  • Princípios da mediação .
  • Projetos de mediação penal no Brasil .
  • Proposta abolicionista. Contribuições da criminol ogia para a crítica do sistema jurídico-penal: da proposta abolicionista

R

  • Referências
  • Relação intersubjetiva. Crime como ofensa à relaç ão intersubjetiva
  • Reparação dos danos .
  • Reparação. Abrangência da reparação: dos danos ma teriais aos psicológicos
  • Reparação. Natureza jurídica .
  • Responsabilidade. Assunção de responsabilidades a través das práticas restaurativas
  • Restaurar o quê, e entre quem? Proposta ao modelo tradicional de justiça penal
  • "Rosto" como categoria filosófica .
  • "Rosto". Diálogo como instrumento para o encontro das partes (e do resgate do outro enquanto "rosto").

S

  • Sistema jurídico-penal. Contribuições da criminol ogia para a crítica do sistema jurídico-penal: da proposta abolicionista
  • Sistema jurídico-penal. Perspectiva vitimológica: da necessidade de repensar o papel da vítima no sistema jurídico-penal
  • Sistema jurisdicional da atualidade. Notas .
  • Sobre a crise do paradigma penal clássico (ou doresultado da estatização do conflito): fundamentos para a construção do pens amento restaurativo
  • Sobre a crise do paradigma penal clássico (ou doresultado da estatização do conflito): fundamentos para a construção do pens amento restaurativo. Introdução .
  • Sujeito. Concepção de "sujeito" na teorização de Levinas
  • Sujeito. Desconstrução dos estereótipos para o re conhecimento do sujeito: de que "outro" se fala na justiça restaurativa? .

V

  • Vítima. Importância da mediação para o autor e pa ra a vítima
  • Vítima. Mediação penal: instrumento restaurativo que possibilita o encontro entre o autor e a vítima
  • Vítima. Perspectiva vitimológica: da necessidade de repensar o papel da vítima no sistema jurídico-penal
  • Vitimologia. Perspectiva vitimológica: da necessi dade de repensar o papel da vítima no sistema jurídico-penal

Recomendações

Capa do livro: Tóxicos - PPJ Criminal vol. 3 - Atualizado até a Lei 10.409 de 11/10/2002, José Ernani de Carvalho Pacheco

Tóxicos - PPJ Criminal vol. 3 - Atualizado até a Lei 10.409 de 11/10/2002

7ª EdiçãoJosé Ernani de Carvalho PachecoISBN: 853620053-7Páginas: 160Publicado em: 31/10/2002

Versão impressa

R$ 49,90Adicionar ao
carrinho
Capa do livro: Criminologia & Racismo, Evandro Charles Piza Duarte

Criminologia & Racismo

 Evandro Charles Piza DuarteISBN: 857394687-3Páginas: 322Publicado em: 31/10/2002

Versão impressa

R$ 97,70Adicionar ao
carrinho