Corpo Escrito - Um Estudo Psicanalítico sobre Nomeações e Marcas Corporais

Elizabete Regina Almeida de Siqueira

Leia na Biblioteca Virtual
Versão Impressa:
de: R$ 39,90 * por
Na compra da versão impressa, o e-Book é brinde!
Versão Digital (e-Book):
Disponível para:  Android  iOS  Windows Phone
* Desconto não cumulativo com outras promoções, incluindo P.A.P. e Cliente Fiel
FICHA TÉCNICA
Autor(es): Elizabete Regina Almeida de Siqueira
ISBN v. Impressa: 978853624871-4
ISBN v. Digital: 978853625400-5
Acabamento: Brochura
Número de Páginas: 134
Publicado em: 29/10/2014
Área(s): Psicologia - Psicanálise
VERSÃO DIGITAL (E-BOOK)
  • Para leitura em aplicativo exclusivo da Juruá Editora para Smartphones e Tablets rodando iOS, Android ou Windows Phone;
  • Disponível para as plataformas:
    Android Android 4 ou posterior
    iOS iOS 7 ou posterior
    Windows Phone Windows Phone 8 ou posterior
  • Não compatível para leitura em computadores;
  • Compra apenas via site da Juruá Editora.
CONFIRA TAMBÉM
SINOPSE

Um sujeito tem outro nome além dos que lhe foram destinados pelos seus pais ou pela linhagem a que pertence. É portador também de um nome desconhecido que lhe é mais próprio e singular, que o marca no real do corpo e fala do modo como goza das marcas dos restos vistos ou ouvidos, registradas no seu inconsciente.

Utilizando a metodologia da marca do caso, realizou-se uma leitura clínica, a partir dos pressupostos da psicanálise, dos depoimentos de um sujeito, que apresenta a peculiaridade de ancorar seu ser em suas alterações corporais, a fim de mostrar que elas são sua tentativa de resposta ao excesso traumático que foi para ele o encontro com um gozo sem ordenamento fálico. Reconhecer o nome a que responde o gozo, para saber o que fazer com ele, é essencial ao reordenamento da economia de gozo, na maioria das vezes mortificante, como no caso objeto deste estudo.

O resultado obtido aponta para questões inesperadas com as quais a clínica contemporânea tem se deparado, especialmente a das psicoses, no sentido das invenções singulares com que os sujeitos buscam se estabilizar ou construir um modo de laço social. Faz avançar o debate sobre a clínica do gozo, em jogo, nas construções de cada sujeito em particular.

AUTOR(ES)

ELIZABETE REGINA ALMEIDA DE SIQUEIRA

Doutora e mestre em Psicologia Clínica pela Universidade Católica de Pernambuco - UNICAP. Possui graduação em Licenciatura em Psicologia e graduação em Psicologia pela Faculdade de Ciências Humanas de Olinda - FACHO. Membro da Escola Brasileira de Psicanálise. Psicanalista com consultório particular.

SUMÁRIO

Função e Lógica do Nome Próprio em Lacan e seus Interlocutores

1.1 John Stuart Mill e a Noção de Marca Distintiva

1.2 Bertrand Russell e sua Palavra para os Particulares

1.3 Alain Gardiner e os Sons Diferenciais

1.4 Saul Kripke e a Lógica do Nome Próprio

1.5 Claude Lévi-Strauss e a Potência Classificatória da Língua

1.6 A Função do Nome Próprio em Lacan

1.6.1 O Estatuto Lacaniano da Letra e sua Relação com o Nome Próprio

1.6.2 O Nome do Pai como Metáfora

1.6.3 Os Três Tempos do Édipo

Sobre o Nome de Gozo

2.1 Definição e Origem do Conceito em Lacan

2.2 A Topologia do Nome de Gozo

2.3 O Patológico da Nomeação

2.4 A Instância da Letra no Inconsciente

A Função da Nomeação no Último Ensino de Lacan

3.1 O Pai do Nome

3.2 Do Singular ao Plural, ou da Retórica àLógica

3.3 O Pai e a Função Sinthoma

Da Meta-Análise à Marca do Caso

A Escrita Selvagem do Gozo: um Nome à Espera de uma Leitura

5.1 A Substância Gozante

5.2 A História de P

5.3 P. e suas Marcas

5.4 O Neodesencadeamento

5.5 P. e o Real do Nome

5.6 Marcação Corporal: Técnica de Tratamento do Gozo

5.7 Um Apelo àNomeação

Considerações Finais

Referências

ÍNDICE ALFABÉTICO

A

  • Alain Gardiner e os sons diferenciais

B

  • Bertrand Russell e sua palavra para os particulares

C

  • Claude Lévi-Strauss e a potência classificatória da língua
  • Considerações finais

D

  • Definição e origem do conceito em Lacan

E

  • Édipo. Os Três Tempos do Édipo
  • Escrita selvagem do gozo. História de P
  • Escrita selvagem do gozo. Neodesencadeamento
  • Escrita selvagem do gozo. P. e o real do nome
  • Escrita selvagem do gozo. P. e suas marcas
  • Escrita selvagem do gozo. Um apelo à nomeação
  • Escrita selvagem do gozo: um nome à espera de uma leitura
  • Estatuto do nome e sua relação com a marca
  • Estatuto lacaniano da letra e sua relação com o nome próprio

F

  • Função da nomeação no último ensino de Lacan
  • Função do nome próprio em Lacan
  • Função e lógica do nome próprio em Lacan e seus interlocutores

G

  • Gozo. Escrita selvagem do gozo: um nome à espera de uma leitura
  • Gozo. Marcação corporal: técnica de tratamento do gozo
  • Gozo. Nomeações e marcas: um artesanato com o gozo
  • Gozo. Sobre o Nome de Gozo
  • Gozo. Substância gozante
  • Gozo. Topologia do nome de Gozo

I

  • Inconsciente. Instância da letra no inconsciente
  • Instância da letra no inconsciente
  • Introdução

J

  • John Stuart Mill e a noção de marca distintiva

L

  • Lacan. Definição e origem do conceito em Lacan
  • Lacan. Função da nomeação no último ensino de Lacan
  • Lacan. Função do nome próprio em Lacan
  • Lacan. Função e lógica do nome próprio em Lacan e seus interlocutores
  • Leitura. Escrita selvagem do gozo: um nome à espera de uma leitura
  • Letra. Estatuto lacaniano da letra e sua relação com o nome próprio
  • Letra. Instância da letra no inconsciente
  • Linguagem. Claude Lévi-Strauss e a potência classificatória da língua
  • Lógica. Saul Kripke e a lógica do nome próprio
  • Lógica. Singular ao plural, ou da retórica à lógica

M

  • Marca distintiva. John Stuart Mill e a noção de marca distintiva
  • Marca. Estatuto do nome e sua relação com a marca
  • Marca. Meta-análise à marca do caso
  • Marca. Nomeações e marcas: um artesanato com o gozo
  • Marcação corporal: técnica de tratamento do gozo
  • Meta-análise à marca do caso
  • Metáfora. Nome do Pai como metáfora

N

  • Nome do Pai como metáfora
  • Nome próprio. Estatuto lacaniano da letra e sua relação com o nome próprio
  • Nome próprio. Função do nome próprio em Lacan
  • Nome próprio. Função e lógica do nome próprio em Lacan e seus interlocutores
  • Nome próprio. Saul Kripke e a lógica do nome próprio
  • Nome. Estatuto do nome e sua relação com a marca
  • Nome. Função da nomeação no último ensino de Lacan
  • Nome. O Pai do Nome
  • Nome. Sobre o Nome de Gozo
  • Nomeação. Patológico da Nomeação
  • Nomeações e marcas: um artesanato com o gozo

P

  • Pai e a função sinthoma
  • Palavra. Bertrand Russell e sua palavra para os particulares
  • Particular. Bertrand Russell e sua palavra para os particulares
  • Pluralidade. Singular ao plural, ou da retórica à lógica

R

  • Referências
  • Retórica. Singular ao plural, ou da retórica à lógica

S

  • Saul Kripke e a lógica do nome próprio
  • Singular ao plural, ou da retórica à lógica
  • Sinthoma. Pai e a função sinthoma
  • Sobre o Nome de Gozo
  • Som diferencial. Alain Gardiner e os sons diferenciais
  • Substância gozante

T

  • Topologia do nome de Gozo
INDIQUE ESSA OBRA

Indique essa obra para um amigo:

De:

Nome:

E-mail:

Informe apenas 1 email por vez

Para:

Nome:

E-mail:

Informe apenas 1 email por vez


Mensagem: