Ação Civil Pública Colaborativa e Direito à Saúde - Uma Proposta de Instrumento Alternativo à Judicialização Individual da Saúde

Lucas Fernandes Calixto

Versão impressa

por R$ 79,90em 3x de R$ 26,63Adicionar ao carrinho

Versão digital

Disponível para:AndroidiOS
por R$ 57,70em 2x de R$ 28,85Adicionar ao carrinho

Ficha técnica

Autor(es): Lucas Fernandes Calixto

ISBN v. impressa: 978655605286-1

ISBN v. digital: 978655605258-8

Acabamento: Brochura

Formato: 15,0x21,0 cm

Peso: 216grs.

Número de páginas: 174

Publicado em: 16/09/2020

Área(s): Direito - Constitucional; Direito - Processual Civil; Internacional

Versão Digital (eBook)

Para leitura em aplicativo exclusivo da Juruá Editora para Smartphones e Tablets rodando iOS e Android. Não compatível KINDLE, LEV, KOBO e outros e-Readers.

Disponível para as plataformas:

  • AndroidAndroid 4 ou posterior
  • iOSiOS 7 ou posterior

Em computadores a leitura é apenas online e sem recursos de favoritos e anotações;
Não permite a impressão e cópia do conteúdo.

Compra apenas via site da Juruá Editora.

Sinopse

A presente obra propõe a criação de um instrumento inovador para o enfrentamento do tema da judicialização da saúde: a Ação Civil Pública Colaborativa. Propõe-se, a partir da base doutrinária dos processos estruturais norte-americanos e do princípio da cooperação, a releitura de diversos institutos do direito processual civil com o fim de conceber ação coletiva que tenha o fim de maximizar e otimizar o direito à saúde. A obra revisita conceitos do direito à saúde, como o de reserva do possível e do mínimo existencial, além de expor nuances do processo coletivo frente ao individual, para, por meio da eleição de uma enfermidade específica (a Atrofia Muscular Espinhal), apresentar roteiro prático e detalhado para utilização da Ação Civil Pública Colaborativa ora proposta.

Autor(es)

LUCAS FERNANDES CALIXTO

Mestre em Direito pela Universidade Federal de Pelotas (UFPEL). Especialista em Direito Público pela Escola da Magistratura Federal do Rio Grande do Sul (UCS/ESMAFE-RS) e em Direito e Processo do Trabalho pelo IMED. Graduado em Direito pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS). Juiz Federal. Foi Analista Processual do Ministério Público da União, Técnico Judiciário do Tribunal Regional do Trabalho da 4ª Região e Técnico Administrativo do MPU.

Porque comprar

A abordagem de uma nova formatação de processo, em especial em tempos atuais de verdadeira crise sanitária, é um motivo bastante relevante para a aquisição da obra. Os operadores do direito, ademais, clamam por uma urgente solução para a crise da judicialização da saúde, o que pode ser, em certa medida, respondida pela obra. Ademais, serve como um bom complemento em cursos de pós-graduação, até como forma de um estudo aprofundado dos processos estruturais norte-americanos.

Sumário

1 INTRODUÇÃO, p. 9

2 A SAÚDE COMO DIREITO FUNDAMENTAL SOCIAL, p. 13

2.1 DA PASSAGEM DO ESTADO LIBERAL AO ESTADO SOCIAL, p. 13

2.2 O DIREITO À SAÚDE: UM DIREITO SOCIAL EXIGÍVEL DE MATRIZ CONSTITUCIONAL, p. 21

2.2.1 O Mínimo Existencial como Garante Mínimo de Direitos, p. 30

2.2.2 A Reserva do Possível como Limitador de Direitos Sociais, p. 40

2.3 O MÍNIMO EXISTENCIAL E A RESERVA DO POSSÍVEL: INTER-RELAÇÃO CRÍTICA E CONCLUSÕES APLICÁVEIS AO DIREITO À SAÚDE, p. 49

3 A AÇÃO CIVIL PÚBLICA COMO INSTRUMENTO DE EFETIVAÇÃO DE DIREITOS, p. 57

3.1 PROCESSO E EVOLUÇÃO: DAS FASES METODOLÓGICAS DO PROCESSO CIVIL À PASSAGEM DO PROCESSO INDIVIDUALISTA AO PROCESSO COLETIVO, p. 57

3.2 O OBJETO DO PROCESSO COLETIVO: OS DIREITOS DIFUSOS, COLETIVOS E INDIVIDUAIS HOMOGÊNEOS E A SUA RELEITURA SOCIOLÓGICA, p. 66

3.3 NOTAS DISTINTIVAS DO PROCESSO COLETIVO EM RELAÇÃO AO PROCESSO INDIVIDUAL E SUA APLICABILIDADE NA ACP COLABORATIVA, p. 79

3.4 O PROCESSO COLETIVO A SERVIÇO DA MAXIMIZAÇÃO DOS DIREITOS SOCIAIS: O USO DA AÇÃO CIVIL PÚBLICA EM MATÉRIA DE SAÚDE, p. 94

4 AÇÃO CIVIL PÚBLICA COLABORATIVA, p. 103

4.1 DO PROCESSO ESTRUTURAL: BREVES COMENTÁRIOS, p. 103

4.2 DO PRINCÍPIO DA COOPERAÇÃO E SUA INCIDÊNCIA NA ACP COLABORATIVA, p. 118

4.3 PROPOSIÇÃO DE UM MODELO, p. 135

5 CONSIDERAÇÕES FINAIS, p. 153

REFERÊNCIAS, p. 159

Índice alfabético

A

  • Ação civil pública colaborativa, p. 103
  • Ação civil pública como instrumento de efetivação de direitos, p. 57
  • Ação civil pública. Princípio da cooperação e sua incidência na ACP colaborativa, p. 118
  • Ação civil pública. Processo coletivo a serviço da maximização dos direitos sociais: o uso da ação civil pública em matéria de saúde, p. 94

C

  • Colaboração. Ação civil pública colaborativa, p. 103
  • Colaboração. Notas distintivas do processo coletivo em relação ao processo individual e sua aplicabilidade na ACP colaborativa, p. 79
  • Considerações finais, p. 153
  • Constitucional. Direito à saúde: um direito social exigível de matriz constitucional, p. 21
  • Cooperação. Princípio da cooperação e sua incidência na ACP colaborativa, p. 118

D

  • Direito à saúde. Mínimo existencial e a reserva do possível: inter-relação crítica e conclusões aplicáveis ao direito à saúde, p. 49
  • Direito à saúde: um direito social exigível de matriz constitucional, p. 21
  • Direito fundamental social. Saúde, p. 13
  • Direito social. Direito à saúde: um direito social exigível de matriz constitucional, p. 21
  • Direitos coletivos. Objeto do processo coletivo: os direitos difusos, coletivos e individuais homogêneos e a sua releitura sociológica, p. 66
  • Direitos difusos. Objeto do processo coletivo: os direitos difusos, coletivos e individuais homogêneos e a sua releitura sociológica, p. 66
  • Direitos individuais. Objeto do processo coletivo: os direitos difusos, coletivos e individuais homogêneos e a sua releitura sociológica, p. 66
  • Direitos sociais. Reserva do possível como limitador de direitos sociais, p. 40

E

  • Efetivação de direitos. Ação civil pública como instrumento de efetivação de direitos, p. 57
  • Estado liberal. Passagem do Estado liberal ao Estado social, p. 13
  • Estado social. Passagem do Estado liberal ao Estado social, p. 13
  • Evolução. Processo e evolução: das fases metodológicas do processo civil à passagem do processo individualista ao processo coletivo, p. 57

G

  • Garantia de direitos. Mínimo existencial como garante mínimo de direitos, p. 30

I

  • Introdução, p. 9

M

  • Metodologia. Processo e evolução: das fases metodológicas do processo civil à passagem do processo individualista ao processo coletivo, p. 57
  • Mínimo existencial como garante mínimo de direitos, p. 30
  • Mínimo existencial e a reserva do possível: inter-relação crítica e conclusões aplicáveis ao direito à saúde, p. 49
  • Modelo. Proposição de um modelo, p. 135

N

  • Notas distintivas do processo coletivo em relação ao processo individual e sua aplicabilidade na ACP colaborativa, p. 79

O

  • Objeto do processo coletivo: os direitos difusos, coletivos e individuais homogêneos e a sua releitura sociológica, p. 66

P

  • Passagem do Estado liberal ao Estado social, p. 13
  • Princípio da cooperação e sua incidência na ACP colaborativa, p. 118
  • Processo civil. Processo e evolução: das fases metodológicas do processo civil à passagem do processo individualista ao processo coletivo, p. 57
  • Processo coletivo. Notas distintivas do processo coletivo em relação ao processo individual e sua aplicabilidade na ACP colaborativa, p. 79
  • Processo coletivo. Objeto do processo coletivo: os direitos difusos, coletivos e individuais homogêneos e a sua releitura sociológica, p. 66
  • Processo coletivo. Processo e evolução: das fases metodológicas do processo civil à passagem do processo individualista ao processo coletivo, p. 57
  • Processo e evolução: das fases metodológicas do processo civil à passagem do processo individualista ao processo coletivo, p. 57
  • Processo estrutural: breves comentários, p. 103
  • Processo individual. Notas distintivas do processo coletivo em relação ao processo individual e sua aplicabilidade na ACP colaborativa, p. 79
  • Processo individualista. Processo e evolução: das fases metodológicas do processo civil à passagem do processo individualista ao processo coletivo, p. 57
  • Proposição de um modelo, p. 135

R

  • Referências, p. 159
  • Reserva do possível como limitador de direitos sociais, p. 40
  • Reserva do possível. Mínimo existencial e a reserva do possível: inter-relação crítica e conclusões aplicáveis ao direito à saúde, p. 49

S

  • Saúde como direito fundamental social, p. 13
  • Saúde. Direito à saúde: um direito social exigível de matriz constitucional, p. 21
  • Saúde. Mínimo existencial e a reserva do possível: inter-relação crítica e conclusões aplicáveis ao direito à saúde, p. 49
  • Sociologia. Objeto do processo coletivo: os direitos difusos, coletivos e individuais homogêneos e a sua releitura sociológica, p. 66

Recomendações

Capa do livro: Direito Constitucional Europeu, Coordenadores: Eduardo Biacchi Gomes e Tarcísio Hardman Reis

Direito Constitucional Europeu

 Coordenadores: Eduardo Biacchi Gomes e Tarcísio Hardman ReisISBN: 853621057-5Páginas: 384Publicado em: 25/08/2005

Versão impressa

R$ 109,90em 4x de R$ 27,48Adicionar ao
carrinho
Capa do livro: Value Added Tax - The European Model and the Perspectives of Legislative, Eduardo Saldanha

Value Added Tax - The European Model and the Perspectives of Legislative

 Eduardo SaldanhaISBN: 978853621983-7Páginas: 174Publicado em: 13/05/2008

Versão impressa

R$ 69,90em 2x de R$ 34,95Adicionar ao
carrinho

Versão digital

R$ 49,90 Adicionar eBook
ao carrinho
Capa do livro: Discricionariedade Política do Poder Judiciário, Eduardo Appio

Discricionariedade Política do Poder Judiciário

 Eduardo AppioISBN: 853621136-9Páginas: 176Publicado em: 26/12/2005

Versão impressa

R$ 69,90em 2x de R$ 34,95Adicionar ao
carrinho
Capa do livro: Efeito Vinculante & Declaração Incidental de Inconstitucionalidade, Daniel Bijos Faidiga

Efeito Vinculante & Declaração Incidental de Inconstitucionalidade

 Daniel Bijos FaidigaISBN: 978853622428-2Páginas: 200Publicado em: 27/03/2009

Versão impressa

R$ 59,90em 2x de R$ 29,95Adicionar ao
carrinho