Previdência Social & Princípio da Boa-Fé Objetiva

Rafael Schmidt Waldrich

Parcele em até 6x sem juros no cartão.
Parcela mínima de R$ 20,00

Versão impressa

Ficha técnica

Autor(es): Rafael Schmidt Waldrich

ISBN: 978853624634-5

Acabamento: Brochura

Número de páginas: 168

Publicado em: 23/04/2014

Área(s): Direito Previdenciário

Sinopse

Ao pretender afastar demandas legítimas dos segurados da previdência social pelo simples fato de não corresponderem a pré-compreensões da Administração - mesmo que equivocadas -, os agentes políticos são especialistas em alardear as premissas atuariais no sistema previdenciário brasileiro, o qual, em larga medida, ainda adota os vetustos fundamentos dos modelos de seguro social. A ideia, em resumo, é centrada na alegada inexistência de direitos na hipótese de insuficiência de receitas ou mesmo na sua imprevisão no plano de benefícios.

Por outro lado, quando pretende o Estado brasileiro impor, de forma aleatória, incrementos contributivos, mesmo que travestidos de contribuição social, não se nota o menor acanhamento em fundamentar a exação na máxima da solidariedade social, a qual, como se sabe, une a todos nós em um projeto cooperativo de vida em sociedade.

Ora, ao mesmo tempo em que, para a concessão de benefícios, exige-se um rigor contributivo indelével, sob pena de nulidade da pretensão, por outro lado permite-se que o Estado, por um fundamento genérico, imponha redução patrimonial dos segurados da previdência social sem qualquer contraprestação específica. Além de ignorar os preceitos mais elementares da parafiscalidade - os quais fundamentam a própria existência das contribuições sociais - a conduta estatal contraria o princípio da segurança jurídica e seu corolário, que é a boa-fé.

Enfatizo, por isso, a oportunidade histórica da presente obra, a qual, oxalá, poderá auxiliar os poderes instituídos no resgate da boa-fé e confiança, aspectos necessários na relação entre Estado e sociedade, especialmente quando se pretende, de forma sincera, a manutenção de um regime democrático comprometido com a existência digna.

Da Apresentação de Fábio Zambitte Ibrahim

Autor(es)

Rafael Schmidt Waldrich

Mestre em Ciências Jurídicas. Especialista em Direito Previdenciário e bacharel em Direito. Conselheiro Federal da Câmara de Julgamento do Ministério da Previdência Social. Coautor de obras e artigos relacionados à matéria previdenciária. Palestrante em congressos e seminários na área de Direito Previdenciário e docente em vários cursos jurídicos, de graduação e pós-graduação (especialização).

Sumário

ROL DE ABREVIATURAS E SIGLAS

ROL DE CATEGORIAS

INTRODUÇÃO .

Capítulo 1 - FUNDAMENTOS CONSTITUCIONAIS DO PRINCÍP IO DA BOA-FÉ OBJETIVA .

1.1 O Princípio da Boa-Fé como Dever Jurídico: Evolução e Caracterização .

1.2 A Boa-Fé Como Valor da Ordem Social

1.3 Dimensões Subjetiva e Objetiva da Boa-Fé

1.4 A Força Normativa do Princípio da Boa-Fé Objetiva

1.5 O Princípio da Boa-Fé Objetiva nas Relações Contratuais

1.6 O Princípio da Boa-Fé Objetiva nas Relações Entre os Particulares e os Poderes Públicos

1.6.1 A boa-fé como pressuposto de cooperação social

Capítulo 2 - O PRINCÍPIO DA BOA-FÉ OBJETIVA, PROTEÇÃO SOCIAL E DEVERES DOS PODERES PÚBLICOS .

2.1 O Direito Fundamental à Proteção Social na Constituição da República de 1988 e seus Princípios Constitucionais Orientadores

2.2 O Princípio da Boa-Fé Objetiva e o Dever Constitucional de Concretização dos Direitos Fundamentais Sociais Presta cionais

2.3 O Princípio da Boa-Fé Objetiva e a Proteção dos Direitos em Formação .

2.4 O Princípio da Boa-Fé Objetiva na Prestação de Ações e Serviços de Saúde

2.5 O Princípio da Boa-Fé Objetiva pela Administração Pública na Tarefa de Proteção Assistencial e Previdenciária

2.5.1 O dever de prestar as informações necessárias para o exercício do direito individual

2.5.2 O dever de participação ativa no processo administrativo de concessão de proteção previdenciária e assistencial

2.5.3 O dever de conceder a proteção social mais e fetiva

2.5.4 O dever de alinhamento do posicionamento administrativo ao entendimento consagrado pela jurisprudência

2.5.5 O dever de boa-fé da administração em juízo

2.6 A Atuação da Administração Pública na Jurisprudência como Ferramenta de Garantia da Proteção Social em Face da Boa -Fé

Capítulo 3 - PRINCÍPIO DA BOA-FÉ, EFICÁCIA NORMATIV A E DEVERES FUNDAMENTAIS INDIVIDUAIS

3.1 Deveres Fundamentais Individuais

3.2 Exigência da Boa-Fé e da Responsabilidade Perante a Administração da Proteção Social .

3.3 Princípio da Boa-Fé como Norma Previdenciária

3.4 O Princípio da Boa-Fé Objetiva e o Abuso do Direito Individual na Previdência Social

3.5 A Boa-Fé na Relação Jurídica de Proteção Social à Luz da Jurisprudência

CONSIDERAÇÕES FINAIS

REFERÊNCIAS

Índice alfabético

A

  • Abreviatura. Rol de abreviaturas e siglas .
  • Abuso do direito. Princípio da boa-fé objetiva e o abuso do direito individual na previdência social
  • Administração da proteção social. Exigência da bo a-fé e da responsabilidade perante a administração da proteção social .
  • Administração pública. Atuação da administração p ública na jurisprudência como ferramenta de garantia da proteção social em face da boa-fé
  • Administração pública. Princípio da boa-fé objetiva pela administração pública na tarefa de proteção assistencial e previd enciária
  • Administração. Dever de boa-fé da administração e m juízo
  • Atuação da administração pública na jurisprudênci a como ferramenta de garantia da proteção social em face da boa-fé

B

  • Boa-fé como pressuposto de cooperação social .
  • Boa-fé como valor da ordem social
  • Boa-fé na relação jurídica de proteção social à l uz da jurisprudência
  • Boa-fé objetiva. Força normativa do princípio da boa-fé objetiva
  • Boa-fé objetiva. Fundamentos constitucionais do princípio da boa-fé objetiva
  • Boa-fé objetiva. Princípio da boa-fé objetiva e a proteção dos direitos em formação .
  • Boa-fé objetiva. Princípio da boa-fé objetiva e o abuso do direito individual na previdência social
  • Boa-fé objetiva. Princípio da boa-fé objetiva e o dever constitucional de concretização dos direitos fundamentais sociais pre stacionais
  • Boa-fé objetiva. Princípio da boa-fé objetiva naprestação de ações e serviços de saúde
  • Boa-fé objetiva. Princípio da boa-fé objetiva nas relações entre os particulares e os poderes públicos
  • Boa-fé objetiva. Princípio da boa-fé objetiva nas relações contratuais
  • Boa-fé objetiva. Princípio da boa-fé objetiva pela administração pública na tarefa de proteção assistencial e previdenciária
  • Boa-fé objetiva. Princípio da boa-fé objetiva, proteção social e deveres dos poderes públicos
  • Boa-fé. Atuação da administração pública na juris prudência como ferramenta de garantia da proteção social em face da boa -fé
  • Boa-fé. Dever de boa-fé da administração em juízo
  • Boa-fé. Dimensões subjetiva e objetiva da boa-fé
  • Boa-fé. Exigência da boa-fé e da responsabilidade perante a administração da proteção social .
  • Boa-fé. Princípio da boa-fé como dever jurídico:evolução e caracterização
  • Boa-fé. Princípio da boa-fé, eficácia normativa deveres fundamentais individuais

C

  • Categoria. Rol de categorias .
  • Considerações finais .
  • Constitucional. Fundamentos constitucionais do pr incípio da boa-fé objetiva
  • Constituição Federal. Direito fundamental à prote ção social na Constituição da República de 1988 e seus princípios const itucionais orientadores
  • Cooperação social. Boa-fé como pressuposto de coo peração social

D

  • Dever de alinhamento do posicionamento administra tivo ao entendimento consagrado pela jurisprudência
  • Dever de boa-fé da administração em juízo .
  • Dever de conceder a proteção social mais efetiva.
  • Dever de participação ativa no processo administr ativo de concessão de proteção previdenciária e assistencial
  • Dever de prestar as informações necessárias para o exercício do direito individual
  • Dever jurídico. Princípio da boa-fé como dever jurídico: evolução e caracterização .
  • Deveres fundamentais individuais .
  • Deveres fundamentais individuais. Princípio da bo a-fé, eficácia normativa e deveres fundamentais individuais
  • Dimensões subjetiva e objetiva da boa-fé
  • Direito fundamental à proteção social na Constitu ição da República de 1988 e seus princípios constitucionais orientadores
  • Direito individual. Dever de prestar as informaçõ es necessárias para o exercício do direito individual
  • Direito individual. Princípio da boa-fé objetiva e o abuso do direito individual na previdência social
  • Direitos fundamentais. Princípio da boa-fé objetiva e o dever constitucional de concretização dos direitos fundamentais s ociais prestacionais

E

  • Eficácia normativa. Princípio da boa-fé, eficácia normativa e deveres fundamentais individuais
  • Exigência da boa-fé e da responsabilidade perante a administração da proteção social .

F

  • Força normativa do princípio da boa-fé objetiva
  • Fundamentos constitucionais do princípio da boa-f é objetiva

I

  • Informações necessárias. Dever de prestar as informações necessárias para o exercício do direito individual
  • Introdução .

J

  • Jurisprudência. Dever de alinhamento do posicionamento administrativo ao entendimento consagrado pela jurisprudência
  • Jurisprudência. Boa-fé na relação jurídica de proteção social à luz da jurisprudência

N

  • Norma previdenciária. Princípio da boa-fé como norma previdenciária

O

  • Ordem social. Boa-fé como valor da ordem social

P

  • Participação ativa. Dever de participação ativa n o processo administrativo de concessão de proteção previdenciária e assistenc ial
  • Poder público. Princípio da boa-fé objetiva nas r elações entre os particulares e os poderes públicos
  • Poder público. Princípio da boa-fé objetiva, proteção social e deveres dos poderes públicos
  • Posicionamento administrativo. Dever de alinhamento do posicionamento administrativo ao entendimento consagrado pela jurisprudência
  • Prestação de ações. Princípio da boa-fé objetiva na prestação de ações e serviços de saúde
  • Previdência social. Princípio da boa-fé objetivae o abuso do direito individual na previdência social
  • Princípio constitucional. Direito fundamental à p roteção social na Constituição da República de 1988 e seus princípios const itucionais orientadores
  • Princípio da boa-fé como dever jurídico: evolução e caracterização
  • Princípio da boa-fé como norma previdenciária
  • Princípio da boa-fé objetiva e a proteção dos dir eitos em formação
  • Princípio da boa-fé objetiva e o abuso do direito individual na previdência social
  • Princípio da boa-fé objetiva e o dever constitucional de concretização dos direitos fundamentais sociais prestacionais
  • Princípio da boa-fé objetiva e o dever constitucional de concretização dos direitos fundamentais sociais prestacionais
  • Princípio da boa-fé objetiva na prestação de açõe s e serviços de saúde
  • Princípio da boa-fé objetiva nas relações contrat uais
  • Princípio da boa-fé objetiva nas relações entre o s particulares e os poderes públicos
  • Princípio da boa-fé objetiva pela administração p ública na tarefa de proteção assistencial e previdenciária
  • Princípio da boa-fé objetiva, proteção social e d everes dos poderes públicos
  • Princípio da boa-fé, eficácia normativa e deveres fundamentais individuais
  • Processo administrativo. Dever de participação at iva no processo administrativo de concessão de proteção previdenciária e assistencial
  • Proteção assistencial. Dever de participação ativ a no processo administrativo de concessão de proteção previdenciária e assistencial
  • Proteção assistencial. Princípio da boa-fé objeti va pela administração pública na tarefa de proteção assistencial e previd enciária
  • Proteção de direitos. Princípio da boa-fé objetiv a e a proteção dos direitos em formação .
  • Proteção previdenciária. Dever de participação at iva no processo administrativo de concessão de proteção previdenciária e assistencial
  • Proteção previdenciária. Princípio da boa-fé objetiva pela administração pública na tarefa de proteção assistencial e previd enciária
  • Proteção social. Atuação da administração pública na jurisprudência como ferramenta de garantia da proteção social em face d a boa-fé
  • Proteção social. Boa-fé na relação jurídica de pr oteção social à luz da jurisprudência
  • Proteção social. Dever de conceder a proteção soc ial mais efetiva
  • Proteção social. Direito fundamental à proteção s ocial na Constituição da República de 1988 e seus princípios constitucionais orientadores
  • Proteção social. Exigência da boa-fé e da responsabilidade perante a administração da proteção social .
  • Proteção social. Princípio da boa-fé objetiva, pr oteção social e deveres dos poderes públicos

R

  • Referências
  • Relação contratual. Princípio da boa-fé objetiva nas relações contratuais
  • Rol de abreviaturas e siglas .
  • Rol de categorias .

S

  • Serviços de saúde. Princípio da boa-fé objetiva na prestação de ações e serviços de saúde
  • Sigla. Rol de abreviaturas e siglas.

Recomendações

Capa do livro: Revisões de Benefícios Previdenciários dos Servidores Públicos, Herculano José Ribeiro Júnior, Nazário Nicolau Maia Gonçalves de Faria, Rafael Antônio Queiroz Costa

Revisões de Benefícios Previdenciários dos Servidores Públicos

 Herculano José Ribeiro Júnior, Nazário Nicolau Maia Gonçalves de Faria, Rafael Antônio Queiroz CostaISBN: 978853624288-0Páginas: 188Publicado em: 02/07/2013

Versão impressa

R$ 57,70Adicionar ao
carrinho
Capa do livro: Previdência Social no Brasil e no Mercosul, Coordenadoras: Jane Lúcia Wilhelm Berwanger e Suzani Andrade Ferraro

Previdência Social no Brasil e no Mercosul

 Coordenadoras: Jane Lúcia Wilhelm Berwanger e Suzani Andrade FerraroISBN: 978853623146-4Páginas: 260Publicado em: 05/10/2010

Versão impressa

R$ 79,90Adicionar ao
carrinho