Immanuel Kant - Idealismo e a Carta da ONU

Eduardo Saldanha e Melanie Merlin de Andrade

Leia na Biblioteca Virtual
Preço:
Parcele em até 6x sem juros no cartão. Parcela mínima de R$ 20,00
FICHA TÉCNICA
Autor(es): Eduardo Saldanha e Melanie Merlin de Andrade
ISBN: 978853621925-7
Acabamento: Brochura
Número de Páginas: 164
Publicado em: 10/03/2008
Área(s): Direito Internacional
CONFIRA TAMBÉM
SINOPSE

As Relações Internacionais são permeadas por debates acalorados sobre o entendimento da realidade internacional, sobre a imagem do mundo em que vivemos. A evolução deste debate culminou com uma perspectiva científica deste objeto de análise, ou seja, uma Teoria para as Relações Internacionais. Certamente, a análise teórica de determinados fenômenos, para ser bem kantiano, pressupõe um referencial teórico, sendo este elemento de importância determinante dos modelos que indicam a verificação da realidade dada e possível.
Como Hobbes, Tucídides, Maquiavel, Karl Marx, Hegel, Montesquieu, entre outros, que influenciaram a formação teórica das Relações Internacionais, Kant também foi determinante dentro da busca pelo entendimento do mundo que nos cerca, influenciando a práxis internacional, como é o caso da criação da Liga das Nações e da Organização das Nações Unidas.
A visão kantiana das relações de conhecimento, da dualidade sujeito-objeto, do alcance da verdade (muito discutível segundo ele), da evitabilidade do erro, do falseamento das percepções, das relações sociais, e principalmente, da natureza do Direito e das relações entre os Estados, são vetores que engendram uma visão de mundo muito específica, essencial para o entendimento de alguns fenômenos, como a Paz, o Direito Internacional e as Organizações Internacionais.
Dessa forma, o presente trabalho busca, a partir de conceitos fundamentais, e sem a pretensão de esgotar o tema, apresentar um exemplo da influência de um autor fundamental para a construção de uma visão idealista da realidade internacional, e este autor chama-se Immanuel Kant.

SUMÁRIO

INTRODUÇÃO

1 - KANT, UM FILÓSOFO "CRÍTICO"

1.1 KANT: O AUTOR

1.2 A FILOSOFIA KANTIANA

1.3 KANT E A FENOMENOLOGIA

1.4 MORAL E VALORES EM KANT

1.5 IMPERATIVOS CATEGÓRICOS E IMPERATIVOS HIPOTÉTICOS

1.6 RELAÇÕES INTERNACIONAIS NA TEORIA DE KANT

2 - À PAZ PERPÉTUA

2.1 HISTÓRICO

2.2 ARTIGOS PRELIMINARES

2.3 ARTIGOS DEFINITIVOS

2.4 ARTIGO SECRETO

2.5 O DIREITO COSMOPOLITA E O DIREITO DAS GENTES

3 - KANT E AS RELAÇÕES INTERNACIONAIS: O IDEALISMO

3.1 WOODROW WILSON: DISCURSO DE APOIO À LIGA DAS NAÇÕES

4 - À PAZ PERPÉTUA E A CARTA DAS NAÇÕES UNIDAS

4.1 CARTA DAS NAÇÕES UNIDAS

4.2 A INFLUÊNCIA DA OBRA "À PAZ PERPÉTUA" DE KANT NA REDAÇÃO E NO ESPÍRITO DA CARTA DAS NAÇÕES UNIDAS

REFERÊNCIAS

ANEXO

ÍNDICE ALFABÉTICO

A

  • À Paz Perpétua.
  • À Paz Perpétua. Artigo secreto.
  • À Paz Perpétua. Artigos definitivos.
  • À Paz Perpétua. Artigos preliminares.
  • À Paz Perpétua. Artigos preliminares: conclusão
  • À Paz Perpétua. Histórico.
  • À Paz Perpétua. Primeiro artigo definitivo: a constituição civil em cada estado deve ser republicana
  • À Paz Perpétua. Primeiro artigo preliminar: não deve considerar-se como válido nenhum tratado de paz que se tenha feito com a reserva secreta de elementos para uma guerra futura.
  • À Paz Perpétua. Quarto artigo preliminar: não se devem emitir dívidas públicas em relação com os assuntos da políticaexterior
  • À Paz Perpétua. Quinto artigo preliminar: nenhum estado deve imiscuirse pela força na constituiçãoe no governo de outro estado.
  • À Paz Perpétua. Segundo artigo definitivo: o direito das gentes deve fundar-se numa federação de estados livres.
  • À Paz Perpétua. Segundo artigo preliminar: nenhum estado independente (grande ou pequeno, aqui tanto faz) poderá ser adquirido por outro mediante herança, troca, compra ou doação
  • À Paz Perpétua. Sexto artigo preliminar: nenhum estado em guerra com outro deve permitir tais hostilidades que tornem impossível a confiança mútua na paz futura, como, por exemplo, o emprego no outro
  • À Paz Perpétua. Terceiro artigo definitivo: o direito cosmopolita deve limitar-se às condições da hospitalidade universal
  • À Paz Perpétua. Terceiro artigo preliminar: os exércitos permanentes (miles perpetus) devem, com o tempo, desaparecer totalmente
  • Anexo. Carta das Nações Unidas

C

  • Carta das Nações Unidas
  • Carta das NaçõesUnidas. Anexo
  • Carta das Nações Unidas. Influência da obra "À Paz Perpétua" de Kant na redação e no espírito daCarta das Nações Unidas.
  • Carta das Nações Unidas. Paz perpétua e a Carta das Nações Unidas
  • Categórico. Imperativos categóricos e imperativos hipotéticos.
  • Conhecimento para Kant.
  • Cosmopolismo. Direito cosmopolita e o direito das gentes
  • Cosmopolismo. Direito cosmopolita.
  • Crítica. Kant, um filósofo "crítico"
  • Criticismo.

D

  • Direito. Imperativos categóricos e o Direito
  • Direito Internacional. Relações internacionais na teoria de Kant
  • Direito cosmopolita
  • Direito cosmopolita e odireito das gentes
  • Direito dasgentes.
  • Direito das gentes. Direito cosmopolita e o direito das gentes

E

  • Empirismo.

F

  • Fenomenologia.
  • Fenomenologia. Kant e fenomenologia
  • Filosofia. Kant: o autor.
  • Filosofia. Kant, umfilósofo "crítico"
  • Filosofia kantiana.
  • Filósofo. Kant: o autor

H

  • Hipotético. Imperativos categóricos e imperativos hipotéticos

I

  • Idealismo. Kant e as relaçõesinternacionais: o idealismo.
  • Imperativos categóricos eimperativos hipotéticos.
  • Imperativos categóricos e o Direito
  • Introdução.

K

  • Kant. À Paz Perpétua.
  • Kant. Filosofia kantiana.
  • Kant. Moral e valores em Kant
  • Kant. Moral kantiana
  • Kant. Relações internacionais na teoria de Kant
  • Kant e as relações internacionais: o idealismo
  • Kant e fenomenologia.
  • Kant: o autor.
  • Kant, um filósofo "crítico"

L

  • Liga das Nações. Woodrow Wilson: discurso de apoio à Liga das Nações

M

  • Moral. Rousseau: "o Newton do mundo moral".
  • Moral e valores em Kant.
  • Moral kantiana.
  • Mundo moral. Rousseau: "o Newton do mundo moral"

N

  • Nações Unidas. Paz perpétua ea Carta das Nações Unidas.
  • Newton. Rousseau: "o Newton do mundo moral".

P

  • Paz perpétua. Influência da obra "À Paz Perpétua" de Kant na redação e no espírito da Carta das Nações Unidas.
  • Paz perpétua e a Cartadas Nações Unidas.

R

  • Racionalismo.
  • Referências.
  • Relações internacionaisna teoria de Kant
  • Relação internacional. Kant e as relações internacionais: o idealismo
  • Rousseau: "o Newtondo mundo moral".

V

  • Valor. Moral e valores em Kant.

W

  • Woodrow Wilson: discurso de apoio à Liga das Nações.
INDIQUE ESSA OBRA

Indique essa obra para um amigo:

De:

Nome:

E-mail:

Informe apenas 1 email por vez

Para:

Nome:

E-mail:

Informe apenas 1 email por vez


Mensagem: