Inquisição Espanhola e seu Processo Criminal - As Instruções de Torquemada e Valdés

Mauro Fonseca Andrade

Leia na Biblioteca Virtual
FICHA TÉCNICA
Autor(es): Mauro Fonseca Andrade
ISBN: 853621183-0
Acabamento: Brochura
Número de Páginas: 132
Publicado em: 26/04/2006
Área(s): Direito - Filosofia do Direito; Direito Penal; Direito Processual Penal; Literatura e Cultura - Política, História e Filosofia
CONFIRA TAMBÉM
SINOPSE

Muito já se escreveu sobre a Inquisição Católica, mas raramente encontramos no mercado editorial algum documento que verdadeiramente demonstre como ela foi regulamentada. Portanto, é com o propósito de suprir essa lacuna que o autor apresenta a tradução dos dois principais documentos que disciplinaram a Inquisição Espanhola, tida como a mais violenta entre as que já existiram.

Ao analisá-los, curiosamente se vê que a Inquisição Espanhola contrariou todas as descrições que existem em torno de como era regulado o processo punitivo da Inquisição Católica, pois suas Instruções prevêm um Juiz que não podia acusar e tampouco produzir prova contra o réu acusado de heresia. Além disso, também concederam a titularidade da ação penal a um Ministério Público criado ainda na Idade Média, e exigiam a presença de uma figura que bem pode ser apontada como o antecedente mais remoto do Defensor Público.

Em suma, o presente trabalho se mostra como um importante instrumento que em muito auxiliará os profissionais do Direito e de História a romperem com os mitos e preconceitos que envolvem o estudo da Inquisição Católica.

AUTOR(ES)

Mauro Fonseca Andrade é Promotor de Justiça do Rio Grande do Sul; Doutor em Direito Processual pela Universidad de Barcelona; Livro publicado: Ministério Público e sua Investigação Criminal, 2001 (esgotado).

SUMÁRIO

Nota Introdutória

Instruções de Tomás de Torquemada

Instruções de Fernando de Valdés

INDIQUE ESSA OBRA

Indique essa obra para um amigo:

De:

Nome:

E-mail:

Informe apenas 1 email por vez

Para:

Nome:

E-mail:

Informe apenas 1 email por vez


Mensagem: